Intervencionismo: o problema está no pedido, não na crença

38
114

Intervenção-militar

Eu acho até normal que muitos direitistas sejam adeptos da intervenção militar. Assim como muitos esquerdistas são adeptos da tomada de poder pela força, a la Fidel Castro.

O mais grotesco, no entanto, é que essa parte da direita declara sua crença vergonhosa em público, enquanto quase todos os esquerdistas a escondem. Os esquerdistas omitem suas intenções (e vão conquistando o poder totalitário aos poucos, para lá no fim dar no mesmo), por que sabem que suas declarações de endosso à ditadura esquerdista só serviriam para atrapalhar seus objetivos. Os intervencionistas da direita não conseguem ter o mesmo nível de percepção da realidade.

A presença do pensamento totalitário é um fenômeno que traduz o seguinte fato: uma parcela das pessoas não respeita a liberdade alheia. Esse fenômeno, como já disse, é pervasivo tanto na direita como na esquerda. Mas só a direita fascista não percebe o quanto se prejudicam politicamente ao declarar suas vergonhas em público.

Observe que não estou defendendo intervenção militar da direita ou revolução armada da esquerda. Estou apenas considerando um padrão: repito que há um percentual de pessoas de cada lado que efetivamente não respeita a liberdade alheia. Infelizmente, nós somos obrigados a conviver com eles, pois até quem não respeita a liberdade alheia deve ter o direito de se expressar, enquanto os defensores da liberdade devem ter o mesmo direito de contradizer estes argumentos.

Por essa perspetiva, há várias perguntas a serem feitas aos intervencionistas. O que os leva a não ter o mesmo nível de percepção da esquerda do quanto é problemático politicamente declarar em público desprezo pela liberdade alheia? Eles realmente acreditam que não dão tiros no pé ao falar em um procedimento não democrático? Em público? Que tipo de sensações eles esperam evocar ao falar em “colocar tanques na rua”?

Se eles respondessem honestamente – honestamente mesmo – a essas perguntas, eles próprios concluiriam que o discurso intervencionista deveria ser tratado como lepra política. Ao mesmo tempo, essa direita totalitária e, por que não, fascista (tanto como a esquerda fascista), poderia elaborar formas dissimuladas de chegar ao poder, sem usar discursos de intervenção. Poderiam fazer exatamente igual fazem os petistas. Tanto a direita democrática como a direita totalitária ganhariam com isso. E poderíamos, aos poucos, até vê-los desistir de implementar uma ditadura.

Enfim, o problema não é tanto que eles ambicionem o totalitarismo. Grupos assim são inerentes aos dois lados do embate. O problema é que ao declararem em público suas intenções totalitárias os intervencionistas agem como crianças políticas, enquanto os esquerdistas, que possuem até mais pessoas querendo o totalitarismo, jamais cometerão o mesmo erro.

Há quem diga que eu “desrespeito intervencionistas”. Não, eu respeito a todos os direitistas, mesmo os que falem coisas absurdas. Eu acho que com o aumento da conscientização política podemos vencer os totalitários dissimulados da esquerda. E poderíamos até vencer os totalitários dissimulados da direita. O problema é que estes da direita não são dissimulados, e professam em público o que querem, como faria uma criancinha de 7 anos. No fim, eu torço para que o poder fique na mão dos democratas de cada um dos lados.

Uma pena que agindo no estilo “eu falo o que eu sinto, e dane-se a estratégia política” os intervencionistas sempre serão um batalhão de propaganda inconsciente da extrema esquerda.

Anúncios

38 COMMENTS

    • Prezado Augusto,

      A sua sensação daquela época é uma coisa. Mas a forma como o período é “vendido” é outra coisa. O governo militar instituiu o AI-5. Enquanto isso, o PT tenta “democratizar a mídia”. Notou a diferença estratégica em termos de comunicação?

      Intervenção militar é um golpe. Golpe não se pede, não se confessa, não se declara. Enquanto isso os petistas tentam dar golpe da mesma forma, mas jamais declaram isso.

      Meu texto é mais sobre a mania de alguns da direita de, como crianças, declararem as aberrações que querem praticar.

      Abs,

      Lh

      • Ou “CONTRAgolpe”…
        Os que falam em Intervenção não estão necessariamente pedindo que os militares instaurem aquele regime de 21 anos, só que tirem o PT daí, por tudo que fazem que desrespeita às leis (e aí tem aquelas denúncias arqui-manjadas do Olavo de Carvalho: do Foro, da articulação entre MST e a Venezuela pra treinar guerrilha, sendo o MST um óbvio coletivo não-eleito DO petê; os empréstimos secretos com a grana do BNDES; da apuração que viola a lei eleitoral…).
        Aí entra a minha ignorância: as FFAA não tem o dever – legal, mesmo; ou só em termos de justiça, moralmente falando – de se meter?
        Eu não sou intervencionista, porque não sei se é normal as FFAA se meterem, se é previsto (como foi correto segundo Olavo, por exemplo, que os militares se metessem lá no poder, por estar metido Jango em alta traição, facilitando o Brasil pra Fidel) nalgum código… E também porque não vejo sentido ESTRATÉGICO e LÓGICO em pedir SOS ao Exército, que não age pelo clamor popular, mas segue uma ordem hierárquica.
        Concorda?

      • Me parece que o discurso do Olavo é de RACIONALIZAÇÃO neste caso. Como ele já motivou as pessoas a lutarem pela intervenção militar surge o argumento de “eles podem até vir, mas não sob pedido”. Ou seja, ainda se mantém uma esperança, COMO SE fosse funcionar uma tomada de poder por esses meios, em um país tão complexo. Eu vou na direção oposta. Eu não ALIMENTO EXPECTATIVAS DE intervenção militar, não busco EXPLICAÇÕES LEGAIS (que serão forçadas) e aí sim avalio o erro estratégico que é chamá-las. A diferença de nossos pontos de vista é que enquanto ambos entendemos que clamar por intervenção militar é um erro estratégico, eu TAMBÉM não alimento esperanças nem busco explicações legais para apostar em algo que não tem como dar certo.

        Abs,

        LH

    • Aliás o que ocorre com Luciano é total falta de conhecimento do que dispoem os artigos 1,142, 144 e outros da CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988, onde está prevista a Intervenção como forma de defesa do pais ,caso esse se encontro sob ameaça de ver sua Constituição desrespeitada, fato este que ocorre amiude neste e nos anteriores governos Petralha.Alem disso ,os militares têm o prazo de 180 dias de Intervenção, ao final do qual deve devolver o país ao povo.Do jeito que está, é que não pode continuar.

  1. Como qualquer “texto bem escrito”, que não quer dizer ser um bom texto, repete como cópia xerox, as palavras utilizadas pela “oposição” moderada, que não é na realidade oposição quais sejam a invalidez, ou a insensatez, ou como fala o texto, a infantilidade de uma criança de sete anos, o pensamento que se difere, daquilo que teoricamente, seria o politicamente correto, pensar e proceder, como a direita acomodada, desinformada, estagnada faz .Pessoas assim, por se acharem comedidas e culturalmente evoluídas, se melindram em assumirem determinadas formas de condutas mais extremistas, mesmo que no fundo concordem com determinados atos. O Brasil hoje, não está precisando de falsos intelectuais, nem de culturas obsoletas, nem de desconhecimento de nossa historia verdadeira, nem de oposições políticas, que utilizam todos esses referidos, como massas de manobra. O Brasil hoje, carece de atitudes, o Brasil está sangrando, suas instituições estão falidas, seus cofres saqueados até o último centavo, o aparelhamento dos três Poderes é algo jamais visto na historia da corrupção brasileira, o Brasil está matando o seu Povo na Saúde e Segurança Pública , e o deixando refém a uma subcultura, implantada hoje nas escolas, com a doutrina social comunista, no Brasil de hoje não podemos contar com um STF isento e a serviço da sociedade brasileira, mas sim ministros cúmplices daqueles Partidos que os colocaram onde estão, o Brasil não pode contar com um Legislativo comprometido com a corrupção, com a falta de ética, com os conchavos, com o corporativismo, com o legislar em causa própria, ou em vistas ao seu Partido, o Brasil hoje, se encontra na UTI, e não pode esperar, por atitudes, que vislumbrem uma mudança de conscientização, que levaria uma geração, sob o risco ou de ele falir definitivamente, ou perdermos ele, como o Povo que se acomodou na Venezuela a perdeu para o comunismo e a ditadura. Os planos da Grande Pátria, são mais rápidos do que uma conscientização do Povo brasileiro e que, se houver! Devolvo a peteca, nos mesmos moldes que foram colocados no texto acima, o discurso da direita sensata, equilibrada e que se acha como a Salvadora da Pátria, qual a verdadeira solução eficaz, para salvar o Brasil de sua morte prematura? O que resolveria o impeachment da Dilma, quando a praga já se espalhou aos três poderes? Como nos livrar de um Congresso salteador dos cofres Públicos, como nos livrar imediatamente da possível ditadura comunista? e por fim, será que são verdadeiramente conhecedores da real historia e os motivos dos militares no golpe em 1964? Acreditam mesmo, que não estão servindo como massa de manobra, para a “oposição” não oposição, e que tem como único objetivo a perpetuação das instituições degeneradas, corruptivas e mantenedoras da espoliação, para poderem continuar como opositores ou na situação, mas sempre mamando nas tetas do dinheiro Público? Quando puderem responder a essas perguntas de forma clara, objetiva, e descrevendo soluções práticas e plausíveis, garanto que a turma da “intervenção” se calará, pois se essa foi a solução encontrada por esse grupo, é porque todas as análises do quadro foram feitas, e que se foi chegada a essa solução, foi porque talvez sejam munidos de um poder analítico, e um conhecimento dos fatos muito mais amplo do que aqueles, que estão acordando agora, para um Brasil sem conserto. Me lembro há um ano atrás, falar em impeachment, era uma insanidade, e somente hoje os opositores moderados pensam em pedir, mas não sabem nem o por que, nem para que, e nem no que adiantaria somente tirar a Presidente? Mudaria o que, se nossa laranja podre, é o Legislativo, Judiciário e o Executivo?
    Em resumo, esse texto aí de cima, atinge muito bem os objetivos da classe política, que é através da divisão das forças deixam de fazer a verdadeira oposição, porque através do choque de opiniões dos opositores verdadeiros, que é o Povo, vejam se esvaziarem e perderem força, para que tudo volte como dantes no quartel de Abrantes! Hoje esse pequeno grupo, criticado, preconceituado, excomungado, ridicularizado, porém mais culto e politizado do que a maioria esmagadora, será lembrada e tomara que na vitória e não na derrota, sejam lembrados como aqueles que fizeram a diferença na conquista da verdadeira democracia brasileira!

    • O texto é até emocionante para quem não conhece os padroes usados.

      Por exemplo, segundo você, estamos num ‘beco sem saída’. Todo marqueteiro usa este recurso para forçar as pessoas a comprarem suas ideias. O problema é que você exagera na situação. Na verdade, se há uma situação péssima, ela só está assim por que muitos direitistas negam a política. Os intervencionistas são os principais negadores da política. Goste você ou não, você colaborou para que o PT tivesse o poder que tem.

      Em seguida, você parte para dizer “nós fazemos, vocês ficam sentados”. Bem, a maioria dos que foram as ruas não são intervencionistas, então “fazer” não significa apenas pedir intervenção militar. Como provam os intervencionistas que “fazem mais” do que os que não pedem? Na verdade, só fazem “mais” se for no sentido de dar propaganda ao adversário. Alias, você não refutou o fato de que o PT quer censurar a mídia pedindo “democratização de meios”, enquanto vocês querem censurar seus opositores (chegando ao poder) dizendo “quero censurar sim”. Quem vai ganhar? É só juntar os pontos para ver que a estratégia de declarar as más intenções é até infantil.

      Intervenção militar não é coisa que se peça em público. É coisa que se faz. Ninguém anunciar em público que quer estuprar alguém. Assim como não se anuncia querer dar golpe.

      O problema não é a sua INTENÇÃO, como já dise, mas tua INGENUIDADE em declarar tua intenção facilmente zoável em público.

      Abs,

      LH

      • Não carrego bandeira nenhuma comigo, não me julgo o esperto, o senhor do conhecimento, o incontestável, porém toda essa conversa de direita moderada e politicamente correta, a mim não impressiona, pois não passam de meras bravatas demagógicas, que só tem como objetivo, deixar confusa a massa de manobra, ou sejam, os mal informados e que formam suas ideias e opiniões, através daquilo que acham bonito de ler, e não daquilo que realmente seja a lógica.
        Desafio a todos os falsos intelectuais de plantão, a todos os políticos interessados ou não por soluções viáveis, práticas, rápida e eficazes, e a mídia em geral, que nesse período de instabilidade governamental, é o setor que mais fatura, com as propagandas ilusórias de um desgoverno em estado de decomposição, e que gasta milhões em publicidade, para vender aos brasileiros um Brasil que não existe, a colocarem para todos, soluções reais de como tirar o País desse buraco em que se encontra economicamente, limpar toda a sujeira de roubo e corrupção que hoje envolve o nosso Legislativo, Executivo e Judiciário, considerando que o tempo urge também, pelo avanço perigoso e rápido da instalação de um regime social comunista, que teimam em querer ressuscitar em uma tentativa frustrada do passado no momento de hoje. Nosso País corre um risco iminente de se transformar em uma Venezuela da vida, que mesmo com os seus membros intelectualizados de direita, e um povo com nível cultural superior ao brasileiro, deixaram se envolver talvez por não acreditarem ou subestimarem o subversivo no quão perigoso e silencioso era o inimigo, e hoje são reféns da sua própria ignorância ou descuido. Quem sabe, se a empáfia e a soberba dos comedidos de direita daqui, não resultem em um descuido, ou em um subestimar dos verdadeiros inimigos da Nação.
        Acho, que inclusive a resposta mais reveladora e deflagadora, seria responder ao Povo brasileiro, o que espera realmente os opositores de direita moderada, depois do impeachment da Dilma, ou seja, no que esse ato solitário beneficiaria o País? Até parece, que a única doença mortal para o País, é a Dilma e mais nada, isso sim seria uma infantilidade, uma ingenuidade de uma criança de sete anos acreditar. Porque não revelam a todo o Povo brasileiro, que depois disso, não acontece mais nada, as coisas se acomodam, e todos continuam a zelar e se beneficiarem as custas do sistema corrupto e corporativo. A quem, ou a qual grupo os moderados protegem, quando não se interessam realmente em quererem virar essa página suja da nossa historia?
        Querer separar intervencionistas, de outros que se opõem a todo esse sistema corrompido, é uma tática daqueles, que não veem vantagem nenhuma numa mudança do sistema. Alardear como insanos, quem enxerga como solução para todos esses problemas pontuais a intervenção militar, é no mínimo desconhecer a função principal das Forças Armadas, que é defender o Povo brasileiro em seus interesses, zelando e fazendo cumprir a Constituição brasileira. Porém se o problema não é o desconhecimento das suas funções, aí teremos um problema maior, que é a razão e o por que de vender a ideia aos desinformados, de que as Forças Armadas é perigo maior que a invasão do comunismo no Brasil ?
        Melhor arriscar e acreditar naquilo que foi criado para nos proteger, do que sequer supor de ter que viver numa ditadura comunista sem volta!
        Fico no aguardo das respostas aos questionamentos colocados aqui em cima, de forma clara e objetiva, porque se me derem soluções plausíveis, serei o primeiro a admitir, que não tinha visto pelo angulo colocado em questão, ok? Abraço

      • A questão não é ser direita “politicamente correta”, mas direita “politicamente ESPERTA”. Você parte de premissas falsas:

        1 – Intervenção é a solução. Não é. É uma estratégia obsoleta de conquista de poder totalitário.
        2 – A urgência por eliminação justifica (1). Mas se é uma estratégia boa (é a pior, na verdade) aí mesmo é que deve ser descartada.
        3 – É preciso de uma “solução final”. Na verdade, este é apenas um truque mental, que nas organizações conhecemos como “ótimo inimigo do bom”. Nada impede que derrubemos Dilma (por impeachment ou renúncia) e continuemos pressionando os que sobrarem.

        Abs,

        LH

      • Caro Lucianao, nestes tempos em que minorias barulhentas clamam por intervenção militar (como o Paulo Costa) é importante deixar claro: penso que quem defende ditaduras é um idiota ou um ingênuo desinformado, o que você traduziu bem com a imagem da criança. É claro que esta afirmação vale para a direita e para a esquerda. À direita, a defesa da volta do regime militar, embora grotesca, é evidentemente um ato descerebrado. Não há uma única liderança digna de menção que esteja por trás ou à frente de tais atos. Mas o contrário não é verdadeiro. Há lideranças como Safatle e Lincoln Secco que defendem abertamente o confronto pela hegemonia da esquerda. Há o exército de Stédile, há um Marco Aurélio Garcia costurando parcerias com as FARC, justificando autoritarismo e violência na Venezuela, a ditadura Cubana etc. Há inclusive os que sonham com o que poderia ter sido se tivesse havido resistência ao golpe. No artigo abaixo estabeleço um diálogo com um texto de Flávio Aguiar que celebra este saudosismo. Chama-se O GOLPE MILITAR E O RETROVISOR DA HISTÓRIA e pode ser lido aqui: http://goo.gl/hPbwgo

        Abraço, Paulo Falcão.

  2. Esse pessoal que pede intervenção militar deveria era pedir para as Forças Armadas vigiarem como nunca as nossas fronteiras para que os países de ditadura bolivariana, como Venuzuela e Argentina, por exemplo, não forneçam armas para os militantes do MST (tem um número muito menor de que muita gente pensa) e para os militantes urbanos da esquerda.

    Qual desses intervencionistas topam usar a cabecinha para coisas realmente uteis?

  3. Luciano, acho que o segundo parágrafo pode ser mal interpretado e usado contra você. Me faz lembrar daquele papo nada a ver do Olavo dizendo que quem pede intervenção militar “denuncia uma ação que deve ser um elemento surpresa”. Da mesma forma, essa parte do seu texto parece sugerir que esses direitistas, que tem crescido de forma assustadora (e eu já te falei sobre isso nas nossas conversas), ajam de forma deliberadamente desonesta e dissimulada.

    Eu sei que não foi sua intenção, mas isso parece ter sido sugerido.

    • Diferente do Marcelo, eu não sei se não foi sua intenção, e me declaro surpreso com o texto. Você basicamente validou um comportamento ruim (pedir o uso de meios totalitários para destruir um governo, em princípio, legítimo democraticamente), associou-o à direita, e disse que o problema nem é querer implantar um governo ditatorial interino (embora da última vez o ínterim foi > 20 anos) até se convocarem novas eleições.

      Acho que ao escrever este artigo, pelo menos como está escrito, você mesmo está dando armas pro inimigo. Imagino que não sejam só direitistas que venham ler seu blog. Fora que… “fascistas de direita”? Faça-me o favor. Totalitários de direita tudo bem, mas você sabe tão bem quanto eu que não há fascistas DE FATO na direita. Ao escrever isso, você validou o frame usado pelo inimigo.

      • Jeferson,

        Quem pede a intervenção militar é de direita? É importante responder essa pergunta.

        Pode até ser um equívoco, e reconheço esse equívoco na rotulagem.

        Mas seriam anti-PT. O intervencionismo é fascista, embora não tanto quanto o socialismo.

        O que eu disse é que, sendo impossível que fascistas apareçam nos dois lados, eles seriam inevitáveis, assim como os impostos e a morte. Mas só um dos lados declara em público sua intenção torpe.

        Esse era o objetivo do texto.

        Abs,

        LH

      • A impressão que eu tenho Luciano, é que esse texto está MUITO ambíguo. Como você sabe, eu sou militar, e, dentro da lei militar, existe um artigo que é bem claro:

        “Toda ordem deve ser clara e compreensível, caso o subalterno não compreender a ordem, que ela seja feita da forma mais clara e compreensível possível, para que a execução seja perfeita e não reste ao subalterno dúvidas quanto a mesma.”

        Usando esse “gancho”, é interessante, em casos como esse, que você fizesse um adendo no fim do artigo explicando a contenda.

  4. Luciano, não tem como discordar do seu texto. Creio que na cabeça desses intervencionistas se passa o seguinte :
    – O crescimento das esquerdas na AL via Foro de São Paulo;
    – O esquecimento/desimportância do Foro de São Paulo pelas oposições;
    – Quebra da independência das instituições : STF Aparelhado ; Legislativo alugado e executivo ocupado;
    – Imprensa comprada via verba publicitária + blogs sujos/robôs internet patrocinado por estatais;
    – Massa de votos comprada com bolsas;
    – Votação eletrônica com resultado extremamente duvidoso;
    – Mentiras diárias e crescentes;
    – Movimentos sociais quebrando as leis diariamente;
    – Assalto às empresas publicas para financiar a base de votos;
    – Financiamentos a ditadores amigos;
    – Política externa subjugada à ideologia bolivariana;
    – Governo é arrogante, incompetente e trabalha como se dono fosse do país, nada funciona nos 39 ministérios;
    – Partido dominante usa da democracia para solapa-la por dentro ;
    Como visualizar que essa estrutura possa mudar sem a intervenção ?

    Nós acabamos de mostrar a possibilidade indo às ruas pacificamente para pressionar todos em Brasília, mas…… tem uma turma que ao invés de sair do sofá para o bom combate, sai para pedir ajuda às FFAA, imaginando que eles entram, limpam o circo, convocam eleições e saem. Sabemos que não funciona assim. Essa mesma turma certamente não aceita o humor do Charlie. Não é nada fácil ser democrata de verdade na alma e no coração.

  5. Luciano, se tivesses certeza, que a FFAA, fizesse a intervenção e depois acompanharia o retorno da democracia, buscando todos os mecanismos necessários, para devolver o Poder ao povo, mesmo assim serias contra a Intervenção?

  6. Luciano conhece sobre “distribuição normal” (curva forma de sino); serve para “alojar” todo mundo (um a um, unitariamente) ao seu livre arbítrio; cada opinião encontra sua “faixa” dentre os desvios. Para figurar a democracia não há nada de mais completo/preciso/perfeito. Na Paulista 15/03/2015 dá de considerar que cada indivíduo (nas centenas de milhares) determinaria a sua “vertical” dentre os desvios, cada casal idem, cada grupo familiar idem, cada turminha com faixas idem, cada grupelho com bordões idem, cada bandeiraço idem, cada quarteirão idem. Dá de considerar que a multidão comporia infinidade de “sinos” a refletir ganas/raivas/estresses. Ainda bem, meu! Quer saber do motivo? Ocorre que não houve/há império de ideologia nem predomínio de liderança nem objetivo comum nem disciplina por ordem do dia nem ordem unida nem ao jeito de mentes a teorizar. Na real dá de com siderar que uma curva sim todo mundo concordaria de estar engajado, quase linha vertical na zoeira “Fora PT”, “Lula cachaceiro”, “Dilma VTNC”. Pois isso está mais que suficiente, né não?

  7. Tivesses algum parente na época da ditadura envolvido com o comunismo? Sim, porque só quem teve alguém em sua família envolvido com a subversão, que criou horror pelos militares, porque a maioria da população brasileira na época, pediu a intervenção, tiveram ela e aplaudiram as Forças Armadas, quando travaram uma verdadeira guerra interna, contra as forças comunistas, insistindo em querer se instalar em nossa Pátria. Escrevi um posts no Face, com o título: “A verdade, que insistimos em jogar embaixo do tapete”, que trata da verdadeira historia, e dos motivos que levaram os militares a fazerem uma intervenção, e não a contada por essa Comissão da Inverdade. As Forças Armadas estão aí, para zelar pelo cumprimento por todos da nossa Constituição, zelar pelo Povo, e guardar nossas fronteiras contra a invasão de inimigos externos! Portanto Luciano, não são eles os nossos inimigos, são pagos para nos proteger, e hoje com um diferencial, sabem mais do que antigamente, o peso que tem o Povo e a Democracia, por isso e mais algumas informações, que sei que fogem do conhecimento daqueles que se auto intitulam opositores moderados, aqueles que clamam pela Intervenção, tem seus focos mais definidos, mais conscientes, mais transparente e mais confiantes, pois sabem definir muito bem, quem é quem nesse nosso cenário político! A esquerda quer exatamente isso, a divisão da oposição com o único propósito de esvaziar os movimentos, e com esse comportamento de julgarem propostas com meios diferentes, mas com objetivos idênticos, me parece que estão conquistando os seus objetivos. Se mantivermos sempre toda essa discussão com serenidade, descobriremos que em vez de estarmos nos dividindo, estaremos lapidando o diamante, até encontrarmos a solução ideal através do consenso de ideias e conhecimentos. O que irá pensar ou dizer a esquerda, a mim me parece não ter a menor importância, pois só o fato de não pensarmos como eles, não sermos coniventes com suas falcatruas, sermos de direita e eles de esquerda, sempre terão muito o que falar das nossas atitudes. A mim não importa o que pensa e o que sente essa esquerda traidora da Pátria, interessa sim, é frearmos esse avante, e nos focar em como podemos combater o comunismo, a corrupção e os saques as instituições públicas, bem como o aparelhamento dos três Poderes!

  8. Nossa, Luciano, sério que respeita intervencionistas? Cada vez que eu vejo em alguma reportagem alguém com cartaz INTERVENÇÃO MILITAR JÁ fico com vontade de esmurrar o autor do cartaz e quem tirou a porra da foto e quem publicou. Queima-filme sob queima-filme. (mas, óbvio, fico só na vontade, não tenho coragem de esmurrar nem a parede quando estou com muita raiva)

    • Acho que a discussão nesse blog, está muito parecido, com discutir com petralhas, a verdade está escancarada, mas só eles não veêm. Por aqui, observo o mesmo. Existe um líder que é o Luciano, e o resto, que não passam de massa de manobra, apoiando de forma ignorante todas as colocações sem embasamento, sem solução e sem conhecimento posto aqui. Perguntei ao Luciano, então qual a solução para esse grande problema político, que hoje estamos vivendo, como todo o “direita moderado”, termo criado pelos inertes e faldos intelectuais, o Luciano e o resto que aqui opinaram, não deram sequer “uma” sugestão. Criticar desconhecendo na sua essência o conteúdo, atesta que a desinformação hoje, se torna uma arma letal a si mesmo, quando se entra para a guerra, desprovido de qualquer conhecimento dos dois lados. Além disso, hoje já observo com certo ceticismo, a conduta de certos movimentos organizadores dos protestos do dia 15/03 e do dia 12/04, lendo entrevistas de seus líderes, que estão querendo focar o protesto no “FORA DILMA”, como se esse fosse o único e verdadeiro motivo do povo ir prá rua protestar. Existem outros motivos mais importante hoje do que Dilma, pois se tivéssemos um Congresso na sua maioria sério, um STF imparcial e não comprometido, os atos de desmandos da Dilma seriam fiscalizados, cobrados e punidos conforme reza a Constituição. A forma como estão conduzindo todo esse movimento do dia12/04 me cheira a um certo comprometimento com alguns Partidos, ou alguns políticos interessados em manter o sistema como ele está, ou seja, vamos fazer com que foquem na Dilma, para esquecerem de nós. Como iriam viver esses políticos, sem essa tetinha para mamarem? Para nenhum político e nem para a mídia, é interessante a intervenção, pois estariam todos demitidos por justa causa, então todos tentam vender ao povo na sua maioria desinformado, que a Intervenção Militar é golpe, e todos na sua ignorância mais profunda acreditam volto a lançar o desafio por aqui, se alguêm tiver uma solução a curto prazo, para resolver os problemas que o nosso País enfrenta, gostaria de verdade em poder discutir o assunto, com toda a serenidade, que o momento pede. A intervenção não está contra o Povo, ela está sim contra aqueles, que de forma contumaz, insistem rm querer saquear o nosso Brasil, e viver na contramão da legalidade!

      • Para achar a solução do “problema’ é só olhar como o PT chegou ao poder. Eles usaram revolução armada? Eles usaram revolução militar? Não usaram nenhum dos dois. Então por que você, oponente do Pt, diz que essa é a “única solução”? A própria investigação desse histórico mostra que NÃO É PRECISO usar intervenção militar para se adquirir o poder. Mas pergunte-se: pq os petistas, que são melhores estrategicamente, optaram por não usar força revolucionária ou força militar? Aí você descobrirá o motivo pelo qual não vale a pena você usar isso, MUITO MENOS defender em público essa ideia. A melhor coisa que você tem a fazer é ajudar a divulgar as manifestações do dia 12/4 que sejam DEMOCRÁTICAS e sem GOLPISMO, pois neste último caso sempre o PT vai usar os intervencionistas como seus garotos propaganda não intencionais. Chega a dar pena.

  9. O PT conseguiu chegar ao Poder, porque as instituições ainda não estavam compradas, o STF, o TSE e o Congresso eram independentes, e a corrupção não era tão discarada, bem ou mal, existia uma Democracia de fato e de direito. Ingênua e sem sustentação a tua resposta Luciano. Além de tudo, não estás sendo nem um pouco democrático, quando não admites outras correntes de pensamento, que não sejam as tuas! Continuas a dever respostas aos meus questionamentos, e quando me refiro a ti, é a ti ou a qualquer um dos teus leitores. E quanto ao movimento do dia 12/04, com certeza estarei levando a minha presença, pois diferente de ti, não sou intransigente!

    • Paulo Costa,

      Se existia uma democracia de fato e de direita, por que nós deixamos o PT corrompê-la? Ficamos dormindo? E depois é só chamar militares ao invés de recuperar tudo de volta pela pressão popular?

      A questão não é de intransigência, mas também de estratégia. Por que eu vou fazer propaganda para o PT dizendo “quero intervenção militar”? Nenhum petista diz isso. Por que devemos dizer? E sem receber um tostão por isso?

      Abs,

      LH

  10. Enganam-se os quem é contra a intervenção militar em razão do que vivemos nos dias de hoje com o desgoverno comuna que aí está. Quem assim se posiciona, sem saber ou sabendo, estão fazendo o jogo desses criminosos, promovendo a espiral do silêncio imposta pelos esquerdistas, já há décadas.
    Fazem mesmo é um grande desserviço à nação.

    • Henandez,

      Veja só: se você for petista, psolista ou pcdobista jamais poderá dizer “quero ação armada para tomar o poder”, e você tomaria um puxão de orelha de outros dos partidos. Eles sabem que isso viraria propaganda para o adversário.

      Por que você insiste em fazer essa propaganda direita para a extrema esquerda? Eles QUEREM que você fale em público “quero intervenção militar” para TE ROTULAR.

      Sinceramente, você não preocupa com isso?

      Abs,

      LH

      • Não sou o henandez, mas deixo aqui o seguinte esclarecimento: Os patriotas não deveriam se preocupar com a rotulagem enganosa dos esquerdistas (que são e sempre serão traidores da pátria). Com bem disse o henandez, querem nos impor a espiral do silêncio, seja, somente vale a opinião esquerdopata.
        Aliás pergunto: É só os esquerdumes como Lula e Stédile é quem pode dizer que colocam seus exércitos vermelhos nas ruas? Percebeu a espiral do silêncio?
        Quer saber: Não se preocupe com os que querem ou não querem a intervenção militar. Saiba: Ela acontecerá independentemente do ter ou não o Impeachment da presidANTA. O serviço de inteligência das FABs já estão desaquarteladas e os militares sabem muito melhor que os próprios manifestantes o que está ocorrendo no país.
        Em algum momento (se bem que já poderia ter acontecido) os militares intervirão e não haverá espaços para corruptos no circo chamado Congresso Nacional. Não surrupiarão ao menos por um bom tempo do erário público (já que uma nova “redemocratização” poderá ocorrer após a saída dos militares) pois a política no Brasil (com a abertura “democrática”) sinalizou para o lixo que se tornaria e se tornou o país.
        Prepare-se para a guerra civil, meu caro, a intervenção será necessária e nada poderá contê-la.
        Com comunistas não se brinca e boa parte das FABs sabe disso e nada passará em brancas nuvens no país.
        “Comprovadamente os vulcões estão extintos no Brasil, mas os comunas estão tratando de reativá-los”.
        “A pátria, em algum momento, não terá mais espaços para indecisos e covardes”.

  11. Exceto por aqueles que estão se locupletando no poder, nenhum de nós quer viver um regime totalitário. Assim sendo, a conclusão lógica é que defendemos a democracia.

    Quanto aos pedidos de intervenção militar, não entrarei na análise LEGAL (deixarei para os Juristas) e nem na questão do marketing (concordo que é um marketing negativo para os protestos). O que achei muito estranho foi a afirmação do autor que pedir intervenção militar é uma crença VERGONHOSA. Porque? E quem pede impeachment? E quem pede renúncia?

    O grande problema é que, quando se fala de intervenção Militar, todos pensam em GOLPE. Até jornalistas e comentaristas políticos renomados fazem questão de confundir a população e, ao invés de esclarecer a diferença, simplesmente dizem que o GOLPE é absurdo e inconstitucional (o que é fato).

    Precisamos, porém, diferenciar GOLPE de INTERVENÇÃO. São duas coisas distintas. O GOLPE passa por cima das Leis, do Estado de Direito, da Constituição, levando os golpistas a permanecerem no poder pela força (no caso em questão, a força Militar). A INTERVENÇÃO, por outro lado, é temporária, e previsto na Constituição Federal. Neste caso, deve-se convocar novas eleições. A conclusão é clara: a INTERVENÇÃO, respeitadas as condições requeridas pela Constituição Federal, é perfeitamente LEGAL.

    Muitos argumentarão, e com razão, que os Militares não convocaram eleições em 64, o que é fato, mas um erro do passado não significa que será cometido novamente. Existiria um risco? Claro, mas não é isso que está em discussão no momento.

    Voltando ao tema… Sendo, portanto, CONSTITUCIONAL, a questão mais importante a ser discutida é: a situação atual do País reúne condições (pré-requisitos constitucionais) para que haja uma INTERVENÇÃO Militar? Certamente alguns dirão que sim, baseados em suas próprias percepções da situação em que se encontra o Brasil. Muitos, como eu, irão afirmar que não existe condições para isso.

    Independentemente de ter ou não base legal para a intervenção, o fato é que a justificativa de cada um é função da percepção individual da situação. Quando as diferentes percepções convergem para o mesmo objetivo (IMPEACHMENT, por exemplo), sabemos respeitar a posição de cada um. Quando o objetivo é diferente, não respeitamos as percepções individuais. Adotar essa prática é agir da mesma forma que o Partido Quadrilha, preocupados apenas com os objetivos.

    Quem realmente ama a democracia, não pode exigir o silêncio daqueles que pedem uma INTERVENÇÃO Militar, uma vez que está previsto na Constituição Federal. Caso contrário, deve apoiar a regulamentação da mídia e jogar a democracia no lixo.

      • Luciano

        Vamos ao que diz a Constituição:

        Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.

        A menos que as regras de Português tenham mudado, a interpretação parece-me óbvia. Os pontos principais são:

        1. Estão sob as ordens da Presidência (indiscutível)
        2. Destina-se à defesa da Pátria e à garantia dos poderes constitucionais…
        3. e, por iniciativa de qualquer destes (poderes constitucionais), da lei e da ordem.

        Qual a interpretação lógica dos dois últimos itens?

        Fica bastante claro que a função principal das FFAA é defender a Pátria e a garantia dos poderes constitucionais. Nestes pontos, não se faz qualquer referência à necessidade de ser acionada por qualquer um dos poderes. Para estes casos a intervenção, portanto, seria constitucional.

        O terceiro item mostra, claramente, que se for para defender a lei e a ordem, as FFAA precisa ser acionada por qualquer um dos poderes constitucionais. Para estes casos, fica claro que, sem a ação de um dos três poderes, a intervenção é inconstitucional.

        Concordo, plenamente, que não há justificativa LEGAL para que isso ocorra, pois creio que a Pátria não está em perigo e os poderes constitucionais, bem ou mal, ainda funcionam. Mas há quem ache o contrário. Há quem ache que a Pátria está em perigo (também acho, mas por outras razões que não cabe no Art. 142 da CF). Há quem ache que os poderes constitucionais (Legislativo e Judiciário) estão comprometidos (também acho, mas, mais uma vez, não cabe neste artigo).

        Note que “defesa da Pátria e garantia dos poderes constitucionais” são condições subjetivas, que permitem diferentes interpretações. E aí? Apesar da grande maioria acreditar que não se aplica, vamos desrespeitar quem pensa diferente?

        Como já disse, não sou favorável à intervenção. Meu comentário foi mais no sentido de nós também respeitarmos quem pensa diferente, senão estaremos agindo da mesma forma que a quadrilha. Não precisamos apoiar quem é favorável à intervenção. Podemos argumentar que não há condição legal para tal ato, mas não podemos combater a idéia em si. Vamos deixar que a quadrilha faça isso.

        Abraço,

        Yulo

Deixe uma resposta