7 dicas para rotular seus oponentes

10
95

SAMSUNG

De acordo com o princípio 3 da arte da guerra política (“o agressor geralmente prevalece”), um diferencial é saber rotular o seu oponente da maneira mais adequada. Aqui vão algumas diretrizes para que suas rotulagens funcionem a contento.

1. Considere os outros princípios da guerra política

Os princípios, neste caso, são os que você já deve conhecer se frequenta este blog há algum tempo: política é guerra de posição, que é conquistada através de símbolos de medo e esperança, e com a vitória ficando do lado do povo.

Portanto, quando for escolher ou propagar um rótulo para seu oponente, entenda que posição está sendo ocupada, e se um grau adequado de medo está sendo lançado sobre o adversário e de forma que seu público possa entender e perceber essa rotulagem como importante.

Por exemplo, o PT rotulou Aécio Neves de “desaprovado em seu estado” e “agressivo com as mulheres”, pois sabia que eram posições importantes a serem disputadas. O primeiro rótulo atacava um argumento de venda de Aécio (que se definia como “o governador mais aprovado nas últimas pesquisas sobre desempenho”) e o segundo ajudava a macular sua imagem diante das mulheres.

Claro que todas as oportunidades de rótulos devem ser aproveitadas, mas é conveniente escolher e priorizar os mais efetivos.

2. Não faça o serviço de seu adversário 

Alguns de nós tem uma mania bizarra de dizer coisas como: “o adversário fez coisas boas, nas quais darei sequência, e também fez coisas ruins, que arrumarei”. Me desculpe, mas essa é uma estratégia de losers.

Não é sua obrigação apontar os pontos positivos de seu oponente, mas atacá-lo e mostrar-se como superior em todos os pontos de combate. Se há pontos positivos no seu adversário que você não pode igualar, ignore esses pontos. Enfim, não é o seu trabalho mencionar méritos do adversário. Esse é o serviço dele.

Alguém é capaz de lembrar que pontos positivos o PT apontou em qualquer governo tucano? Eis os fatos: eles jamais faziam o serviço de seus adversários. E o serviço não é elogiar o oponente, mas desconstruí-lo.

3. Repetição é a chave  

Como já falamos anteriormente, rotule o oponente em todas as oportunidades, mas na hora de definir repetições (ou seja, a recorrência de um rótulo em grandes quantidades) procure os pontos mais importantes, e, aí, insira o rótulo sempre que for possível.

Após ter ganho as eleições, o PT chamou os adversários de golpistas tantas, mas tantas vezes que conseguiu mitigar boa parte das manifestações de oposição.

4. Aponte, sempre que cabível, a intenção maléfica do oponente

Há uma diferença gritante entre cometer um equívoco e agir deliberadamente para prejudicar a vida das pessoas. O PT sempre rotula seus oponentes como pessoas comprometidas com a destruição das conquistas sociais, com a valorização dos banqueiros e com o sofrimento dos desfavorecidos.

Observe com atenção: eles não dizem que seus oponentes são “pessoas enganadas”, mas pessoas com intenção de causar o mal. Porém, eles quase sempre mentem quando fazem isso. Lembre-se de quando eles afirmaram que  “Marina governaria para os banqueiros, com a intenção de tirar a comida da mesa do povo”.

Por outro lado, toda a má intenção petista é quase sempre ignorada quando nós os rotulamos. Muitos escolhem chamar os petistas de “incompetentes”, quando na verdade eles são comprometidos com o agravamento da miséria, com a destruição de nossa economia, com o saqueamento estatal e daí por diante.

Enfim, não basta rotular, mas sim apontar, caso cabível, a intenção maléfica de seu oponente. Como em todos os princípios até aqui, isso é o que o PT faz com talento invejável (mesmo mentindo), enquanto seus adversários não fazem (e poderiam, moralmente, fazê-lo).

5. Polarize já 

Pense em um pêndulo e em todas as duplas de rotulagens (positivas para você, negativas para o oponente) que o coloquem em pólos opostos em relação ao oponente.

Eu lembro das campanha de TV do PT que não raro começavam dizendo que “o que está em jogo é…”. A partir daí, eles usavam duplas de rótulos, mostrando-se do lado do povo, enquanto o oponente era o inimigo. Uns queriam a justiça social, e outros queriam os banqueiros. E assim, sucessivamente, como se fosse um pêndulo.

É por esta escala que você deve dominar a arte da polarização.

6. A agressividade está nos rótulos ao invés de nas demandas

Não é raro vermos alguns do nosso lado pedindo coisas como “anulação de eleições” e até “intervenção militar”. Essas são demandas, o que não tem nada a ver com rotulagens.

Aliás, as demandas agressivas facilitam a vida do seu oponente em te rotular. Com demandas desse tipo, o PT automaticamente usa o rótulo “golpista” contra os adversários.

Na verdade, as demandas devem ser suaves e planejadas de acordo com o que for mais palatável para o momento. Por exemplo, ao invés de pedir “anulação das eleições” que tal pedir “transparência dos votos”? A partir daí o argumento seria o seguinte: “Sempre existe tensão desnecessária, pois os cidadãos não conseguem visualizar uma versão física de seus votos. Para evitar esse tipo de justa preocupação, é preciso criar um método mais seguro, que combine tecnologia com a validação física.”

Com certeza, esta é uma demanda muito mais “light” que “anulação das eleições”.

Mas aí na hora de rotular o oponente você pode ser agressivo no limite da lei. Termos como “golpistas”, “aproveitadores”, “sicários do poder”, “elitistas” e outros estão liberados.

Enfim, na hora de criar suas demandas, toque sob o ritmo da valsa. Na hora de rotular, toque no ritmo do heavy metal.

7. Não durma no ponto  

Por fim, temos o óbvio: fiquem acordados. É importante lembrar dessa mania que alguns de nós tem de dormir no ponto.

Nas eleições, foi agoniante ver os tucanos sempre esperando os petistas os rotularem, para que posteriormente surgisse uma defesa, e talvez a rotulagem de retorno.

Isso significa viver na defensiva, que é outra estratégia digna de perdedores.

Aliás, as oportunidades de rotulagens hoje são muito mais vastas para aproveitamento da oposição do que da situação.  A capacidade do PT em rotular primeiro seus oponentes só é explicado por um fato: do nosso lado, tem gente dormindo no ponto.

Então não há algo para dizer quanto a esse princípio que não lembrar que já passou da hora de ficarmos acordados na hora certa.

Anúncios

10 COMMENTS

  1. Excelente análise. Mostra como a oposição tem errado ao se posicionar contra o pt e suas linhas auxiliares, todas elas intelectualmente fracas e moralmente podres, mas com um domínio das técnicas de briga de rua de dar inveja a qualquer político.

    E deixa outra pergunta no ar: o que andam lendo os líderes da oposição? se não entendem nem com uma explicação tão detalhada, só resta uma opção: a oposição simplesmente não quer ganhar. Poderiam, pelo menos, aparecer em fóruns como este para mostrar sua discordância, é parte do papel da oposição também apresentar suas idéias.

  2. Interessantíssimo, Luciano. Gostaria de comentar dois em específico:

    2. Não faça o serviço de seu adversário
    Vi o Aécio, mais na fase inicial das eleições do que pro final, elogiando “os programas sociais” do PT. Na reta final ele deixava claro que não ia acabar com o Bolsa Família e sim completar.
    O que acha que ele deveria ter falado?
    Por exemplo, apontado ERROS do Bolsa Família, erros para os beneficiados pelo programa, e dito que iria consertá-los?
    Ou o jeito que ele fez foi o melhor?

    3. Repetição é a chave
    Li uma vez uma técnica de manipulação de mentes, dizendo que se você quer que alguém acredite em uma história irreal, conte pra ela uma vez sugerindo que ela conheça. Depois de um tempo, conte de novo, mas acrescente detalhes. E repita o processo mais uma vez. Na quarta vez, a pessoa já “se lembrará” da história.

  3. Pois é, Luciano, utilizei essas táticas, principalmente as de número 3 e 4, quando respondi a um petralha da vida que ficou irritadinho com meu texto sobre comunismo.

    Texto original (um pouco diferente do que postei aqui dias atrás):

    “A principal questão sobre a política nacional não é de natureza administrativa ou legal, mas ideológica: O Foro de São Paulo, o PT e os demais partidos de esquerda são comprovadamente organizações de ideologia comunista (que alguns chamam de socialismo ou bolivarianismo). E o único objetivo do comunismo, por trás de um discurso alternativo e unificador da sociedade sem classes, é a aniquilação, pelo processo revolucionário, da civilização ocidental e suas bases, quais sejam, Deus, a família e a propriedade. Isso está documentado. Tanto é que o comunismo conduziu ao totalitarismo e a mais de 100.000.000 (isso mesmo, cem milhões) de mortos em vários países do mundo no século vinte, pela miséria, doença, tortura e assassinato. Ou seja, o comunismo e suas vertentes destruíram e mataram muito mais do que qualquer outra ideologia na história humana. Assim sendo, fica óbvio porque se percebe a promoção do ateísmo teofóbico, o estímulo à dissolução da família e o ataque à propriedade, bem como o consumo de drogas, a glorificação dos criminosos e a valorização da parafilia, entre outras coisas. Tudo revestido por uma capa de falsa ciência, duvidosa moralidade, pretensa legalidade e pseudo igualdade. Enfim, lobos em pele de cordeiros!”

    Comentário petralha

    “No ano do jubileu da Rainha Vitória, 50.000.000 milhões de indianos morreram de fome pois foram proibidos de plantar a agricultura tradicional e obrigados a plantar índigo. Você deveria ler a história da India, do Paquistaão, e de todos os países dominados pelo império britânico. Lei e pare de escrever sem base. Caso não saiba os maiores consumidores de drogas ilícitas são EUA, e UE.”

    Minha resposta:

    1-100 milhões é maior que 50 milhões, portanto o comunismo é numericamente a maior ideologia assassina;
    2-Ser a “maior” não quer dizer que seja a “única”, isto é, existem ideologias “menores” também assassinas;
    3-Essas mortes da Índia foram no século 19, não no século 20, como eu disse;
    4-A ideologia comunista se manifesta através do processo revolucionário, tanto através de golpes de estado, como pela criação ou promoção (do que já existia) de “inocentes” mudanças culturais e de valores, como os que eu citei;;
    5-Os EUA e a UE, lugares em que vivem pessoas de todo o mundo, incluindo aqueles de pensamentos totalitários e afins, são o núcleo da civilização ocidental e é óbvio que seriam o alvo dos comunistas.

    Novo comentário petralha, já admitindo a cacáca da ideologia comunista em algum grau, mas com as mesmas argumentações prontas e clichês da esquerda, como a “justiça social”, etc. É questão de tempo os militantes perceberem que o núcleo da esquerda internacional não mudou. A esquerda só se disfarçou e mudou de nome e endereço. Os militantes histéricos é que foram ludibriados. Já a liderança psicopata não tem jeito.

    Que o trabalhador tenha justa paga pelo seu trabalho, que todos tenham acesso a alimentação, saúde, educação e moradia, que todos possam ter, de acordo com os seus ganhos, acesso aos bens de consumo e conforto. É o que propugna a política do PT. Isso não é comunismo, é trabalhismo, é inspirado justamente no poderoso trabalhismo inglês, ou eles são comunistas também ?. Claro que tais coisas são impossíveis com um salário de 80 dólares. Quanto ao núcleo da civilização, não discordo, mas pergunto, que civilização ? A do arrocho sobre os vuneráveis ? A criadora de tecnologias que em nada serve ao povo, que cria gigantescas corporações de papel. ? Quanto a crise dos valores familiares, quem a arquiteta é a TV brasileira, com destaque para a Globo, basta assitir suas produções ou aos seriados vindos do núcleo da civilização, Se os comunistas tivessem esse projeto, perderam, seu lugar já foi tomado. Eduardo, Feliz Ano

    Enfim, não ofendi diretamente os líderes nem os militantes, isto é, não ataquei pessoas diretamente, mas ataquei a ideologia comunista, atribuindo aos seus seguidores, conscientes ou não, as mesmas mazelas. Fiz um ataque indireto. E parece que funcionou.

Deixe uma resposta