Eduardo Guimarães entrega um truque que o PT usará para censura de mídia

11
70

eduardoguima

A BLOSTA serve para muitas coisas, inclusive para gerar conteúdo de campanha governista, testar esse conteúdo (a partir de reação a posts, por exemplo) e daí incorporar esse conteúdo à campanha oficial. Os “shares” para as matérias da BLOSTA fazem parte do serviço. Tudo bancado com dinheiro estatal superfaturado (pois como Fernando Rodrigues demonstrou, o governo paga 10 vezes mais por uma visualização nos sites governistas do que nos demais sites).

Há outra utilidade para a BLOSTA: discutir estratégias entre os militantes e obter feedback. Como efeito colateral, com isso descobrimos de forma antecipada os planos governistas. (Ou vocês acham que eu leio o conteúdo da BLOSTA por masoquismo?)

Veja um trecho do texto O plano do governo Dilma para regular a mídia, publicado no Blog da Cidadania, que confessa muita coisa:

[…] o governo tem um plano. Ou diz que tem. Basicamente, seria envolver a sociedade civil com a proposta de regulação ECONÔMICA da mídia. […]

O que se planeja é uma regulação econômica da mídia, ou seja, tratar a comunicação como qualquer outro setor da economia, impedindo a formação de oligopólios (controle de poucos sobre um segmento de mercado). Nesse aspecto, poderia se estender ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) a tarefa de impedir oligopólios no setor de comunicação assim como o órgão faz em qualquer outro setor da economia.

Mas como, se metade dos parlamentares do Congresso Nacional detém propriedade de meios de comunicação eletrônicos, sobretudo rádios e tevês? Como conseguir maioria entre políticos que dependem de controlar meios de comunicação em seus Estados para se manterem politicamente fortes?

O plano do governo é simples: discutir a regulação econômica da mídia com a sociedade em fóruns oficiais criados para esse fim.

Todavia, já houve, no fim do governo Lula, uma Conferência Nacional de Comunicação, a Confecom, da qual este blogueiro participou como delegado por São Paulo. Porém, após dias discutindo a regulação da mídia, aquilo tudo deu em nada. Dilma assumiu em 2011 acreditando que poderia se compor com a mídia e deixou os trabalhos da Confecom engavetados.

O detalhe é que a petista Renata Mielli já havia confessado há mais de um mês que falar em “regulação econômica” não passava de um engodo para esconder as reais intenções do governo. E eu já havia demonstrado há uns 2-3 meses que regulação econômica sempre é regulação de conteúdo.

Enfim, já sabemos como funciona o embuste, mas ainda temos a estratégia, que, conforme confessa Guimarães (que é muito próximo à turma de censores do PT), é muito simples.

Ei-la: para disfarçar, eles chamarão seus coletivos não-eleitos, ou seja, a turminha de sempre: OAB, UNE, MST, CUT e outros na linha. Eles, como sói ocorre nesses casos, se auto-definirão como “a sociedade”, e, portanto, virão com uma proposta dizendo que “é um pedido espontâneo” da sociedade.

Sim, eu sei que o cinismo de Guimarães e do governo é imundo até dizer chega para fazer uma armação deste nível à luz do dia. Resta saber se com essa confissão tão explícita alguém ainda vai cair no truque.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Xiii, Mijado Bobalhães… não deu. Tenta outro. Esse papinho de CADE, de regulação econômica, de tirar dos Marinho e Civita, não funcionou. Não acreditamos. Se reúne com a sua turminha e pensem na próxima bosta que vão dizer.
    Rui Cuzão foi bem ruim quando tentou defender, dizendo que não haveria “regulação de conteúdo”, mas sim (aí ele se entregou) que o governo decidiria quais assuntos são de relevância pra população e quais não. HA HA. Então, se eu escrevo uma matéria descascando a banana em cima do PT, eles não vão mexer no conteúdo dela, mas dirão que o assunto é irrelevante, portanto, não deve ser publicado.
    Qual local publicou essa explicação tão bem feita do Rui Cuzão? Uol, aquele portal nojento, lembrado apenas por ter um bate papo pornográfico e cheio de vírus, de visual ultrapassado, feio, sem prestígio, CHAPA BRANQUÍSSIMA, branca como neve.

      • Mas que caralho vão contar num filme sobre um maluco feio pra caralho, que participou do reality show mais ridicularizado de todos os tempos (de uma emissora cuja qual sua turma adora dizer que é a maior vilã do país), que recebeu 1 milhão (da mesma emissora vilã) e fez o quê com isso que não doou para os pobres já que ele é de um partido socialista?
        Que virou deputado e não fez nada de relevante, nem mesmo pelos homossexuais – veio aí com um projetinho de legalizar maconha (coisa que, assim como o Ayan, também sou a favor) que não deu em bosta nenhuma.
        Valei-me, mas, até um filme sobre a Zilma seria menos piorzinho.

  2. Depois da vitória apertada na última eleição, é visível o esforço e a insistência do governo em encontrar meios de subverter o sistema democrático. Depois de três eleições relativamente tranquilas, eles chegam à conclusão que não dispõem mais do apoio que recebiam, que uma parcela cada vez maior da população não acredita mais nas mentiras e armações dessa gestão, que ficam cada vez mais evidentes.

    Dois dias depois da reeleição tentaram, na calada da noite, aprovar o decreto 8243/2014. Agora falam em regulação “econômica” da mídia. Tem gente aí defendendo a desmilitarização da PM. Dilma já falou sobre a possibilidade de a união intervir na segurança pública, hoje atribuição dos estados. Tudo isso só demonstra a sanha incansável desse partido-governo para adquirir mais e mais poder. Qual vai ser a próxima presepada dessa turma? Passar por cima da constituição e fazer como o “companhêro” Chavez fez na Venezuela e instituir milícias paramilitares para apoiar a “revolução”? Ou será que vem aí o ministério de igualdade sexual? As apostas estão abertas…

    Quanto a movimentos sociais se passando pela população, no meu blog escrevi sobre o decreto 8243. Pra quem quiser dar uma conferida:

    http://minoriadeum.blogspot.com.br/2014/11/quatro-pernas-bom-duas-pernas-melhor.html

  3. Desculpe minha incompetência com o Google, mas não consegui achar o texto citado: “como Fernando Rodrigues demonstrou, o governo paga 10 vezes mais por uma visualização nos sites governistas do que nos demais sites”.

    Se puder, disponibilize o link, por favor. Obrigado.

Deixe uma resposta