O multiculturalismo como um projeto de morte (Excertos de “A Urgência de Sermos Charlie”)

39
174

467gbmpgu8_1nicwunyk7_file

Chegamos quase a R$ 9.000,00 na campanha de crowdfunding para o lançamento de “A Urgência de Sermos Charlie”. Ou seja, já passamos da metade do caminho faz algum tempo. Aqui segue o link para continuarmos a campanha e a divulgação!

Abaixo os excertos já publicados:

E agora mais um excerto, do capítulo 4, que fala sobre o multiculturalismo europeu:

E como vai indo o multiculturalismo? Muito bem, obrigado. No mesmo sentido em que um crocodilo vindo em sua direção vai indo “muito bem, obrigado”. Se você alguma vez já se perguntou por que algumas pessoas falam do multiculturalismo com asco, sigamos pelo mesmo blog Perigo Islâmico para ver que há razão para isso. O texto “Multiculturalismo floresce por toda a Europa”[i], lança outra observação relevantíssima antes de jogarmos o multiculturalismo (um dos principais frutos do politicamente correto) na arena:

Uma vez que o multiculturalismo já está perfeitamente enraizado na Europa, é altura de se fazer uma avaliação do seu “sucesso”. Para quem não sabe, o multiculturalismo apela a imigração em massa de pessoas com culturas distintas e impede ao mesmo tempo que sejam feitos movimentos que visem a assimilação das mesmas.

Por assimilação entende-se que os imigrantes devem aderir às normas do país que os recebe, não de seus países originais. Ao invés disso, os multiculturalistas adotam a noção falida de que se você tentar fazê-las se assimilar à nossa cultura deve ser chamado de “islamofóbico”. O padrão, obviamente, se manifestará apenas se estivermos diante de um islâmico, que não é obrigado a cumprir as regras. Se isso tudo soa insano é porque de fato é. Então comecemos com uma avaliação do “caso de sucesso” do empreendimento multiculturalista, de acordo com as dicas daquele blog.

Na Grã Bretanha[ii], na área do Tower Hamlets do Oeste de Londres (também conhecida como “A República Islâmica de Tower Hamlets”), clérigos maometanos normalmente lançam ameaças contra mulheres que se recusam a usar a burca. As estradas foram invadidas por cartazes com frases como: “Você acabou de entrar numa área controlada pela Sharia. As leis islâmicas estão em operação”. Em Luton, os maometanos foram acusados de levar a cabo uma “limpeza étnica”, ao assediarem os cristãos, fazendo com que muitos deles se mudassem para fora das áreas muçulmanas. Em West Midlands, dois cristãos foram acusados de “crimes de ódio” ao distribuírem panfletos bíblicos em uma área predominantemente muçulmana de Birmingham[iii]. Em Leytonstone, o extremista maometano Abu Izzaden interrompeu o discurso público do Secretário da Habitação John Reid dizendo: “Como você se atreve a vir para uma área islâmica?”[iv]. Decididamente uma cena oferecendo um impecável retrato da pusilanimidade européia dos dias de hoje. Se você acha que a Inglaterra, um dos berços do Iluminismo (a da versão muito mais racional e lúcida, em comparação ao Iluminismo francês), seria hoje reconhecida por sua razão, pode tirar o cavalinho da chuva.

Na França, várias vizinhanças muçulmanas agora são consideradas zonas “no-go” pela polícia local. Uma zona “no-go” é aquela onde quem não é muçulmano não é louco de entrar, a não ser que esteja protegido por escolta policial. Hoje existem 751 zonas “no-go”, chamadas de “zonas urbanas sensíveis” pelos batalhões do politicamente correto[v]. Hoje 5 milhões de maometanos vivem em zonas “no-go”. Nessa parte, o governo da França já não controla mais nada. Por medo de serem acusadas de “islamofobia”, as autoridades “travam”. Por isso, quando várias mesquitas começam a proferir “Alá é o maior” por megafones e autofalantes, as queixas públicas reclamando do barulho não são atendidas pela polícia. O que leva os franceses a tolerar este tabefe na cara?

Na Bélgica, o problema é semelhante. Em Bruxelas, onde 20% da população é muçulmana, várias vizinhanças já se transformaram em zonas “no-go”. Quem se atrever a entrar nelas pode levar pedradas nos cornos. No distrito de Kuregen, a polícia tem que patrulhar a região com dois carros: o primeiro para fazer o serviço de patrulha e o segundo para evitar que o primeiro seja atacado. Típica zona de guerra urbana. No distrito de Molenbeek, a polícia recebeu ordens de não tomar café ou comer sanduíches em público durante o mês islâmico do Ramadã. Caso contrário, a situação para eles ficará tão segura quanto fazer barba durante um terremoto.

Na Alemanha, em entrevista dada ao Der Westen, o comissário de polícia Bernhard Witthaut comentou que os imigrantes islâmicos estão impondo zonas “no-go” por todo o país em ritmo impressionante[vi]. O entrevistador perguntou: “Existem áreas urbanas – por exemplo, em Ruhr – distritos e blocos de casas que são áreas ‘no-go’, significando que elas não podem mais ser protegidas pela polícia?”. A resposta de Witthaut:

Todo comissário de polícia e ministro interiorano irá negar isso. Mas é claro que nós sabemos onde podemos ir com o carro de polícia e onde, mesmo inicialmente, apenas com o transporte de pessoal. A razão é que nossos colegas não podem mais se sentir seguros entrando lá em duplas, e temem se tornar eles próprios vítimas de crimes. Nós sabemos que estas existem. É ainda pior: nestas áras, os crimes não resultam em punição legal. Eles são abandonados à sua própria sorte. Apenas nos piores casos nós, da polícia, conseguimos descobri algo a respeito. O poder do estado está completamente fora da equação nestes lugares.

Precisa mais? Pois saiba que na Itália, os muçulmanos normalmente ocupam a Piazza Venezia para suas rezas de sexta-feira. Na Bolonha é normal que muçulmanos ameacem bombardear a catedral de San Petronio[vii]. Motivo: ela exibe uma pintura de 600 anos ilustrando o Inferno de Dante, mostrando Maomé atormentado no inferno. Parece que o método multiculturalista mostrou-se tão útil quanto um lápis branco. Mas não pense nos políticos italianos que deixaram isso acontecer como pessoas estúpidas. Melhor pensar neles como pedras inteligentes.

E a Suécia? Ah, o paraíso na terra. Pois lá existem várias áreas de Malmo (com mais de 25% de muçulmanos) que também são zonas “no-go” para não-muçulmanos. Malmo, onde o distrito de Rosengaard é descrito como multi-étnico, assistiu vários carros serem bombardeados por muçulmanos[viii]. Neste distrito, 80% dos homens estão desempregados.

Parece realmente inacreditável o que está se passando com a Europa, mas os fatos estão aí. Não podemos fechar os olhos para eles. É por isso que o blogueiro europeu (que vive em Portugal) lança novamente seus comentários ao mesmo tempo indignados e lúcidos:

Enquanto esta destruição vai ocorrendo, a elite esquerdista dominante continua a subsidiar os invasores e apropagandear em seu nome. Críticas à conquista islâmica têm que ser criminalizadas.

A menos que a Europa morra de forma tranquila e se torne em algo análogo ao Médio Oriente, pobre, violento e retrógrado, o continente está em vias de entrar num momento bastante colorido da sua história onde a população nativa irá reclamar o seu território de forma violenta depois de se ver livre da elite politica – tanto da esquerda como da direita – que os traiu.

É bom lembrar que não falamos aqui de uma “falha de projeto”. Estamos diante de um projeto executado conforme o previsto.

[i] “Multiculturalismo floresce por toda a Europa”. Blog Perigo Islâmico, 17/07/2012.

[ii] “European ‘no-go’ zones for non-muslins proliferating”. Gatestone Institute, 22/08/2011.

[iii] “Christian preachers face arrest in Birmingham”. The Telegraph, 31/08/2008.

[iv] “Radical shouts down Reid on Muslim ‘brainwashing’”. London Evening Standard, 20/09/2006.

[v] SIG Du Secrétariat general da CIV- Questionnaires.

[vi] “In Problemvierteln fürchtet sich sogar die Polizei”. WAZ, 01/08/2011.

[vii] “Al-Qaida plot to blow up Bologna church fresco”. The Guardian, 24/06/2012.

[viii] “Sweden: Two car bombs rock Muslim area of Malmo”. Jihad Watch, 20/12/2014.

Anúncios

39 COMMENTS

  1. Não posso aquilatar se o fato tem alguma semelhança com o que se passa na Europa, pois, é público e notório, que está havendo uma massiva migração de cubanos, haitianos do Caribe e de angolanos, moçambicanos em maior quantidade e, também, de outros países da Africa em menor número. E, pelo que me consta, com estímulo do atual governo. Seria o caso de se estar atento a esse fenômeno migratório e buscar nas entrelinhas o motivo que leva o governo a incentiva-lo. Parece que o fenômeno tem alcance mundial e, de certa forma, tudo indica que tem conotação com a ideologia da esquerda radical.

  2. Eu jamais gostarei de viver um horror desses ! Eu também gostaria de saber porque o “desgoverno” brasileiro está permitindo que as enormes entradas de estrangeiros aqui…, os quais só trazem problemas , tanto para eles como para nós.(???)

  3. Os mesmos políticos que marcharam no “Eu sou Charlie” agora silenciam-se após o massacre de 147 cristãos no Quênia. Pq eles não dizem também “Eu sou Cristo”?

    Eu sou Charlie = Je suis hypocrite!

  4. Luciano,apesar daquela imagem sobre o Alckmin ser fake,Lola disse algo muito parecido sobre a morte do Clodovil por ele ser contra o kit gay,o casamento homossexual e o Pl122,que criminaliza o pensamento sobre o homossexualismo.

    http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2009/03/ja-vai-tarde-clodovil.html

    E também nos comentários do post sobre o Clodovil,Lola escreveu:

    “Fátima, não dá pra fingir que estamos muito tristes com a morte dele…

    Marj, imagino que ele era insuportável. O maridão odeia quando fico feliz pela morte de alguém, mas sinto muito. É bom pra balancear com o clima de velório e a canonização da mídia.”

    E esse também:

    “Eu particularmente fico feliz quando gente assim morre. É menos um no mundo”

    E esse sobre o ACM,também nos comentários do post sobre o Clodovil:

    “Tânia, sei que é um pouco pesado. Geralmente não desejo a morte de ninguém. Mas vc não vai me ver derramando lágrimas quando o Maluf morrer. Eu festejo a morte de alguns podres, como o ACM.”

    Ninguém é obrigado a ficar triste pela morte de ninguém,e qualquer um tem o direito de ficar feliz pela morte de alguém,mas quando alguém diz a mesma coisa sobre feministas ou esquerdistas,ou até coisa menos grave, Lola chama isso de discurso de ódio,ou de bullying na internet.

    Acabei de ler o post dela sobre a imagem.Ela disse:

    “eu jamais escreveria algo assim, ainda mais num momento trágico em que alguém perde um filho”

    Hipocrisia pura.

    A imagem pode ser fake,mas havia bons motivos para acreditar que era verdade.

    • O problema dessas acusações é que sempre acontece a mesma coisa. O acusado diz que o print é falso, que é montagem. E quem está acusando diz que o outro é que apagou a mensagem depois da denúncia. Daí é impossível saber quem é que está mentindo. Eu não duvido nem um pouco da Lola ter falado aquilo, é condizente com o estilo dela, mas aquele print, por outro lado, não é prova suficiente.

      Às vezes dá pra consultar a versão em cache do Google, que registra uma cópia mais antiga do site. Se a modificação foi recente, e a mensagem original tem pelo menos uns 2 dias, dá pra comprovar as diferenças.

    • Poxa, que beleza esse desmascaramento. Luciano, aproveite: publique no Crítica Política isso, essa incoerência dela. Ela se doeu todinha por conta do print-screen, fez um texto no blog dela falando de você, tá aí a chance de mostrar que ela tá se fazendo de doída mas tem sede de sangue. Não perde a chance não.

      • Ah, e ela também deseja no mesmo post a morte do Agnaldo Timóteo – que eu particularmente não suporto, mas porrãn, que burrinha, hein? É, fia, quem mandou pagar de boa moça que é defensora do politicamente correto e que quer um mundo todo lindo e respeitoso e ao mesmo tempo depravadão e sanguinário? Agora ‘guenta.

      • Muito boa a postagem lá, Luciano! Parabéns. Muitos desafios pra ela. MAS, sugeriria um bônus track, um extra, colocando toda a sede de sangue dela pelo Clodovil, e justificando que é bom comemorar a morte de outras pessoas pois “gera um contraponto em relação a canonização que fazem” (alguma merda assim ela falou). Não perde esse prato cheio não, disperdiçar prato cheio é feio. Moral dela tá indo pra sarjeta, junto o partidozinho que ela defende.

      • Deixei esse comentário no post dela sobre a imagem e ela deletou.Da ultima vez ela deletou um comentário meu de um post sobre o PT durante as eleições.

    • A propósito, no site dela, na postagem que ela fala da entrevista com o Emérson, ela publicou uma foto que diz ser do Luciano. Luciano, é você naquela imagem que ela publicou? (curiosidade)

      • Não sou não. Ali é o psicopatinha Marco Suriani, um maluco que dá aula na Faculdade Pitágoras, de Uberlândia. Não passa de um doente mental que queria vencer este blogueiro falsificando print screens para dizer “Luciano cria fakes para elogiar a si próprio”. Agora que tenho 15 ou 20 vezes mais acessos, o truque do Suriani não cola mais, e ele até parou de blogar. Aliás, o outro stalker é Nigo Zeroichi, outra figura patética.

      • Ah sim, “menos mal” pois afinal o sujeito lá é muito diferente de como eu imagino (tenho mania de imaginar as pessoas que não sei como são a partir de alguém que eu já conheça com o mesmo nome delas)

  5. Se hitler fosse vivo adoraria esse “multiculturalismo”, já imaginou hitler no Twitter passando listas de endereços interessantes para criarem um ‘no-go’ nazista?
    Depois não entendem como cresce o número de jovens europeus que são doutrinados e exportados para lutar em linhas radicais do Islã.

  6. O Que estão esperando para dar início a uma nova Cruzada? A cada dia o inimigo se fortalece dentro do organismo, se aproveitando das fragilidades e da tolerância do hospedeiro. Em pouco tempo os nativos é que serão minoria e terão que fazer guerrilha para tentar derrubar a tirania islâmica.

  7. Vocês repararam que todos os países citados no artigo são de cunho protestante?
    Pois é, graças ao protestantismo é que surgiu o liberalismo, que consequentemente deu no que deu nos dias hodiernos. Enquanto o mundo Ocidental viveu sob a influência católica, não havia espaço para influências alienígenas e quando houve as invasões muçulmanas na Europa entre os séculos VII e XIV, foram combatidas exaustivamente até serem definitivamente expulsas há mais de 500 anos, e isso sem falar nas Cruzadas Católicas que defendiam cristãos no médio oriente. Agora esses alógenos regressaram sem a menor resistência. Parabéns Lutero e Calvino. Que continuem ardendo no inferno!

    • Vou criar polêmica aqui, mas bora lá.

      Detesto o Jean Wyllys. Cara que se veste ridicularmente de Che, que quando abre a boca pra falar dá vergonha alheia, que gosta de Islamismo e umas outras insanidades do tipo, que eu não acreditei na historinha mal contada de que não foi ele quem mandou aqueles e-mails pro Olavo, e foi um participante chatíssimo no BBB (eu tinha 13 anos na época que passou o BBB dele, assistia de vez enquando e lembro um pouco – ÓBVIO que não me orgulho) que venceu pelo vitimismo, sendo que recordo bem de no primeiro paredão, ao ser indicado, ele disse que haviam o indicado por ele ser gay – coisa que os que o haviam indicado, outros bostas também por sinal, nem sequer sabiam.

      Mas não achei nada demais dele sair do lado do Bolsonaro, e menos ainda “heterofobia” como o título do vídeo sensacionaliza – por favor né, menos, bem menos. Sensacionalismo a esse ponto é tosqueira.
      Se fosse o contrário a esquerdopatada cairia em cima do Bolsonaro? Cairiam, brutalmente.

      Mas o Bolsonaro chegou com intenção de provocar, anunciar “Jean, vou sentar do teu lado” e chegar filmando foi um meio de provocá-lo, torcendo pra que tivesse uma reação do tipo a que teve, e muito feliz deve ter ficado ao ver o patinho caindo na armadilha.
      Achei até inteligente da parte do Bolsonaro. Mas, não cabia ao Wylly-Wonka se fazer de simpático. Não se gostam então que fiquem longe mesmo.
      Boa estratégia do Sônaro pra ridicularizar, mas eu não caí não. Se sentiu discriminado o caramba: ele adorou.

      “A-HÁ, tá defendendo o Wyllys” -> fio, quero mais é que ele se foda. Eu me levantaria caso qualquer um dos dois sentasse ao meu lado. Dois loucos, um de cada extremo. Bolsonaro ser desafeto do Wyllys não o torna bonzinho, e vice-versa.

      PS: Uma ex-namorada minha de 3 anos atrás, cuja qual muito sofrimento me trouxe na época do fim do namoro, tem uma foto com o Wyllys no facebook. GRAÇAS AOS CÉUS O NAMORO TERMINOU!

      • Cauê,

        O detalhe que eu vi não é o caso do Wyllys ter trocado de assento, mas ter um EXEMPLO VIVO de uma imagem que, se fosse do Bolsonaro trocando de assento ao chegar o Wyllys, serviria como acusação de homofobia contra ele.

        Abs,

        LH

      • Cauê, é claro que não ocorreu heterofobia por parte do ex-bbb.Bolsonaro usou essa palavra de forma sarcástica.
        O que ele quis mostrar é que se fosse o oposto certamente o ex-bbb iria falar que ele fez isso por homofobia, que não sabe conviver com gays e toda aquela ladainha.

  8. Ayan, eu sei que o seu livro está praticamente pronto mas, se for possível, tem como incluir esses dois textos do PCO (onde eles mostram que na verdade querem um banho de sangue):

    http://www.pco.org.br/internacional/uma-nova-guerra-ao-terror-a-quem-serve/abai,s.html

    Com direito a essa parte:

    “As reações violentas dos países atrasados contra o imperialismo são comuns. E os marxistas nunca as repudiaram, apesar de terem sido extremamente violentas.”

    Vale lembrar que o PCO nem é um partido trotskista, apesar de se comportar de maneira semelhante.

    E este (praticamente um discurso de ódio contra Israel):

    http://www.pco.org.br/internacional/apoiamos-o-hamas-o-estado-de-israel-precisa-ser-destruido-de-maneira-revolucionaria/ajei,a.html

    Veja só o nível de psicopatia dessa turma:

    “Se uma igreja evangélica pegar em armas contra o imperialismo, para expulsar o imperialismo no Brasil, nós apoiaremos essa igreja evangélica que está de armas na mão na luta contra o imperialismo. O problema para nós é que as igrejas evangélicas não estão na luta contra o imperialismo, por isso não vamos apoiar. Não é um problema da ideologia. Nós apoiamos a luta do governo do Irã contra o imperialismo, e o governo do Irã é de tipo religioso; nós apoiamos a luta do nacionalismo burguês da Venezuela contra o Imperialismo, e nós somos um partido operário que luta contra a burguesia em todos os lugares; por isso nós temos que apoiar o Hamas. As pessoas se confundem. Se o Hamas é um grupo religioso, não tem a menor importância. Se o Hamas é um grupo que não reconhece os direitos das mulheres, dos homossexuais e outros direitos que eles não reconhecem mesmo, não tem a menor importância.”

  9. Enquanto você dorme, o amiguinho Alexander Dugin aprendeu a falar português e dá aulas na USP
    https://www.youtube.com/watch?v=-4koAzD9lAg
    E na UFSC também
    https://www.youtube.com/watch?v=HBW3iaKmUqE
    Enquanto José apontando para o céu, mostrando uma estrela distante, e acreditando ser o senhor da razão, a nave mãe está pousada no quintal, e os ETs estão andando no pátio da casa do José.
    Os planos deles estão muito mais avançados do que você imagina.

    • Marcelo,

      Mas aí é que está a questão. Enquanto eles vão para a GUERRA CULTURAL (como os casos de Dugin dando palestras aqui), tem gente do nosso lado falando em “intervenção militar”. Isso não é jogar a guerra política.

      A solução está em EQUIPARAR as ações, no mínimo, na guerra política.

      Intervencionistas precisam acordar para a guerra política e parar de fazer propaganda pro PT de graça.

      Abs,

      LH

  10. Caramba, o que foi aquilo que o DEM fez, hein? Que lixo, mas que LIXO!! Político é tudo igual, os discursos que eles fazem, não é por convicção, mas apenas uma questão de conveniência. Já vi políticos (e jornalistas) mudarem completamente de discurso de uma semana pra outra, como quem muda de roupa.

    E o pior é que o DEM era o único partido grande minimamente de direita, agora o partido grande mais de direita que tem vai ser o PSDB. Dá pra acreditar nisso?

  11. Luciano e demais, assistiram há algumas semanas atrás a entrevista do Rogerio Chequer no Roda Viva?

    Apesar do movimento dele não pedir impeachment, achei que foi uma boa entrevista. Ele tem postura, não demonstra medinho, desmentiu uma jornalista (FEIA PRA CARALHO QUE SÓ ESFREGANDO UMA GARRAFA NA XECA PRA IMAGINAR COMO SERIA SER FUDIDA POR ALGUÉM) do El País, carrancuda, feiosa, nojentona, que veio defendendo o PT enquanto provavelmente esfregava uma garrafa na xeca nunca antes penetrada por um pau.

    Cultura de oposição: vejo crescer!

    • Pra ontem esse barramento! É um tipo diferente de pedido. Estarei domingo lá e eu não quero intervenção militar.

      Quem pede intervenção é um grupinho de nada – lembram que em março do ano passado fizeram DUAS marchas pedindo intervenção em São Paulo, no mesmo sábado, e em uma tinha umas 8 pessoas, e em outra umas, sei lá, 30. Nem 50 pessoas somando as duas.
      Olavo tá com dózinha de expulsar esses 50 queima-filme? Tenha dó!

      É muito simples, eles tão pedindo X e o protesto é para Y. Que façam um dia só pra X. Domingo é dia de Y.

      Ceticista e Luciano, vocês já bizoiaram vossas contas de luz? A da minha casa veio O DOBRO do que costuma vir. O DOBRO. Tem uma explicaçãozinha de bosta justificando o aumento, ou melhor, a dobrada.
      Espero que sentindo o peso no bolso muita gente que não compareceu no dia 15 fique ciente da importância de comparecer domingo.
      Nos vemos lá!

    • Eu acho que ficou combinado com a PM que eles ficariam a 500 metros de distancia do MBL.No 15 de março eles ficaram muito perto do MBL e atrapalharam demais.

  12. Luciano, é importante. O que você acha da aprovação da PL 4330/2004?

    http://www.brasilpost.com.br/2015/04/08/camara-aprova-terceirizacao_n_7029574.html?ncid=fcbklnkbrhpmg00000004

    Eu, particularmente, sou contra. Óbvio que não digo isso com pleno conhecimento da causa. Mas é porque sou estagiário numa empresa que é bem grande e vejo muito desrespeito por parte dos grandalhões com os nanicos, tipo eu e outros que não são da atividade final deles (é do ramo de arquitetura/decoração, e eu sou estagiário de marketing). Um desrespeito maior ainda ocorre eventualmente com quem é da atividade fim, muita rispidez, frieza, umas cenas as vezes que são uma nojeira. Rola muito dinheiro lá e os grandões tão sempre buscando motivos pra economizar mais e mais. Isso de poder terceirizar com certeza vai fazê-los dispensar boa parte do pessoal que não é da atividade-fim pra não precisar cumprir com as obrigações CLT.
    To falando isso como alguém que conhece muito pouco disso, como disse sou estagiário, há 1 ano e meio nessa empresa, e é a primeira “grandalhona” na qual estou.

    O que você acha disso aí, dessa aprovação?
    É realmente importante pra mim saber. Se alguém que ler esse comentário quiser comentar também, vou gostar bastante.
    Aguardo um post no Crítica Política, ou, se for uma opinião rápida, por aqui mesmo em resposta ao comentário, mas não deixe de me responder, por favor.

    Boa noite e abs.

    • Cauê,

      Eu acho ótima a aprovação, e vou fazer um post no CP sobre os motivos.

      O discurso de que existirá a dispensa das pessoas para que fossem para empresas que não cumpram a CLT não existe. Eu atuo como consultor há 20 anos e posso dizer que era assim mesmo até uns 5,6 anos atrás. Mas hoje não. Hoje em dia, ao menos em SP, quase todos os funcionários de TI são CLT. Na verdade, essa é uma pressão de mercado, pois se não forem CLT, eles tem mais chances de entrar com ação trabalhista CONTRA A EMPRESA CONTRATANTE.

      É mais ou menos assim. Imagine que a Petrobrás contrate a empresa XYZ como terceirizadora de serviços. Se a XYZ tiver funcionários sem CLT, como PJ, etc, eles tem uma grande chance de, após saírem, entrar com ação trabalhista. Muitas vezes entram contra a Petrobrás, que é uma empresa maior e tem maior chance de bancar. Por isso, o mercado se auto-regulou para descartar as empresas que vendem serviços terceirizados mas não tem funcionários fora do CLT.

      Vou explicar em mais detalhes no CP.

      Abs,

      LH

      • Obrigado, Luciano. Li aqui e o artigo no CP e entendi melhor. Imagino (acho que não to falando bosta) que isso seja bom também para que hajam mais profissas autônomos né?
        Eu tenho a maior vontade de ser autonômo um dia, e não depender de chefe mala, como atualmente.
        Descobri recentemente um antigo site seu, o Ceticismo Corporativo, e gostei bastante do que li lá. Pena que teve vida curta, mas ao menos ainda está no ar.

        Fiquei com uma dúvida: no exemplo que deu, se a Petrobrás contrata XYZ para uma atividade essencial deles, a XYZ seguirá pagando o salário normal e apenas o salário normal, ou pagará algo diferente por estarem prestando serviço pra outra empresa? Dependerá do ramo de atuação, de cada caso?
        Se for para a atividade fim da Petrobrás, será diferente? Ou a Petrobrás vai pagar um valorzão pra XYZ, e a XYZ continuará pagando um saláriozinho de merda pros seus funcionários?

        Pergunto porque aqui onde estagio vejo cada putaria, me pedem as vezes pra fazer coisa que não é da minha função (me pergunto se isso não é contra os direitos trabalhistas) e o chefão-chefão pede às vezes a mim ou a outras pessoas pra fazer coisa que não é para a empresa aqui, mas sim para a de um amigo dele ou parente dele – por exemplo, já me pediu pra fazer um “bannerzinho”, pequenino mas pediu, para a empresa do irmão dele. Sem nenhuma remuneração extra. Por medo de desagrar o poderoso Corleone, fiz. Fui cuzão (bobo), né?

        E a minha chefa esquerda caviar de quem sempre falo aqui, que é a chefe do meu departamento, que diz ser preocupada com pobres e oprimidos mas trata mal todos seus subordinados (e pelo que já notei tem certo “nojinho” de lésbicas, vejam só), vive falando “ah, o Cauê manja disso aí, ele faz pra você”, coisas que não são da minha função direta.

        Não há risco da XYZ faturar em cima de seus funcionários, remunerando-os com trocadinhos enquanto receber bolões de grana da Petrobrás?

Deixe uma resposta