Miguel Nagib entra na guerra contra a doutrinação. Leitor faz brilhante análise, com dicas para a guerra.

27
252

nagib

No ramo da luta contra a doutrinação escolar, Miguel Nagib, do Escola sem Partido, faz um dos melhores trabalhos possíveis. Mas ainda assim ele é um lorde inglês, como diria o amigo Danilo Lima, que fez uma análise da interação de Nagib com uma militante de extrema esquerda, Silvia Moraes, no programa Entre Aspas. O evento pode ser acessado a partir daqui.

Segue abaixo a análise do leitor Danilo Lima:

Olha, vou dar minha opinião sincera. É óbvio que estamos do lado de Miguel Nagib e sabemos que o que ele diz está em acordo com a lei. Mas ao DEBATER COM MILITANTES, toda boa vontade, toda citação da lei, é INSUFICIENTE, porque militantes possuem um discurso ideológico e o usam como aparato POLÍTICO. Política não se resume a pertencer a partidos, mas conseguir a aderência da platéia às suas idéias em um debate….

Veja um alguns exemplo neste caso..

1 – Logo no começo da discussão ela tenta afastar o termo IDEOLOGIA da questão. Qual o benefício político? ELA SABE que o termo ideologia está associado à UM VIÉS, só que mais do que isso…ela tenta se afastar do termo porque o primeiro “experimento” real da ideologia de gênero resultou nisto aqui…(ver link).

2 – Portanto o afastamento do termo “ideologia”, tem como benefício político passar a mesma ideologia como DESPROVIDA de viés, e separada de uma visão de mundo não a ser discutida mas unilateralmente transmitida, como um EXPERIMENTO SOCIAL EM LARGA ESCALA.

A pedagoga cita, diversas vezes, planos de ensino da UNESCO. Qual o BENEFÍCIO POLÍTICO da afirmação dela? Usar de uma espécie de falácia da autoridade, pra indicar que “Se a Unesco disse que é assim, então isso é o correto…portanto inquestionável”.

Seria bom à Miguel estar familiarizado (não sei se está) com o conteúdo do livro MAQUIÁVEL PEDAGOGO. Neste livro entendemos que os pedagogos foram treinados pra aplicação direta de testes de mudança comportamental nas crianças.

3 – Uma coisa muito importante também que notei neste debate, é que a primeira fala do Nagib, a deixou tão desconfortável, que ela se arrumou na cadeira, e a partir daí manifesta o comportamento militante…

SEMPRE, SEMPRE, SEMPRE que um militante te interromper em debate VOCÊ DEVE ENVERGONHÁ-LO. O que aconteceu foi que Miguel se comportou com um lorde inglês enquanto a mulher o interrompia a TODO MOMENTO privando-lhe da fala. Nesse momento Miguel deveria ter dito — “SE EU NÃO PUDER TERMINAR MEU RACIOCÍNIO ESTARÁ TERMINADO O DEBATE, eu ouvi a senhora falar, espero o mesmo tipo de respeito…..nunca frequentou um debate antes senhora?”.

Acontece que ele não chamou a atenção dela na primeira vez. Ao contrário, aderiu à posição dela de interromper e a apresentadora SEMPRE DEU VOZ A ELA na maioria das interrupções, obviamente por ela ser mulher e apresentar um discurso que se vende mais como “moderado”. Ela se coloca como parte de um conjunto de profissionais que vai “libertar” o país do preconceito e da homofobia.

NUNCA DEVEMOS DEIXAR QUE ELES SE AUTO ATRIBUAM ESTE TÍTULO, pois eles ganham autoridade moral em cima do adversário, qualquer adversário.

4 – Uma coisa fundamental ao lidar com MILITANTES PEDAGÓGICOS, é nunca falar em termos religiosos. A moral pode ser religiosa OU NÃO, mas o fato é que OS PAIS são o primeiro referencial de moral à seus filhos. Não adianta apenas falar que “o estado laico não privilegia uma moral ou outra, ou uma ideologia ou outra”. DEVE-SE MOSTRAR COMO ESSA INTERFERÊNCIA É IMORAL, DANOSA E ABJETA, EXATAMENTE nestes termos, e fazer perguntas contundentes aos pais olhando pra câmera…

“É isso que vocês pais querem paras seus filhos? Que um estranho lhes ensine o que é moral, o que é sexo, o que é identidade, segundo O QUE O GOVERNO e uma IDEOLOGIA DETERMINA o que sejam essas coisas?” Dizer que os pais devem processar professores é verdade, mas o FATO é que poucos pais se movimentarão neste respeito, porque a maioria deles TAMBÉM FORAM DOUTRINADOS. Quantos deles se manifestam fisicamente na porta das escolas? Um casal de pais que trabalha oito horas por dia, tem tempo de ficar correndo atrás de processo? E se apenas um pai processar? Ele não sofrerá repúdio de outros pais doutrinados?

Eu não sei como funcionam esses debates televisivos, mas eu indicaria ao Miguel Nagib que ele comparecesse a esses eventos sempre portando dados a respeito da IDEOLOGIA, e fazer então ataques mais POLÍTICOS, porque somente a lei, a moral, e o direito natural ELES ESTÃO ATROPELANDO A ANOS. Eles são especialistas nisto, a ideologia deles PREPARA CADA MILITANTE para dar bypass nessas coisas em discurso político para atrair as massas, como se assunto deles, fosse uma causa primordial da sociedade humana, e o resto todo fosse “reducionismo”, termo de rótulo que a pedagoga usou constantemente.

As dicas de Danilo são excelentes.

E você, leitor, que dicas de frames sugeriria para que Nagib pudesse se municiar ainda mais para os próximos embates que ainda estão por vir?

Em tempo: torno a recomendar o curso de frames promovido pela EDX. É gratuito, mas depende de que o internauta esteja com o inglês em dia.

Anúncios

27 COMMENTS

  1. Infelizmente, o Nagib deu à militante o benefício da dúvida ao dizer que a questão está “mal discutida.” Assim, ela pôde reenquadrar a questão como “combate à homofobia” e proteção às minorias. Com esse frame, ela tornou a discussão sobre a veracidade ou não da ideologia de gênero superficial, e o aspecto moral do combate à violência se tornou central.
    O que o Nagib poderia ter feito é ter lido uns bons trabalhos sobre PSICOLOGIA EVOLUCIONISTA. Bastaria citar um desses trabalhos para reduzir a pó a alegação de que “gêneros são construções puramente sociais.”
    Assim que fizesse isso, ele poderia qualificar, corretamente, a ideologia de gênero como “pseudociência,” e ainda compará-la ao Criacionismo de Terra Jovem ou à Teoria da Terra Plana. Usar a linguagem cientificista dos neo-ateus seria ótimo.
    Para evitar que a oponente adotasse o papel de “defensora das minorias,” ele poderia ter se antecipado e dito que o combate à discriminação deve ser feito com a verdade, não com ideologias pseudocientíficas.
    Por fim, ele deveria ter sido mais firme quanto à interrupção.

      • Um bom livro que foi meu primeiro contato com a matéria é O Método Mystery. É facílimo de achar na internet, basta jogar o nome do Google. Não é um tratado científico nem um livro específico sobre o assunto, mas é uma interessantíssima leitura. Mostra detalhadamente como a Evolução moldou o sistema de seleção reprodutiva de forma diferente nos homens e nas mulheres.

        Estou lendo Evolutionary Psychology and Violence: A Primer for Policymakers and Public Policy Advocates, de Richard W. Bloom e Nancy Kimberly Dess. O capítulo sobre prevenção do estupro reduz a ideologia de gênero a pó. O livro pode ser encontrado em sites de torrent. Também disponíveis nesses sites estão Evolutionary Psychology: The New Science of the Mind, de David Michael Buss e Evolutionary Psychology: An Introduction, de Lance Workman e Will Reader. Ainda não li, mas parecem bons, para dizer o mínimo.

        Abraços!

  2. Muito legal! Há algum tempo, sem nenhum embasamento teórico, comecei a perceber que discutir com esquerdistas era “perda de tempo”.
    Pois enquanto tentamos seguir um raciocínio lógico, coerente e acima de tudo honesto, eles não fazem questão de nada disso. Passei então a não dar valor algum ao que falam e apenas debochar, como fazem conosco.
    Por “sorte”, o sucesso da ironia depende de um certo grau de inteligência, e isso AINDA é exclusividade nossa!

  3. Vou assistir o programa mais tarde pra ler a análise com contexto. Isso precisa acontecer mais, esse tipo de análise. Precisamos de material para oferecer a quem for a TV ou ao rádio debater.

  4. Caro Luciano, muito boa a dica.

    Conforme sua solicitação, deixo aqui duas sugestões que servem como antídoto contra doutrinações.

    A primeira é um longo e detalhado artigo que fornece munição teórica para desmascarar professores manipuladores. Chama-se ESQUERDA x DIREITA: A TEORIA DAS GAVETAS OU COMO NÃO CHAMAR URUBU DE “MEU LÔRO” e pode ser lido aqui: http://goo.gl/jJ5uFC

    O segundo é uma artigo mais curto e que ataca uma das principais falácias dos militantes da esquerda. Chama-se “DEMOCRACIA SOCIALISTA” É O SACI PERERÊ DA CIÊNCIA POLÍTICA e pode ser lido aqui: http://goo.gl/k8X4C9

    Abraço. E vamos resistindo…

  5. Minha única contribuição é o elogio.O mais sensacional deste artigo/resposta do Danilo Lima foi direcionar para o MSM,cuja traducão da reportagem original do Le Figaro sobre mala sem alça John psicopata Money é reveladora.

  6. Sugiro que ele pare de discutir isso, de preferência, e que o leitor que deu as dicas reveja as regras de pontuação no idioma pátrio antes de querer ajudar um sujeito a dar pitaco em um debate sobre educação.

      • Combata então a própria noção de educação, qualquer que seja, em si, porque educação é nada mais nada menos que doutrinação por outros meios.

        E outra, isso daí foi uma falsa analogia do Dawkins, que se esqueceu de que, por causa da psicologia do homem-massa, uma sociedade não tem como se manter coesa sem algum tipo de doutrinação. Já abuso sexual, por exemplo, é sempre prejudicial.

        Então, Enio, não, nenhum nocaute. É simplesmente o Luciano fazendo o que faz de vez em quando: sendo cretino.

      • Recentemente, eu coordenei uma série de treinamentos de auditoria. O treinamento era focado em MÉTODOS de auditoria, não ferramentas. Pois eis que um dos conteúdos era focado em falar de ferramentas. Chamei os responsáveis e disse: “ei, o treinamento é vendor netral, portanto não pode recomendar nenhuma ferramenta”. Depois, foi só conversar com os alunos e descobrir que os objetivos do treinamento foram alcançados. Se não fizéssemos a intervenção, o objetivo não seria alcançado.

        Isso não é combater a educação, mas FOCAR para que ela seja mais eficiente.

        A partir do momento em que conseguimos FILMAR AULAS, e colocar alunos que receberam conteúdo como nossos AUXILIARES para revelar o que ocorre dentro de salas de aula, a moleza dos professores doutrinadores começou a acabar. É um processo similar ao que ocorreu no início do Iluminismo. Se já derrubamos os clérigos, agora o mesmo deve ocorrer com os professores doutrinadores. Eles tem um trabalho que pode ser AVALIADO. Deve acabar a era de uma sala de aula ser terra de ninguém.

        Sempre que um aluno está sendo violado em seu direito de receber a educação paga (pelos seus pais), está sendo violado em seus direitos, a partir da ação de alguém que tem o poder de violar sua mente. Se você não percebe que é imoral um professor abusar de sua autoridade, este é outro problema ético.

        Sim, doutrinação escolar é como abuso sexual. Não reconhecer isso é hipocrisia.

      • “Sempre que um aluno está sendo violado em seu direito de receber a educação paga (pelos seus pais), está sendo violado em seus direitos, a partir da ação de alguém que tem o poder de violar sua mente. Se você não percebe que é imoral um professor abusar de sua autoridade, este é outro problema ético. ”

        E eu nunca discordei desse ponto. Só considero:

        1- Que não é dever do Estado legislar sobre isso
        2- Que a direita pode muito bem reverter o processo sem ficar passando leis
        3- Que uma sociedade sem nenhum tipo de doutrinação escolar é impossível.

        Aliás, Luciano, obrigado, porque seu primeiro comentário acabou inspirando um post em meu blog.

  7. Este trabalho que vocês estão fazendo é excelente. Realmente estava faltando alguém pra ensinar um pouco mais de prática para o pessoal da Direita. Já chega de ficar somente nas teorias.

  8. Luciano, segue palestra fantástica de Thomas Giulliano que praticamente nos faz pensar quando é que lançarão um livro intitulado “Mentiram muito para mim sobre a história e as relações étnicas do Brasil”:

    http://www.youtube.com/watch?v=PTMveGB-II0

    Todos aqui devem ver esse vídeo, pois não é apenas mais um tijolinho no combate ao marxismo-humanismo-neoateísmo de via brasileira, mas sim um arranha-céu inteiro mais alto que o Burj Khalifa.

  9. Tem que partir pra dentro, como um boxeador, aproveitar qualquer descuido para humilhar o oponente, revelando as MENTIRAS, pois não passam disso todas as ideias de esquerda.

  10. Luciano, como faço quando um esquerdista vier com aquele papinho de “dívida histórica” para tentar justificar sua incoerência ou ausência de senso de proporções? Por exemplo, eu fui em uma aula da minha escola e meu professor estava tentando justificar o fato de soar lindo uma pessoa andar por aí com uma camisa escrita “orgulho de ser negro” e soar racista uma pessoa andar por aí com uma camisa escrita “orgulho de ser branco”

    Ele disse que negros sofreram e sofrem mais do que brancos, e por isso é válido que apenas a pele negra seja exaltada. Ambas as camisas não causam nenhum impacto em mim porque acho o tom de pele irrelevante se tratando de orgulho, mas precisava de algo para usar como exemplo.

    • Lima,

      Vou fazer um vídeo sobre o caso da dívida histórica, em que o Dinesh d’souza acaba com este discursinho.

      Em relação a exaltação da pede, cada grupo pode ter orgulho do que quiser, desde que não cometa um crime.

      Abs,

      LH

  11. É importante sempre apresentar uma terceira via de solução para a falsa dicotomia que os esquerdistas defendem. Algo do tipo: “Essa sua abordagem é um tanto irresponsável e ultrapassada. Acaba não defendendo os (gays, negros, pobres, vítimas e/ou vitimizados). É pura hipocrisia dizer que quer resolver alguma coisa mas defende diariamente a luta entre classes e setores sociais o que não ajuda em nada. Nossa proposta visa a união quando defendemos… ” Pronto. É só falar para um fanático em união e convivência pacífica e harmoniosa e que o que ele defende perde o sentido com sua proposta que ele pira literalmente. Parece um tanto trabalhoso entretanto, não tem como mais se dar ao luxo de não ter uma opinião formada sobre os assuntos abordados na política.

    Outro ponto também que a direita precisa melhorar é a participação feminina nos debates. Não adianta, estamos atrasados e já está no inconsciente da nossa geração que mulher que agride homem verbalmente é decidida e homem que agride mulher verbalmente é covarde machista. Não adianta ficar contra-argumentando que debates ideológicos devem ser ou são assim. O público; inclusive boa parte do público masculino, não se sente a vontade nem tem empatia em ver um homem tratando uma mulher de forma ríspida. E as mulheres do público alvo então nem se fala. Outra mulher tem que ir para linha de frente. Observe que a maioria dos esquerdistas envolvidos em discussões são mulheres.

  12. A intenção do projeto é boa, mas infelizmente não passa de mais uma lei estatista que visa interferir em escolas privadas, impor mais pressão sobre os professores, fazendo-os ficarem com medo de opinar em sala de aula. O projeto também não responde: quem irá fiscalizar se um professor está realizando doutrinação ideológica em seus alunos? Ou que um material didático contém viés ideológico? O aluno? Os pais dele? A escola? Ou um agente bolivariano à paisana?

    O projeto também não ataca a causa primordial da doutrinação estatal estatista, que é centralização excessiva da educação. Neste caso, o ENEM é um dos instrumentos centralizadores. As escolas particulares passaram a ter um viés de esquerda no Brasil porque precisaram se adequar à porcaria do ENEM, pois a prova é toda baseada na ideologia de esquerda. Numa redação, o aluno precisa respeitar os direitos humanos, senão corre o risco de ter sua prova anulada. Devido a essa diretriz, o Estado impõe medo no estudante e o força a defender sempre o lado da esquerda. É preciso fechar esse ENEM por inteiro, e impedir que um novo com outro nome ou com mesma função seja criado no futuro.

  13. Luciano, você viu a mais recente do Fernando Haddad?

    http://twitter.com/Haddad_Fernando/status/610155988264611840

    Já rendeu matéria do G1 e aqui o principal mesmo é que não só “coxinha” no sentido que se está usando é uma ressignificação completamente artificial inventada pelos marxistas-humanistas-neoateístas, uma vez que o espontâneo do povo sempre o usou como sinônimo de policial militar, como se vê que quem escreveu a matéria provavelmente é mais um da legião de haddadetes que se acham superiores ao resto da população, como se pode ver por normalmente usado para identificar pessoas de alto poder aquisitivo críticas ao governo (sic). Também dá para ver um trocadilho bem de mau gosto do prefeito paulistano em relação àquilo que foi fazer no Veloso, mas não entrarei nesse mérito.
    O que dá para notar é que o tal “coxinha” está cada vez mais adquirindo nas hostes MHNs brasileiras sentido equivalente ao do gusano nas cubanas: um termo que você usa para diminuir o adversário e não levar em conta o que ele tem a dizer, mesmo que sejam observações fundamentadas. Logo, fica bem na cara que o prefeito paulistano está dando de ombros para quem tiver algo contra pintar o chão de vermelho e dizer que aquilo é lugar adequado para se pedalar, mesmo que escorregadio o suficiente para que um ciclista caia em dia de chuva. E, a exemplo de gusano, algo de gênese totalmente artificial e que foi empurrado para cima do povo com o intuito de controlar o padrão de seus pensamentos, uma espécie de palavra-gatilho.

    Que se veja também a legião de bate-paus do prefeito paulistano, como se pode ver aqui:

    http://twitter.com/kkkkkatarina/status/610156386626965504

    Aliás, sempre me lembro de um monte de mulheres agindo para com esse Fernando tal qual outras agiram com outro Fernando em um distante 1989, quando na realidade deveriam levar em conta o cabedal dele enquanto político, o que com certeza não levaram a exemplo daquele Fernando. E segue um monte de rasgação de seda à parte do Foro de São Paulo que veste collant de ciclista:

    http://twitter.com/diImabr/status/610156200391495681

    http://twitter.com/ltbittar/status/610156241684426752

    http://twitter.com/GrazielaPsi/status/610156946952482816

    http://twitter.com/pac_man/status/610157237357670401

    http://twitter.com/dannribeiro/status/610157454714904577

    http://twitter.com/ninalemos/status/610158275510837250

    http://twitter.com/hiramgaldino/status/610158609184505856

    http://twitter.com/Celio_Gouveia/status/610158793582845953

    http://twitter.com/pablo_grilo/status/610158880820174848

    http://twitter.com/_laysr/status/610159278008233985

    Porém, sendo o microblog de 140 caracteres, também tem gente que viu a mais rica cidade brasileira estar indo pelo ralo:

    http://twitter.com/CAIOCAMINHO/status/610156569326714880

    http://twitter.com/MacielRenato/status/610156977105301504

    http://twitter.com/VeVeronik10/status/610157484150554626

    http://twitter.com/fellipefraga/status/610158147882385408

    http://twitter.com/Lari_lrm/status/610159105311948800

    http://twitter.com/lucasnosofa/status/610159276011728896

    A postura aqui muito me está lembrando a da Dilma quando da eleição de 2014, em que parecia estar com muita segurança de que as batatadas cometidas por ela própria não iriam afetar o resultado final do pleito. Dá para ser usado com certeza por quem combate o marxismo-humanismo-neoateísmo, ainda mais se considerarmos que no ano que vem há eleição municipal.

  14. Dep. Marcel van Hatten discute com a presidente do sindicato dos professores do RS a respeito do seu projeto de lei sobre a doutrinação política nas escolas. A esquerdóide só ficou no relativismo (O que é moral? O que é ideologia? O que é política?), no sentimentalismo (Sou defensora da democracia! Tenho 30 anos de ensino! Você me ofende!) e na distorção (Há nazismo no Brasil! Só 1% dos professores do Estado são doutrinadores!). Só acho que o dep. poderia ter sido mais contundente e direto, ou seja, poderia ter dito que a história política pode ser resumido na seguinte frase : “Nazismo, comunismo e fascismo, bem como suas linhas auxiliares, o PT incluso, são faces da mesma coisa, o totalitarismo, e são o lixo da história política humana, pois estão baseados e promovem a mentira, o roubo, a doença e a morte!”

Deixe uma resposta