Como reagir diante de professores doutrinadores na universidade?

47
551

vilageofthedamned

Um leitor postou um questionamento muito pertinente, especialmente por ter a ver com algo que afeta a vida de muitos estudantes brasileiros. Veja:

Luciano, desculpe incomodá-lo, mas é que estou com um grande receio e acredito que você possa ajudar, o ano letivo na minha universidade está para se iniciar, a esta altura já sei quem serão os meus professores, mas descobri que um professor meu de Direito Civil é um petista convicto, e pelo que eu ouvi de amigos que já tiveram aula com ele me deixou extremamente apreensivo pra falar a verdade, eu sempre leio seu blog quando posso pois o considero muito útil, mas por incrível que pareça eu não sei o que fazer nesse caso em especial por isso peço sua orientação.

Esta é uma situação realmente complicada. Ou não. Tudo depende da reação a esses eventos.

Nestes casos, sugiro recobrar o primeiro principio da arte da guerra política: política é guerra por outros meios. Por isso, precisamos entender qual nosso objetivo antes de empreender batalhas políticas. Se o território for inóspito, a briga pode não valer a pena.

Em ambientes de trabalho, por exemplo, eu já cheguei a sugerir a dissimulação. Isto quando o ambiente é desfavorável, é claro.

Tudo vai depender dos colegas. Se eles forem em maioria liberais/conservadores, o ambiente pode se tornar favorável. Se estes forem uma minoria, ocorrerá o inverso. Então aqui o negócio é esperar para ver, antes de tomar as decisões.

Hoje em dia, se eu tivesse um professor petista convicto, em um ambiente desfavorável, iria aproveitar para curtir toda a situação, e até partiria para sátiras tão sutis que os socialistas não seriam capazes de entender.

Enfim, avalie antes de tudo o ambiente. Depois, se o ambiente for favorável, empreenda o combate. Caso contrário, guarde suas energias para disputas em outro território.

Neste caso é especialmente importante não partir para o confronto, mas não se deixar dominar mentalmente pelos zumbis que inexoravelmente seguirão o professor.

Anúncios

47 COMMENTS

    • Essa característica você perceberá em muitos petistas, se você tentar debater com militonto, e desmentir eles ou esculachar os erros e corrupção dos políticos deles, muitas vezes eles não conseguem refutar, aí dizem que as verdades que você mostrou são asneira, lhe xingam de burro ou tentam dizer que o que você disse é mentira da Globo. Mas, o bom é que, como são doutrinados, eles seguem todos quase o mesmo padrão, repetem as mesmas mentiras a eles contadas, as vezes tentam parecer cultos se gabando de ter lido muitos ‘intelectuais’ como PHA e dizem que você deveria ler mais esse tipo de coisa.

  1. Caro Luciano, há algum tempo escrevi um artigo que tinha por objetivo fornecer base teórica para pessoas que se viam diante desta praga também conhecida por “doutrinação” no ambiente universitário. É um pouco longo, mas é um dos mais acessados do blog: ESQUERDA x DIREITA: A TEORIA DAS GAVETAS OU COMO NÃO CHAMAR URUBU DE “MEU LÔRO”.
    http://goo.gl/jJ5uFC

    • Infelizmente ele precisa de uma merda chamada “diploma” pra poder exercer diversas profissões com remuneração melhor, sendo bem mais difícil conseguir um emprego bem remunerado sem um diploma. Não fosse por isso, eu te daria 100% de razão. Tirando cursos como engenharia, medicina e outros que exigem treinamento técnico, você pode aprender tudo o que precisa estudando sozinho, e ainda aprende melhor do que com as aulas dessas antas.

      • Isso é realmente uma merda. Ainda tenho meu último ano de Marketing, mas em menos de 2 anos e estagiando já aprendi tudo que é necessário. Sistema falido esse nosso que exige um papel que diga que você tem os conhecimentos e nhénhénhé, e muitas vezes nem tem. Eu devia ter feito um técnico de 2 anos… burro.

      • É bom lembrar que, apesar de podermos aprender muito mais sozinhos (especialmente nas ciências sociais e humanas), EM GERAL, somos muito preguiçosos para isso. É mais fácil termos um professor que nos facilita o acesso ao conteúdo de forma resumida e contextualizada (quando fazem isso). E, ainda por cima, um conteúdo que já foi filtrado (pela perspectiva do professor, diga-se de passagem), por isso não exige muito esforço do aluno.
        Posso falar isso como professora e aluna: é fácil entrar em sala de aula com uma visão distorcida da realidade (como muitos falaram sobre os diplomas… basta ter um diploma para ser professor). O mesmo vale para alunos e professores: há muitos que não leem e se sentem “doutores” em determinados assuntos.
        Então, estejamos no papel de professor ou de aluno, é preciso ter humildade para assumir que não se sabe tudo, aceitar que a relação é de trocas e que há diferentes perspectivas mesmo. Sejamos professores ou alunos, devemos ter embasamento teórico e prático para discutir. Ler tudo sobre aquilo que se critica, para criticar bem. E ler tudo sobre aquilo que se defende, para defender bem.

  2. Caramba, isso é o equivalente moral de andar todo torto para passar despercebido entre os “walking deads”. Um amigo, ao fazer o enem me disse que se sentiu como uma puta de 5 reais. É brabo ter que mentir para si mesmo e para os outros pra passar de ano ou ser aprovado no que quer que seja. Não sei se conseguiria não confrontar. Pode até ser a estratégia mais sensata, mas que é brabo, é.

    • Eu rebati todas as asneiras vomitadas pelos meus professores. Mas estranhamente, eles pareciam ter medo de mim. É muito difícil me manter calada diante de uma obscenidade de esquerda.

  3. Eu tive um professor(Aula:Liderança, prof. psicoterapeuta) que chegou e disse o seguinte na aula(faculdade de ADM):
    “O “liberal”(esquerdista) tem mais amigos que um “conservador”,com base nos casos de terapia que eu tenho.”

    Na hora fiquei na dúvida se dizia para ele que é só defender o aborto e a legalização da maconha para ganhar umas belas amizades(podia ainda dizer que a amostra de pessoas que vão se consultar com ele não é representativa da população para ele fazer uma análise conclusiva),mas por não querer retaliação fui embora da aula(o professor não fazia chamada então a grande maioria da turma não ia a aula).

    Detalhe:Pelo jeito dele, se alguém debate-se de frente ele quebra fácil(o ruim é que só ele dava essa matéria então nem rola de ir para cima).

  4. https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=10153077931118011&id=667463010

    Luciano, tenho uma amostra feita em sala de aula de um professor doutrinando os alunos. Ele usa argumentos totalmente desconexos e se demonstra um idiota útil. Na minha percepção seria muito fácil rebatê-lo, pois ele não parece dominar os princípios da guerra política.

    A questão é: apesar de se mostrar uma presa fácil, a turma endossa o discurso dele e se coloca a favor de tudo que ele diz. Seria loucura tentar rebatê-lo?

    • os alunos não rebatem porque ele dialoga no grito! isso é técnica de hipnose usada inclusive por lula e edir macedo, que causa um tipo de bloqueio mental deixando a pessoa impotente pra retrucar, se assemelha a um leão alfa intimidando um beta com um rugido mais alto.

  5. Se o seu objetivo é se formar, ter o curso de graduação, esqueça a discussão e deixe-o falar. Aproveite também para anotar todas as citações esquerdistas do professor. Estude o máximo que você conseguir para passar e nunca mais ter aula com o professor. Depois que passar na matéria, publique um ou mais artigos refutando ponto a ponto as besteiras ditas por ele. Hoje em dia, eu faria isso.

  6. Eu passo isto na minha faculdade de Jornalismo, e lá discutimos praticamente toda pauta que o blog aqui segue ! haha

    Minha dica é a mesma do Luciano : Seja prudente, não tente bater de frente se o ambiente for desfavorável.
    Na minha sala a maioria é inerte, mas de 30 alunos, uns 7 são extrema-esquerda e fazem barulho. Os 5 de Direita convictos são mais defensivos, eu e um amigo somos os únicos que ‘contestam’ o professor de Sociologia [ marxista e PSOLnhento ] mas em algumas aulas, onde o assunto é de domínio comum e a opinião da sala não é unânime.
    Estude bastante, se familiarize com a Guerra Política, leia bastante o blog ;P , e apenas conheça seu adversário e seus colegas. A questão é saber o momento exato de dizer algo, e avaliar se a sala irá te dar ouvidos ou apenas ignorar. Ainda tenho esses problemas, mas vamos levando ^^

  7. Olha, eu estou fazendo História, isso mesmo História em uma mini USP, digo mini USP porque a maioria dos doutores que dão “aula” para mim são formados lá, alguns até conhecidos íntimos de Marilena Chauí e meu orientador de TCC que era a opção menos ruim é um senhor quase aposentando, mas petista roxo que foi segundo ele por mais de 12 anos secretário em uma prefeitura dessas da vida de algum candidato do PT, até saiu em foto com Suplicy esses dias, então vocês logo imaginam o campo de batalha que eu estou. Minha estratégia é a seguinte, eu ví os que tem mais tendência de ser meio em cima do muro da sala e os que são menos bundões, tipo aquela pessoa que ao menos procura saber as duas versões, então um amigo meu criou um grupo e eu comecei a colocar essa galera lá e nesse grupo eu posto desde livros de Historiadores não esquerdistas, como também algo de política. O que eu digo é, não desista da batalha, mas ache novas táticas. Esse ano por exemplo no trote eu vou tentar recrutar novas pessoas e pretendo achar um que pelo menos de continuidade e gere uma tradição de tentar fazer contra ponto aquilo que os professores dizem, nem que seja pelas costas deles. A meta é que o próximo a assumir o comando continue jogando mais calouros do curso no grupo, eu vou continuar postando lá e assim ano após ano isso vai tendo continuidade e daqui uma década, caso essa tradição se mantenha quem sabe tenha alguma turma que seja uns 60% dos alunos que não são de esquerda. É um trabalho árduo, mas se alguém não começar não vamos vencer, pois vence quem ocupar mais posições estratégicas. Aliás, eu sou amante de História militar, mas eu pretendo fazer um mestrado em História e quem sabe ocupar uma cadeira de História Econômica nem que seja nessas Uniesquina da vida, pois essa é a cadeira mais estratégica na área de História que um professor pode ocupar, pois sendo professor dessa matéria posso alcançar 5 cursos diferentes, já que essa disciplina existe nos cursos de História, Geografia, Economia, Administração e Contabilidade.

    • Olá Solomon!
      Bem… não sei se você vai vir a ler isso, mas… eu preciso tentar!
      Meu nome é Bárbara, decidi iniciar um curso de História (numa uni reconhecida pelo seu histórico esquerdista até fora da área de humanas!) e estou um tanto desamparada. Fiquei bastante interessada pelo o que você escreveu. Por favor, eu gostaria muito, muito, muito de saber se posso entrar em contato com você! Existe…. como?
      (meu e-mail de guerra é barbaraallen1989@gmail.com).
      Até… logo..espero…!!
      \o

  8. A matéria é direito civil ou esquerdo petil…rs.
    Luciano, aproveitando seu comentário sobre colegas liberal conservadores quero compartilhar uma dúvida que me aflige.
    Sou da área da saúde e atuo nos segmentos público e privado. Fico pouco convicto em defender ideias liberais na saúde frente a baixa qualidade de resultados desta frente à medicina socializada. Especialmente se comparamos a americana com a inglesa e seu NHS.
    Como manter um raciocínio lógico num debate de alto nível com liberais sem que eu seja taxado de socialista? Veja que aqui não cabe o conceito de guerra política apenas de exercício intelectual, pois me considero um liberal conservador na maioria das discussões.
    Espero ter me feito entender. Abraços e continue sempre com este ambiente agradável de desmascaramento e aprendizado político.

    • Bom, a saúde não é um fundamento do liberalismo e não faz parte do hall de funções vitais do estado minarquista. Entretanto, alguns liberais como Hayek entendem que é possível sim o Estado financiar a saúde e a educação para os mais necessitados. Isso não sufoca a iniciativa privada. Outro entendimento plausível é que segundo Locke, o Estado deve garantir (saúde e educação), mas não não geri-las. Seria uma espécie de sistema de vouchers como acontece em alguns países.
      Abraço.

  9. A melhor estratégia costuma ser conversar sobre o que o professor fala fora de sala de aula e explicar por que não vale a pena contraria o professor durante a aula. Assim, os alunos podem perder o interesse pela aula, sem que o professor possa fazer muito para mudar ou mesmo entender o porque.

  10. O conselho que dou é que aproveite os trabalhos de curso para declarar sua posição. Use os seminários, trabalhos em grupo para defender a tua ideia. Em aula deixe o animal socialista falar, mas quando tiveres a oportunidade de falar em um trabalho, fale e defenda o que pensas.

  11. Sr. Leitor : A única forma de se imunizar contra professores doutrinadores é estudar. A mídia não é confiável. Apenas como exemplo, os livros “A revolução gramscista do ocidente” de Sergio Coutinho, ou o livro “O eixo do mal latino-americano” de Heitor de Paola estão esgotados”. Procure achá-los. Nos anos 60, quando fiz minha faculdade, não havia nenhuma dificuldade de se encontrar nas livrarias os livros de Marx, Engels, Trotsky, etc. , apesar dos regimes militares. Além dos livros citados,precisa conhecer a propaganda petista, disponível não sei até quando, no “Ceticismo político”, que explica as táticas petistas, baseadas em Horowitz e Alinsky para doutrinação e formação de idiotas úteis.
    Se quizer conhecer o pensamento conservador, leia “A política da prudência” de Russel Kirk. Mais tarde, procure conhecer alguma coisa de macro-economia e chegar por conta própria, a conclusão de que o socialismo é inviável economicamente. A prática comprovou a teoria.
    Em resumo, nunca discuta com eles. Para eles não existe verdade. A mentira faz parte da doutrina comunista e é usada diariamente como ferramenta de trabalho. Cuidado com as palavras, pois eles as usam com sentido e significado diferente do que usamos habitualmente.

  12. Não perca o foco, você está lá pra estudar, pra se formar e nunca mais ver a cara de um desgraçado desses na vida.
    Se um cara desses quiser te prejudicar, é a coisa mais fácil do mundo.

  13. A situação desse aluno (assim como a de muitos alunos) é semelhante a de um judeu numa escola Nazista. Sugiro agir como o protagonista do Filme ” A vida é Bela”. Suba na mesa e mostre que seu nariz e sua orelha são “arianos” com bom humor, mesmo você sendo judeu. Os fanáticos não saberão diferenciar alguém dissumulado de um doente mental igual a eles, e depois, é um semestre, vale a pena para sobreviver no estéril terreno acadêmico. Tem uma história interessante. a de “Pinote o fracote e Janjão o fortão”. Mesmo que o Janjão mande Pinote rir, por dentro ele não está rindo e não há nada que Janjão possa fazer. Com o professor PTista é o mesmo. Mesmo que ele tente, só poderá doutriná-lo se você permitir.

  14. Os vampiros odeiam a luz como bolcheviques/ bolivarianos a verdade.
    Encare o doutrinador pusilânime com fatos ,documentos etc. Seus colegas
    vão respeitá-lo e o doutrinador não poderá prejudicá-lo,pois se´ra evidente
    a perseguição.Vá em frente que dá cert.
    Boa sorte.
    Hélio.

  15. O negócio é tirar boas notas nas provas, respondendo tudo como eles querem. Mas na hora de apresentar trabalhos e pesquisas, mostre a realidade dos fatos: Marx era um vagabundo e mau-caráter, como são todos os seus seguidores.

  16. Eu não aconselharia um filho meu a enfrentar professor e ter problemas na escola/faculdade.
    O aluno vai se desgastar pessoalmente, o professor vai persegui-lo e os colegas vão apenas se divertir assistindo ao circo.
    Universidade no Brasil é apenas um simulacro, um mal necessário para conseguir o diploma e entrar no mercado de trabalho.
    A gente primeiro de qualifica, estuda por conta própria, se prepara para a batalha e obtém o diploma, porque sem certificado não trabalhamos.
    Enquanto estudamos, a gente vai conversando com quem está disposto a ouvir. Ensinamos principalmente pelo exemplo.
    Uma técnica que eu uso com a minha filha é “adivinhar” o que o professor vai falar. Como acerto quase sempre, ela se surpreende e me pergunta como consegui. Assim consigo a atenção e explico alguma coisa útil.

  17. Estudo em uma particular e um curso que não passa tanto pelos olhos famintos de professores doutrinadores, mas vejo umas bisonhices de vez enquando. Já vi por exemplo uma estudante de Relações Internacionais, rica pra cacete, cabelos tingidos e gordinha (detalhes físicos só pra tornar mais bisonha a figura) dizendo numa festa de faculdade daquelas cheias de ostentação, com um copo com uma bebida colorida em mãos, “SOU COMUNISTA”.
    E ainda me torrou a paciência quando eu fiz a besteira de dizer que não era.
    (infelizmente eu estava pegando-a. e beijava mal, por sinal…)

    Já minha namorada estuda Cinema na USP e sofre com a doutrinação. Lá é pesadíssimo. Pesadíssimo. Mas direi a ela essa ótima frase do Luciano ao final:
    “é especialmente importante não partir para o confronto, mas não se deixar dominar mentalmente pelos zumbis que inexoravelmente seguirão o professor.”
    Matou a pau.

  18. Luciano, você descreveu estratégias para ambientes desfavoráveis ou favoraveis. E se o ambiente for neutro? E se uma minoria dos meus colegas forem petistas e a maioria forem neutros, nem esquerdistas nem direitistas?

  19. Faculdade no Brasil não só é uma mal necessário, como é inútil em muitos casos. Tape o nariz, faça seu curso na boa e lave seu cérebro com boas leituras. Professores babacas são inevitáveis, mas é possível se livrar da babaquice deles. Eu sempre fui imune, de alguma forma.

  20. A Ana Carolina Campagnolo de um depoimento interessante em uma palestra. Disse que durante a faculdade adotou a postura de não entrar em conflito, e foi muito perseguida por professores e alunos esquerdistas. Ela acabou conseguindo se formar e depois resolveu fazer mestrado, mudando completamente de estratégia. Passou a bater de frente e ameaçar de entrar com processos em caso de discriminação. No julgamento dela, a segunda estratégia funcionou melhor do que a primeira. Mas claro que tudo depende do ambiente. Ela estava mergulhada num pântano de esquerdismo praticamente sozinha. Um curso de direito costuma ser um pouco mais plural, o que pode garantir um ambiente mais tranquilo.

    Olhando pelo lado da guerra cultural, uma faculdade seria um alvo estrategicamente importante, e se possível mais gente deveria defender o discurso conservador e liberal dentro de lá. Mas tudo depende do ambiente.

  21. Acho que é uma questão genética ou quem sabe espiritual. Você já nasce comunista ou com forte predisposição para tal, ou, ao contrário, você já nasce liberal ou com grande suscetibilidade para tanto. O estímulo ambiental (família, escola, trabalho, etc.) favorece esse despertar de um jeito (pessoa liberal em escola liberal) ou de outro (pessoa liberal em escola comunista), seja por concordância, seja por discordância.

  22. 1) De uma maneira _muito_ discreta, grave as aulas do cara;
    2) Para as aulas onde houver propaganda político partidária ou ideológica explícita, entre em contato com algum blog crítico da propaganda ideológica escolar (ex: escola sem partido) e ofereça o material (gravação ou a sua transcrição) para o desmascaramento do ‘apparatchik’, sem identificar ninguém explicitamente (mas com dicas que levem ao professor: iniciais, apelido, etc). A desonestidade desses maus profissionais precisa ser exposta ao público.

    Você não deve fazer isto (expor o sujeito) por ele ser petista doente (o que não é ilegal/imoral), mas pela sua desonestidade profissional e abuso de autoridade.

  23. Coma pelas bordas, desmascare o professor longe dos ouvidos dele, em conversas informais com seus colegas. Isso o desmoralizará perante os alunos e todos perceberão o idiota útil ali na frente.

  24. Já que é guerra, vamos lutar.

    Recomendo livros de estratégias militares para o combate.
    Exemplo: “Arte da Guerra”.
    Adapte as estratégias do campo militar para o campo das ideias e comece o combate.

    Imagine que a sala de aula é um país a ser conquistado.
    Os seus colegas são cidades e seu professor a capital do país.
    O conhecimento de seu professor são armas e exército dele.
    Seu conhecimento são suas armas e exército.

    Feito isso é hora de ir para a guerra.

    1º Estude o armamento do inimigo e aumente seu arsenal de acordo com as armas do inimigo.
    Felizmente os esquerdosos vem de uma linha de montagem, são praticamente iguais. Estude como contra argumentar com ele.

    2º Lute apenas as batalhas que pode vencer, assim você fica mais forte e ele mais fraco.
    Isto é, use argumentos sólidos, documentos, vídeos, lógica, etc. Algo que não tenha como o esquerdoso contestar sem parecer idiota.

    3º Conquiste espaços.
    Em uma guerra, você não ganha se só se focar em atacar a infra-estrutura do inimigo, você deve ocupar espaços.(De preferência os estratégicos).
    Use seu exercito para conquistas as cidades mais importantes do país.
    Traduzindo: Identifique os alunos mais populares, inteligentes ou participativos da turma. Aqueles que de alguma forma exercem um papel de influência e traga-os para seu lado.

    Se ele for esquerdoso de mais, derrube ele de sua posição de influência, conquistando os amigos dele.

    4º Embate
    Quando a sala estiver endireitada, desmascare o professor sempre que possível
    ————————————————————————————————————

    Lembre-se de conquistas os alunos mais influentes da turma. Isso acelerará o processo.
    Se você ficar só com seus amigos, ou se focar nos quietinhos, não dará em nada.

  25. Esses professores, advogados, se num regime comunista, trabalham por migalhas, pois jamais serão autônomos. Nem eles, nem os médicos ou engenheiros. Jamais um cliente poderá interpor uma ação contra o governo. No caso de músicos como o Chico Buarque, morreria de fome, pois povo escravo não tem salários e sim migalhas para ficar de pé. Na China, maior número de suicídio de jovens, sem expectativas de vida, salários de 30 a 50 dólares, sem benefícios trabalhistas algum. Os Comunistas aqui pregam uma mentira, assim como em Cuba, onde passam fome há 55 anos e moram em barracões coletivos, espionados até nos banheiros. É isso que nossos jovens querem ? Creio que não, pois com tanta liberdade, ainda não satisfazem. Querem conhecer o Mundo, voar como pássaros livres, etc. Fiquem

    espertos, pois se abraçarem essas idéias esquerdistas, serás o vosso fim. Nós velhos, já vivemos nossa cota. Não temos mais tanta vaidade, mas vocês merecem ser felizes !.

  26. Lista de autores que você pode ler, mas sem levar a sério:

    Marx;

    Marcuse;

    Sartre;

    Marcos Bagno;

    Paulo Freire

    Esses são comunas e por isso, não merecem o menor crédito de gente séria.

  27. É praticamente certo de que ele venha com a pergunta: “Você já passou fome na vida?” Caso vc diga que não, que nunca teve fome, este será o motivo para ele descredibilizar toda a teoria que queira derrubá-lo. Ainda tentará debochar dizendo que é muito fácil ter esse discurso “conservador” quando se olha a realidade do alto da torre do castelo. Já criei altos climas tensos em sala de aula. hehehehe. mas no fim eu me divirto pq, na maioria das vezes, meus colegas zumbis que tendem a acreditar no phd que tá lá na frente, acabam depois da aula dizendo que foi bom ver o professor naquela situação, sem resposta, apelando pra difamação.

  28. Passei um problema parecido. Fiz faculdade de Arquitetura e Urbanismo e não tinha tanta noção de que era um curso altamente dominado pela esquerda desintelectual. Me opus diversas vezes aos ideais comunistas de arquitetos como Niemeyer e cia (que são idolatrados dentro das faculdades) e, por conta disso, fui reprovado em uma das disciplinas de projeto (o conceito era criar uma casa “máquina de morar” conforme as ideias de modernistas como Le Corbusier e Niemeyer, eu me opus e criei um projeto oposto e contrapus como uma “máquina de morar” não atende as expectativas de moradia de um ser humano atualmente).

    Depois disso aprendi a “dançar conforme a música” e só atacava os professores quando eu sabia que eles não teriam mais como me reprovar. Por isso aconselho a estudar muito e não dar motivo para reprovações bobas. Dessa forma, ainda que o professor te odeie, ele não terá motivos para te reprovar (no máximo tentar te infernizar ou ridicularizar publicamente). Cabe também, se for em uma universidade particular, acusar na coordenação de curso o professor de assédio moral caso ele ridicularize suas ideias sem fundamentar (usando as eternas falácias da esquerda)

Deixe uma resposta