O argumento bizarro de Toffoli contra o financiamento privado de campanha

10
166

tof

Observem a argumentação de Dias Toffoli em favor do fim do financiamento privado de campanha: “Eu continuo entendendo que empresa não vota. Se ela não vota, não deve participar do processo eleitoral. Na minha ótica, não entendo que alguma empresa exista com o objetivo de distribuir lucros ou faturamento ou recursos a partidos políticos. Empresa existe para obter lucro. Agora, é óbvio que o Congresso Nacional está deliberando e compete a ele decidir”.

Sim, empresa não vota, mas ela é composta de sócios, que votam. A não ser que o sujeito queira argumentar que as empresas pertencem a espíritos ou entidades etéreas. E já que ele disse que “quem não vota não pode participar do processo eleitoral”, então é hora de acabar com o fundo partidário. Já que “se empresa não vota, então não participa” a regra deveria ser “se estado não vota, então não participa também”. É no que essa essa turba bolivariana abandonar todo e qualquer traço de argumentação e partir para o discurso com base em slogan.

Que nível, que nível…

Anúncios

10 COMMENTS

  1. OFF topic: Luciano, em relação a analise do registro do Partido Novo pelo Ministro do TSE João Otávio de Noronha, seria melhor enche-lo de emails ou pode vir um tiro pela culatra?Lembrando que se em agosto não houver o registro não será possível para o Partido Novo apresentar candidatos para a eleição de 2016.

    Telefone: +55(61) 3030-7403 e 7404

    E-mail: gab.joao.otavio@tse.jus.br

    http://www.tse.jus.br/institucional/ministros/agenda-do-ministro-joao-otavio-de-noronha

  2. “Na minha ótica, não entendo que alguma empresa exista com o objetivo de distribuir lucros ou faturamento ou recursos a partidos políticos.” Acho que o Toffoli nunca ouviu falar de uma tal Petrobras…

  3. Eu acho que o argumento poderia ser complementado.

    A pessoa jurídica não vota, mas recolhe tributos e contribuições previdenciária, cria empregos, contribui para o PIB e a balança comercial, e sofre, como qualquer pessoa natural, com as decisões governamentais. Se as empresas são afetas pelas decisões dos políticos, devem sim interferir para defender seus interesses legítimos; se as empresas não podem participar do processo eleitoral por falta de título eleitoral, logo não deveriam custear as despesas das eleições e nem pagar os salários dos juízes eleitorais, por exemplo.

  4. Desligar as doações será muito prejudicial – Fará os partidos levarem a sério suas utopias bizarras e esquecerem da realidade do país, causando estragos terríveis, basta olhar as ideologias que temos nos partidos brasileiros.

    Se todos são assinantes do “Contrato social”, então nessa “sociedade” chamada “Governo” as empresas tem uma fatia maior das participações, por que sempre pagaram mais impostos do que as pessoas físicas.

  5. Engraçado agora se manifestarem contra o financiamento das campanhas por parte das empresas, pois são justamente elas que geram empregos e fazem a economia do país crescer. Nada mais natural, portanto, que influenciem no processo político e nos rumos do país.

    Quando este financiamento serviu para manter o PT no poder, estava tudo bem então ? Agora que parece que o setor privado está reagindo aos desatinos da legenda, e pode começar a direcionar suas doações de campanha a outras legendas que ponham o país “de volta aos trilhos”, não serve mais ???

    • “Entendo” (entre aspas) quando vejo gente (que não é exatamente esquerdoPaTa, mas sim alguém confuso, que não pensa muito) se revoltando com miséria (também me revolto), com algumas coisas que apontam o movimento LGBT ou feminista, com intervencionista (quem em lucidez não se revolta?), entre outras causas, em especial as que se referem à pobreza.
      Um dia conversando com um conhecido até “entendi” ele ter caído no truque do “antes não investigava, agora investiga” e outros truques que são até que bem lançados.

      Agora, quando vejo gente defendendo financiamento público de campanha, aí perco completamente a esperança na pessoa. Ou é esquerdoPaTa ferrenha, inimiga da liberdade, corrompida, ou então é burra. Tão burra, tão asna, tão jumenta, 2+2=5.

  6. Tem vez que a esquerdopatada sabe distorcer bem palavras pra uma coisa parecer outra coisa. Mas, nesse caso, foi bem coisa de amador – o que anda muito comum, cá entre nós. Conversa pra boi dormir.

  7. Fica então proibida qualquer doação de campanha, ok? Eu voto, mas não posso bancar ninguém. Que cada candidato suba em seu banquinho e fale na praça com um amplificador pago com seu dinheiro. Ah, e também não pode ter propaganda na TV, pois já que eu não quero pagar, também não quero ver. E lembre-se, Toffoli, eu voto!

  8. BIZARRICE PRA DIVERTIR A VÉSPERA DE FERIADO:

    As feministas agora estão fazendo barulho, espumando ódio e querendo que um caminhão passe por cima do Marcelo Camelo.
    Por que?
    Por causa do casamento dele com a Mallu Magalhães, que é bem mais nova que ele.
    Mas peraí… eles já não estão juntos há, sei lá, uns 7 anos? Agora que elas decidiram gritar?
    Atualmente a Mallu é maior de idade (acho que há bastante tempo já). Quando começaram ela era menor e rolou muita polêmica, mas AGORA que as feministas decidiram sair da toca?

    https://marjorierodrigues.wordpress.com/2015/05/29/por-um-feminismo-que-ouca-mallu-antes/

    Isso porque o Camelo declaradamente vota na Dilma. Imagina se não votasse…
    Querer se intrometer na livre escolha dos outros é merda mesmo.

    Engraçado que as feministas adoram pregar putaria louca, reproduzir aquela cena do Exorcista em que a personagem se penetra com uma cruz, querem tudo modernete, tudo descoladérrimo, querem barulhera, MAS, não suportam ver um casamento que deu certo e pronto, dá-lhe se intrometer na vida deles.

    Que infeliz deve ser a vida dessas feministas. Ia dizer que parecem cadelas raivosas, mas tenho dó de comparar adoráveis animais com essas patrulheiras de vida alheia, corocas fofoqueiras de portão.

  9. O PT prometeu que não vão mais receber doações de empresas privadas. Vamos cobrar isso publicamente a partir de agora. As campanhas petistas são caríssimas, não sobrevivem sem grandes doações. Vamos constrange-los agora usando suas próprias promessas como motivo.

Deixe uma resposta