Que tal lembrarmos do famoso manual para terroristas feito por Carlos Marighella?

12
223

marighella

Mesmo em momentos sombrios, podemos nos divertir. Aliás, devemos. E se você quiser se divertir, que tal um experimento?

Basta puxar conversa com um bolivariano qualquer (hoje todos os socialistas puristas do Brasil são bolivarianos) e faça qualquer crítica ao famoso terrorista brasileiro Carlos Marighella, morto em 4 de novembro de 1969. É o suficiente para você vê-los estrebuchar, como os personagens possuídos de filmes como O Exorcista, O Ritual e O Exorcismo de Emily Rose.

Para entender o problema da “beatificação” de Marighella pela extrema-esquerda brasileira, vamos rever um ótimo texto de dezembro de 2013, de José Fucs, intitulado A patética beatificação de Marighella:

Uma eleição patética, realizada há poucos dias numa escola pública de Salvador, revela muito da crise de valores que assola o país. Na eleição, concluída na última terça-feira, dia 10, a dita “comunidade” do Colégio Estadual Presidente Emílio Garrastazu Médici, de Salvador, composta em sua maioria por alunos, apoiou a mudança do nome da escola para Colégio Estadual Carlos Marighella, em homenagem ao líder da Ação Libertadora Nacional (ALN), cujo real objetivo, encarado com complacência pelas esquerdas, era implantar a ditadura do proletariado no país.

Marighella, morto em 1969 pelo regime militar, derrotou o geógrafo Milton Santos (1926-2001), que se dedicou ao estudo dos processos de urbanização nos países em desenvolvimento. Agora, o resultado do pleito será encaminhado à Secretaria Estadual de Educação da Bahia e, se depender do apoio do diretor da escola, para quem a mudança representará sua “reinauguração”, ela deverá ser aprovada sem restrições.

Não vou aqui defender o general Emílio Garrastazu Médici (1905-1985), que deixou a tortura correr solta no país durante seu governo (1969-1974) e teve entre seus vassalos o economista Antonio Delfim Netto, hoje venerado pelos esquerdistas de todas as correntes, inclusive pela presidente Dilma Rousseff, ela própria uma ex-terrorista, como Marighela.  Não me alinho com aqueles que aceitam a tortura e a imposição de restrições à democracia, sob qualquer justificativa.

Sei, porém, que muita gente de bem defendeu e defende até hoje o regime representado pelo general Médici, por seus feitos para livrar o Brasil do comunismo e da anarquia existente no seio das Forças Armadas no início dos anos 1960.  A “Revolução de 1964”, a Gloriosa, não foi apenas uma quartelada, como dizem muitos dos opositores ao regime, mas um movimento com amplo apoio social, especialmente na classe média, afetada pela inflação galopante, que roçava os 100% ao ano, e assustada com as ameaças crescentes contra as liberdades democráticas, chamadas de “burguesas” pelos comunistas, e contra a propriedade privada dos meios de produção.

Até consigo entender que o nome de Médici não encha de orgulho os estudantes de Salvador, nem o diretor do colégio em que eles estudam. Agora, daí a escolher  o nome de um guerrilheiro como Marighella, que agia com base na máxima de Maquiavel, segundo a qual “os fins justificavam os meios”, para batizar a escola, há uma longa distância. É difícil aceitar a barbaridade perpetrada pelos pequenos revolucionários soteropolitanos que pretendem “beatificar” Marighella e transformá-lo em exemplo para as futuras gerações.

Entre tantos heróis brasileiros, que lutaram e lutam para fazer do Brasil um país melhor, é frustrante constatar que, para os pimpolhos de Salvador, não havia nome melhor do que o de Marighella para escolher. Poderia ser um cientista, um artista, um empreendedor ou um trabalhador que conseguiu prosperar na vida com o fruto de seu próprio suor. Ou até mesmo o quase desconhecido (ao menos para mim) geógrafo Milton Santos. Mas não. Eles preferiram prestar homenagem ao camarada Marighella, sabe-se lá por inspiração de quem.

Não dá para aceitar também o poder conferido aos adolescentes de Salvador para decidir o nome da escola. Daqui a pouco, qualquer grupelho de alunos adolescentes, num dos rincões do Brasil, vai sugerir o nome de Che Guevara para batizar sua escola. Ou então o de Mao Tsé Tung, o Grande Timoneiro, responsável pela morte de milhões de chineses durante a Revolução Cultural que ele liderou nos anos 1960. De repente, alguém também poderá reivindicar que o Instituto Rio Branco, responsável pela formação dos diplomatas brasileiros, mude de nome porque o Barão do Rio Branco liderou a dizimação de milhares de paraguaios durante a Guerra do Paraguai. Triste do país que tem como herói o senhor Carlos Marighella, ainda mais se seus admiradores forem pouco mais que crianças em processo de desmama.

Eis que no momento em que todos criticam a barbárie praticada contra o Charlie Hebdo, muitos bolivarianos estão tentando se safar, mas já que quiseram homenagear Marighella (sem nenhuma, absolutamente nenhuma desaprovação de qualquer bolivariano), que paguem o preço por isso.

Por exemplo, nada melhor que lembrarmos uma das coisas produzidas por Marighella, seu famoso Manual do Guerrilheiro Urbano, com várias dicas para ações terroristas.

Bem vindo ao lado negro do petismo, psolismo e pcdobismo, do qual eles nunca poderão se safar. É como na música Enter the Dark Side, do Body Count (do Ice-T, que pelo menos está sendo menos hipócrita que a extrema-esquerda atual), falando de pessoas que não conseguem se livrar das trevas às quais se associaram:

Anúncios

12 COMMENTS

  1. Manuais de guerrilhas de Mao e Che sempre foram usados como um exemplo pelos rebeldes e terroristas do Oriente Médio, eles acusam os EUA, mas quem deu treinamento e logística para os terroristas islâmicos foi os soviéticos. A URSS incentivou a revolução no Afeganistão dando aulas de guerrilheiros para boa parte do exército afegão, assim deram um golpe no governo de Mohammed Daoud Khan ( que era aliado soviético, mas estava saindo coleira de influencia de Moscou), implantando uma ditadura socialista, que em pouco tempo com suas “reformas revolucionárias” matou 100 mil pessoas(só aí matou mais que guerra americana), mais tarde descadeou uma guerra que matou mais de 1 milhão.

    • Sim, boicote, mas a merda é que provavelmente ele vai encher tanto os bolsos com o dinheiro do contribuinte via lei Rouanet, que vai cagar e andar se for boicotado.

  2. O governo Lula,só Lula,já indenizou mais de 5 bilhões peara torturados fantasmas das equipes criminosas de Dilma e cia…E as famílias dos militares mortos no período da contra revolução,recebem um salário mínguo! Será que estes novos comandantes defenderá o povo novamente?

  3. Eu faço confusão entre o Marighela e o Lamarca. Eu comi a mulher de um desses dois pois eram côrnos.
    Alias a maioria dos comunas é corno. Enquanto ficam tramando como tomar o poder as suas mulheres de saco cheio com aquele papo estão dando rasgado.

  4. Vale lembrar que esse livreto do assassino Marighella é uma referência para vários grupos terroristas do mundo. Foi usado pelo Baader-Meinhoff alemão, pelas FARC e, segundo consta, até pelo Hezbollah.
    O Brasil, realmente, é um hospício.

Deixe uma resposta