Bolsonaro é condenado a pagar R$ 150 mil por “declarações contra gays”. E agora, o que os defensores de Bolsonaro vão fazer?

75
257

1301515270041-bolsonaro-600x375

Hoje chegou esta notícia às minhas mãos: “Bolsonaro é condenado a pagar R$ 150 mil por declarações contra gays”. Leia a matéria completamente tendenciosa, conforme o UOL:

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) foi condenado pela 6ª Vara Cível do Fórum de Madureira, do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro) a indenizar em R$ 150 mil, por danos morais, o FDDD (Fundo de Defesa dos Direitos Difusos), criado pelo Ministério da Justiça, por causa de declarações contra homossexuais. Cabe recurso da sentença. O parlamentar afirmou, na noite desta segunda-feira (13), que irá recorrer da decisão.

De acordo com o TJ-RJ, a ação, ajuizada pelos grupos Diversidade Niterói, Cabo Free de Conscientização Homossexual e Combate à Homofobia e Arco-Íris de Conscientização, se baseou, entre outras questões, as declarações do parlamentar ao programa “CQC”, da “TV Bandeirantes”, no dia 28 de março de 2011, quando ele fez críticas à comunidade LGBT. A emissora não foi implicada na ação.

O FDDD tem como objetivo a reparação dos danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico, paisagístico, por infração à ordem econômica e a outros interesses difusos e coletivos.

Na sentença, a juíza Luciana Santos Teixeira afirmou que a liberdade de expressão deve ser exercida em observação à proteção e dignidade do cidadão.

“Não se pode deliberadamente agredir e humilhar, ignorando-se os princípios da igualdade e isonomia, com base na invocação à liberdade de expressão. Nosso Código Civil expressamente consagra a figura do abuso do direito como ilícito civil (art. 187 do Código Civil), sendo esta claramente a hipótese dos autos. O réu praticou ilícito civil em cristalino abuso ao seu direito de liberdade de expressão”, escreveu a magistrada.

“A decisão é dela e eu tenho que respeitar, mas cabe recurso. Vai caber até o Supremo, com certeza”, declarou Bolsonaro. Na defesa, o deputado argumentou que detém imunidade parlamentar, mas a juíza decidiu que a prerrogativa “não se aplica ao caso”.

“Em que pese o réu ter sido identificado no programa televisivo como deputado, suas declarações foram a respeito de seus sentimentos como cidadão, tiveram cunho pessoal – e não institucional”, relatou a Luciana Santos Teixeira.

“Eu acho que a juíza lamentavelmente se equivocou. É a primeira vez que eu perco um processo em primeira instância”, afirmou o deputado, nesta segunda.

“Tudo o que eu falei lá, eu vou continuar falando. Se você começar a castrar o direito de expressão de um parlamentar, eu não sei o que eu estou fazendo em Brasília. Ela deveria pedir minha cassação. Tem que se respeitar o direito ao contraditório. Eu, respeitosamente, tenho muito orgulho de ser heterossexual”, disse.

Isso que o movimento LGBT fez só tem um nome: declaração de guerra. Agora virou mania. É uma ação judicial completamente desproporcional e insana atrás da outra. Recentemente, Fidelix foi processado em 1 milhão de reais. Agora Bolsonaro é processado em 150 mil reais. A orquestração é claríssima. Sempre a partir de teatro, é claro.

Realmente muitas pessoas nas redes parecem admirar Bolsonaro. Porém, isso de nada valerá se essas pessoas não se juntarem e se rebelarem contra esse absurdo. É um ato claríssimo de guerra jurídica extremamente desleal.

Lutar politicamente não é só participar de comunidades como “Bolsonaro Zuero” ou divulgar mensagens dizendo “Ele é demais. Ele é o Bolsomito!”. É lutar para que as pessoas que vocês respeitam não sejam oprimidas de forma fascista por quem não respeita a liberdade de expressão. Na verdade, se vocês lutarem pela liberdade de expressão de todos só tem a ganhar.

E mais uma vez os conservadores religiosos que se recusam a lutar pela liberdade de expressão de uma forma mais ampla colhem os seus dividendos. No jogo do uso de distinções de emergência para silenciar a divergência, a extrema esquerda ganha todas. E a direita religiosa não ganha uma sequer. É só um grupo na ofensiva, e outro na defensiva. É de dar dó.

Em tempo, relembro a campanha de crowdfunding para “A Urgência de Sermos Charlie”, onde faltam menos de R$ 2.000,00 para chegarmos à meta. Convido a todos que não colaboraram a colaborarem (e quem fizer até a coloboração mínima vai receber o livro, ou seja, é como uma pré-venda), e a quem já colaborou, peço ajuda na divulgação. Ali teremos dicas úteis de como lutar contra violações deste tipo à liberdade de expressão.

Abaixo os excertos já publicados:

Uma hora a direita vai ter que aprender como funciona o jogo. Não todos, é claro. Mas se uma boa parte dos formadores de opinião conseguir entender a dinâmica, palhaçadas como essa contra Bolsonaro irão custar muito caro politicamente aos radicais de esquerda. Mas infelizmente, por enquanto eles nadam de braçada.

Anúncios

75 COMMENTS

    • Estava com esta dúvida. Se a juíza que condenou o Bolsonaro é a mesma que entrou na justiça contra uma companhia aérea e julgou o processo com uma celeridade incrível.
      Uma pessoa desta não era nem para estar julgando, era para o Judiciário aposentá-la compulsoriamente e estar em uma clínica psiquiátrica internada.

    • Em dezembro eu Denunciei ao MPF aquele grupo feminista que queimou um boneco do deputado. Pedi a VARIOS amigos de direita que denunciassem tbm, e todos caíram fora.

      Merecem mesmo ser chamados de coxinhas.

  1. Engraçado que ela disse que o Bolsonaro abusou do Direito à Liberdade de Expressão. Eu queria entender como que se abusa desse direito. Por exemplo, o Direito à vida. Como se abusa de um Direito como esse?

  2. O princípio constitucional da isonomia consiste em dar tratamento igual aos iguais, e desigual, aos desiguais. Entendam que, mesmo que a grande mídia tente subverter a realidade, nos fazendo crer que um comportamento homossexual deva ser exposto como exemplo a ser seguido, a unidade cromossômica não pode ser alterada, xx é xx e xy é xy. Se ocorrer a propagação da homossexualidade, o próprio homossexual deixará de existir, porque a raça humana em geral será extinta, uma vez que, não haverá reprodução (só há reprodução de xx com xy). Por isso, vamos parar de hipocrisia e colocar tudo em pratos limpos. O homossexual deve ter resguardado todos os seus direitos como cidadão, bem como ser reconhecido pelo talento que possua, o que não pode, é ser visto como exemplo sexual a ser seguido, como querem fazer, não sei com que intuito, se o de nos tornar vazios e fracos, ou de simplesmente reduzir a população. Quem ainda possui metade do cérebro vai entender o que quero dizer. Ame todos os seres humanos, gays ou heteros, porém, os gays devem ser tratados psicologicamente de modo desigual, pois assim os são.

  3. Simples somente com uma doação dos eleitores do Bolsonaro resolvemos isso, sem contar com os que não puderam votar nele e o admira pela sua conduta ética.

  4. ‘Realmente muitas pessoas nas redes parecem admirar Bolsonaro.’

    Nonsense, Luciano. Bolsonaro pra mim é não é grande coisa, não tem nada a ver admirar ele pra admitir que ele está certo nessa.
    Mas também não entendo porque tanta gente até na ‘direita’ fala dele como se ele fosse o satanás.O que eu acho é que homem ‘de direita’ que fica incomodado com esse cara são pessoas fracas, que justamente por serem fracos não se identificam com o papel clássico do homem na sociedade e na natureza, e que consequentemente tem tendências pro manginismo.

    • Não sei que declarações foram essas pois o UOL é bem tendencioso e chato, então não vou opinar.
      Agora, venha cá, então quem não gosta do Bolsonaro é uma pessoa fraca?
      Vejamos, o cara diz na televisão que jogaria o filho na rua caso o mesmo fosse homossexual. Ou seja: abandono de incapaz. Isso pra você é homem tradicional? Homem tradicional expulsa o filho de casa mesmo sem esse cometer crime algum?
      Então manter um filho dentro de casa sem se preocupar com o gosto dele é coisa de manginismo (falando em outras palavras, “bichisse”)?

      Olha que meu pai é grosseirão pra caramba, se irrita fácil, gritão, tipo Bolsonaro, mas quando soube da sexualidade do meu irmão (aos 17) foi bem tranquilo.
      Uma vez ouvi ele conversando com amigos e disse “eu me preocuparia se meu filho tivesse roubando, viciado, estuprando, matando… me preocupar por ele gostar de caras? Deixa ele, ué”, e ainda completou que a nossa irmã, que havia casado há pouco tempo, casou-se, foi morar com o marido, fez “tudo que queria e como queria”, então por que o outro filho não tinha o mesmo direito de livremente escolher o que fazer?
      Por eu ter recebido essa criação e, por conta disso, me incomodar quando o Bolsonaro diz “filho gay é filho que não foi bem criado, se fosse meu seria expulso de casa” é manginismo então?

      Que conceitos fechados possuem vocês da direita-imaculada-defensora-da-Família-Que-Não-Tem-Pecados.

      Assim como o colega mais abaixo que critica pessoas que são de direita economicamente, mas não “em todo o resto”. Quem inventou a regra que pra você apoiar uma economia mais para a direita você obrigatoriamente precisa ser anti homossexualidade, ser religioso, e adorar figuras histéricas tipo Bolsonaro, Malafaia e Feliciano?

      • Vamos entender o que o sujeito disse. Ele disse que deserdaria um filho homossexual, mas que ACREDITA que a educação dele já resolveria o problema. Portanto, ele não deserdaria ninguém. Observe que o mesmo direito que seu pai tem de aceitar a homossexualidade do seu irmão o Bolsonaro tem o de não aceitar. Se ele cometer alguma violência, que fale com a justiça. Mas não é o caso.

        Alias, não estou defendendo a posição do Bolsonaro, da qual DISCORDO. Defendo o DIREITO DELE EXPRESSAR SUA OPINIÃO, mesmo que discordante.

        Abs,

        LH

      • Entendi a sua posição, Luciano. Mas fiquei confuso com a do Slaine dizendo que quem vai contra as ideias do Bolsonaro (e como você disse que discorda desse papo aí do filho também, então Slaine está se referindo a você também) é uma pessoa fraca e com tendências ao manginismo/bichisse. Quero que ele use da liberdade de expressão dele e me explique.

        PS: não, não acho o Bolsonaro um satanás, acho ele uma figura bisonha apenas, um Malafaia menos afetado. Bem incompetente, péssimo político. Se concorrer pra presidente (tá rolando um papo que ele sairá do PP pra concorrer né?) na mesma eleição que a Genro certeza que terá menos votos que ELA, ela que sempre receberá uma piada de votos.

      • Teu pai não fez mais que a obrigação. O Bolsonaro, o Malafaia e o Feliciano não são contra homossexuais mas contra a ideologia gayzista que tenta usar os homossexuais como massa de manobra para “causas” nascidas em “laboratório”, criadas pelos “globalistas” um dos três grandes grupos que almejam dominação mundial. Globalistas, Islâmicos e eurasianos. Estude as origens e verás. Se aquele trio de pessoas simples tem tanto destaque é porque os mais talentosos calaram-se ou estão contra a opinião das pessoas comuns no Brasil.

  5. Acho que a matéria é bem clara e objetiva quanto a o quê “os defensores de Bolsonaro” têm que fazer.: Lutar pela liberdade de expressão, mesmo que para isso tenham que andar com um cartaz “Je suis Charlie” pendurado no pescoço!

      • Luciano, que tal defendermos a criação do crime de masculicídio? Afinal, já que aprovaram o feminicídio, podemos conseguir que se aprove a tipificação como hediondo do crime de matar um homem em razão de seu gênero.
        Um exemplo a favor disso? este ocorrido em Fortaleza, que inicialmente foi investigado como o marido tentando se suicidar, tentando matar a esposa e matando o filho de 9 anos, autista, com doses cavalares de Rivotril.

        Eis que o marido acordou após dois dias e a investigação começou. O que descobriram? Que na realidade foi a esposa que matou o próprio filho com chumbinho de rato e tentou o mesmo com o marido, pondo o veneno no vinho que ele tomou. Por causa do chumbinho, o homem em questão teve hemorragia e precisou ser operado, além de, ao acordar, ser preso acusado de tentar matar a família.
        Porém, quando se foi fazendo a investigação, descobriu-se que o bilhete virtual de suicida deixado na página do marido havia sido escrito pela esposa e, quando o marido estava apagado, foi editado. Só mesmo se o marido em espírito tivesse ido até um computador, logado na rede do Zuckerberg e escrito algo por meios paranormais para que ele tivesse sido o autor da tal despedida da vida para entrar na história.

        Vasculhando o computador, descobriu-se buscas no Google sobre chumbinho de rato, além de ela ter encerrado a conta do Face do cara nove dias após o ocorrido inicial, sendo que só se encerra uma conta de terceiros na tal rede social se você tiver a senha da pessoa. A esposa mentiu dizendo que não tinha a senha, mas o ato acabou por traí-la.
        Mais que isso, descobriu-se que a mulher em questão tem um amante no Recife, algo obtido recuperando-se dados do celular. Aliás, ela está na capital pernambucana por ora e suspeita-se que ela fez isso para abocanhar uma pensão por morte do marido e um seguro de vida. Pior de tudo, ela está lá com o outro filho do casal, que também é autista e tem apenas 5 anos.

        Por que poderíamos usar o crime ocorrido na cidade de onde saiu a Maria da Penha como exemplo para se defender a criação de crime de masculicídio?

        1) Como se pode observar, houve motivação de se matar um homem por aquilo que ele fornece a uma esposa caso não esteja aqui entre nós;

        2) Autismo é um quadro majoritariamente masculino e seus portadores estão altamente fragilizados perante este mundo, como sabemos. Logo, usando-se o raciocínio do feminicídio, diríamos que essa condição majoritariamente masculina acabou expondo o garoto a um menor grau de defesa em comparação a alguém que não tenha isso que, repetindo, é majoritariamente masculino;

        3) O garoto menor, também autista e, portanto, portador de um quadro que afeta majoritariamente pessoas com cromossomo Y, está distante de seu pai, em outra cidade e correndo o risco de ter sua cabeça feita para que odeie o progenitor tão vítima quanto ele;

        4) A maioria dos militares é do sexo masculino, tanto por haver conscrição quanto por mulheres, cujo alistamento é voluntário, escolherem por vontade própria na maioria das vezes não se alistar ou fazer curso de formação de oficiais. Logo, poderíamos, usando esse raciocínio marxista-humanista-neoateísta com polaridade revertida, dizer que o envenenamento do pai de família em questão foi causado por sua condição de gênero, uma vez que fazendo parte de uma tropa em que a esmagadora maioria é do sexo masculino, cujo tipo de raciocínio interno é altamente masculinizado e uma das consequências disso é o pensamento nas pessoas que poderiam ficar desamparadas com a perda de um militar que porventura tenha esposa e filhos;

        5) Subentendendo-se que um homem comum é fisicamente mais forte que uma mulher comum e que um militar treinado é ainda mais forte que essa mulher comum, além de aprender técnicas especiais, podemos considerar que o uso de veneno sem gosto foi tentativa de aproveitar-se da confiança depositada pelo marido na esposa para criar algo que gerasse a perda da vida do mesmo por meios que não demandem força ou luta física. Aqui também entra a tal questão de o autismo ser quadro majoritariamente masculino e que gera a seu portador uma fragilidade.

        Enfim, poderíamos aqui discorrer um monte de particularidades só mesmo para criar supostas justificativas para a criação do crime de masculicídio só usando o caso que lhe passo, mas não aceitaria nem a pau a criação de tal tipo de crime, mas sim que se volte a equiparar o valor da vida de um homem e da vida de uma mulher, algo que a aprovação do feminicídio destruiu. Sou a favor da hediondização do homicídio doloso e de sua tentativa, independente do sexo da vítima ou do sexo de quem perpetra o ato. Como se viu aqui, um jovem perdeu a vida e seu pai quase que foi morto, enquanto o menorzinho encontra-se longe de alguém que com certeza iria lhe proporcionar ambiente melhor e mais saudável para crescer, ainda mais considerando-se a condição dele.
        Como se pode observar aqui, o ato em questão não foi tentado com violência física explícita, mas sim de forma insidiosa e baseando-se na confiança natural que um homem tem em sua esposa e que um menino tem em sua mãe, bem como se usou a condição masculina da vítima sobrevivente para querer lhe imputar algo que não fez, baseando-se na imagem que a sociedade tem de homens como mais propensos a crime do que mulheres, isso sem falar do uso dos postulados do movimento feminista em querer tornar a fêmea de nossa espécie algo sacrossanto e incriticável. Enfim, solidarizo-me com esse cara e espero que a justiça seja feita, assim como iria me solidarizar com uma mulher que de fato fosse vítima de um mau marido. Porém, que não se peça para que eu me solidarize tanto com quem se volta assim contra seu próprio lar como também com quem porventura usar da condição que um algoz tenha para querer fazer ganhos políticos baseando-se na tentativa de jogar partes de uma sociedade contra outras partes dessa mesma sociedade.

  6. Uma das coisas mais estranhas disso tudo é que há meros 20 anos atrás, uma condenação desse tipo jamais aconteceria. É impressionante a velocidade com a qual a sociedade está mudando e aceitando essa cultura de relativismo moral (ou melhor, de imoralidade mesmo) e perda de valores que começou na década de 1960.

    E o pior é que a mídia de maneira geral apoia em massa esse tipo de coisa. Por algum motivo, existe uma forte tendência de jornalistas sempre serem de esquerda. E essa hegemonia cultural é tão grande, que até mesmo quem diz ser de direita só costuma ser de direita de verdade na área econômica, mas é de esquerda nas outras áreas.

    É dose ver como juízas que nem essa resolvem chutar a lei de lado para ficar fazendo ativismo. Qual é o amparo legal dessa condenação, exatamente? Direitos difusos? Cansaram da expressão Direitos humanos? Isso é ridículo. Com essa desculpa de estar defendendo os “direitos difusos”, qualquer juiz pode condenar alguém sobre QUALQUER assunto que der na telha.

    Na verdade, a minha opinião é que a liberdade de expressão não deve ser absoluta. Mas as exceções devem ser aplicadas apenas a 2 casos: quando alguém faz apologia a crimes (por exemplo, incentivando alguém a cometer um assassinato e oferecer dinheiro pra isso), ou quando revela segredos de Estado. Com certeza o Bolsonaro não se enquadra em nenhum dos 2 casos. O Bolsonaro é que podia processar a Maria do Rosário, isso sim, pela falsa acusação de que ele é um estuprador.

    A história desses movimentos de esquerda é sempre a mesma: primeiro eles chegam clamando por tolerância e contra o “preconceito”, com aquele vitimismo incessante. Depois, fazem um movimento massivo de propaganda da ideologia deles até ela começar a ser aceita pela sociedade em geral. Depois, quando a opinião pública já foi conquistada, começa a perseguição contra as opiniões divergentes.

    • Caro Fikdik, declarar que abandonaria o próprio filho (veja que aqui não é mencionado a idade, ou seja, pode-se interpretar que é o filho em qualquer idade, até menos quando menor, o que qualificaria abandono de incapaz) se descobrisse que a sexualidade dele é homo, ou seja, fazendo uma apologia ao abandono de incapaz, isso é permitido pela tua liberdade de expressão ou não?

      Já sei.
      Dirá que cada um cria o filho como quiser, né?
      Só não esqueça que ele está dizendo exatamente que não vai criar. Que vai colocar na rua. Que vai abrir mão das responsabilidades (legais, inclusive) como pai.
      Estranho vocês se doerem cada vez que alguém “da direita” (rs) critica esse cidadão e fingem que não ouviram quando ele diz uma coisa dessas (ou pior ainda, escutam e apóiam, aí que vocês, direitistas imaculados e sem pecados e intocáveis, estarão perdidos MESMO).

      • Cauê,

        Não inverta a percepção de tempo. Com pode o Bolsonaro dizer que “não vai criar” um filho (x) se TODOS OS FILHOS DELE já são criados?

        Parece que nesta questão você fica emocionalmente afetado em excesso, pois as falácias se avolumam. É minha percepção sobre suas manifestações quanto ao assunto.

        Abs,

        LH

      • Luciano, me desculpe então, vou reescrever a segunda parte no tempo correto:

        ———-
        Já sei.
        Dirá que cada um cria o filho como quiser, né?
        Só não esqueça que ele está dizendo exatamente que não CRIARIA. Que se um de seus filhos fosse gay, o COLOCARIA na rua. Que ABRIRIA mão das responsabilidades (legais, inclusive) como pai.
        ———-

        Pronto, arrumado.

        Só estou fazendo uso de um discurso que ouvi o próprio Bolsonaro dizendo no Agora É Tarde. Ele pode afirmar que educação impede que qualquer filho se torne gay, inclusive os dele, mas deixou bem claro que SE acontecesse isso com algum filho DELE, ele teria essa atitude (abandono de incapaz). Reveja o programa no YouTube e verá.

        E só o que estou fazendo é questionando o Fikdik se, na liberdade de expressão que ele (Fikdik) citou como ideal, é permitido fazer apologia ao abandono de incapaz.

        Esse assunto realmente me incomoda, por motivos que já expliquei aqui. Mas relaxe, tenho consciência de que sou uma voz no deserto no meio dessa direita high society de coroinhas com asas de anjo que nunca pecam.

      • Cauê,

        Isso não muda nada. Ele pode ter dito isso em tom irônico, jocoso. Ainda não vemos exatamente o crime de abandono de incapaz.

        “A caracterização do crime de “abandono de incapaz” deve ser procedida de extrema cautela, haja vista que pode ensejar delito diverso, caso ausente qualquer de seus elementos indispensáveis. Assim, v.g., não havendo o dever de assistência, o comportamento pode constituir o delito de omissão de socorro (CP, art. 135) ou, em se tratando de recém nascido, o de abandono de recém-nascido (art. 134, CP). Ainda, se o abandono é praticado em local absolutamente deserto, pode haver o dolo eventual do homicídio. No caso do abandono moral e não físico, pode-se configurar algum dos crimes contra a assistência familiar (cp. arts. 244 – 247), dentre outras hipóteses.”

        http://pt.wikipedia.org/wiki/Abandono_de_incapaz

        Cauê, na época em que Bolsonaro disse que “Maria do Rosário não merece ser estuprada”, teve gente que disse “ah, é, então outras merecem?”. Mas essa é uma adição arbitrária à fala de Bolsonaro. Você interpreta muitas coisas do que os outros dizem na questão LGBT para arrumar desculpas para punição.

        Bolsonaro não disse nada demais.

        Abs,

        LH

      • Luciano, sabe o que é triste nisso? Que quem se dedica a atacar esse grupo (movimento LGBT) são Bolso, Malafaia e Feliciano. Não vejo eles atacando ESPECIFICAMENTE o movimento. Quando falam sobre é de forma confusa… incluem no meio do ataque o cidadão comum que gosta do que é igual a ele, e aí a distinção entre movimento e cidadão não é bem feita.
        Colocam religião ou opiniões pessoais no meio e aí acabam atacando com isso cidadãos que não tem ligação com o movimento LGBT, que é o real problema. Desse jeito o movimento seguirá como inocente, dada a pose de vilão desse trio, e declarações como essa do Bolsonaro, que você não viu nada de mais, mas eu vi e muitos viram também. Ele declarou o que quis, mas isso soma pontos negativos pra ele e pontos positivos pro MOVIMENTO. Esse não ganha nem partida de dominó.

        Abs.

      • E quem viu algo demais a PONTO de usar opressão fascista contra Bolsonaro, APENAS por que ele deu uma opinião, pode ser usado como um exemplo de como nosso país está adoentado da doença do politicamente correto. A meu ver, é uma jogada interessante.

        Abs,

        LH

  7. Luciano, já q vc eh da area de TI veja que o feminismo está vindo contudo contra TI: https://twitter.com/p_balduino/status/588008624867430401
    https://twitter.com/JacAbreu/status/587588015003987969/photo/1
    https://twitter.com/JacAbreu/status/587788711468871681

    A criatura dos twits chega ao ponto de defender uma das feministas de internet mais histericas que já vi:

    https://disqus.com/home/discussion/gameofthronesbr/george_r_r_martin_faz_campanha_contra_sequestro_do_hugo_por_conservadores/#comment-1960302906

    Que por não aguentar uma contra argumentação ficou histérica, mandando todo mundo tomar …

    • Eu costumava frequentar fóruns em inglês, e ler comentários de sites, mas hoje em dia eu até parei. Parecia um campo minado, toda hora tinha alguém com algum comentário extremamente escroto e extremamente vitimista. Principalmente de feministas, que sempre davam um jeito de transformar QUALQUER assunto numa discussão sobre feminismo. O tipo de gente que enxerga machismo até em nuvem e em bolha de sabão. Quando eu vejo esse tipo de coisa, eu até comemoro de morar no Brasil, porque nos Estados Unidos e na Inglaterra o politicamente correto já dominou totalmente. Em inglês tem até uma sigla pra chamar esse tipo de gente, SJW (Guerreiros da Justiça Social em português – esse nome, é claro, deve ser entendido como uma ironia).

      Eu até já participei de fóruns em que toda a moderação era desse tipo. Vc não podia falar nada que desagradasse a eles, que já corria um sério risco de ser banido. E a justificativa que eles davam, é que não dava pra aceitar pessoas intolerantes no fórum… Qualquer coisa que vc fale, já está correndo o risco de ser chamado de nazista, de fascista, de pessoa com problemas psicológicos…

      • Se for reparar, o politicamente correto possui duas utilidades:

        – Cria um mecanismo de auto-censura, isto é, as pessoas passam a condenar suas próprias atitudes e pensamentos caso elas vão de encontro ao estabelecido pelo politicamente correto. O simples fato de a pessoa pertencer a algum grupo dito como “opressor” já é o suficiente para fazê-la se sentir culpada por todos os males do mundo. Ou seja: uma total anulação do indivíduo em prol de uma doutrina, pensamento coletivizado.

        – Torna as pessoas infantilizadas e coitadistas, fazendo com que elas não se incomodem em darem cada vez mais poder para que um pequeno grupo de pessoas dite como elas devam agir e o que pensar.

        Abaixo um vídeo que trata sobre o tema:

  8. Eu vejo isso como notícia tendenciosa, ao omitir a declaração que levou a tal condenação o Uol permite as pessoas ingênuas concluírem que ele mesmo errou, que mereceu tal condenação, eu não sei, o Uol só mostrou o resultado, e não vou sair pesquisando em milhares de artigos sobre o motivo.
    No mais, esses de oposição políticos deveriam começar a processar essas entidades partidárias disfarçadas de todo tipo de coisa, que saem caluniando, chamar alguém de preconceituoso e homofóbico por ser contra uma lei. No momento, eu vi esquerdistas chamando jovem Kim Kataguiri de preconceituoso por ser ele contra aulas de islamismo em escolas brasileiras. Em escolas brasileiras, eu sou contra aulas de budismo, da religião que cultua a vaca, da religião que cultua o macaco e aquela que cultua o elefante e outros seres ou ídolos, eu sou então extremamente preconceituoso?

  9. Luciano, seria correto mover uma ação civil pública pedindo indenizações gigantescas para cada absurdo juridicamente relevante encontrado em sites de extrema-esquerda também?
    Por exemplo, há sites de partidos políticos pedindo a destruição de Israel, apoiando terrorismo, etc..
    Seria uma boa estratégia?

    • Oi!

      Eu fiquei 03 meses fazendo isso: denunciando jornalistas e ativistas de esquerda por seus posts ou protestos criminosos. Mas segundo me disseram alguns amigos do Direito, o MP só dá atenção se houvessem VÁRIAS PESSOAS denunciando, não apenas um. Não adianta querer ser um D. Quixote.

      Se alguém mais tiver interesse nessa tarefa, eu agradeço. O Brasil também.

      • Tem uma grande diferença entre a notícia-crime e a Ação Civil Pública.
        Na primeira, fica a critério do MP levar adiante ou não.
        Na segunda, sempre chega ao juiz e ele tem que ler e decidir se dá provimento (não pode se recusara apreciar). Ela já é em si um processo. Mas para o cidadão propor uma é necessário 1) um advogado e 2) uma ONG com mais de um ano que tenha como objetivo combater a discriminação. Vale lembrar que essa ação só pode ter como alvo a reparação de danos, ou seja, ninguém pode ser condenado criminalmente por uma Ação Civil Pública. Ver a Lei nº 7.347 de 1985.
        Assim, além de uma comunidade para denúncias em massa, precisamos também criar ONGs para que daqui a um ano elas sejam legitimadas a propor essas ações.
        Abraços!

    • Fica ainda melhor se você pensar que o PP vai perder ~400.000 votos na próxima eleição, e ter sua bancada significativamente reduzida.

  10. Reflexões: Gostaria de saber quais as estatísticas, se é que existem, a respeito da opção político-ideológica dos advogados e juízes brasileiros? Parece que a maioria flerta com a esquerda, haja visto a OAB e a AASP. Será que eles acham que em governos comunistas ou bolivarianos existe o famoso paraíso da justiça social e legal? Ou será que esses “profiçonais” ganham mais dinheiro com regimes bolivarianos?

    • Sou novato aqui. Se estiver falando bobagem, me corrijam ok?

      Na minha humilde opinião ou esses “profiçonais” são os idiotas úteis a quem Yuri Bezmenov se referiu em seu vídeo e que serão exterminados quando o regime comunista se instalar, ou são aqueles que tem alguma esperança de fazer parte da cúpula do poder do regime (nomenklatura?).

  11. Luciano, lembra-se de quando disse que o pessoal do espectro libertário-anarcocapitalista se perde legal ao fazer a interface de sua teoria com a realidade e falham miseravelmente em questões simples e supraideológicas como haver um urbanismo confortável para todos? Pois bem, foi a vez de Leonardo Narloch mostrar ao mundo o desconhecimento que LAncaps possuem no campo de urbanismo e arquitetura ao defender que as cidades sejam um amontoado de arranha-céus à Nova York porque isso supostamente baratearia o custo de moradia e diminuiria a periferização. Não acho que as pessoas gostariam de morar em prédios altos, que quando em grandes quantidades canalizam as correntes de ar e podem tornar ventos fracos verdadeiros furacões e, quando em dia de sol, geram ilha de calor, volume gigantesco de esgoto e problemas de trânsito.
    O que aconteceu com essa postagem do Narloch? Aquilo que normalmente veríamos nos tempos em que o Sakamoto deixava as pessoas comentarem em seu espaço:

    SCF – 14/4/2015 às 16:37

    Prezado Narloch, temos que considerar o porquê das leis de zoneamento: metrópoles muito verticalizadas pecam na qualidade de vida e tendem a destruir patrimônio histórico para a construção de novos prédios. Como daqui em diante é inevitável que a construção de moradias mais baratas se espalhe por cidades-satélite a dezenas de quilômetros do centro dessa metrópole, a solução parece ser transporte intermunicipal de massa mais rápido/barato (trilhos principalmente).

    Gustavo – 14/4/2015 às 17:12

    Precisa haver equilíbrio entre a área ocupada e a quantidade de residências. Aqui em SP existem condomínios em que o trânsito já começa a da garagem do condomínio.

    Leifsbudir – 14/4/2015 às 17:58

    Prédios mais altos resolveriam o problema? Não creio. Não em uma cidade como São Paulo, que cresceu completamente desorganizada, sem estrutura viária. É só pensar que prédios mais altos vão demandar mais e mais carros. Não adianta construir mais e mais na linha do metrô – a rede aqui está defasada há anos. O problema em SP é especulação imobiliária!

    Henrique FM – 14/4/2015 às 18:42

    A questão é realmente de equilíbrio. Não é sobre ter ou não ter leis de zoneamento, e sim ter leis adequadas. Ninguém quer morar num lugar com prédios de 50 andares colados um no outro sem calçada e ruas de 1 pista, e nem tem dinheiro pra pagar o que se pede nos centros de grandes cidades. É possível com planejamento e visão fazer cidades e bairros com transporte bem pensado, ciclovias, calçadas largas, infraestrutura de serviços, parques, etc, e prédios altos. É o melhor jeito de aliar qualidade de vida com custo acessível de imóveis. Só que vai ter de lutar com a galera do “anti especulação imobiliária”, que infelizmente tem muitos adeptos.

    Paulo Painho – 14/4/2015 às 19:43

    Muito interessante, e possivelmente verdadeiro. Mas como encontrar a “solucionática” para esta problemática? Construir mais e mais prédios altíssimos perto de onde circulam emprego e grana? Caos no trânsito, poluição, qualidade de vida indo procarái, até o esgoto entra em colapso. Expandir horizontalmente? Degradação das poucas áreas verdes que restam. Ter menos filhos? Os islâmicos vão lá e dominam tudo. É, está cada vez mais difícil ser humano.

    Zeno – 14/4/2015 às 21:05

    O fato de muita gente querer morar em grandes centros urbanos tem muita culpa nessa história. Ninguém é obrigado a viver numa Megalópole, mas elas não param de crescer. Porquê não viver no interior onde existe mais qualidade de vida a um custo muito menor?

    R L Guerrero – 14/4/2015 às 21:53

    Me perdoem os paulistanos, mas é de um absurdo total conurbações de dezenas de milhões de habitantes.
    Isso cria uma massa humana de proporções sem precedente histórico completamente dependente de suprimentos cada vez mais distantes.
    A água vem de Minas Gerais, a energia de Itaipu e até lá de Belo Monte (3000 km ao norte!), a carne do Pará, o leite de Mato Grosso do Sul e por ai vai. É um equilíbrio precário como a seca demonstrou.
    Seria um ato humanitário uma política de incentivo a migração a partir dessas cidades gigantes para outras menores planejadas e com potencial de crescimento espalhadas pelo interior afora do Brazil.

    monteiro – 14/4/2015 às 22:25

    Engana-se quem vê as Leis de zoneamento como limitadoras de adensamento, pelo contrário, quando bem feitas, buscam justamente o contrário.
    O adensamento é tendência já algum tempo propagada por especialistas em arquitetura e urbanismo.
    O que não se deve é conceber uma verticalização ou adensamento sem critérios (parâmetros), sob pena do “mercado sem teto”, sem critérios, construir grandes lugares, mas inóspitos aos seres humanos.
    “Economist” priorizando o ser humano? Tenho minhas dúvidas.. .

    Anselmo Heidrich – 15/4/2015 às 0:31

    Leandro, esta tese tem lógica e, portanto, parece verossímil. Mas, e se incorporarmos ao cálculo econômico de se morar nas cidades, o custo pelo transporte, especialmente se considerarmos áreas mais densamente habitados, como onde os edifícios são mais altos? O que seria se não houvesse mais leis de zoneamento restritivas às construções, o que ocorreria com os engarrafamentos cada vez maiores no nível do solo após as pessoas que habitam e/ou trabalham nos arranha-céus ter de descer para tomar um ônibus, taxi ou transporte próprio? Como se calcula isto? Basta tomar o custo da moradia como fator isolado e se ignorar os outros? Isto é, se te bastar entender o custo da moradia pelo valor nominal do aluguel ou compra do imóvel, pronto, basta para entendermos o que ocorre, segundo teu próprio artigo, MAS… e se pensarmos no custo diluído que é o do ônibus moroso que não consegue cumprir seus horários devido ao aumento da concentração demográfica local.

    Cidadão Quem – 15/4/2015 às 9:21

    Sempre passo por aqui porque gosto de prestigiar seu trabalho. Sinto honestidade em seu texto.
    .
    Agora, paciência tem limite. Suas “saidinhas” são muito pueris, às vezes. Essa de terminar o texto com uma alusão ao “arquiteto descalço” é por demais infeliz. É uma simplificação grosseira, uma provocação nada sutil.
    .
    Não vou facilitar as coisas para você. Dou apenas uma dica: estude “ordenamento territorial”. Depois, conversamos.

    Bruno – 15/4/2015 às 12:10

    pensando pequeno…

    esse pensamento só vale em relação ao preço, mas e a qualidade de vida se os prédios pudessem amontoar ainda mais gente do que já é feito?
    e a vista? e o mundo?

    não é a toa que Vancouver está sempre entre as cidades com maior qualidade de vida no mundo.
    alguns anos atrás estive lá e era de cair o queixo… apenas poucos prédios e mesmo assim baixos, mas mesmo assim, achei num mural de terminal rodoviário um enorme abaixo-assinado dos moradores tentando evitar uma maior proliferação desses monstros que encaixotam nossas vidas.
    a solução está muito mais em conseguir espalhar atrativos/empregos/vidas do que concentrar ainda mais em poucos espaços verticais.

    alguém quer viver como aquela orla horripilante de Recife, onde o sol se esconde da praia?

    Renata – 15/4/2015 às 13:46

    Não li a reportagem e portanto não sei se ela toca no assunto, mas cuidado aí… é preciso levar em conta as limitações geológicas e geotécnicas dos terrenos. Certas regiões calcárias, por exemplo, não suportam construções muito pesadas, simplesmente afundam. Encostas e várzeas são regiões de risco, as encostas por causa do solo raso cujo desmatamento leva a deslizamentos, e as várzeas por causa do solo úmido e com muita matéria orgânica, sujeito a enchentes e variações de volume. Investimentos em tecnologia, fundações profundas e soluções técnicas para esses problemas também acabarão por encarecer esses imóveis. Ocupação desordenada leva à favelização e dá no que deu em Santa Catarina e na região serrana do Rio de Janeiro anos atrás.

    Por que Narloch levou tamanha surra? Justamente por agir no pressuposto básico dos LAncaps de verem pessoas apenas como consumidores de bens e serviços e ficar naquela lógica de “vamos oferecer qualquer coisa de qualquer jeito que as pessoas irão aceitar”. E nessa, caem no mesmo jogo de tratar pessoas como gado que vemos por parte dos marxistas-humanistas-neoateístas, apenas mudando a abordagem e, no contexto do Brasil, esquecendo-se de que empreiteiras andam juntinhos com MHNs.
    Aliás, arranha-céus andam junto com MHNs como podemos ver nas cidades chinesas tradicionais postas abaixo para darem lugar a um agulheiro anônimo que poderia estar em qualquer lugar do mundo, com direito a expulsar moradores tradicionais e provavelmente com a construção enriquecendo uns membros selecionados do Partido Comunista Chinês. Poderíamos também falar da arquitetura soviética, que também se esforçou em fazer prédios altos e totalmente contra a arquitetura eslava tradicional. Aqui em São Paulo, cidade cuja administração atual é MHN, já vimos leis que agradam construtoras, como aquela de se aumentar o máximo permitido de ocupação do espaço aéreo dando em troca alguma contrapartida.
    Falaram do Recife e aqui recordaremos que não só temos a tal orla apinhada de prédios altíssimos como também esses prédios altíssimos têm preço de imóvel pela hora da morte, significando que pobres nem de longe irão chegar perto deles. O mesmo vale para a Nova York tão admirada pelos LAncaps, em que Manhattan tem um custo de vida altíssimo e a maioria das pessoas mora no Queens, no Brooklyn e no Bronx, que são marcados por casas ou prédios baixos. Poderíamos aqui falar de uma série de exemplos ao redor do mundo em que uma paisagem cheia de arranha-céus teve simplesmente a única serventia de formar um cenário para LAncap ver e aplaudir, mas que na prática são infernos nos quais as pessoas que lá se encontram apenas vivem, mas sempre querendo picar a mula de lá o quanto antes.

  12. Fato é que nada mudará a visão tradicional de família, (homem e mulher), é natural homem e mulher se relacionarem e constituirem família. Entendam que expressar uma opinião é diferente de ofender diretamente alguém, se tenho o direito de expressar minha opinião assim o farei, eu não tenho nada contra os homossexuais, o problema é a atitude dos mesmos, reivindicando direitos ineptos, tantas coisas boas para se reivindicar no país e querem criar o tal “auxílio gay” rs, senão seria justo também o “auxílio hetero”. Hoje em dia querem impor direitos para homossexuais, como se o mesmo fosse um ” meio termo” entre homem e mulher, nada muda o que Deus cria, pode-se realizar mudança de voz, sexo, mas nada muda sua essência, opinião tem que ser expressa quando requerida, no mas, guarde para si mesmo. Não tenho nada contra os homossexuais, mas contra a hipocrita atitude dos mesmos.

    Minha opinião é essa e amparada por Lei.

  13. Luciano vc acompanhou as sandices que a cristina serra jornalista da globo andou falando no programa do Jo com relação as manifestações e os manifestantes?

  14. No meu entendimento, falta a Bolsonaro a percepção de quando e quanto a fala dele está se prestando aos objetivos do inimigo. Eu não vejo como cair frequentemente nestas armadilhas pode aumentar o capital político dele. Ele apenas é muito falado e está de certa forma na mídia, mas aparecendo mais de forma negativa do que positiva.
    A maioria das pessoas pensam que sabem da posição do Bolsonaro quanto aos gays, o achando homofóbico enquanto que a posição real é a de ser contrário a doutrinação LGBT no ensino fundamental (aqui ele deveria focar para capitalizar em cima do absurdo que o MEC está implementando aos poucos). A maioria das pessoas, sabe que ele defende o regime militar mas não tem ideia que ele não participou dos mensalões. Então é hora de Bolsonaro ter uma orientação melhor, pois me parece que ele acha positivo estar na mídia, só que não importa de que maneira. Está faltanto para ele saber exercer a influencia política de forma mais positiva se quiser galgar degraus mais altos em 2018.

    • Assustado com a filha da putice dessa porra de Emílio Surita. Que cretino! Primeiro que como apresentador se mostrou um lixo, pois só ele fala, não deixa Rachel se defender, e fala num tom brigão, querendo intimar, querendo ser totalitário.
      Luciano, postou algo sobre isso no Crítica Política? É urgente que ridicularizemos esse cidadão, esse apresentador daquele programa LIXO, daquela emissora dirigida por seguidores da Biscatina argentina.
      Que lixo, que porra, que cretino, desgraçado. Diabo, filhote de capeta. Quanta vigarice, quanta merda em poucos minutos! Vai se FUDER, Emilio Surita, playboy do caralho que fica aí pagando de defensor de marginal – até um deles o assaltar ou coisa pior, é claro.

    • Além de tudo faltou com respeito com ela, ao dizer “com 16 anos você era louca, né? ia lá dar pros caras”
      Isso é coisa que se diga pra uma mulher, que é mãe por sinal?
      Cadê aquela xeca de patrulha feminista pra defender a Rachel? Cadê? Cadê os defensores do politicamente correto? Um apresentador recebe uma convidada, que saiu da casa dela pra ir nesse programete de bosta (que recebe verba publicitária para estar no ar, ou seja, estão GANHANDO com a presença dela lá), e desrespeita assim uma convidada?
      Desrespeito por falar isso para ela e por ser tão grosseiro, vigarista, querer falar mais alto que ela, não deixar ela falar. Puta que pariu, que LIXO de celebridade de porra. Vá pro infernos, desgraça, defecação humana. Filhote de capeta do caralho, playboy esquerda caviar no rabo.

  15. É uma pena q o Bolsonaro tenha a postura q mtas vezes tem.

    Ele poderia, se candidato, fazer uma votação mto maior doq provavelmente fará, se dissesse as mesmas coisas q diz, porém de uma forma menos agressiva.

    Vai perder mto voto dos “tradicionais”, q não enxergarão nele a educação e diplomacia necessária para ser presidente.

    Imaginem um debate ao vivo com ele. Duraria cerca de 5 horas, tais os direitos de resposta q os seus oponentes teriam.

    Obs.: deixo claro: gosto mto de mtas ideias dele. Apenas acho q a sociedade não está preparada pra aceitar certas opiniões e verdades.

  16. Ayan, passando pelo twitter do Catraca Livre (eles já são a piada pronto) encontrei esse vídeo.Qual a sua opinião?Ela acertou ou errou mais?

    https://www.youtube.com/watch?v=gM55jRPqnMs

    PS:Lembrando que o “humanista” Emílio comanda um programa que explorou uma pessoa com problemas mentais (Zina).Quando este (Zina) precisou da ajuda do programa, ele e o resto da turma pularam fora.

    Fiz bem em parar de assitir esse lixo (mais preocupado em mostrar bundas do que fazer piadas)!
    Quanta moral, Emílio!

      • Assustado com a filha da putice dessa porra de Emílio Surita. Que cretino! Primeiro que como apresentador se mostrou um lixo, pois só ele fala, não deixa Rachel se defender, e fala num tom brigão, querendo intimar, querendo ser totalitário.
        Luciano, postou algo sobre isso no Crítica Política? É urgente que ridicularizemos esse cidadão, esse apresentador daquele programa LIXO, daquela emissora dirigida por seguidores da Biscatina argentina.
        Que lixo, que porra, que cretino, desgraçado. Diabo, filhote de capeta. Quanta vigarice, quanta merda em poucos minutos! Vai se FUDER, Emilio Surita, playboy do caralho que fica aí pagando de defensor de marginal – até um deles o assaltar ou coisa pior, é claro.

        Além de tudo faltou com respeito com ela, ao dizer “com 16 anos você era louca, né? ia lá dar pros caras”
        Isso é coisa que se diga pra uma mulher, que é mãe por sinal?
        Cadê aquela xeca de patrulha feminista pra defender a Rachel? Cadê? Cadê os defensores do politicamente correto? Um apresentador recebe uma convidada, que saiu da casa dela pra ir nesse programete de bosta (que recebe verba publicitária para estar no ar, ou seja, estão GANHANDO com a presença dela lá), e desrespeita assim uma convidada?
        Desrespeito por falar isso para ela e por ser tão grosseiro, vigarista, querer falar mais alto que ela, não deixar ela falar. Puta que pariu, que LIXO de celebridade de porra. Vá pro infernos, desgraça, defecação humana. Filhote de capeta do caralho, playboy esquerda caviar no rabo.

      • Por favor Maxwell, Luciano, começar um trabalho de ridicularização desse VELHO que acha que tem a idade dos filhos dele – é os filhos desse bosta que são colírio de Capricho né?
        Luciano, por favor, se não tiver um artigo no Crítica Política a respeito, favor fazer, ridicularizando muito esse filho de capeta, essa defecação humana, esse lixo, essa porra.
        É preciso que haja artigo na internet criticando ele, que além de um apresentador TERRÍVEL de um programa que é o ESGOTO da TV brasileira, faltou com respeito de monte com a convidada e mostrou-se “humanista”, preocupadinho com bandido, preocupadinho com a molecada, amigão dos bandidos, gente boa, e não passa de uma bosta de um esquerda caviar, playboy do pior tipo que tem.
        Merece ser desmascarado, completamente desmascarado, esse servidor de seguidores da Biscatina, que estão coordenando aquela porra daquela Band.

        Por favor, ridicularizem, espalhem por aí o quanto sujo esse porco é, essa aberração moral, esse DEMÔNIO. Desgraça. LIXO.
        Não vamo deixar barato, eu amanhã cada pessoa que conversar vou dar um jeito de fazer a pessoa pegar nojo dessa aberração chamada Emilio Surita. Ele conquistou inimigos, espero que TODOS aqui, toda a direita, seja imaculada sem pecados ou a direita ralé como é meu caso, espero que TODOS se declarem INIMIGOS dessa bosta. Ele não imagina o exército de inimigos que conquistou… LIXO. Volta pra lixeira, volta pro esgoto, RATO.

        (coitado dos ratos…)

    • Acho o Caiado mais indicado para a presidência.
      O Bolsonaro é um representante de um nicho eleitoral, mas não tem condições de agregar grupos diferentes como o Aécio Neves agregou.
      Ainda assim seria divertido ver o Bolsonaro nos debates presidenciais, com certeza.

    • Pode votar, mas saiba, ele receberá menos votos do que a Genro, que também receberá uma meia dúzia de voto de uma molecadinha.
      Aconselho votar em quem tem real chance de ganhar – Aécio ou algum que surgir até lá, que eu duvido que surja. Não podemos perder o fio da meada e deixar de ter uma porcentagem enorme pra votar no Aécio em 2018 – mas, claro, voto é livre, antes que digam que to me intrometendo na vida dela.

  17. Luciano, você já viu a reviravolta no caso Verônica, que gerou aquela página e hashtag cheia de artes homenageando alguém que agrediu uma senhora de idade, outro travesti, uma mulher de idade desconhecida e um carcereiro que teve a orelha arrancada a dentadas? Sim, tem quase 20 mil pessoas que não estão notando que foram feitas de inocentes úteis e estão acendendo a vela boa para o defunto ruim que os marxistas-humanistas-neoateístas com maior grau de beneficiariedade não querem acender diretamente. Observe-se inclusive que Verônica, a quem disseram que teria sido vítima de agressão na detenção, fala claramente que não foi torturada, mas contida. Aliás, que se veja o fato de o travesti em questão ser bem forte, como dá para ver pelas fotos.
    Aliás, a internet foi até rápida em criar páginas contra a tentativa de capitalizar em cima de um agressor e transformá-lo em um herói que nunca foi, como poderá ver pelo que passo abaixo:

    http://www.facebook.com/943450559021244/photos/a.943874448978855.1073741828.943450559021244/945428178823482/?type=1

    http://www.facebook.com/1379566265705776/photos/a.1379567419038994.1073741827.1379566265705776/1379602559035480/?type=1

    http://www.facebook.com/somososprofissionaisdaseguranca

    http://www.facebook.com/376925572496809/photos/a.376926095830090.1073741825.376925572496809/376926112496755/?type=1

    E há algo mais importante ainda: homossexuais se injuriaram com o Jean Wyllys querendo que todos fossem Verônica:

    http://www.facebook.com/943450559021244/photos/a.943874448978855.1073741828.943450559021244/944047755628191/?type=1

    http://www.facebook.com/karolelleroficial/posts/384173648451585

    http://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=977424952269366&id=852885074723355

    Como se pode ver, provavelmente o ex-BBB e hoje deputado federal pode ter tido uma significativa votação em 2014 vinda não dos não-heterossexuais comuns a quem supostamente representaria, mas sim de um belo número de heterossexuais MHNs que agem na base de achar que estão expiando alguma culpa que teriam (mas nunca tiveram ou teriam) por simplesmente serem heterossexuais e, por alguma extensão, terem nascido do sexo masculino, heterossexuais, caucasianos, ocidentais, de classe média e seguidores majoritariamente de valores judaico-cristãos. Afinal, estamos falando de 144.770 votos, pouca coisa abaixo da votação conseguida pelo Chico Alencar, o que significa desta vez não ter sido puxado pelos votos do deputado mais votado do PSOL.
    Também pode ser reflexo das passeatas de 15 de março e 12 de abril, que geraram um sentimento de que o brasileiro comum não precisa de ditos representantes não eleitos para ter sua voz ouvida, ainda que entre homossexuais esse sentimento já estivesse vindo desde antes disso, como comprovam as cada vez mais esvaziadas paradas gays dos últimos anos. Logo, as mais recentes manifestações podem apenas ter catalisado uma reação que já existia dentro desse universo.

    O que significa isso? Que está ocorrendo agora neste contexto gramscianizado uma queda do cavalo mais ou menos parecida com a sofrida por marxistas na Primeira Guerra Mundial e que suscitou a criação da Escola de Frankfurt. A mecânica é igual: pessoas comuns não se juntam obrigatoriamente a pessoas que por acaso tenham uma mesma característica que elas de maneira obrigatória e, se o fazem, é só mesmo se sofreram uma enorme lavagem cerebral e, pior, acreditaram nessa lavagem cerebral. Se àquela época os operários do mundo não se juntaram de maneira transnacional, mas sim foram lutar por seus países, agora o que ocorre é que estamos vendo aqueles que não são heterossexuais também dando as costas a seus ditos representantes MHNs que afirmam serem aqueles de sexualidade diferente da maioria vítimas de opressão vinda dos heterossexuais. Logo, ao contrário do que dizem os militantes gays, os homossexuais em geral têm o mesmo senso comum de solidariedade e injustiça que qualquer outra pessoa comum teria. E aqui os injustiçados foram a tal senhora, uma outra mulher também agredida pelo mesmo travesti, o travesti que tentou segurar Verônica e o carcereiro que foi o Holyfield da vez. E, como injustiçados, receberam a solidariedade dos heterossexuais em geral, mas também de homossexuais, bissexuais, pansexuais e outras pessoas que vivem suas vidas de maneira normal e não se veem como melhores ou piores nem merecedores de mais ou menos atenção por aquilo que fazem em suas vidas íntimas.
    A exemplo do derretimento de imagem que o PT sofreu no passar dos anos, pode também derreter totalmente qualquer resquício de moral que militantes gays teriam aqueles a quem dizem ser representantes. Aliás, podemos estender isso a outros setores da sociedade que também podem ter tido a ficha caída de terem sido inocentes úteis por muito tempo, como mulheres em relação a feministas, pessoas de ancestralidade africana em relação ao movimento negro, universitários em relação ao movimento estudantil e outros tantos que sofreram marcha por dentro das instituições. E, como sabemos, pessoas que constatam terem sido enganadas, ainda mais por um longo tempo, irão se revoltar bastante com aqueles que diziam querer seu bem, mas sim queriam apenas ganhos políticos.

    • Não conhecia o caso e bem enojado estou, não só com essa travesti que provou ter instintos de animal, mas mais ainda com quem está apoiando-a. Insano, esquizofrênico, deprimente. Que deprê deve ser alguém que apóia esse tipo de violência.
      Jean Wyllys arregou até pra um “moleque de 19 anos”, visto que xingou o mesmo protegido por estar em um ~~debate~~ que mais era uma conversa de comadres entre iguais, e quando o “moleque de 19 anos” o chamou pro combate fingiu que não escutou. Covarde.

      E realmente, Cidadão, há muitos gays saindo do armário vermelho e outros que nunca lá estiveram começando a falar. Nas duas manifestações, dias 15/3 e 12/4, fui e foi também meu irmão gay com o namorado e amigos deles, e na do dia 15 um dos amigos deles trombou com um grupo que conhecia, e o que não faltava era gay de comportamento afetado mesmo, mostrando que não é preciso ser um gay sério com comportamento de gerente de banco pra ser contra esses representantes forçados -> até os afetadões estão de saco cheio!

      É igual quem acha que representa os pobres. Acho que já contei aqui, mas conto de novo: minha casa fica ao lado de uma pizzaria e do quintal consigo escutar a conversa dos motoboys, que são todos moradores de regiões menos favorecidas. Estavam comentando de um caso aqui da zona oeste em que um infeliz assaltou um banco, chegou a polícia, rolou treta e o bandido acabou morto. Os motoboys estavam dizendo “é isso mesmo, vacilão tem que se fuder, ainda bem que o polícia apagou esse bosta”.
      E não foi a única vez, já prestei atenção em conversas no ônibus e outros locais, esses representantes dos pobres tem discurso que em nada condiz com o pensamento dos que fingem representar.

      Cultura de oposição tá crescendo, e eles vão ter de engolir.

      E quanto a essa porra dessa Verônica, uma jaula ou jogar no meio da floresta junto com seus parentes selvagens era o melhor a fazer. Lixo.

    • Com uns dias de atraso (compreensível se formos pensar que ele está às voltas com a marcha até Brasília), Fernando Holiday também dá seu plá a respeito da tentativa de querer que todos fossem Verônica:

  18. Luciano e demais,
    Escrevi um texto no FB sobre homossexualismo e obviamente fui tendencioso em caracterizar essa opção como um desvio.
    Comparei o direito que uma pessoa teria de amputar suas próprias se assim quisesse, mas mencionei que isso não lhe conferiria razoabilidade inquestionável de apregoar esta conduta como moral e socialmente sadia.
    Fui massacrado!!!
    Minha esposa me obrigou a tirar o texto da timeline.
    Somos vitimas meus caros.
    Precisamos nos apoiar para virar este jogo.

Deixe uma resposta