Sempre no duplo padrão bizarro, Pragmatismo Político relativiza terrorismo do governo norte-coreano perguntando: “e se Obama fosse assassinado num filme russo ou chinês?”.

10
136

filme-a-entrevista-coreia-do-norte

Quem vive de duplo padrão, sem um sinalizador ético discutível sob parâmetros racionais, depende o tempo todo do truque da ausência deliberada de senso de proporções, que surge em vários formatos. Veja dois dentre os principais:

  • Se você fez (x), então posso fazer (y); onde aqui geralmente (x) é inventado, ou ampliado
  • Se focê faria (x), então posso fazer (y); e como se fala de uma projeção mental, pode-se inventar o que quiser aqui

Esta é a essência da justificativa endossada pelo site Pragmatismo Político para dar validação moral ao comportamento bizarro do governo norte-coreano de ficar pentelhando os Estados Unidos por causa da comédia “A Entrevista”.

Eles citam uma frase equivocadíssima do diretor do filme Brett Ratner:

Pensemos de outro modo: tudo bem fazer comédias sobre assassinatos de líderes de pequenos países demonizados pelos Estados Unidos. Mas imaginemos se Rússia ou China fizessem um filme sobre o assassinato do presidente norte-americano. Os Estados Unidos não ririam da comédia […] Não há problema enquanto o objetivo for um Estado pequeno que pode ser pego. Quero ver outro país fazer uma comédia sobre nosso presidente. Garanto que pagaria caro.

Rattner, não dê garantias que você não pode cumprir.

No filme Postal, de 2007, não apenas George W. Bush como Osama Bin Laden eram ridicularizados, terminando por morrer na cena final. O diretor de Postal, Uwe Boll, é alemão. Eis o trailer de Postal:

O fato é que nenhum presidente ocidental iria se submeter ao ridículo de retaliar uma piada.

Isso é atitude de tiranetes vivendo em países que eles mesmo amordaçaram. Se existisse uma imprensa livre na Coréia do Norte, Kim Jong-un jamais iria fazer tamanho papelão. Motivo: ele morreria de vergonha e todos fariam troça dele em seu próprio país.

Mais um momento engraçado, vem de um tal James E. Jennings, presidente da organização Consciência Internacional e diretor-executivo da organização Acadêmicos dos Estados Unidos pela Paz (fala sério). Leia:

Não seria a primeira vez que a CIA recorreria a truques sujos para prejudicar um regime que não é de seu agrado ou tentar assassinar um governante estrangeiro. As pessoas têm direito de se mostrarem céticas sobre as acusações do FBI e de questionar a possível participação da CIA no escândalo do filme The Interview, afirmou Jennings.

Agora filmes de comédia, produzidos por empresas privadas, fazem parte de um plano para matar ditadores de outros países.

Haja saco…

Anúncios

10 COMMENTS

  1. “Não seria a primeira vez que a CIA recorreria a truques sujos para prejudicar um regime que não é de seu agrado ou tentar assassinar um governante estrangeiro. As pessoas têm direito de se mostrarem céticas sobre as acusações do FBI e de questionar a possível participação da CIA no escândalo do filme The Interview, afirmou Jennings.”

    Isso me fez lembrar um episódio do South Park:

    https://www.youtube.com/watch?v=XjrZj3GXjoA

    Neste vídeo o Bush (que foi bastante satirizado pelo desenho -assim como Obama-) diz que o 11 de Setembro foi provocado pelo governo americano, com o objetivo de invadir outros países e roubar o petróleo deles (parece até matéria de um pragmatismo político da vida :D).
    No final se descobre que o governo é quem cria e financia as tais teorias da conspiração, pois 1/4 da população americana é retardada e gosta de acreditar em teorias da conspiração (parece até que o desenho está falando sobre a relação do governo brasileiro com blogs chapas-branca e os militontos).

    http://en.wikipedia.org/wiki/Mystery_of_the_Urinal_Deuce

    Se tivesse “nascido” nos EUA, não tenho dúvidas que pragmatismo político seria o portal voltado para 1/4 da população americana.

    • A propósito, vale lembrar a turma do pragmastimso político e cia que o ônus da prova cabe a quem acusa.Se eles alegam participação daCIA ou FBI, logo tem de mostrar provas disso.

  2. Parece que o pessoal do Paquistão riu bastante do Bush:

    http://noticias.uol.com.br/ultnot/2006/03/15/ult26u21146.jhtm

    Curioso é que nos EUA têm filmes e games (o filme Postal é inspirado em um game do mesmo nome) onde o próprio presidente pode ser zombado e até morto.Enquanto isso na “democrática” Coréia do Norte:

    http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2014/08/1508456-na-coreia-do-norte-ver-filme-dos-eua-leva-a-pena-capital.shtml

    Esperando a ginástica do Pragmastismo Político (ou qualquer outro lixo pró-governo) sobre essa notícia:

    http://www.dw.de/coreia-do-norte-compara-obama-a-macaco/a-18153715

    • Cadê os militontos do PC do B pra fazerem, pelo menos simbolicamente, o mesmo que fizeram com a torcedora do Grêmio quando ela, junto com o grosso da torcida, chamou o Aranha de macaco?

  3. Há mais de dois mil presidentes fictícios dos EUA, e boa parte deles morre ou está envolvido em complôs sujos. Veja alguns:
    -Revista “National Lampoon” (1980): A presidente dos EUA se chama Rose Ambrose – Ela se elege vice-presidente, e faz sexo com o presidente até ele ter um ataque cardíaco, e toma o poder. Um mês depois de assumir, ao andar na rua, ela é baleada com 1500 tiros, mas um atirador solitário russo é responsabilizado.
    -Filme “Whoops Apocalypse” (1986) – A presidente dos EUA se chama Barbara Jacqueline Adams. Ela é casada com o dono de uma fábrica de armas, e inicia a Terceira Guerra mundial, para seu marido lucrar.
    -Jogo Shattered Union (2005) – O presidente dos EUA se chama David Jefferson Adams, que conseguiu se eleger por meio de fraude eleitoral. Ele morre no dia da posse, pois uma bomba atômica é detonada em Washington DC, e inicia a 2ª Guerra Civil americana.
    -Série de TV Jack & Bobby (2004) – O presidente dos EUA se chama Adler. Ele é preso pelas forças armadas da Finlândia ao visitar o país, e é condenado em um tribunal internacional por crimes de guerra.
    -Filme Megiddo: O código Omega II (1999) – O presidente dos EUA se chama David Alexander. Ele é irmão do Anticristo e seu objetivo é implementar todas as ordens dele. Ele conseguiu se tornar presidente após a morte misteriosa do antecessor.
    -Romance “Ato de traição”, de Vince Flynn (2006) – O presidente dos EUA se chama Josh Alexander. Durante as eleições presidenciais, ele manda matar sua própria mulher para obter popularidade, e manda sequestrar e matar o assassino. Após a eleição, seu oponente é assassinado por envenenamento pelo diretor da CIA. O presidente Josh permite a atuação de uma célula Al-Qaeda, que sequestra o diretor da CIA, que é dado por desaparecido.
    -Livro The Illuminati, Larry Burkett (1991) – A presidente dos EUA se chama Kathy Alton. Ela é vaidosa, e morre eletrocutada ao deixar o secador de cabelo cair na Banheira.
    —–Enfim, a lista é muito, mas muito, muito longa.
    Só a quantidade de pastores americanos que dizem que Barack Obama é o anticristo, deve ser maior do que a soma de todos os opositores.políticos que existem na China.

  4. Já se produziu MUITO material ridicularizando BUsh, e NADA aconteceu, pous os Estados Unidos são uma DEMOCRACIA com IMPRENSA LIVRE.
    Vai se informar melhor, pragmatismo neolítico!

  5. Minha nossa, qualquer CRIANÇA de ensino fundamental consegue perceber que as comparações desses imbecis não fazem um pingo de sentido. Mas então aparecem as diversas organizações criadas por esquerdistas fanáticos unicamente para atacar seu próprio país e dar razão para regimes genocidas e totalitários ao redor do mundo para dizer que fazer um filme de comédia vai “matar um governante”.

  6. Ê chororô. O desenho dos Simpsons vive satirizando os líderes dos EUA e o modo de vida americano. E é produzido dentro dos próprios EUA. Esse choramingo vem de brasileiros, obviamente, os quais choramingaram quando os Simpsons fizeram o episódio sobre o Rio de Janeiro (do qual eu ri, por sinal). Tem que ser muito gênio pra saber reconhecer uma piada? Poxa… devo ser muito gênio então.

  7. Haja saco²
    Existem várias mídias satirizando morte de presidentes americanos, onde um deles que eu particularmente gosto muito é a HQ da Marvel chamado Deadpool. Tem um arco em especial onde ele tem que “matar” vários presidentes zumbis, ele simplesmente faz disso uma piada ja que é uma canadense.

Deixe uma resposta