A ingenuidade imoral daqueles que caem no discurso “Cunha está isolado”

21
115

cunha

Algumas escolhas bizarras têm sido tomadas por alguns (não todos, claro) formadores de opinião da direita. Com isso, a capacidade da maioria em reagir aos eventos políticos do mundo está descendo a ladeira em um carrinho de mão sem freios. E em velocidade impressionante. Hoje muitos deles são enganados tal como crianças de 10 anos. Como sempre digo, pode até ser que essas pessoas tenham aptidão para sobreviver no mundo atual. Podem ser capazes de abrir negociações com fornecedores e clientes, como qualquer outra pessoa normal. Podem ter habilidades de relacionamento suficientes para o que desejam. Porém, para a discussão política, tornam-se muito mais do que estéreis. Tornam-se contraprodutivos.

Um exemplo está nos direitistas que tem caído na conversa petista, multiplicada por articulistas chapa branca, dizendo que Cunha está “acabado”. E ainda acreditam nessa: “Cunha estaria ‘isolado'”. Considere o texto “Oposição e PMDB isolam Cunha após rompimento com o governo”, de Mariana Haubert e Gabriela Guerreiro, para a Folha. Elas escrevem, marotamente: “Líderes oposicionistas classificaram nesta sexta (17) como ‘muito grave’ o anúncio feito pelo peemedebista”. Pois eu procurei no corpo do texto ao menos um declarante desta expressão e (por que eu não estou surpreso?) ela não existe. No máximo o que se encontra é gente dizendo que “a posição de Cunha é individual”, que é exatamente o que o próprio Cunha afirmou em sua declaração de rompimento.

Vamos avaliar os fatos. Contra Cunha, há uma delação. Contra Dilma, há não apenas quatro delações, como também a rejeição popular, as pedaladas fiscais (que não são apenas “uma delação”), o estelionato eleitoral (do qual Cunha está livre) e muito, muito mais. O capital político de Cunha é extremamente superior ao de Dilma. E mais, agora com os pedidos de impeachment no forno, ele abraçou a vontade do povo. Caso o governo tente novos golpes a partir de Rodrigo Janot, Cunha poderá usá-los a seu favor. Com o mínimo de destreza política, toda a oposição pode desconstruir o PT agora usando a tática de fazer o adversário sucumbir pelo seu próprio livro de regras, uma vez que todas as manifestações governistas da mídia chapa branca contra Cunha negam o discurso petista. Basta um exemplo: agora declaração de delator vale? Bom saber. Isolar uma pessoa com esse capital político seria não só improvável, como uma sonora estupidez. E o PMDB não é estúpido, principalmente em um momento onde o PP está abrindo a Caixa de Pandora contra Dilma.

Sendo assim, por que muitos direitistas estão se deixando impressionar por este discurso? Isto ocorre porque vários formadores de opinião da direita estão apelando, como sempre, ao discurso de desespero e derrota, e aproveitam o atual revés para aumentar a produção deste sentimento. Fazem isso porque dependem de que os direitistas deixem de acreditar na guerra política. Eles precisam que essas pessoas desistam de lutar politicamente, para depositar suas esperanças em um golpe militar. Que, evidentemente, não vai acontecer. Mas eles seguem ganhando cliques em seus vídeos onde conclamam que “está tudo dominado”.

Com isso, seu público é vitimado por falsas sensações de derrotismo, e, então caem ainda mais facilmente em truques como estes arquitetados pelos petistas. Para entender o truque, o vídeo abaixo, com a ótima entrevista de um seguro Kim Kataguiri ao programa Pânico, é ilustrativo:

Ali, uma tal de Amanda diz, cinco vezes (em momentos diferentes), que “Kim está sozinho”. Por que ela faz isso? Por que esta é uma tática política, que abusa do efeito herding, também conhecido como efeito dominó. (Alguns arrogantes, tentando proteger sua ingenuidade, podem dizer que “Amanda é uma estúpida, que não entende de técnicas”. É possível. Mas, infelizmente, este tipo de negação é usado para proteger o próprio ego e acreditar que o oponente não está em vantagem. Porém, Amanda pode muito bem ter assimilado as técnicas subconscientemente, pois é de extrema esquerda, e os formadores de opinião do lado de lá conhecem, e muito bem, estes recursos).

Alguns exemplos, relembrando um post de tempos atrás:

  • 10 milhões de clientes satisfeitos não podem estar errados
  • A popularidade do político X bate seu recorde!
  • O time de maior torcida do Brasil, que mais cresce dentre todas as outras torcidas
  • Junte-se à Revolução Digital
  • 500.000 usuários… e aumentando a cada dia

Um pouco mais:

A técnica apela ao “herding instinct”, ou melhor, instinto de rebanho. Inconscientemente, muitos gostam de pertencer ao grupo majoritário, e sentem-se mal quando isolados. Esta técnica basicamente manipula as pessoas apelando a estes instintos.

O instinto de manada é facilmente explicável logicamente (e biologicamente). Imagine um animal fora do rebanho, que não está sequer “associado” com os machos beta e gama que seguem o macho-alfa. Isolado do rebanho, ele é uma vítima potencial dos predadores da natureza. Mesmo em uma sociedade civilizada como a nossa, esse instinto de pertencer à manada ainda reside no subconsciente humano. E sem expectativas de desaparecer…

Muitas vezes, o efeito dominó pode ser utilizado para a validação de uma alegação moral, como por exemplo: “Cada vez mais pessoas aceitam os princípios do grupo X, portanto eles estão no caminho certo”.

Nesta técnica, ao mesmo passo em que se diz que “todos estão com (x)” para fazer propaganda favorável a alguém, se diz que “(x) está isolado” para fazer a propaganda desfavorável. O princípio é exatamente o mesmo.

A mera observação dos fatos nos mostra que não há motivos para acreditar que Eduardo Cunha “esteja isolado”. É o oposto: agora ele tem motivações suficientes e está livre para gerar muito mais resultados políticos a seu favor, e, em tabela, a nosso favor.

Mas é preciso que direitistas parem com essa infantilidade de cair em conversas tão desonestas como aquelas que tem sido propagandeadas pela mídia chapa branca, ou seja, discursos feitos para atender a uma estratégia política: tentar desanimar todas as pessoas que dependem das demandas e ações políticas encabeçadas por Cunha.

É imoral, neste momento, ser vítima de um truque de propaganda tão manjado. Se algum leitor caiu neste jogo, sugiro a reflexão.

Anúncios

21 COMMENTS

  1. Luciano, talvez essa “ingenuidade” de boa parte dos direitistas no Brasil se deva a um aspecto específico da personalidade do brasileiro. Isto já foi exposto em livros como Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda. Trata-se da cordialidade do brasileiro. Não a cordialidade no sentido de ser afável, amistoso. Mas de agir com os sentimentos do momento, de não agir racionalmente, mas com base no gosto, na simpatia, na emoção. O brasileiro, na média, não age politicamente com base na racionalidade, na lógica, mas com base nas emoções, nos sentimentos. Ele escolhe seus representantes políticos tomando como critério o sentimentalismo, a emotividade. Neste momento, qual o sentimento que se dissemina em boa parte desta direita cordial, que age com o coração, com os sentimentos? Meu Deus, agora pegaram o Cunha! Acabou tudo! Game over! Essas pessoas sempre estão se entregando à derrota de modo antecipando. Ao primeiro movimento estratégico do adversário, já estão arriando as armas e ansiosos para assinarem os termos da rendição política. Imaginam muitas vezes que à frente do exército inimigo está a liderar o próprio Júlio César em pessoa, Aníbal Barca ou Alexandre o Grande, quando na verdade o general líder da tropa adversária é apenas um Napoleão de hospício, uma fraude, um impostor.
    Isto é típico do brasileiro cordial, sentimental. Até ontem, muitos direitistas aplaudiam Cunha, porque achavam ele um cara bacana, gente fina, um sujeito impoluto. Mas depois de Cunha ser envolvido, sem provas, nesta delação premiada, aqueles mesmos foram tomados por um sentimento de derrota. O herói de ontem agora não serve mais, virou vilão. É um traço atávico do brasileiro esta ciclotimia comportamental. É um ser cujas emoções se comportam como uma montanha-russa. Uma hora está tomado de euforia pela perspectiva equivocada da proximidade de uma vitória, na realidade, ainda distante. No momento seguinte, sente-se tomado pela depressão ante a percepção de uma derrota apenas imaginada. Fica difícil obter vitórias políticas a partir deste tipo de temperamento tão instável, tão movediço psiquicamente.

    • Bela análise, parabéns! Forte, objetivo e um merecido shamming na cabeça dos analfabetos políticos e derrotistas de direita. Recomendo fortemente ao Luciano Ayan que utilize, com sua permissão e com créditos, claro, Lívio, esse comentário no Facebook e em outro texto aqui do blog.

  2. Jornalistas chapa branca são tão cretinos, que apelam até a comparações como esta, no sentido de desmoralizar Cunha: ” A cultura pop ensina que a única forma de exterminar um zumbi é acertá-lo de forma contundente na cabeça. Pode ser com um tiro, um machado ou as rodas de uma pick-up – vale tudo, pelo menos até a aprovação de um ‘Estatuto do Zumbi’. Guardadas as devidas proporções (sem armas, por favor), a informação serve para aqueles do Governo Dilma Rousseff que terão de confrontar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que passa a figurar nesta semana no nem tão seleto rol dos mortos-vivos da política brasileira, que conta com nomes de imortais como Paulo Maluf, Jader Barbalho, Renan Calheiros e Fernando Collor.” Isto é, para este cretino que escreveu isto, Cunha já está no mesmo nível que Paulo Maluf. Eis o link http://www.msn.com/pt-br/noticias/nacional/o-ataque-zumbi-de-eduardo-cunha/ar-AAdauM3?ocid=mailsignoutmd

  3. Este programa é o cão chupando manga. Nem vi porque esse BABACA deste apresentador apaixonado pelo som da própria voz tem o dom de me irritar PROFUNDAMENTE. Mas quando o Reinaldo Azevedo foi lá ele afinou a voz bonito! E não vem com esse papo que ia para as ruas lutar contra a ditadura. Nunca fez isso! Devia estar é tentando comer mulher de qualquer jeito, e qualquer mulher. Não vem mentir não que é feio.

  4. Luciano, cheguei a conclusão de que você é um dos raros blogueiros que cobre o cenário político de forma honesta e imparcial. Estou completamente ENOJADO com a classe jornalistica brasileira, inclusive com aqueles que se aproveitam da bandeira da guerra política contra o PT para se autopromover e até ganhar mais uns page views, esses então acabam sendo piores que os jornalistas e blogueiros chapa branca que agem em favor do governo. São raros os casos de jornalistas que posam de combatentes ao PT e não se utilizam do expediente da vigarice intelectual, dissimulação e princialmente do duplo padrão moral para promover interesses próprios e/ou obscuros e que se exploda o país. Fala-se que a classe política brasileira é podre, mas a classe jornalística não fica atrás, são poucos os honestos!

  5. Luciano, o que você acha de nós tentarmos fomentar uma comunidade pra criar um canal com o presidente da Câmara? Tipo a ‘Bolsonaro Zuero 3.0’. Já existe uma página chamada ‘House of Cunha’ [http://migre.me/qP0dM] no Facebook. O problema é que ela ainda está um pouco parada, mas tem potencial (teve muitos likes em poucas horas de criação) de crescer bastante.

    Eu vejo que a associação da figura do dep. Eduardo Cunha com o personagem Frank Underwood de ‘House of Cards’ é interessante. É claro que ele não é um sabotador nem mesmo um político corrupto, mas a sua astúscia como parlamentar assustava o Governo antes de ele ser presidente da Casa.

    Mesmo que ele não goste muito de ser associado com o personagem de Kevin Spacey, creio que é apenas porque a maioria dos que já o fizeram na mídia, foram pra denegrí-lo. Nós poderíamos ver uma forma de transformar isso num elogio, evocando justamente o fato de associação da figura de um com o outro ser apenas quanto a força de um membro do Parlamento em relação ao Executivo — nunca antes um deputado ou senador amedrontou tanto o Governo.

    O que você acha?

  6. Amigo, existe uma mentira que se espalha pelas publicações de direita, a de que Janot estaria tramando algo contra Cunha e a favor do governo. Pelo amor de Deus, ele é um procurador da República concursado, embora tenha chegado a ser procurador geral do mesmo modo que os ministros do STF, e representa uma instituição independente e respeitada. Não dá pra dizer que o governo petista inventou a corrupção, pra quem sabe história até se inventou um tipo pra isso que é o “homem cordial”. Se a mídia internacional já comparou o Cunha com um charlatão do House of cards e se durante os mais de 12 anos anos de mandatos petistas, somente agora em poucos meses eke faz oposição é claro que ele é mais um picareta, mas qualificado por um partido imenso sem nenhum propósito benévolo a não ser participar da situação do poder, como sempre foi.

    • As falácias:

      “é mentira que Janot estaria tramando algo contra Cunha” (isto não endereça contradições como o fato de Janot denunciar Cunha a partir de delação, mas se recusar a fazer o mesmo com Dilma”
      “Janot é concursado, e representa a instituição independente e respeitada” (nenhum ser humano está livre de questionado, isto que você tentou é dogmático até a medula)
      “se a mídia internacional comparou ao cara do House of Cards, então é” (que pobreza, que pobreza intelectual nesta…)
      “Cunha passou a fazer oposição ao PT, e isso prova seu caráter” (non sequitur)

      Este blog se chama Ceticismo Político por um motivo 😉

      Abs,

      LH

      • Luciano, que perfeita desconstrução você fez. Por essas e por outras Luciano que hoje em dia só leio três blogueiros Você, RA e Constantino, p/ mim são os únicos que deixam de lado diferenças religiosas, politicas e ideológicas e analisam o cenário político de forma fria. Muitos direitistas antes mesmo desse delator ter acusado Cunha já o desqualificava apenas pelo fato dele ser da tal “bancada evangélica” (ou seja, as diferenças religiosas cegando-os) ignorando que ele é uma peça para o objetivo maior que é derrubar o PT.

  7. Nao é conveniente ao PSDB o protagonismo de Cunha. Por isso, é q o discurso de q ele esta isolado nao deixa de ser conveniente a PT e PSDB. Nem Aécio nem Alckmin e muito menos TEMER permitirao q esse cara tire proveito.

  8. Para mim a questão é bem simples: Cunha pode ser um político corrupto? Pode. Mas hoje ele é o único com poder (e principalmente, culhões) para encarar o PT e sue plano tirânico. Aécio Neves, autoproclamado líder da oposição, não passa de um frouxo. Caiado, sozinho, é fraco. Cunha, por outro lado bate e dá a cara a bater, além de ter a força política necessária.

    Ele é perfeito? Não. Mas se é o melhor que temos, pois que seja.

    E isso não é conformismo. É como diria Bonhoeffer (cito de memória): “Muitas vezes não se trata de escolher entre o bem e o mal; às vezes se trata de escolher entre um mal menor e um mal maior.” Bonhoeffer, para quem não o conhece, foi um pastor luterano que participou de uma conspiração para assassinar Hitler. Ao lhe perguntarem por que um cristão assassinaria alguém, essa foi a sua resposta: “Ele iria fazer um mal menor, para evitar um mal maior”.

    Eduardo Cunha, nesse contexto, seria o mal menor.

  9. Comentado sobre o caso Kim-Amanda.

    De forma similar, o Rafael Bastos tentou formar uma imagem de que Jair Bolsonaro estaria sozinho, durante uma entrevista. O Deputado, já vacinado, desmontou o ataque na hora, e de quebra virou meme com centenas de milhares de visualizações.

Deixe uma resposta