Veja a análise de mais uma instância da guerra política no campo da doutrinação escolar

10
73

tabuleiro-xadrez-2

O deputado Marcel Van Hattem (PP-RS) debateu com a presidente do CPERS, Helenir Oliveira (PT). A pauta era o projeto de lei recentemente protocolado por Van Hattem para instituir o programa Escola sem Partido nas escolas do Rio Grande do Sul. Abaixo está o vídeo:

Ah, se eu estivesse nesse debate eu faria essa doutrinadora tremer nas bases. Ela disse que é “impossível ensinar sem doutrinar ideologicamente”.

Eu demonstraria para ela que em cursos de auditoria sempre encontraremos auditores/consultores ensinando e que prefiram uma ferramenta de auditoria sobre outras, mas, se o programa for “vendor neutral”, nós temos como fazê-lo. Ou seja, ensinar uma metodologia sem dizer que é “melhor usar a ferramenta da IBM do que a ferramenta da Microsoft”. Isso acontece todos os dias.

Logo, é mentira dizer que “não é possível ensinar sem ideologia”.

Qualquer conteúdo pode ser tecnicamente esvaziado de seu conteúdo ideológico. Até mesmo quando falamos em técnicas para guerra política, de Saul Alinsky, que é esquerdista. Podemos isolar as técnicas, extrair o conteúdo ideológico, e transformar tudo em métodos úteis para a esquerda ou direita.

Mas completa mesmo é a análise feita pelo leitor Danilo Lima, com mais dicas sobre guerra política. Leiam, pois é uma abordagem bem completa e respeitosa, com pontos altos e baixos:

Um recado pra vocês Miguel Nagib e Marcel Van Hattem, VOCÊS ESTÃO LIDANDO COM O MAIS BAIXO NÍVEL DE PERFÍDIA HUMANA. Enquanto vocês não apreenderem a FORÇA do discurso POLÍTICO, somado às dissimulações do adversário – usando “metalinguística” (simulações de espanto, simulações de falso entendimento, polarização de termos…etc) – a coisa vai complicar.

Marcel demonstra calma, fala de forma pausada e compreensivelmente… Contudo… POLITICAMENTE, a militante ATACA MAIS, ROTULA MAIS, SE INDIGNA MAIS… Se o comportamento dela não for APONTADO, e demonstrado como apenas uma forma de TRAVAR o debate, ela continuará obtendo lucro politico deste comportamento.

Os pontos negativos abaixo se referem àquilo que você ganha ou perde com suas próprias ações, ou ao permitir certas ações do adversário, sem apontamento imediato do comportamento fraudulento.

(+) Ponto POSITIVO: Marcel usa o conceito de “democratização”

(-) Ponto NEGATIVO: Ele não aproveita o termo posteriormente colocando o adversário como ANTI democrático.

(-) Ponto NEGATIVO: O MODERADOR atribui casos de doutrinação à uma “CRENÇA” DO DEPUTADO.

(A) Qual o benefício político?

Demonstrar que a doutrinação é fruto de uma “teoria da conspiração” de adversários políticos.

B) Como o comportamento deve ser tratado?

JAMAIS permita que a parcialidade ou CONCLUSÕES, ou opiniões do moderador, gerem pontos negativos pra você. A doutrinação ideológica não é uma ‘crença”, ou mera “premissa” de um projeto… Existe DOCUMENTAÇÃO DOS FATOS, existem evidências diversas… Eu não entendo porque essas evidências NUNCA SÃO MOSTRADAS DURANTE O DEBATE!!!! ALGUÉM ME EXPLICA??? OHHHH AJUDAAA AÍÍÍ!!!!

(-) Ponto NEGATIVO: A MILITANTE MENTE ao dizer que a “a escola estimulava o racismo” (pelo menos no ano que ela fez citação – 1953). Inclusive quando ela disse que a “o papel da mulher era no espaço privado e o do homem, público” – MENTIU DE NOVO.

(A) Qual o benefício político que ela visa??? levar a discussão para a seara do racismo, e então rotular seu oponente à vontade.

(B) Como o comportamento deve ser tratado.

Um fato é que Não é preciso um levantamento muito grande pra demonstrar que desde épocas anteriores à que ela citou, mulheres sempre formaram o maior número de educadores e cuidadoras, principalmente em creches (onde o cuidado e educação à crianças era prioritariamente dado por mulheres). Historicamente, antes desta dada citada, mulheres já exerciam profissões variadas, e boa parte dos brasileiros mais ao norte do Brasil já eram alfabetizados.

Outro fato é que o adversário DEVE ARCAR O PESO DA PROVA QUE SUAS AFIRMAÇÕES DEMANDAM. Se você não cobrar isso dele, ele tão pouco o fará e isso é muito confortável à ele. Nesse caso uma olhada para a realidade bastava pra ver que a militante estava divagando propositalmente pra favorecer o seu próximo argumento.

(-) PONTO NEGATIVO: Quando a militante fala de Paulo Freire, começa a dourar a pílula (ROTULAGEM POSITIVA), chamando a “pedagogia” dele de…… ” Visão Humanista, ensina a tolerância, ensina a ser cidadão, ensina o respeito e a pluralidade”.

A) Benefício político de tal afirmação?

Assinalar que o projeto EscolaSemPartido é UM RETROCESSO e iniciar para uma rotulagem massiva contra o oponente: “Vocês defendem o cerceamento, a divisão…de castas”. Depois citar uma frase infeliz de um governador, e então vincula-la ao adversário, o projeto do adversário, criando um vínculo emocional na plateia entre eventos sem qualquer relação com o assunto discutido.

B) Como a afirmação deve ser tratada:

Nesse momento você deve apontar a própria COMO DOUTRINADORA. Afinal onde está o senso crítico dela?? Devemos de cara DESCONFIAR (e muito) de pessoas que acreditam que apenas uma visão de mundo “é a libertadora” e as outras são “do mal, opressoras”. ISSO É EXATAMENTE O COMPORTAMENTO QUE DENUNCIAMOS, inclusive a desonestidade intelectual daqueles que se opões ao projeto é afirmam que “DOUTRINAÇÃO SEMPRE EXISTIU….mas certa mesmo, é só a nossa”. NENHUM ABUSO INTELECTUAL DE MENORES deve ser tolerado. É como um abusador, achar que seu abuso é mais legítimo que o abuso praticado por outrem.

Nota:
Sempre que forem debater o projeto ATAQUE O PROBLEMA e tomem por iniciativa que SEU DEBATEDOR É UM MILITANTE, e a probabilidade dele mesmo ser um DOUTRINADOR é 90%. Sempre que eu vejo debates a respeito do projeto VC ESTÃO SE DEFENDENDO, defendendo o projeto……SÓ QUE É MUITO FÁCIL e CONFORTÁVEL pra um debatedor militante já iniciar ATACANDO. Se vocês não atacarem, somente ele atacará.

(-) PONTO NEGATIVO: A Militante pergunta: “O QUE É MORAL?”

(A) Qual o beneficio político?

RELATIVIZAR o que é moral, e questionar a moral DOS PAIS das crianças, em suas famílias.

(B) Como tratar o comportamento…

É IRRELEVANTE que pessoas tenham concepções diferentes de moral. TREMENDAMENTE IMORAL, é o fato de que MILITANTES tem deixado de atuar como professores, e então praticados ABUSOS INTELECTUAIS imorais e diversos em crianças. Qualquer pessoa com percepção mínima e entendimento da realidade, sabe que isto não é apenas IMORAL, mas também MONSTRUOSO.

(+) PONTO POSITIVO: Marcel demonstra que o Moderador (Parcial), joga em pauta as manifestações, e a ditadura militar (um frame que está sendo forçosamente pregado ao projeto)…e que a professora mente dizendo que as manifestações eram pra pedir intervenção militar.

NOTA: Marcel, NÃO FIQUE ELOGIANDO TANTO TEU ADVERSÁRIO. Isso não o faz parecer moderado, isso só o faz parecer que está dando razão a mesma. EM NENHUM MOMENTO ELA LHE DARÁ RAZÃO, tenha isso em mente. Vocês não são amigos, colegas….demonstrações de simpatia devem ser dadas as pessoas que não apoiam o abuso intelectual de menores.

(+) PONTO POSITIVO: Marcel demonstra a diferença entre ensinar cientificamente e DOUTRINAR. Foi tão positivo esse ponto, que eu olharia pra cara da militante e diria: ENTENDEU? professores que abusam de seus alunos politicamente, demonstram que o fazem por além de desonestidade óbvia, também por ausência de aplicação do caráter científico.

(+) PONTO POSITIVO: Marcel demonstra a diferença dos ensino em escolas confessionais, e dá ENFASE na OPÇÃO E ESCOLHAS DOS PAIS NESTA EDUCAÇÃO.

AGORA OCORRE UMA CONCATENAÇÃO INCRÍVEL DE ROTINAS VINCULADAS:

PONTO NEGATIVO (1): A militante rotula o projeto, e faz uma simulação do tipo “Generalização, generalização por todos os lados”. Usa uma rotina de obtenção de autoridade injustificada “Eu defensora da democracia defendo a pluralidade”, usa de uma falácia de “evidência anedótica” (eu nunca vi, logo nunca ocorreu….eu não vi em X anos, logo não acontece com frequência”), tudo isso combinado à simulação de espanto: “estou ofendida, estou ofendida”, e uma simulação de FALSO ENTENDIMENTO do termo “audiência cativa”.

(A) Qual o benefício político?
Transformar o projeto em uma guerra CONTRA TODOS OS PROFESSORES. Afirmar que o projeto afirma que alunos são pouco inteligentes, ou “pouco questionadores”.

PONTO NEGATIVO (2): A militante afirma: “Nós já vimos MUITOS professores PREGANDO a homofobia…..depois afirma um suposto “nazismo” se espalhando em escolas.

(B) qual o benefício político da afirmação:

Em primeira instância dizer que o projeto EscolaSemPartido não luta contra a homofobia. Por isso ela pergunta: “Como a gente trata isso?”

Em segunda instância: relacionar o projeto, à uma suposta “exacerbação da moral” de pessoas que promovem homofobia….e o tal suposta “nazismo”.

(C) Como responder o comportamento do dois pontos:

Nunca se surpreenda com o nível de cinismo que um militante dessa estirpe pode alcançar….já vinha dando sinais desde o início do debate, se tivesse sido devidamente retaliada em suas ações, talvez agisse com mais cautela.

Primeiro, DEVE SEMPRE EXIGIR….EXIGIR… QUE ELE DEMONSTRE evidências das afirmações que faz (professores promovendo homofobia).

Segundo, COBRAR dela como membro de uma associações de professores AÇÕES contra isso (pergunte PRA ELA….o que a senhora fez sobre isso????… sobre essas ações que a senhora diz que ocorrem?????)…..

E terceiro, DEMONSTRAR QUE ELA DEVERIA SER A PRIMEIRA PESSOA A APOIAR O PROJETO visto que admitiu que não apenas esses como outros abusos ocorrem. E então demonstrar para o público que o projeto é uma ferramenta auxiliadora da democracia. Como alguém que se diz democrático, JAMAIS pode ficar contra ele admitindo passivamente que abusos ocorrem — “porque sempre foi assim”.

(+) PONTO POSITIVO: Quando Marcel fala que “o bom professor” sabe que a lei não se aplica a ele. E fala sobre a distorção semântica da palavra “cativa”. Em verdade a audiência cativa, é uma audiência que é DEPENDENTE daquela aula, e não pode se dar ao privilégio de abandoná-la, ou sofrerá sanções (ausência de nota, rebaixamento de nota, ou faltas).

(-) PONTO NEGATIVO: Marcel não aproveita politicamente o fato da militante afirmar que não deixa de ser militante em ocasião alguma.

Conclusão: Marcel Van Hatten, quando teu oponente deseja ter 2 horas de debate contigo…é porque ele percebeu que pode ganhar muito politicamente em cima de você. SE SEU ADVERSÁRIO ESTÁ GOSTANDO DO DEBATE, VOCÊ ESTÁ PERDENDO. Inclusive ela se sentiu tão CONFORTÁVEL que DESAFIOU vocês a demonstrarem casos de doutrinação… O que vocês estão esperando pra levar estes casos em debates???

Enfim, mais um belíssimo trabalho de análise de Danilo Lima, que, de fato, está preparadíssimo para a guerra política. Ótimas dicas, com certeza.

P.S.: A atuação política de Van Hattem tem sido elogiável, e, seguramente, podemos apontá-lo como um dos melhores deputados estaduais do Brasil. Mas as dicas de Danilo também vêm a calhar para ajudar a melhorar ainda mais uma atuação que já tem sido muito útil para a direita.

Anúncios

10 COMMENTS

  1. Leitores do Luciano, em relação a esta notícia , solicito entrarem neste site: e fazerem a seguinte manifestação:

    ……………………..
    No dia 15 de junho de 2015, o Sr. Eduardo Goldenberg, em sua conta pessoa do twitter, escreveu o seguinte, em relação ao assalto ocorrido no Barra Shopping no último dia 13 de junho (http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2015-06-14/mulher-e-assaltada-dentro-de-loja-no-barrashopping.html e http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/06/mulher-e-assaltada-dentro-de-shopping-na-zona-oeste-do-rio.html):
    “A grande notícia do dia é o assalto que houve no interior do Barra Shopping. Bem feito pra malta que acha que dentro de um ~shopping~ está segura. Que venham mais assaltos nos demais ~shoppings~ da cidade!”(https://twitter.com/edugoldenberg/status/610413924194885632 e https://twitter.com/edugoldenberg/status/610414146769829889).
    O representado regozija-se com o sofrimento alheio, ao chamar de “grande notícia” um crime sórdido como um roubo cometido contra uma mulher idosa: não há dúvidas de que a palavra “grande”, aqui, foi empregada no sentido de “boa”, a indicar tratar-se de uma notícia que lhe traz contentamento. É este, ademais, o sentido de uma postagem anterior:
    “Excelente notícia! RT @g1rio: Mulher é assaltada dentro de shopping na Zona Oeste do Rio http://glo.bo/1G799by ~shopping~” (https://twitter.com/edugoldenberg/status/610392455628881921 e https://twitter.com/edugoldenberg/status/610392523899564032).
    Não obstante elogiar a ação criminosa, ao usar o verbo “vir” no presente do subjuntivo, declara inequívoca e publicamente o seu desejo de que este tipo de delito se repita, sobretudo se tiver por vítimas pessoas com boas condições econômicas (a “malta”).
    Claro está que o representado perfez as condutas tipificadas nos arts. 286 e 287 do Código Penal, pois, não somente aplaudiu uma conduta criminosa, como também incitou a sua prática.
    Isso posto, solicito a instauração de inquérito policial a fim de se colherem elementos à propositura de denúncia contra os delitos de incitação e apologia ao crime.
    …………………………..
    Peço, encarecidamente, que denunciem este sujeito e que façam a divulgação nas redes sociais. Exerçamos pressão sobre o Ministério Público e cobremos o cumprimento do seu dever institucional.

  2. Gosto bastante do Van Hattem. Espero que em poucos anos possa já estar ocupando cargos altos. E é um dos poucos que eu já vi indo pro confronto diretamente, indo pra briga de verdade, falando grosso, como merece ser falado com essa galinhada que só cacareja alto.

    E ótimo também as análises do Danilo, e que bom ver que o trabalho do Luciano está gerando esses frutos, as pessoas aprendendo a reconhecer as fraudes, a mapear, coisa que a esquerdopatada treme de medo quando vê alguém que sabe fazer.

    Parabéns!

  3. Van Hatten, você TEM QUE LER ISSO!!! Com esses marginais da retórica não tem papo, tem que fazer feito o Mike Tyson dos bons tempos e partir pra dentro sem dó nem piedade, expondo suas mentiras e falácias, acusando, interrompendo, metendo o dedo na cara, INTIMIDANDO, no fim das contas. Numa palavra, ATACAR!
    Sei que capacidade para isso não lhe falta.

  4. Enquanto UM trava uma BATALHA de uma GUERRA POLÍTICA o OUTRO usa as REGRAS do DEBATE do JOGO POLÍTICO. Quando os opositores vão realmente aprender com o PROFISSIONALISMO esquerdista na GUERRA POLÍTICA????! ACORDEM PARA GUERRA POLÍTICA!!!! GUERRA!!!!

  5. Não achei que o Marcel foi mal, mas como falaram, faltou fazer com que a adversária pagasse pelo que falou. Por exemplo, quando ela disse que todos os professores serem punidos pela neutralidade ser um princípio, ela está cometendo uma atrocidade jurídica, confundindo princípios e regras. Ele deixou passar batido. Por várias vezes ela viaja na maionese na interpretação do projeto e em geral ele perdia a oportunidade de colocá-la contra as cordas.

    Sobre a impossibilidade de doutrinação, temos uma divisão bem clara. Há os que consideram ser impossível que determinadas disciplinas tenham um viés ideológico no ensino, como as Ciências Humanas em geral. Mises parece adotar essa posição no livro “Ação Humana”, chegando até mesmo a propor que as escolas não ensinem essas matérias. Já sobre a possibilidade de uma neutralidade, ou pelo menos uma quase neutralidade, temos Stuart Mill, em “Sobre a Liberdade”. Ele entende ser necessário e obrigatório um certo grau de instrução, mas adverte para a doutrinação escolar pelo estado, o que chama de despotismo sobre o espírito.

    Não importa qual das duas opções seja escolhida. O fato inegável é que há mecanismos práticos que aumentam a pluralidade de idéias e diminuem a doutrinação escolar. Mesmo que seja impossível não ter um viés, há uma diferença abissal entre informar sobre as principais correntes sobre o assunto, citar nome de autores e acabar dando mais ênfase para o seu lado preferido e deliberadamente demonizar as correntes contrárias, se negar a prestar informações sobre elas e, pior de tudo, contar mentiras para fortalecer a sua posição. Do mesmo modo, é possível permitir a posição divergente dos seus alunos em termos civilizados ou humilhá-los em público e persegui-los deliberadamente.

    Ou seja, mesmo que se desconfie da neutralidade, é perfeitamente possível implementar mecanismos de redução de danos, como forma de impedir que o viés seja extremado. O fundamental é considerar a falta de pluralidade de ideias como um mal e a partir daí tomar providências para minorar seus efeitos. É exatamente a posição contrária dos socialistas, que não apenas duvidam da neutralidade, mas abraçam a doutrinação como se fosse algo moralmente indiferente ou mesmo positivo. É mais ou menos como se um cristão reconhecesse que todo ser humano é pecador e a partir daí passasse a praticar todo tipo de depravação, sob o pretexto de que uma vida sem pecados é impossível. Não faz o menor sentido.

    Acredito que o ponto principal em um debate sobre doutrinação seja tomar a impossibilidade de neutralidade como hipótese e a partir daí questionar o adversário se
    a isenção ideológica e pluralidade no ensino seriam valores positivos, caso fossem possíveis. Se ele responder que não, vai estar entregando a sua má-fé. A partir daí basta desconstruir o adversário. Se responder que sim, basta  argumentar que é possível aplicar mecanismos de redução de danos, e ele não vai ter como contestar que uma escola menos enviesada é superior a uma mais enviesada sem entrar em contradição com a resposta anterior.

  6. Vou ver com calma, parando e lendo o Danilo. Aqui em minha cidade provavelmente entrarei em confrontos contra a doutrinação escolar.
    Mas precisamos ficar atentos aos discípulos do PF. Eles estão organizando conferências em conselhos de educação por todo país e vão querer implantar a lavagem cerebral na força das leis. Leiam os resultados das conferências municipais.
    Luciano, teremos que nos organizar política e juridicamente contra isso.

Deixe uma resposta