Vitória: financiamento privado empresarial aprovado e financiamento exclusivamente público de campanha é derrubado

15
46

vitoria

Nesta noite, os amantes da liberdade podem saborear uma bela vitória conquistada nas últimas horas de ontem.

O fato é que ontem, 27/5, já no início da madrugada, o Congresso havia rejeitado o financiamento privado de campanha. Porém, no mesmo dia, o deputado federal Celso Russomano (PRB) recolocou uma emenda para votação inserindo na Constituição a permissão das empresas doarem exclusivamente aos partidos – e não aos candidatos, que poderão receber de pessoas físicas. A emenda foi aprovada com 330 votos contra 141.

Horas antes, a Câmara rejeitou a proposta bolivariana de financiamento exclusivamente público de campanha. Aqui 343 votaram contra, com 56 a favor.

Com isso, um dos principais golpes do PT foi derrubado.

Vejamos em mais detalhes o que isto significa.

Financiamento exclusivamente público é um sistema corrupto que permite a partidos totalitários gastarem toda verba estatal que puderem com publicidade institucional, blogs sujos, aparelhamento estatal (como no caso dos Correios). Este sistema é sempre vantagem desleal para o partido que detém o poder. Especialmente se for um partido totalitário, como o caso do PT. 

Nenhum país civilizado possui um sistema deste tipo.

Como lembrou o leitor Carlos Chaves: “Você gostaria que seu opositor governasse um pais com financiamento exclusivamente publico?”.

Outro leitor, Eduardo Amaral, disse: “O financiamento público favorecerá sempre o partido no poder. Humaniza Redes e suas campanhas é só dos muitos exemplos de campanha paralela e vantagem competitiva da situação. Somem a isso campanhas dos ministérios com agendas muito próximas ao do candidato governista, mas que não podem ser consideradas como parte da campanha eleitoral a cargo eletivo.”

Anderson Caesura também lembrou outro aspecto importantíssimo: “Com o financiamento exclusivamente público de campanha, o PT está tentando forçar o povo brasileiro a pagar com seus impostos o que o partido não consegue mais com a corrupção e o caixa 2 das mega-empreiteiras”.

Danilo Lima: “Financiamento público de campanha É GOLPE para dizer que O SEU dinheiro será usado em propaganda eleitoral, será divido entre a cumpanherada e ainda vão rir da sua cara no horário político. Se eu financio um partido de forma privada, EU POSSO DECIDIR PARAR DE FINANCIA-LO, Se o financiamento for público, estarão utilizando seu imposto para financiar partidos os quais vc nem vota e você não pode decidir parar de pagá-lo. FINANCIAMENTO PÚBLICO É ROUBO. Financiamento público é a forma de um partido NÃO EXPLICAR DE ONDE SURGEM AS “DOAÇÕES” de campanha, pois se o dinheiro é “Público” logo supõe-se que ele surgiu do “povo” de forma voluntária, sem controle algum do que é investido nas campanhas…..e mesmo assim não é impede que o partido RECEBA POR FORA. É sistema imoral, a maracutaia é grosseira, só vai beneficiar a política corrupta, e quem o defende É GOLPISTA. Cada real gasto pra financiar campanha de político, É UM REAL A MENOS NO BOLSO DO POBRE”. Quem defende financiamento público de campanha É CONTRA OS POBRES….que já paga mais de 50% de imposto, não tem retorno e ainda tem que pagar campanha de político.

Thiago Rachid escreveu: “O financiamento público exclusivo dá ao PT o poder eterno: eles terão essa fonte, terão as doações de pessoas físicas que empregam no Estado através de cargos comissionados, terão a doação da militância fiel (o que os outros partidos não têm) e ainda terão os recursos desviados do Tesouro pela corrupção. Se os demais partidos aceitarem isso estarão dando ao PT o poder para sempre e o título de “hors concours”.”

Marcel Felipe resumiu: “Cada centavo que compra propaganda na tevê e rádio é um centavo a menos no salários dos professores, merenda escolar e além. Um absurdo!”.

Michel Ulbrich: “Financiamento Público para Políticos é seu dinheiro desviado para campanhas que mentem para você. “

Enfim, hoje é um dia para comemorarmos:

Anúncios

15 COMMENTS

  1. Calma que ainda é uma vitória parcial.

    Lembre-se que a matéria do financiamento está no STF.

    A propósito, qual a sua opinião sobre eles (Congresso) terem aprovado o fim da reeleição?

  2. Não é difícil entender a motivação petista por trás da oposição ao financiamento privado: qual é o empresário que, hoje, seria louco de dar um centavo para o PT?

    E nunca é demais mencionarmos o excelente vídeo da Prager University sobre o assunto:

  3. O Brasil já havia proibido financiamento privado antes, não? Durante o regime militar, na Lei Orgânica dos Partidos Políticos (LOPP) de 1965. Dá para construir algum frame em torno disso, comparando as intenções do PT com a ‘época ditadura’.

  4. Celso Russomano: espero que se candidate à prefeitura de São Paulo ano que vem. Terá meu voto. E espero que de todos os paulistanos que não aguentam mais essa gestão das ciclofaixas do Haddad (haja cartel de tinta!) e não acreditam numa palavra da ex-petista (será tão ex assim mesmo?) Marta Suplicy.

    Só o que faltava, quererem financiamento só público de campanha, rs. Pensam que a gente é idiota. Vão à merda.

  5. Republicou isso em Enquanto há vida, há esperança!e comentado:
    Entenda o que estava por trás do financiamento público de campanha proposto pelo PT e saboreie a vitória conseguida ontem … e não apenas pelo fim da proposta indecente dos governistas mas, também, pelo fim da reeleição, embora o PT também tenha votado a favor dessa proposta o que a coloca sob suspeita. Já o Reinaldo de Azevedo apresenta (http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/uma-noite-produtiva-por-452-a-19-camara-aprova-o-fim-da-reeleicao-que-so-fez-mal-ao-pais-parabens-cunha/) uma avaliação que não deixa de ter sentido.

  6. As pessoas podem criticar o Cunha a vontade (eu também tenho minhas críticas a ele), mas que ele está trabalhando, isso ele está.
    Eu já escutava sobre essa reforma política há anos.Bem, parece que o Cunha está “parindo” ela.
    A propósito, os cínicos de plantão já estão colocando voto distrital e distritão no mesmo saco.

Deixe uma resposta