A hipocrisia dos proponentes da regulação de mídia

19
86

randolfe

O Diario do Centro do Mundo publicou um conteúdo moralmente monstruoso de Randolfe Rodrigues (do PSOL). O texto de Randolfe fala da “hipocrisia dos que combatem a regulação da mídia”, mas, como veremos, a única coisa que vemos de fato é a hipocrisia doentia dos proponentes da censura de mídia.

Vamos a mais um espetáculo do macabro:

 A afirmação do novo ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, de que reabrirá o debate sobre a regulamentação econômica da mídia, foi atacada de modo desvairado por lideranças políticas que defendem a manutenção do status quo da mídia, posicionamento coerente com a mobilização conservadora que marcou forte presença no debate eleitoral recente.

Hipocrisia.

O discurso dizendo que Berzoini e sua tropa foram atacados é ridículo e risível. Pode-se contar nos dedos os textos incisivos escritos pela grande mídia contra a censura petista. Mas ao mesmo tempo, os ataques à mídia independente feitos pelos petistas aparecem em ritmo industrial.

Não existe uma manutenção de status quo da mídia, mas uma luta por manutenção da democracia, e ela vem de quem não depende de verba estatal para emitir suas opiniões. Ou seja, os poderosos do PT querem a censura. Os independentes não.

Ademais, a censura sutil é uma posição coerente com o bolivarianismo, que depende de censurar a mídia para esconder escândalos de corrupção e os indicadores da destruição econômica deliberada.

Ao invés de enfrentar com franqueza o debate, assumindo publicamente que defendem que as empresas de comunicação permaneçam nas mãos de meia dúzia de famílias, os adversários da regulamentação buscam desqualificar um debate necessário, apresentando toda tentativa de quebrar o monopólio — proibido pela Constituição — como um caricato exercício autoritário.

Por que deveríamos assumir uma culpa que jamais tivemos?

Os maiores defensores da liberdade de imprensa estão entre blogueiros independentes, que jamais receberam verba nem do mercado (o que não seria problema algum), nem do governo, o que seria a vergonha das vergonhas. Vergonha esta que está nas costas de vários membros da blogosfera estatal.

Na verdade, ninguém aqui defende “as empresas de comunicação”, mas o povo, que não pode ser vítima do poder estatal de dirigir o conteúdo das empresas de comunicação através da chantagem por anúncios estatais. E, alias, empresas como Petrobrás, Caixa, BB e Correios deveriam ser proibidas de gastar qualquer dinheiro com anúncio estatal…

Mas falando em monopólio, ele não existe no Brasil, com uma infinidade de opções. Há seis grandes empresas de mídia. Se formos para a questão dos bancos, temos 3 grandes empresas mandando no mercado. Ora, por que o governo priorizou o ataque a um oligopólio inexistente (o da mídia) e não fala nada do “oligopólio” bancário?

Faça o teste e veja que todos os petistas fugirão de lhe entregar o market share de todos os setores. Eles fugirão pois sabem que se o fizerem terão que reconhecer a inexistência de oligopólio, muito menos de monopólio, na mídia brasileira.

E tem a rotina que já é hora de mapearmos: “Quem rejeita a censura de mídia foge do debate”. Na verdade, esse discurso é psicótico. Se alguém quiser uma lei para estuprar uma vizinha, não é com ela que devem debater, mas entre as pessoas propondo essa lei. A vizinha tem que debater em outro foro, na qual vai lutar para derrubar a lei. Quando a proposta de lei é provocativa, totalitária e safada, não é com as vítimas ambicionadas que você tem que debater, mas entre os cúmplices do crime. Parece até coisa de doente mental.

Sempre que alguém vier com o truque de “você se recusa a debater”, saiba que está diante da monstruosidade moral em forma de animal falante.

Todas as nações democráticas possuem estruturas de controle dos meios de comunicação ou estão em processo acelerado de construção desses mecanismos. Existe regulação nos Estados Unidos, na Suécia, na Inglaterra, na França. O Uruguai, que viu a consolidação de avanços institucionais expressivos nos últimos anos, acaba de aprovar legislação similar.

Este truque de “existe regulação lá, e portanto tem que existir nossa proposta de regulação aqui” é outra amostra do baixo nível de “debate” desta gente. Aliás, que raio de “debate” é este que não é baseado em outra coisa que não uma série de rotinas sujas e vergonhosas?

Essa rotina já foi refutada aqui.

No Brasil, o debate é rechaçado em sua origem com um brado surdo de “censura”, como uma forma cínica de defender o lucro e o poder dos barões da mídia. Nossa Constituição, que condena o monopólio e o oligopólio em qualquer setor da economia, seja a energia elétrica, a telefonia, as redes bancárias e as fábricas de chocolate, deve condenar também esse privilégio aos grupos midiáticos que fazem de sua liberdade instrumento de impunidade.

Ué, se existe “condenação de monopólio e oligopólio em qualquer setor da economia”, por que todos os petistas (sem exceção) fogem de trazer os dados de market share de todas essas indústrias? Encontraremos propriedade cruzada em todas elas. Encontraremos empresas com 30% a 40% em quase todos os setores (exempo: Coca-Cola, Ambev). E, pior, encontraremos 100% de monopólio no caso da Petrobrás. Onde está regulação proibindo “propriedade cruzada” nessas áreas?

Ademais, ninguém dá a mínima se as grandes empresas lucram ou deixam de lucrar, mas apenas se o governo terá ou não o poder de influenciar o conteúdo a partir da chantagem com o uso de verbas estatais, o que constitui o epicentro da proposta de “regulação econômica de mídia”.

Alias, uma proposta é proibir anúncios de Petrobrás, Correios, Caixa e BB em todas as mídias, o que as faria perder uma parte da bolada que muitas já tem…

Mas espere, vejamos uma proposta pedindo proibição de anúncios de Petrobrás, Correios, Caixa e BB, além de um limite por “clickview” para as empresas estatais que sobrarem. Os petistas não querem discutir esta proposta, certo? Não querem por que assim a blogosfera estatal (que só serve para mentir em favor do governo) iria à falência…

Então é o seguinte: hipocrisia tem limites.

Não abandonaremos a trincheira da regulamentação da mídia porque lutar por ela é, longe de arranhar a liberdade de imprensa, defender a Constituição Brasileira, que em seu parágrafo 5º, do artigo 220, afirma que “os meios de comunicação social não podem, direta ou indiretamente, ser objeto de monopólio ou oligopólio”.

Exatamente por isso que não queremos que os meios de comunicação sejam monopólio do governo, e por isso não queremos o governo “regulando economicamente” a mídia, a não ser que seja para leis antitruste já usadas para os outros setores.

Que os governistas não abandonarão essa trincheira, isso é um fato. Eles já sabem que a prioridade não é esclarecer os escândalos de corrupção, mas escondê-los. A prioridade não é salvar a economia, mas aproveitar o que resta do butim. É por isso que toda a blogosfera estatal, junto com deputados do PT e das linhas auxiliares, se limita a essa atitude vergonhosa de, em um momento em que o país vai à falência, só falar em uma coisa… censura de mídia.

Essa, que hoje é verdadeira letra morta, deve se tornar regra social viva para abrir novos e múltiplos canais de comunicação nas mãos de muitos, dando a milhares o direito à antena e à telepresença, seja para debater o que não se debate, seja para defender as crianças contra conteúdos ofensivos, seja para defender a sociedade contra a propagação do racismo.

Aqui o cinismo chega à estratosfera.

Qual canal de comunicação não está aberto? Quem não tem direito à antena? Quais provas existem de que existem grupos necessitando “direito à antena” e não tem? De onde surgem essas demandas por “direito à antena”? Quem disse que é preciso de uma lei de censura de mídia para “proteger crianças”? Quem disse que é preciso de lei de regulação de mídia, ao invés do mero cumprimento do código penal, para combater racismo?

Vocês estão vendo a que nível essa escória se rebaixa em prol da censura, não?

É essencial, por exemplo, coibir a propriedade cruzada nos meios de comunicação, situação que ocorre quando o mesmo grupo econômico se torna detentor de mídia impressa e televisiva, medida já adotada nos Estados Unidos e em muitos outros países do globo.

Como já mostrei aqui, isso simplesmente não é verdade. E relembremos: as maiores empresas de mídia dos Estados Unidos (com vários tipos de mídia em suas mãos) fariam a Globo ficar com inveja.

É necessário ainda proibir por completo a publicidade infantil, recurso publicitário covarde que incute nas crianças um forjado desejo de consumo de produtos em regra superficiais e por vezes até danosos a sua saúde.

Vocês sabem para que ele quer isso, não? Quanto mais ele restringe anúncios de diversos outros produtos, mais torna as empresas de mídia vulneráveis ao anúncio estatal. E eles jamais (preste atenção: jamais) irão mencionar qualquer forma de proibição de publicidade estatal de empresas monopolistas. Petrobrás precisa de anúncios para que? Correios precisa de anúncios para que? Se não há concorrência, para que anunciar produtos indispensáveis?

Eis então que esta prioridade já nos permite desmascarar as intenções sórdidas de Randolfe.

Outro exemplo de avanço legislativo necessário é o impedimento da propriedade e controle, por parlamentares federais, de empresas de mídia – em estrito cumprimento ao já previsto no Artigo 54 da Constituição Federal.

Bobagem. Se um parlamentar possui uma empresa de mídia (e há riscos dela se tornar parcial), cabe ao público ir para as outras opções.

Esses são exemplos de necessidades democráticas já assimiladas por outras nações, frequentemente citadas pela grande imprensa como baluartes da democracia e da prosperidade econômica, e que precisam, agora, se tornar direito de todos os brasileiros.

Na verdade, o direito pelo qual nós temos que lutar é o direito de um estado bolivariano não interferir no conteúdo do que é publicado na mídia, nem de chantagear as empresas com verbas estatais, que não são do PT, mas do povo brasileiro.

E é urgente ainda existir uma CPI da BLOSTA, onde a blogosfera estatal deve ser investigada pelos seus anúncios estatais.

Anúncios

19 COMMENTS

  1. Esse Randolfe é mesmo um canalha disfarçado de Harry Potter, só que um pouco mais efeminado. Vigarista! “Necessidade democrática” é imprensa LIVRE, seu comuna de m$%¨#da!!!

  2. O argumento de “oposição ao oligopólio/monopólio” é falso, por que a nova regulação sim é que vai criar um novo monopólio, “O Monopólio da Mídia Chapa Branca Onipresente”.

    Com relação a “Democratização da Mídia” a ideia deles é plantar uma constelação de novas rádios e TVs controladas pelos movimentos sociais fantoches (sem terra, sem teto, etc), isso não seria uma distribuição democrática da mídia, mas sim, a distribuição para o partido mais falso, mais safado, mais subversivo e mais hipócrita, que se apresenta com o maior numero de fantoches ou ONGs de fachada.
    Veja que aqui, reside a mesma intenção do Decreto 8243 – De anular e/ou destruir a ação dos partidos políticos em favor de alegados movimentos sociais.

    Outros argumentos, parecem terem sido concebidos, não por políticos, mas por Trolls do Facebook: “Vamos proteger as pessoas das propagandas más!”, ou ainda “Uma mídia totalmente controlada pelo governo é o direito dos brasileiros!” Dá até tristeza de ouvir isso.

  3. “Essa, que hoje é verdadeira letra morta, deve se tornar regra social viva para abrir novos e múltiplos canais de comunicação nas mãos de muitos, dando a milhares o direito à antena e à telepresença, seja para debater o que não se debate, seja para defender as crianças contra conteúdos ofensivos, seja para defender a sociedade contra a propagação do racismo.”

    Traduzindo o que ele disse, o mesmo quis dizer que tem de ter novos e múltiplos canais esquerdistas debatendo temas de extrema-esquerda

  4. Daqui 2 anos teremos eleições municipais.
    Essa regulação da mídia não será decisiva nas eleições?
    Ou seja, todos os partidos podem investir o mesmo em propaganda, mas se a mídia em peso assume uma postura “Chapa Branca”, óbvio que o partido que controla a esfera federal será absurdamente favorecido.
    Tal regulação da mídia não seria um tipo de burla com relação à Propaganda Eleitoral?
    É óbvio que o ilustre senador Randolfe Rodrigues repete o discurso de todo o bloco governista, por que eles estão organizados, buscando a vitória.
    A oposição deve se organizar urgentemente contra isso, ou serão destruídos nas eleições municipais.

  5. Com tantas dificuldades a resover, o Berzoini arranjou mais essa como meta do PT.
    TODOS ESTAMOS ENTRINCHEIRADOS.
    Essa preocupação do governo não é prioridade de um país e sim de um partido que tem e projeta ter muito a esconder do povo. A argumentação do governo de controle econômico é pífia e falsa e não convence a ninguêm.
    Esse eufemismo vai dar errado.
    O mundo livre acaba de dar demonstrações espetaculares de repúdio a qualquer “mas” no âmbito da liberdade de meios, como quer que venha mascarado.
    Vai dar errado e é mais um passo na argentinização do país.
    A propósito, Argentina hem ? Que feo.

  6. A canalhice do texto do Randolfe é podre. Para ele, enfrentar com franqueza o debate é quando a oposição concorda com os próprios rótulos e chavões que Randolfe utiliza para demonizar quem discorda dele. Ele diz ser contra a censura e a favor da liberdade de imprensa, mas concorda que o Estado tem que substituir o papel da família controlando o conteúdo para as crianças ou controlar os conteúdos, que ele considera ofensivo ou discriminatório, no lugar das pessoas. Ele é quem deve debater com franqueza e admitir que o discurso é para controlar a mídia para que escândalos de corrupção e crimes não sejam noticiados, e o povo acredite viver em um país cor-de-rosa com fadas e gnomos saltitantes, ao invés da crueza e monstruosidade moral que paíse se tornou. Um discurso como o do Randolfe deveria render algum a forma de sanção criminal, pois para além de ser enojante, defende o fim da liberdade de expressão.

  7. Defender a sociedade contra a propagação do racismo? Caramba, quanta forçação de barra. A esquerda parece ter um arsenal infinito de frasesinhas cretinas, e sai lançando esses chavões até quando o contexto não tem nada a ver com o assunto.

    É preocupante essa ofensiva contra propagandas infantis. Sem propagandas infantis, as emissoras de TV colocarão outros programas no lugar, e a programação para crianças só poderá ser vista em canais do governo, onde o conteúdo pode ser selecionado de acordo com as doutrinas que o PT defende.

    E por que eles citam toda hora a Inglaterra e EUA como exemplo de regulação de mídia? Os EUA não são o demônio na Terra? É engraçado ver como o discurso deles muda totalmente, de acordo com o que for conveniente em cada ocasião. E eu não acho necessariamente que a Inglaterra deva ser um exemplo a ser seguido nessa área. Lá a BBC domina tanto a TV quanto o rádio. Isso sim é um exemplo de monopólio. Nem acho que esses países escandinavos, como Suécia e Noruega sejam exemplos a serem seguidos. Nesses países a esquerda domina tanto, que parece que já é um caminho sem volta.

    O que o PT quer é que toda a mídia seja como a Blosta, dominada por asseclas chapa-branca, e sindicalistas e ongueiros esquerdistas. Ora, se querem ter mais canais, passem a TV Senado, TV Câmara, TV Justiça e aquela NBR para a TV aberta. Ou abram um canal que passe conteúdo parecido com a Globo, SBT e similares, mas que seja sustentado com dinheiro público, que é o que a BBC faz. Mas cortem as verbas estatais para os canais controlados por particulares, pra que tenhamos uma opção real de mídia independente.

  8. Luciano, você presta um serviço sensacional neste blog. São poucos os articulistas que vejo rebatendo ponto a ponto as canalhices dessa horda vermelha, dando possibilidade aos brasileiros lúcidos, mas que não tem uma linha argumentativa tão consistente para ajudar a ter munição para refutar as imundices destes vigaristas totalitários disfarçados de democratas. Obrigado! Este site é um verdadeiro banco de dados para se obter conhecimento para tratamento, desinfecção ou isolamento dos vermes vermelhos que infectam o já combalido sistema político brasileiro.

  9. O título correto é: “A hipocrisia dos proponentes da CENSURA de mídia”. Deve-se reforçar o termo correto, uma vez que ELES já trataram de se referir à ação por um eufemismo. Nas linhas do texto, sim, devemos esclarecer por que não se trata de regulação, mas de censura.

  10. Quanto cacarejo saindo dos dedos desse sujeito com sobrenome que parece de personagem de Harry Potter (um saco de saga, por sinal).
    É da bolsinha da prostituta (linha auxiliar). Tá aí ajudando a prostituta a garantir o cliente da noite. Eu lamentaria muito, mas quem nasceu pra ser bolsinha tem que ficar rodando em quarteirão mesmo.

    Fantástica a achincalhação Luciano. Eles já não tem mais respostas, não tem mais por onde vir. Está fazendo uma grande contribuição publicando esse material aqui, deixando disponível esse super guia para combate dessas picuinhas e mentiras destes sedentos por poder e por dinheiro dos outros.

  11. Outra coisa que é necessário destacar é que a regulação de Mídia vem nos mesmos moldes das leis redundantes, ora, se Randolfe diz que a Constituição já prevê que não pode haver monopólio, então já há lei disciplinando sobre isso, tornando uma lei de regulação apenas um atestado de incompetência do governo em fazer cumprir a lei, além de demonstrar que há mais do que quebra de monopólio nessa lei.

  12. Prezado Luciano,

    Analise isto!!!

    Os aeroportos brasileiros hoje,
    são de competência (incompetência)
    da Infraero.

    Então,

    O aeroporto de São Paulo (Guarulhos)
    tem aproximadamente 40.000 passageiros
    embarcando diariamente, para diversas cidades
    do Brasil e do mundo.

    Analisando que,
    40.000 passageiros pagam em
    média R$ 40,00 por taxa de embarque…

    40.000 x 40 = R$ 1.600.000,00 / dia.

    Lembro que,
    além das “taxas”, os aeroportos
    arrecadam também, com aluguéis de cafés,
    lojas, bancos. Arrecada, e muito, com estacionamento.
    Sem contar que TAM, GOL, United, Air France, etc…
    com certeza pague mensalmente para utilizar a estrutura
    aeroviária!

    Sendo assim,
    1 milhão e 600 mil reais por dia,
    corresponde a 48 milhões de reais por mês
    + os aluguéis, e outros citados acima.
    Então vamos arredondar:
    55 milhões de reais por mês,
    arrecada a Infraero, em Cumbica!

    Quanto tem a Infraero de gasto mensal,
    para manter o aeroporto????

    Vejamos…

    200 pessoas para atender limpeza de banheiros
    e do aeroporto, cada uma recebendo R$ 2.500,00/mês
    TOTAL: R$ 500.000,00 / mês

    150 seguranças recebendo R$ 3.500,00 / mês
    Total: R$ 525.000,00

    Conta de luz mensal
    R$ 2 milhões de reais

    Conta de água mensal
    R$ 1 milhão de reais

    90 controladores de vôo
    (torre de comando)
    cada controlador recebendo salário mensal
    de R$ 30.000,00
    Total: R$ 2.700.000,00

    Funcionários internos,
    para dirigir ônibus, ajudar a posicionar o avião,
    retirar bagagens da aeronave, etc…
    700 funcionários, salário mensal R$ 5.000,00.
    Total: R$ 3.500.000,00.

    Somando toda despesa mensal:
    R$ 10.225.000,00

    Vou pensar que esqueci de muita coisa…
    então vou multiplicar por 3 para exageradamente,
    muito exagerado mesmo,
    chegar a um valor mensal de despesas de R$ 30.675.000,00
    Ou seja 31 milhões de reais!!!!!

    Sendo assim,
    55.000.000,00 – 30.675.000,00 = 24.325.000,00

    Puta que o pariu!!!!!!!!!!!
    Mensalmente o aeroporto de Guarulhos (SP)
    dá um lucro de R$ 24.325.000,00!!!!!!!!!!
    (por baixo… pois os valores são com certeza,
    bem superiores, pois os aluguéis, e o estacionamento,
    dão uma renda bem superior a que foi citada acima.
    E os funcionários não ganham tão bem,
    quanto descrevi acima).

    Lucro anual do Aeroporto de Guarulhos (São Paulo)
    R$ 291.900.000,00 (por baixo…. muito, por baixo)

    E o incrível,
    raramente tem reformas, e melhorias,
    para quem utiliza os serviços!!!!!!

    O PT, cada dia mostra mais ….
    que nem para administrar
    um aeroporto é capaz!!!!!!!!

    Aí vem a solução real,
    venda o aeroporto ou seja,
    privatize!!!!!!
    Venda por 1 bilhão de reais, que é um ótimo
    negócio para o país e para a população!!!!!

    Porém… atenção!!!!!!
    Não vale, o filho do Lula, ou outro qualquer,
    pegar um empréstimo de 1 bi, no BNDES,
    e comprar o aeroporto,
    com nosso dinheiro!!!!!!
    Atenção…. isto é senvergonhice!!!!!!!

    Vender… venda… pra quem tem dinheiro,
    e sabe fazer mais dinheiro!!!!!

    Até mais!!!!

  13. Um hipócrita falando de hipocrisia. Fantástico.

    Meu único medo é que o congresso (leia-se PMDB) é uma incógnita em termos de democracia. É bem capaz de deixarem passar um projeto desses.

Deixe uma resposta