Guerra verbal: onde a guerra política começa a ser disputada. E o que a direita ainda precisa descobrir.

33
80

choice

A Bíblia diz “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. Daí quando o verbo caiu nas mãos da direita, a coisa foi para o brejo. Falando sério, nenhum outro grupo social de larga escala foi tão desleixado no uso da expressão verbal quanto a direita. Minto. A direita religiosa consegue ser pior que a direita secular.

Esse é nosso grande desafio. Hoje em dia, a direita que consegue usar a linguagem como uma “arma” (assim como a esquerda já o faz) é ínfima. Devemos aumentar esse contingente urgentemente. Até acredito que no cotidiano, as pessoas de direita usem a linguagem a seu favor. Na hora de fechar um contrato, fazer uma negociação, nos relacionamentos, etc.

Por exemplo, existe uma diferença entre o que pensamos e o que falamos. Imagine alguém conhecendo uma bela garota e pensando: “Quero levar ela para cama hoje pois eu não consigo pensar em outra coisa”. Mas na hora da sedução, com certeza a verbalização será bem diferente do pensamento, até porque se fosse exatamente igual tudo que ele falasse iria distanciá-lo de conseguir seduzir a garota de fato. Enfim, pela cabeça passam todos os tipos de pensamentos. Mas ao falarmos em situações onde estamos sob avaliações externas, a coisa muda de figura, e devemos aliar o discurso aos resultados esperados.

É claro que o direitista não é uma figura inábil para a vida social, quando comparado aos esquerdistas. São tão aptos quanto. Porém, quando falamos do debate público, a coisa desanda. O analfabetismo político torna tudo até engraçado.

A boa notícia é que podemos fazer algo a respeito. O primeiro pontapé é começarmos a entender que a guerra política é vencida (ou perdida) enquanto cada lado abre sua boca, e decide, pela sua própria consciência, o que será expressado. Em tempo: “abrir a boca” é uma metáfora para qualquer expressão humana, seja por via oral ou pela via escrita.

Vamos a um exemplo. Leonardo Sakamoto fez um post se fingindo de vítima de ódio. Usou vários posts de oponentes em seu fórum dizendo “você devia morrer” ou “melhor se você for estrangulado”, etc.

Na hora de abrir a boca, Sakamoto optou pelo shaming em cima do que oponentes fizeram. Essas pessoas que o atacaram optaram pelo discurso da ameaça direta, um dos discursos mais falidos da era atual, onde a dissimulação é necessária ao menos em alguma medida. A pergunta a ser feita é: “em busca de qual resultado cada um ali abriu a boca?”. É claro que Sakamoto, estrategicamente falando, sabe escolher suas verbalizações. Muitos de seus adversários, inocentemente, nem pensam nisso.

Eu não estou querendo propor que todas as pessoas de direita sejam estrategistas verbais. Nem a esquerda consegue isso. Mas o fato é que na esquerda a falta de tato verbal hoje é um comportamento desviante, enquanto na direita é demasiadamente pervasivo.

Muitas das críticas que faço são focadas exatamente neste problema. No momento em que nos expressamos politicamente, qual o objetivo de fazermos uma determinada comunicação?

Já vi muitos argumentadores de direita dizendo “ah, a constituição permite que eu defenda (x)” ou “está na lei previsto que eu posso dizer (y)”. Ok, talvez. Mas a pergunta: “Em que momento a constituição ou a lei citam quais comunicações geram melhores ou piores resultados?”.

Uma vez que entremos em um fórum para opinar (ou atuar em qualquer ambiente de interação humana), estamos executando uma ação política. A comunicação expressada é escolhida conforme nossa consciência. Mas a pergunta é: “para que resultado é feita a comunicação?”.

Imagino um leitor de Hans Herman Hoppe entrando em um fórum e dizendo “ah, mas a democracia fracassou mesmo”. Volto com a questão: “para que você está em público dizendo isso?”. Será que alguém que se declara “contra a democracia” realmente se compromete com algum resultado político de qualquer forma?

Uma das maiores críticas que faço aos intervencionistas refere-se ao fato deles verbalizarem frases que só servem para que seus oponentes da esquerda os ridicularizem. O mais absurdo é o esforço retórico hercúleo que eles fazem em torno de justificar a manutenção do “direito” de continuarem fazendo tal discurso. Bem, é claro que eles têm o direito de falar o que quiserem. Mas não o direito moral.

Quando um petista fala em “democratização de meios de comunicação”, enquanto pensa em totalitarismo completo, isso demonstra um perfeito entendimento da noção de que o resultado político é obtido a partir dos frames escolhidos. Quando o intervencionista diz que “intervenção militar é a solução“, isto não irá resultar em nenhum ganho político para seu lado. Ocorrerá o contrário, pois declarações comprometedoras sempre são um presente para o oponente. O mesmo vale para os que falam que “a democracia não funcionou”. Se o mais esperto é o que sempre se agarra melhor ao rótulo “democracia”, o que tem na cabeça alguém dizendo que “democracia já era”? Nos dois últimos casos a resposta é simples: não há comprometimento em relação a resultados, e, pior, nem sequer mesmo a consciência de que a guerra política é vencida na batalha da comunicação.

No empreendimento de remodelar a estrutura mental da direita (uma das coisas mais urgentes para o momento) o primeiro desafio é conseguir fazer com que muitos entendam onde a guerra política ocorre. A resposta é simples:  na linguagem.

Anúncios

33 COMMENTS

  1. Falando em linguagem já viu os comentários do Frank Luntz?Ele fala na Fox News e na CBS sobre comunicação e pesquisas de mercado/política(faz Focus Groups também).

    Nesse link na parte inicial ele fala de política e no restante de comunicação de empresas(vale a pena ver tudo se você entende inglês).

  2. “Vamos a um exemplo. Leonardo Sakamoto fez um post se fingindo de vítima de ódio. Usou vários posts de oponentes em seu fórum dizendo “você devia morrer” ou “melhor se você for estrangulado”, etc.

    Na hora de abrir a boca, Sakamoto optou pelo shaming em cima do que oponentes fizeram. Essas pessoas que o atacaram optaram pelo discurso da ameaça direta, um dos discursos mais falidos da era atual, onde a dissimulação é necessária ao menos em alguma medida. A pergunta a ser feita é: “em busca de qual resultado cada um ali abriu a boca?”. É claro que Sakamoto, estrategicamente falando, sabe escolher suas verbalizações. Muitos de seus adversários, inocentemente, nem pensam nisso.”

    Luciano, comcordo com você. Mas também não ficaria surpreso se muitos dos que atacaram o Sakamoto fossem esquerdistas se passando por “revoltados direitistas”.

    • Talvez, mas se ele chegou a citar oponentes é por serem pessoas reconhecidas como de direita e sendo mesmo, ou ele apenas se passaria por tolo respondendo a ataques de internautas de pouca visibilidade.
      Tem pessoas, com mais frequência da extrema direita, que não mede suas opiniões, que toma como dignificante dizer exatamente o que pensa(ou “pensa que pensa”), e, principalmente se, o que ela pensa for contrário ao ‘politicamente correto’, aí da mais vontade em expressar e, em momentos, acabam se transformando em alvos de seu modo grosseiro de dizer tudo que dá vontade, principalmente quando fazem isso num momento de stress ou indignação.

      • Perfeito, Lizandro. E eu vivo batendo em algumas teclas aqui, dizendo “fiquem quietinhos quanto a isso aí poxa, isso é munição para a ridicularização”, coisas que os próprios políticos que estão querendo representar a demanda de direita já perceberam, mas sou chamado de “gayzista”, “bichona” e por aí vai. Um pouco de luz na mente de quem se acha tão iluminado ia bem.

      • Acho que eu me expressei de forma errada quando disse “medir suas opiniões”, talvez eu deveria ter dito “medir as palavras”, a questão é que quis dizer que a gente deve ter mais cautela antes de dizer algo, pensar “três vezes” antes, e em algumas situações é mesmo melhor ficar quieto, mas só depois de ver se é possível fazer o que a esquerda faz para não cair nos espinhos, “diversificar o assunto”. É bom estar sempre atento ao nosso “inimigo” invisível, o “politicamente correto”, e aprender as técnicas mostradas no site do Luciano. Se o politicamente correto “não permite” atacar uma ideia, exponha os problemas dela, ou melhor, pergunte ao adversário como ele resolverá o problema ou se ele não vê problema na ideia dele ter tal consequência(deve citá-la), se não conseguir, tente expor as incoerências do adversário relacionados a ideia dele, o Jean Wilis é um exemplo disso, claro, isso pelas próprias atitudes dele fazê-lo parecer uma “incoerência ambulante”, uma farsa criada pela política baseada apenas no populismo e enganação.

    • Isso só poderia vir de ” ‘Jovens’ de esquerda”, se os adultos de esquerda ‘não entendem’ que estado minimo não é o mesmo que estado zero, como poderiam os “jovens” de esquerda entender algo assim. Eles estão confundindo liberais com anarco-comunistas, a poucos dias eu vi um esquerdista xingando numa página do MBL que eles “não eram libertários coisa nem uma”.

      • Tenta explicar lá o espantalho que eles estão atacando. Kim não é anarco-capitalista, Kim é um liberal.

        O Kim paga os impostos através da força e quer dizer que mesmo pagando forçado não pode usufruir do que é tirado pela força dele?
        Defender que não se deve pagar impostos pela força não quer dizer que ele não pode consumir algo que já está pagando. Não é uma contradição.

        Ao contrário de esquerdistas que são inteiramente livres para não comprarem inúmeros produtos supérfluos do mundo capitalista que não sejam comidas, água e suco.

      • Douglas, sobre seu comentário, “Tenta explicar lá o espantalho que eles estão atacando”.
        Se eu não quiser ir lá explicar aos pombos, eu posso criticar aqui o conteúdo vinculado no comentário?

      • Eles usam esse mesmo argumento de que “ah você é liberal e portanto não pode fazer uso dos serviços do Estado” quando a pessoa estuda em uma universidade pública.

        E o engraçado é que para eles zoar o acidente cuja vítima é um opositor do governo é legal, mas pessoas criticarem os esquerdistas é “crime de ódio”.

    • Partindo desse princípio, os “jovens” de esquerda deveriam fechar a conta do facebook, já que o socialismo prega a estatização de todas as empresas.

    • Nossa, que “piada” ruim. Não tão sabendo nem fazer humor esses esquerdopatas. Até a parte do Samu fez sentido, agora a parte do médico cubano, duvido que os próprios esquerdopatas riram.

    • Mas responder isso é muito fácil, basta falar que o esquerdopata está demonstrando apenas o sentimento de ódio que tem gozando do acidente sofrido pelo Kim, que, inclusive, tem grandes chances de ter sido um atentado. Ou seja, Mirror Magic, baby.

  3. u sou uma pessoa de falar o que penso, e messes atrás, no refeitório da empresa onde trabalho, estava almoçando, quando um colega, (esquerdista ferrenho, daqueles que usam camiseta do Che Guevara) ao meu lado, tenda inferiorizar as manifestações populares (as primeiras que aconteceram), vou relatar o diálogo que se seguiu pra vcs verem como eu consegui calar eles em 3 minutos.

    Estava quieto no meu canto assistindo as notícias na TV…

    Militante – Essa globo é muito parcial, esse ipobe que a TV da pra esses manifestantes é coisa de golpista.

    Eu – Mas nas manifestações do ano passado, que eram em grande maioria da esquerda, quando foram a rua pedir diminuição da tarifa de ônibus, na qual vc também foi, a TV também mostrou frequentemente

    Militante – Mas essas manifestações não tem foco, eles só sabem pedir impeachment, e depois disso o que vai acontecer?

    Eu – Uma coisa de cada vez, primeiro se combate o mau, a corrupção, logo em seguida vem as estratégias políticas, o que não podemos é continuar com essa corrupção no governo

    Militante – Mas tem que investigar, o povo não pode sair por ai pedindo impeachment

    Eu – Mas já investigaram, o Supremo já condenou vários do mensalão e do caso da petrobrás, a justiça está sendo feita

    Militante – Mas a corrupção é antiga, na época do PSDB era a mesma coisa, a diferença é que eles não deixavam as investigações prosseguirem

    Eu – Mas a sua acusação é grave, vc quer condenar alguém antes de que se julguem? Isso é errado

    Militante – Ah… depois dessa eu paro por aqui.

    Nesse momento ele levanta quase que nervoso e sai da sala.

    Éramos e continuamos amigos, mas sei que dificilmente ele vai tentar isso de novo quando eu estiver por perto.

    • O negócio da bandeira confere? Porque na primeira foto parece ser oi nome da Marina Silva assinado na bandeira. Não poderia ter sido um presente dela?

      • MANO POS-NEOLIBERALISMO
        KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

        SERIO QUE INVENTARAM ESSE TERMO
        KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

        TO RACHANDO AQUI
        KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

  4. Não lembro rir de frase nos seus textos, mas pareceu muito engraçado, “Daí quando o verbo caiu nas mãos da direita, a coisa foi para o brejo.“.
    Acho que, o que falta para a direita, é se reunirem em grupos de amigos, incluindo de extrema-direita, direita moderada, centro e talvez até algum de esquerda para discutirem abertamente vários temas, para se criticarem, se “auto-censurarem”, e, além de repensar suas ideias, praticarem o debate e como usar as palavras sem escorregar muito, sem deixar ‘furo’ para ataques dos adversários munidos do ‘politicamente correto’, e, também aprender a ser convincente em seus argumentos.

    • Priemeiro que voce esta errado. Segundo que liberal prefiro um milhao de veses me aliar com social-democratas com que com intervencionistas. Os extremos sao farinha do mesmo saco

      • Explique então onde errei. Posso até estar errado, apenas expressei o que acho que poderia ajudar, e nunca falei que para discutir algo, ser amigo ou se reunir com alguém é preciso se aliar. Agora mesmo estou pensando se tento discutir com você, mas estou longe de querer me aliar a você.

  5. [OFF] Final de semana divertido para os esquerdopatas que tem sede de sangue.

    Ontem, o acidente da família do Luciano Huck. Já tinha visto esquerdopata desejando morte pra família dele e destilando nojo, ódio e raiva gratuitamente, simplesmente pelo fato do Luciano apoiar Aécio.

    E agora, o acidente com o Kim Kataguiri:

    http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/05/1633022-acidente-em-estrada-fere-dois-manifestantes-de-marcha-contra-dilma.shtml?cmpid=facefolha

    Esse já to vendo esquerdopata comemorando e lamentando que não ocorreu nada de mais grave com ele.

    Esquerdopata: defendem bandidos sanguinários e assassinos, querem vê-los em colônia de férias e não admitem que se encoste um dedo neles, mas vibram de felicidade ao ver gente de posicionamento diferente sendo ferida ou passando perto da morte.

  6. A palavra nas maos do Bolsonaro e um fuzil carregado que ele joga na cara do esquerdista tentando acertar pegar ele com a bordoada kkk

    Acho que o unico politico eleito que sabe usar a palavra no nivel do PT e o Caiado, na minha opiniao. Mas ele e um homem sozinho no deserto

      • Paulo Jr. Enaltecer até ajuda, mas imagine você trabalhando muito numa empresa, ralando, recebendo 10 elogios ao dia, e 7 colegas seus só na mamata, fazendo de conta que trabalham, ganhando o mesmo que você, você não iria preferir ganhar 2 elogios e que cada um de seus colegas ganhassem 1 crítica para que todos passassem a produzir mais? Não acha que a empresa teria maiores chances de progredir?
        Uma crítica ao político muitas vezes toma proporções, sendo assim é uma pressão que possivelmente eles irão querer cessar, e para isso, só se adequando ao que a população e eleitores esperam deles. Os políticos devem aprender a trabalhar por terem sido eleitos para tal, e não pelo por esperar que o povo esteja enaltecendo suas atitudes.

      • Haha, nao sou so eu entao que penso assim 😀
        Tipo, o Bolsonaro faz questao de se queimar e dizer bobagem `todo o dia`. Ele tem a sinceridade de uma crianca de 8 anos. Nao mede as palavras, e nao tem malicia de medir o que pode ou nao ser usado contra ele propio. Mesmo para feliciano e Cia.

        Ja o Caiado, samba na cara dos petistas falando de Impeachmant e Gramscismo. Ele sabe desmantelar qualquer critica em um estalar de dedos.

      • Erandur, dos que frequentam esse site sou um dos que mais critica Bolsonaro, então não, relaxe, não está só.
        Sempre que o critico sou xingado de “gayzista” ou “bichona” por gente que se enxerga a aceitar que o cara é especialista em queimar o próprio filme, E O PIOR, queima o filme da direita em si.
        Quando ouço alguém “eu gosto do Bolsonaro” tenho vontade de rir.
        Gostar de um cara que faz vídeo a comemorar o golpe de 64?
        Que esteve presente naquela porra daquela marcha da família ano passado, cuja qual não reuniu nem 10 pessoas, pedindo a volta dos militares?
        Sai fora. Acorda pra cuspir. Bolsonaro tem bons projetos em relação à criminalidade, reconheço, mas como político é uma piada.

      • Cauê, você está certo em criticar, mas acredito que mesmo ele falando muito, muitas vezes ele acerta, mas a mídia sempre prefere dar destaques quando ele sai muito do “politicamente correto”, mas, acho que é preciso ter ao menos uma pessoa como ele na política, para nos fazer refletir, pois ele é um dos poucos que tem coragem de dizer algumas verdades, no caso da ditadura militar, a esquerda vingativa fez questão de tapar alguns dos motivos dela ter ocorrido, e acredito que talvez os militares nos livraram de uma ditadura ao modelo cubano com muitos mais mortos, e é comprovado que tinham grupos aqui querendo isso, agora, só como exemplo de como a esquerda age, foi a “comissão da verdade”, que só mostrou os erros de um lado e escondeu os outros, na mídia quase ninguém diz quantos foram os mortos da ditadura cubana, agora imagine se esse tipo de coisa acontecesse aqui, esse número de mortos em Cuba poderia ser multiplicado por 15 vezes ou mais, uma vez que a população brasileira é umas 15 vezes maior que a cubana, e as tentativas em lutar contra, possivelmente seriam maiores que foram em Cuba, tanto pelo país ter maior território e isso poderia facilitar mais revoltas. Todos sabemos que militares erraram, mas, os grupos a que Dilma fazia parte possivelmente teriam feito muito pior se apenas chegassem próximo ao poder.
        Acho que é bom ter um Bolsonaro ‘suicida’ dizendo tudo que pensa, o que pode ser ruim é a direita ter ele como exemplo de modo de agir ou se expressar, principalmente os formadores de opinião e colunistas de direita, até porque, sair copiando e distribuindo frases é coisa de petista que perdeu a capacidade de pensar por si mesmo.

      • Ouvi falar isso dele comemorar o golpe de 64.

        Vi outro vídeo dele que sinceramente deu nojo: justificou 20 anos de ditadura por causa de 10 dúzias de pelego terrorista no Araguaia… como se fosse necessário criar uma ditadura para cada religião que ocorre em um país… lastimável (curioso que a esquerda nem ligou para isso).

        Também vi um vídeo onde ele fala que o FHC deveria ser fuzilado pelas privatizações…. que escroto ¬_¬ (e olha só, nesse vídeo tinha um monte de esquerdista falando que concordava com o bolsonaro…)

        E o energumeno ainda apoia intervenção. Dai acham ruim que os esquerdistas chamam o pessoal de fascista. E de fato para essa minoria eles estão certos…

  7. Muito bom o texto Luciano. Na minha opinião nem precisa descer tanto na hierarquia deste jogo. Quando estourou as primeiras notícias de denuncia da operação Lava-Jato; o José Serra abriu a boca para dizer que uma possível solução para a Petrobras é a privatização. Mesmo que fosse. Nosso contexto político tem no poder um partido que fazendo uso de uma propaganda nazista demonizou a palavra “privatização”. Apenas se entrega mais munição para o inimigo. O PT por sua vez, apesar de todos os indícios de terem coordenado o maior roubo da história dentro da Petrobras; saem em passeata em defesa da empresa na maior cara de pau. Só o PT está pronto para uma guerra de ideológica política. Os outros partidos só aprenderam a roubar para encher o bolso como batedores de carteira.

Deixe uma resposta