Um país sem dignidade: delegada nem fica corada ao expor motivo ridículo para proibir porte de armas

38
184

monstro

Eu havia me enganado. Não é apenas o ECA que serve para que o governo tire a dignidade do povo. A lei do desarmamento é util ao mesmo fim. Uma matéria do Último Segundo nos lembra disso ao mostrar uma delegada, Karina Murakami, com todo o cinismo do mundo, dizendo seus motivos para negar portes de arma.

Ela diz: “A pessoa somente justificou que ela era uma pessoa de posses, tinha uma condição social abastada […] Nesses casos, a gente entende que não há justificativa para aquisição de uma arma de fogo.”

A provocação prossegue: “Não adianta dizer que é para a defesa da sua família e da sua propriedade. Eu quero saber por que você precisa de uma arma de fogo”. E ela enfatiza o termo “precisa”.

Segundo ela, é preciso se rebaixar e “explicar” o que essa gente define como “fatos e circunstâncias que justifiquem a aquisição da arma de fogo”. Exemplos: “morar numa região perigosa ou ser um agente penitenciário”.

Ou seja, se você se sentir preocupado com sua vida, e, por qualquer motivo (um medo maior de ser vítima de violência, ou até notar que você tem menos sangue de barata para tolerar uma arma na tua cara), para Karina isso não serve. Não é “motivo”.

Quer dizer que você paga impostos (e os salários de Karina) para ela ainda te ofender desse jeito.

Melhor seria se ela dissesse que tem vergonha de dizer os motivos para renegar posse de arma para um cidadão pagador de impostos.

Anúncios

38 COMMENTS

  1. Vinde a mim o Fikdik que hoje me chamou de “esquerdista” e listou motivos. Vou dar um novo motivo agora:

    Sou bem cético quanto a armar a população pois o Brasil de jeito algum é preparado pra isso. Mostram estatísticas de locais (geralmente pequenos e já com alto nível de civilização) onde a violência baixou após liberarem armas e aí dizem “viu só? tá vendo?”.
    Mas esquecem, por exemplo, que em New Orleans, quando liberaram porte de arma, não demorou a acontecer um atentado de tiros gratuitos em um desfile de escola – não, não de samba. Escola de criança mesmo. Tiros de graça, resultado que não teve a menor graça.

    Imaginem a noite paulistana com armas liberadas a rodo. Quem defende armamento acho que não é pessoa que sai muito, não presencia brigas que acontecem em locais cheio de gente.

    Um dia vi um início feio de briga em uma SORVETERIA. Uma sorveteria no Butantã, bairro de classe média, população letrada. Começou uma briga de xingamentos altos por uma BOBEIRA. Um dos caras ficou muito nervoso e já ia jogar a cadeira no outro, mas não deixaram. Se tivesse uma arma, era dois palito pra tocar o terror e talvez fazer sangue escorrer ao chão.

    “ESQUERDISTA PETISTA VERMELHO FILHO DE ESQUERDOPATA”
    Eu não to interessado em fazer parte da galera.
    Sigo minhas opiniões. E minha opinião nesse caso é CONTRA, e tem bosta nenhuma a ver com esquerdismo. Engulam.

    • Sou bem cético quanto a armar a população pois o Brasil de jeito algum é preparado pra isso. Mostram estatísticas de locais (geralmente pequenos e já com alto nível de civilização) onde a violência baixou após liberarem armas e aí dizem “viu só? tá vendo?”.

      Esse é o mesmo truque que a esquerda usa para não querer reduzir a maioridade penal. Dizem : “não vai resolver o problema”. Isto ocorre pela incapacidade de respeito ao indivíduo.

      Seu discurso é fácil de refutar. Aguarde uma surpresinha na forma do livro que se seguirá a “Urgência de Sermos Charlie”.

      Mas esquecem, por exemplo, que em New Orleans, quando liberaram porte de arma, não demorou a acontecer um atentado de tiros gratuitos em um desfile de escola – não, não de samba. Escola de criança mesmo. Tiros de graça, resultado que não teve a menor graça.

      Horrível este argumento. Como você prova que o atentado só ocorreu pela liberação de porte de arma? Ao contrário: os crimes são cometidos por pessoas que não dão a mínima para porte de arma.

      É pura lógica: quem não viola as leis de porte de arma (que não deveriam existir), preocupa-se com sua imagem e sua ficha policial. Logo, não é o perfil que entraria em uma escola para matar pessoas. Este tipo de perfil, ao contrário, compra armas no mercado negro.

      Imaginem a noite paulistana com armas liberadas a rodo. Quem defende armamento acho que não é pessoa que sai muito, não presencia brigas que acontecem em locais cheio de gente.

      Brigas que acontecem em locais cheios de gente existem em todo mundo. Isto não é um argumento para proibir porte de arma.

      Um dia vi um início feio de briga em uma SORVETERIA. Uma sorveteria no Butantã, bairro de classe média, população letrada. Começou uma briga de xingamentos altos por uma BOBEIRA. Um dos caras ficou muito nervoso e já ia jogar a cadeira no outro, mas não deixaram. Se tivesse uma arma, era dois palito pra tocar o terror e talvez fazer sangue escorrer ao chão.

      E se isso ocorresse a pessoa seria responsabilizada por isso.

      “ESQUERDISTA PETISTA VERMELHO FILHO DE ESQUERDOPATA”
      Eu não to interessado em fazer parte da galera.

      E pelo visto não está interessado em criar bons argumentos.

      Sigo minhas opiniões. E minha opinião nesse caso é CONTRA, e tem bosta nenhuma a ver com esquerdismo. Engulam.

      Mas e os seus argumentos?

      • Inimigo da humanidade? Pegou pesado.
        Acho que vocês defendem porte de arma confiam muito na sanidade do brasileiro, o mesmo brasileiro que elege o PT. Não seriam só os mocinhos, os bem intencionados, os religiosos conservadores sem pecados, que teriam armas em mãos. Seria qualquer um. Pensa naquele zé mané com quem você brigou no trânsito um dia com uma arma em mãos.

        Sem falar que isso certamente aumentaria o número de armas na mão de bandidos, pois seria a primeira coisa que iam pedir em um assalto.

        PS: Sou completamente a favor da redução da maioridade penal. Só essa semana escutei dois casos de crime cometido por menor de idade, um aquele que aconteceu no metrô e saiu na mídia, e outro com uma colega de serviço.
        Engraçado que na hora que ela contou, uns colegas esquerdistas caviar chegaram a DEFENDER os dois pivetes que a assaltaram (que a machucaram com vidro, o braço dela estava todo ferido) dizendo que os pivetes “ao menos tinham pedido” o relógio dela (ela não quis passar, machucaram ela e tiraram a força).
        Fiquei com muito nojo desses esquerdopatas. Nem olho na cara mais.
        Uma das meninas (loira, e descobri nesse dia, loira burra) pelo tom que falou achou até “fofo” eles terem “pedido”.
        Emílio Surita também acharia, e ia querer que o estado pagasse colônia de férias pra eles.

      • Inimigo da humanidade? Pegou pesado.

        Expliquei a ética desta afirmação.
        Basta existir UM ÚNICO CASO de alguém que
        (1) tenha condições de se defender
        (2) tenha VONTADE DE SE defender
        (3) mas está proibido de ter armas
        (4) e então é vítima de um criminoso

        Só um único caso.
        Este único caso o coloca como alguém que defende uma lei que é exatamente igual a AMARRAR O BRAÇO DELE ÀS COSTAS E JOGÁ-LO AOS BARBAROS.

        A lei do desarmamento é eticamente monstruosa neste nível.

        Por isso, é uma lei inimiga da humanidade.

        Acho que vocês defendem porte de arma confiam muito na sanidade do brasileiro, o mesmo brasileiro que elege o PT.

        Não tem nada a ver com sanidade “do brasileiro”, mas com ética no respeito aos indivíduos que pagam impostos.

        Não seriam só os mocinhos, os bem intencionados, os religiosos conservadores sem pecados, que teriam armas em mãos. Seria qualquer um. Pensa naquele zé mané com quem você brigou no trânsito um dia com uma arma em mãos.

        Sim, e ele estaria sob o crivo da lei.

        Sem falar que isso certamente aumentaria o número de armas na mão de bandidos, pois seria a primeira coisa que iam pedir em um assalto.

        De novo, conseguir armas NÃO É UM PROBLEMA para bandidos. Argumento ruim.

        PS: Sou completamente a favor da redução da maioridade penal. Só essa semana escutei dois casos de crime cometido por menor de idade, um aquele que aconteceu no metrô e saiu na mídia, e outro com uma colega de serviço.
        Engraçado que na hora que ela contou, uns colegas esquerdistas caviar chegaram a DEFENDER os dois pivetes que a assaltaram (que a machucaram com vidro, o braço dela estava todo ferido) dizendo que os pivetes “ao menos tinham pedido” o relógio dela (ela não quis passar, machucaram ela e tiraram a força).
        Fiquei com muito nojo desses esquerdopatas. Nem olho na cara mais.

        Eticamente, a lei do desarmamento vai pelo mesmo caminho.

        Mas eu não levo pro lado pessoal. Aqui são duelos de argumentos.

      • “Sim, e ele estaria sob o crivo da lei.”
        Mas, Luciano, e a consequência do que ele fez? Você não se preocuparia em andar em meio a uma multidão armada, sabendo que qualquer situação de tensão poderia gerar tiros? Quem desse tiros estaria sob penalidade da lei, mas e as consequências desses tiros, não tem medo de que (Deus livre) te acerte?
        Eu teria muito medo disso. Já vi armas duas vezes, uma na ESCOLA (um colega trouxe, pra ameaçar outro, oh que coisa linda) e outra em um bar, e nas duas vezes me apavorei, saber que aquele troço precisa só de um pequeno movimento pra fazer um estrago definitivo.
        Me surpreende essa “coragem” e sangue frio de vocês armamentistas, mas definitivamente não a possuo.

        E também não possuo sangue frio pra continuar olhando na cara de quem acha bandido fofo. Talvez seja imaturidade da minha parte, mas penso que numa relação assim não tem o que surgir senão repulsa. Não vai me interessar ter a pessoa por perto, nem a ela ter eu. Mais fácil cada um pro seu canto duma vez. E os bandidos pro canto dela, por favor.

      • Mas, Luciano, e a consequência do que ele fez?
        E a consequência de alguém jogar o carro em cima dos outros? Há mais mortes por automobilismo do que por armas…
        Você não se preocuparia em andar em meio a uma multidão armada, sabendo que qualquer situação de tensão poderia gerar tiros? Quem desse tiros estaria sob penalidade da lei, mas e as consequências desses tiros, não tem medo de que (Deus livre) te acerte?
        Primeiro você precisaria demonstrar que países que liberam armas para os CIDADÃOS NÃO CRIMINOSOS viram esse velho oeste que vocÊ afirmou. É evidentemente um espantalho.
        Eu teria muito medo disso. Já vi armas duas vezes, uma na ESCOLA (um colega trouxe, pra ameaçar outro, oh que coisa linda) e outra em um bar, e nas duas vezes me apavorei, saber que aquele troço precisa só de um pequeno movimento pra fazer um estrago definitivo.
        Experimente acelerar um carro a 100 km por hora sem responsabilidade para ver o estrago que ele faz…
        Me surpreende essa “coragem” e sangue frio de vocês armamentistas, mas definitivamente não a possuo.
        Eu não teria a coragem e sangue frio de lançar um argumento tão ruim.
        E também não possuo sangue frio pra continuar olhando na cara de quem acha bandido fofo. Talvez seja imaturidade da minha parte, mas penso que numa relação assim não tem o que surgir senão repulsa. Não vai me interessar ter a pessoa por perto, nem a ela ter eu. Mais fácil cada um pro seu canto duma vez. E os bandidos pro canto dela, por favor.
        É estranho, mto estranho. Mas cada um é cada um…

    • Argumentação se baseia puramente em evidência anedótica. Aliás, nem evidência anedótica chega a ser, pois seria necessário apontar um caso que ocorresse com alguém que possui porte de arma. Você se limitou a dizer: “ah, eu vi a briga X e o fulano estava muito alterado”. Faltou esclarecer os seguintes pontos:

      1 Será que o fulano alterado continuaria sendo o fulano alterado se se acreditasse que outras pessoas poderiam estar armadas no ambiente? É mais normal ter um ataque de raiva quando você está num ambiente em que sabe que ninguém está armado ou com gente armada até os dentes? As pessoas podem ser nervosas, mas em geral não rasgam dinheiro ou pulam no precipício. Não conheço muita gente disposta a se colocar num impasse mexicano.

      2 Será que o fulano passaria nos testes para obter licença da arma? Tem passagens na polícia por comportamento violento? Tem algum distúrbio psíquico? Creio que a maioria esmagadora dos partidários do direito a defesa consideraria prudente restringir o porte de arma caso a pessoa já tenha demonstrado apresentar um risco a sociedade. Ninguém espera que o Champinha saia da prisão e no dia seguinte consiga uma licença.

      3 Será que o fulano que fizesse um bom curso para lidar com a arma continuaria descontrolado, ou aprenderia a se conter e a agir friamente?

      Mesmo se o fulano sacasse a arma apesar de tudo isso, seria apenas uma evidência anedótica. Você teria que provar que isso seria um comportamento generalizado. E mais: teria que provar que essas ocorrências suplantam os casos de gente que se defendeu de violência por portar uma arma ou os casos em que os bandidos deixaram de assaltar com medo da reação das vítimas. As estatísticas dizem que não suplantam de forma alguma.

  2. Quanta subserviencia nas palavras dessa delegada “soviet”! Como e que uma pessoa que se pressupoe seja informada vem com uma conversa dessas, sem nexo? So pode mesmo ser lavagem cerebral. Deve ter estudado numa escola onde os alunos sao graduados no SEGUNDO GRAU sem saber o que e verbo, nem o que e plural. Essa entao foi desse jeito para a faculdade e ali nao aprendeu mais nada, so o Decalogo de Lenin e as ideias de Gramsci. Quanta petulancia para uma simples delegadinha paga com dinheiro dos nossos impostos e a quem deveria respeitar antes de tudo. Garanto que ela vive rodeada de protecao e um vagabundo armado jamais entraria na casa porque sabe que ali tem alguem do sistema maldito que o PT criou. Ora , va pro inferno , delegada Karina Murakami. Voce esta envergonhando seus ancestrais ja que seu sobrenome e japones, um povo digno. Faca a sua obrigacao apenas, nao queira ser mais importante do que realmente e. Cumpra seu dever, so isso, ja que todos temos o direito de ter arma sim. Voce so pode negar isso no dia em que nenhum vagabundo tenha uma, antes disso queremos a nossa arma. Afinal ja votamos contra o desarmamento mas o PT enganou o povo e comprou todas as armas que havia. As velhas passaram um rolo compressor em cima e as armas mais modernas devem ter distribuido entre os bandidos que eles protegem.

  3. Não sei amigo, acredito que se nem a Delegada Karina que acredito eu tenha tido todo preparo psicológico e tática de uso para conflitos ou guerra urbana e mesmo ela estando de coletes, com granadas e ainda acompanhada de outros policiais com fuzis e mesmo treinamento morrem antes de sacar seu revolver, me pergunto, arma pra que?
    Arma foi feita para tirar vidas nunca para defendê-las.
    Mas estamos em um país democrático e quem quiser se habilitar nem precisa de licença já que tendo ou não caso use será acusado e responderá pelo crime de homicídio art 121 do Cod. Penal.
    Acho mais fácil cair fora e morar em local mais tranquilo, rssssssssss.

    • Existe um conceito, que pelo que você escreveu, talvez não conheça ou entenda: Poder de Dissuasão. É um absurdo o estado querer proibir o cidadão pagador de impostos de portar armas, ao mesmo tempo em que é totalmente incompetente para prover segurança pública e impedir que bandidos de todo o tipo infernizem a nossa vida! Justamente, por saber que corre risco zero de ser retaliado com um tiro e a quase certeza de impunidade aliada à ineficiência da investigação policial, é que os meliantes estão cada vez mais ousados. Já temos casos esdrúxulos de cidadãos, em legítima defesa, despacharem em merecida viagem só de ida para o inferno homicidas estupradores, serem inocentados pela morte, mas condenados por “porte ilegal de arma”! Então, o busílis não é meramente responder por homicídio, mas ser condenado por defender a própria vida, ou de outrem, por utilizar-se de meio “não autorizado pelo estado”, ou seja, a única atitude “legal” perante o estado, a ser exercida pelo cidadão ameaçado, seria morrer nas mãos do criminoso. Quanto a cair fora e morar em local mais tranquilo, sugiro que você pesquise um pouco mais sobre a Suíça: um dos países com cidadãos mais armados do mundo! Cada cidadão suíço, do sexo masculino, é obrigado a manter uma arma de fogo em casa, sendo que ao completar 20 anos, ele recebe um rifle totalmente automático. O tiro ao alvo de estilo olímpico é o esporte nacional da Suíça e não é nada incomum ver um cidadão normal num trem, ônibus ou apenas caminhando pela rua com um rifle no ombro. A política da Suíça de exigir que todos os lares tenham uma arma de fogo é uma das principais razões por que os nazistas não invadiram a Suíça na 2ª Guerra Mundial. É um país extremamente inóspito para um candidato a criminoso, porque arrombar a casa de alguém é certeza de topar com dono da casa armado e treinado para atirar. Há apenas 26 tentativas de roubo por ano para cada 100.000 cidadãos. A maioria desses roubos é cometida por estrangeiros e não envolve armas de fogo. Os crimes violentos praticamente não existem, mas todo lar tem uma arma de fogo. Para finalizar, deixo registrado o 10º mandamento de um decálogo, atribuído a Lenin, mas que apesar de não ter autoria confirmada, é seguido à risca pelos esquerdistas: “Procure catalogar todos aqueles que possuam armas d e fogo, para que elas sejam confiscadas no momento oportuno, tornando impossível qualquer resistência à causa…”

    • Penso igual: arma foi feita pra tirar vidas, nunca para defendê-las. É uma estupidez tamanha achar que vai ser mais rápido que o outro cidadão, que vai atirar nele antes. Pode acontecer, mas também pode acontecer o contrário. Não esqueçam do que ocorreu em New Orleans quando decidiram liberar armas. Faroeste é legal em filmes, apenas.

      • Penso igual: arma foi feita pra tirar vidas, nunca para defendê-las.

        Se tivessem convencido os aliados disso, Hitler teria vencido a guerra…

        É uma estupidez tamanha achar que vai ser mais rápido que o outro cidadão, que vai atirar nele antes. Pode acontecer, mas também pode acontecer o contrário.

        Este não é um problema seu.
        Este é um problema DO INDIVÍDUO.
        Se você acha que você não vai ser mais rápido que o “cidadão” armado ENTÃO NÃO COMPRE UMA ARMA.
        Ninguém está te forçando a comprar arma.
        Mas se alguém acha que vai ser mais rápido que o “cidadão”, e se acha que deve ter arma, que COMPRE UMA ARMA.
        É ética básica.

        Não esqueçam do que ocorreu em New Orleans quando decidiram liberar armas. Faroeste é legal em filmes, apenas.

        Já mostrei que este raciocínio é tosco e até infantil.

      • Usei o termo “cidadão” porque quis dizer que não é só bandido (que, pra mim, também não é cidadão, é verme), pode ser um outro cara como você em um bar. Sai uma briga, bora resolver na bala.

        E o problema, caro, é eu estar no bar nesse momento. Estou em um bar, começa uma briga, os dois briguentos possuem armas e resolvem decidir na bala.
        Aí o problema sou eu, eu que sou um idiota por estar lá e não gostar de armas e precisar vazar?
        Que se dane eu e quem mais estiver lá e não querer brincar de faroeste?

        O correto seria então eu ter uma arma também pra entrar na brincadeira? Ou então nem estar lá, meu erro é frequentar bares?

      • Cauê,

        Se você frequentar bares, e alguém quiser usar arma contra você para “brincar de faroeste”, essa pessoa será punida tanto quanto alguém que quiser usar o seu carro para brincar de Mad Max contra você.

        Abs,

        LH

      • Creio que fiquei devendo a explicação do conceito de Poder de Dissuasão de um post anterior, mas vou aproveitar o ensejo do comentário do “Cauê”. A liberação das armas pode poupar a vida de milhares de inocentes não porque “arma foi feita para tirar vidas, nunca defendê-las”. Parafraseando um pensamento do Luciano, vamos aplicar a lógica daquela frase entre aspas às relações de beligerância entre nações: quem sabe muito mais vidas tivessem sido poupadas na 2ª GM, se os aliados depusessem as armas e se rendessem a Hitler, não é mesmo?! Pois foi justamente o contrário! É justamente esse poder das armas, essa capacidade de extinguir vidas, que as tornam um elemento dissuasório, ou seja, LEVA O OPONENTE À REFLETIR sobre o custo e o risco de perder a própria vida em um confronto, conduzindo-o, na esmagadora maioria das vezes, a MUDAR DE IDEIA quanto a prosseguir na agressão delituosa! Um marginal, um vagabundo, um meliante, enfim, aquele ser cuja a malignidade volitiva é desmascarada pelo psiquiatra Anthony Daniels, também conhecido como Theodore Dalrymple, não se desviará do curso de suas intenções criminosas diante de mais oferta de educação, ou por ação da voz da “bondade interior rousseauniana”, ou mesmo pelo apelo de pacifistas bonzinhos, bem-intencionados e “cansados de violência”; nada além da mais elevada probabilidade de ser pego e severamente punido ou mesmo perder a própria vida, é capaz de demover o intento daquele que ESCOLHE (e é sempre uma escolha!, exceto em casos psiquiátricos) delinquir. Mais uma vez, cito a Suíça, país com cidadãos mais armados no mundo! E quanto à Israel, onde professoras do ensino primário portam fuzis diante de criancinhas, e nada disso gera nos pequeninos qualquer tipo de “trauma”?!
        http://www.forte.jor.br/2012/12/24/como-deter-a-matanca-de-inocentes/
        Claro que a foto do link acima é um “absurdo” para os nossos brazucas pacifistas, especialmente aqueles que nunca, sequer, serviram às FFAA e não tem a mínima ideia do que é viver e lidar com um problema de violência real perpetrado for forças exógenas, em vez de uma violência urbana regada e alimentada pela covardia, complacência, burrice e cumplicidade do pensamento esquerdista. Infelizmente, aqui no Brasil ainda “há muita gente inocente para morrer” nas mãos de criminosos, ainda há muita pedagogia paulofreireana a ser programada na cabeça da juventude, ainda há muito progressismo “prafrentex” de descolados e maconheiros, enquanto a “sociedade coletivista perfeita” não é implantada. Diferentemente de nós, Israel e Suíça perceberam que não podem ser dar a tal “luxo”. Os “pacifistas” que aqui se manifestam, sempre o fazem, infelizmente, invocando os chavões da esquerda sem um mínimo de embasamento em dados ou sem qualquer pertinente lógica de raciocínio, misturando acontecimento sem relação de causa e efeito, apelando para a emoção barata ou o reducionismo mais tacanho. Começo a questionar se, realmente, essa gente é desinformada e ignorante no assunto ou se está a serviço da causa esquerdista. Em Israel e na Suíça, criminalidade é combatida com arma e cadeia. No Brasil, com demagogia barata, passeata, casmiseta “pedindo paz”, muita hipocrisia e maconha na cabeça.

  4. O que está acontecendo aqui? Como é que uma mulher desta foi aprovada em um concurso? Aliás, como é que ela terminou o ensino fundamental? Agora retardados também podem ser delegados? Tem cotas para isso?
    O direito à segurança é um direito e garantia fundamental que está na Constituição, e ainda que não estivesse, ainda sim está no direito natural, direito este que revoga qualquer lei positivada. E quando se diz que uma pessoa tem o direito à segurança isto inclui o direito da autotutela da sua própria segurança. Isto quer dizer que o Estado não pode negar o direito do cidadão exercer a sua própria segurança. Não é uma prerrogativa dela decidir o que é ou não é uma justificativa plausível. Só a mera possibilidade de se criar um critério subjetivo em que esta delegada fala “a gente entende” já é absurda.
    E ainda que, supondo, o Estado negasse o direito do cidadão se armar para exercer a sua própria segurança, ainda sim o Estado teria que fornecer 24 horas por dia para o cidadão, então como isto é impossível o Estado não pode negar que ele se arme.

  5. Esse assunto realmente é muito grave. O PT perdeu no referendo sobre o comercio de armas, que eles já haviam fraudado moralmente ao não colocar em votação também o porte de armas(colocaram só a posse). E agora querem compensar essa derrota usando canetadas e regulamentos administrativos, alem de aparelharem a PF, colocando delegados esquerdistas nos cargos que decidem sobre a concessão das licenças. Querem desobedecer a vontade do povo usando para isso artimanhas burocráticas.
    É humilhante viver em um pais governado por um regime que não dá segurança a população e ainda proíbe o povo de se proteger por conta própria. Um trabalhador é atacado por um bando de criminosos e não pode fazer nada alem de ficar parado, sendo humilhado pela impotência. Uma mulher que sabe que pode ser estuprada a qualquer momento e é proibida pelo governo de se defender.
    Esse momento é muito propicio para revogar o absurdo estatuto do desarmamento(que só desarma as pessoas que obedecem a lei). Com Cunha na câmara e a insatisfação do PMDB e da base, esse pode ser o momento de revogar.

  6. Eles nem te dão segurança nem te deixam se defender, logo eles querem você morra!! Então se é assim antes eles do que você, compre uma arma ilegal, e deixe no seu carro, se o governo quer que todo mundo vire bandido por portar arma que assim seja, quero ver prenderem todo mundo!!!

  7. Expor a sordidez destas criaturas é um papel do qual Luciano se especializou para mostrar q não devemos encarar a atitude desses canalhas como se fosse algo normal. Não podemos vestir a camisa de força deles

  8. Eu não vejo de todo errado a delegada, pois essa coisa de dizer “é para a defesa da sua família e da sua propriedade” fica parecendo que foi influenciado, pois é um discurso padrão de quem defende o direito de ter arma, não que esteja errada a frase, mas uma coisa que deveriam atentar é, será que esse cidadão realmente vai defender a família ou vai colocá-la em maior risco? Teve casos onde o cidadão reagiu, a família estava atrás dele, ou dentro de um carro e foi baleada, sem contar os muitos casos de adolescentes e crianças que vão mexer nessa arma, queira ou não, as crianças mexem em tudo.
    Acho o direito de ter arma justo, mas acho que deveria passar por um tipo de avaliação ou curso, expondo exemplos de situações onde a arma foi prejudicial, algo tipo habilitação para dirigir, e mesmo assim ainda passariam inconsequentes com porte de arma, nós podemos ver o caso do trânsito, mesmo nos impondo cursos, ainda saímos inconsequentes, errando, passando por cima das regras, e isso que no trânsito temos a oportunidade de praticar, já na questão da arma(as situações onde seria usada), não. O brasileiro é muito superficial ao decidir suas atitudes, o próprio voto e política mostram isso, não foi levado a sério, agora a consequência está aí, assim ele também faria ao pensar(ou não pensar) em que situações o uso da arma poderia ser válido.

    Se um cara que “não tem sangue de barata” está num carro com sua família e assaltantes lhe apontam uma arma, quais as chances ele tem de reagir sem que os assaltantes atirem nele e acabem baleando sua família também?

    Mas também reconheço que o desarmamento só se aplicou ao cidadão que cumpre as leis. Acho que, se observarmos o quanto as leis mudaram com o PT, o quanto deixou de ser investido em segurança, punição e educação, descobriremos que o desarmamento está muito muito longe de ser o culpado por qualquer índice de aumento de homicídio, assaltos e todos outros crimes. Temos um governo golpista que trabalha para aumento de mortes e investe em grupinhos e ONGs de reclamões e militantes pró-governo e petistas que se proclamam defensores do povo, mas nada mais fazem do que tirar proveito do caos criado pelo governo, para se autopromoverem.

    • Lizandro, você discute indignidades com alguma dignidade. Parece até querer encontrar alguma boa intenção na lei do desarmamento. Enfim, respeito tua posição, mas não vou nem discutir nesses termos, pois não tenho motivos para acreditar que jamais existiu qualquer intenção na implantação desta legislação.

      E é claro que a delegada citou o que está na lei. Mas o legalismo, em discussão política, é a pior das opções.

      O fato é que temos que PROBLEMATIZAR a arrogância da lei, que a permite dar uma explicação arrogante, quando ela poderia se dizer envergonhada de dizer os motivos para negar armas. Este é que foi meu argumento.

      Abs,

      LH

    • O problema é que para os bandidos atuais, reagir não importa mais, eles vão matar de qualquer jeito. A impunidade é certa e boa parte dos bandidos é movida a crack e cocaína nesse assaltos.

    • Acho que o Luciano nem vai publicar, está ignorando meus comentários pois deve achar que estou querendo causar aqui, mas pode ser engano meu então enquanto não tiver certeza vou continuar tentando.

      Acho que quem defende que todo mundo precisa ter uma arma, em estilo faroeste, tem falta de imaginação em pensar o que significa uma arma em mãos. Ou se acha mocinho de filme de faroeste, com a incrível habilidade de atirar no bandido primeiro, ou em todo um bando armado que chegar.

      Há muita confiança na mentalidade do brasileiro, na sanidade. Vocês confiam tanto assim nesse povo que inclusive elege o PT?
      Imaginem jovens no auge de seus 20 anos com arma na mão, no auge da testosterona, com sangue nos olhos, resolvendo tudo na bala?
      Imaginem o quanto não iria aumentar o número de armas na mão de BANDIDOS, visto que em assaltos seria a primeira coisa que pediriam?
      Realmente acham que os bandidos iam ficar com o cu na mão de assaltar só por que agora todo mundo poderia ter arma? rs

      Enfim, Luciano pode ignorar meus comentários, podem me chamar de esquerdista infiltrado, mas é isso aí que acho. Até então nenhum armamentista conseguiu me convencer do contrário, pois os argumentos são sempre os mesmos, de um mundo paralelo onde todo mundo é muito são, muito calmo, muito inteligente, diferente do Brasil e da São Paulo onde moro.

      • Acho que o Luciano nem vai publicar, está ignorando meus comentários pois deve achar que estou querendo causar aqui, mas pode ser engano meu então enquanto não tiver certeza vou continuar tentando.

        Era questão de tempo. Estava sem tempo para responder.

        Acho que quem defende que todo mundo precisa ter uma arma, em estilo faroeste, tem falta de imaginação em pensar o que significa uma arma em mãos. Ou se acha mocinho de filme de faroeste, com a incrível habilidade de atirar no bandido primeiro, ou em todo um bando armado que chegar.

        O argumento aqui é diferente.

        – Cauê não quer arma. Cauê não será obrigado a portar arma.
        – Zezé quer arma. Zezé poderá comprar arma.

        Há muita confiança na mentalidade do brasileiro, na sanidade. Vocês confiam tanto assim nesse povo que inclusive elege o PT?

        A questão não é de confiança na mentalidade do brasileiro.
        É de ética pelo direito do cidadão pagador de impostos, QUE QUEIRA SE PROTEGER, fazê-lo.

        Imaginem jovens no auge de seus 20 anos com arma na mão, no auge da testosterona, com sangue nos olhos, resolvendo tudo na bala?

        Imagino sim. E imagino eles sendo punidos se fizerem isso. Que tenham responsabilidade.

        Imaginem o quanto não iria aumentar o número de armas na mão de BANDIDOS, visto que em assaltos seria a primeira coisa que pediriam?

        Você acha que HÁ ESCASSEZ de armas nas mãos de bandidos atualmente, Cauê? Explique-me mais sobre isso.

        Realmente acham que os bandidos iam ficar com o cu na mão de assaltar só por que agora todo mundo poderia ter arma? rs

        Isso simplesmente não importa para discutir o direito de alguém se defender.

        Enfim, Luciano pode ignorar meus comentários, podem me chamar de esquerdista infiltrado, mas é isso aí que acho. Até então nenhum armamentista conseguiu me convencer do contrário, pois os argumentos são sempre os mesmos, de um mundo paralelo onde todo mundo é muito são, muito calmo, muito inteligente, diferente do Brasil e da São Paulo onde moro.

        Se você não quiser se convencer, não posso fazer nada.
        Mas o fato é que é antiético desrespeitar o direito de um cidadão ter arma.
        Basta UM caso para o estado perder a legitimidade.
        Basta que um sujeito
        (1) tenha condições de se defender
        (2) tenha VONTADE de se defender
        (3) mas tenha sido proibido pelo estado
        (4) e tenha sido vítima de um criminoso.
        ETICAMENTE, isso é igual a amarrar as mãos dele às costas para que outros o trucidem. A lei do desarmamento FAZ ISSO.
        Não entender o quanto isso é antiético e MONSTRUOSO é problemático.
        Ah, mas e se o Cauê não quiser se armas. ENTÃO NÃO SE ARME, oras.
        Não é simples?
        Abs,
        LH

  9. Por isso que comprei as minhas 6 pistolas na Ciudad del Este. Aqui é bem difícil conseguir. Se for político, advogado ou juiz aí é facinho.

  10. Essas deleGATAS, que só obtêm o cargo graças a uma distorção absurda nas carreiras policiais, não fazem idéia do que os policiais de verdade pensam delas. A grande verdade é que a função de delegado precisa ser revista no Brasil. Em qualquer lugar do mundo, trata-se de um cargo integrante da carreira policial, preenchido por antiguidade e merecimento, não uma carreira individual. É inaceitável que seja ocupado apenas por rábulas mauricinhos e patricinhas cujo mérito foi ter sentado a bunda e estudado prá um concurso (muitas vezes pagando caro pela preparação). Criam-se esses monstrinhos, que nada sabem de segurança pública, mas sabem tudo de Foucault. É na mão dessa gente que acaba caindo a discricionariedade sobre nosso direito à defesa. Uma lástima.

  11. Eu já deixei bem claro que eles tem uma GAYSTAPO, versão tupiniquim da GESTAPO do HITLER para deixar o cidadão refém de bandidos, assassinar reputações quando lhes for conveniente conforme o Doutor Romeu Tuma denunciou. Eu mesmo sofri um assassinato de reputações por estes cúmplices do PT. Não acredito em nenhuma operação LAVA BOI DE PIRANHA ou CORTINA DE FUMAÇA que eles criem.
    Um pais aonde quem investiga é cúmplice e quem julga é indicado pelos bandidos mafiosos, não tem qualquer credibilidade institucional!! Isentar eles da cumplicidade para com os crimes do PT e da ESQUERDA e da prevaricação deles intencional no passado, seria o mesmo que isentar a GESTAPO DO HITLER dos crimes contra a humanidade cometidos!!

  12. Se o governo tem o direito de decidir quem deve ou não possuir armas para defender-se, o mesmo princípio poderia se estender para outros domínios:
    – “A pessoa somente justificou que ela era uma pessoa de posses, tinha uma condição social abastada […] Nesses casos, a gente entende que não há justificativa para aquisição de um carro.”

    “Não adianta dizer que é para a locomoção da sua família e da sua empresa. Eu quero saber por que você precisa de um carro”. Afinal, carros matam tanto quanto ou mais que armas de fogo no Brasil. São mais de 50 mil mortes ao ano.

    – “A pessoa somente justificou que ela era uma pessoa de posses, tinha uma condição social abastada […] Nesses casos, a gente entende que não há justificativa para aquisição de uma cerca elétrica.”

    “Não adianta dizer que é para a defesa da sua família e da sua propriedade. Eu quero saber por que você precisa de uma cerca elétrica”. Afinal, a corrente elétrica pode matar uma pobre vítima da sociedade que tentou entrar na sua casa para redistribuir sua renda.

    Já pensou se o governo pudesse decidir tudo o que podemos comprar, exigindo justificativas? E qual a razão de pararmos em armas, carros e cercas? Qual a justificativa para alguém comprar um livro subversivo de um autor liberal, que odeia os pobres? Qual a justificativa para Chico Buarque viajar para Paris quatro vezes ao ano? Se não lutarmos, os terceirizadores de decisões alheias não irão parar de controlar nossa vida.

  13. Confesso aos senhores que quase saltei da cadeira quando vi a foto da Karina. Sou anti-desarmamentista feroz e não soube o que fazer quando percebi que a autora dos disparates é conhecida da minha família — e minha conhecida, indiretamente. De certa maneira, isso anulou um pouco da minha “indignação” porque se eu a ouvisse dizendo a mesma coisa para mim ou para um outro alguém, em uma das ocasiões informais da família, não acharia ruim de forma alguma. Ficaria cordialmente incomodado. Estou acostumado a ter uma opinião brutalmente dissonante da opinião de outras pessoas, especialmente familiares e conhecidos. Só não suporto a vigarice, e é aqui que vai o meu ponto: posso garantir que a Karina não é mal-intencionada, socialista, NWO ou apoiadora do comunopetismo (na verdade ela é, até onde eu sei, antipetista). Ela pode ter tantas opiniões torpes quanto qualquer cidadão por aí tem — a diferença é que ela decidiu tornar “oficial” a excrescência, usando-se da própria posição na Polícia Federal para trombetear esse flatus vocis. Essa alarma toda dos comentaristas é pura e compreensível ansiedade — de resto, sei apenas que a Karina é uma mulher valente, sem comprometimento com o estamento burocrático ou conchavo com qualquer inimigo do Brasil; mãe (mais recentemente) e de certa forma tão altiva quanto é extremamente comum ser neste país de comentadores apaixonados e imprudentes. Não passa disso, eu espero.

  14. Essa delegada está na contramão dos anseios e das necessidades do povo brasileiro, que vive num país onde a segurança pública não existe, onde 60 milhões de brasileiros votaram num referendum para a continuação do comércio de armas no Brasil e pelo direito de portar armas de fogo. Essa senhora deveria se envergonhar com essas suas declarações que contrariam a maioria dos brasileiros, já que vivemos num país democrático, a vontade popular é soberana e esta lá no artigo 1º da Constituição Federal quando diz, que todo poder emana do povo e em seu nome é exercido.

Deixe uma resposta