Você quer ser violentado com baioneta por discordar do PT? Então lute pela liberdade.

11
190

guardia-nacional

O blog Implicante lembrou hoje do lançamento de um ótimo livro venezuelano, intitulado “Testimonios de La Repression” (Testemunhos da Repressão), escrito pelo jornalista Carlos Javier Arencibia e lançado este mês. O livro mostra que em 2014 o governo chavista prendeu 3.765 pessoas, de acordo com dados da ONG Foro Penal, em meio a gravíssimas denúncias de violações dos direitos humanos. O jornalista entrevistou 16 jovens que foram detidos durante a onda de protestos contra Maduro, dos quais dois continuam presos. Todos eles afirmaram ter sido vítimas da violência descontrolada de agentes da Polícia Nacional Bolivariana (PNB), Guarda Nacional Bolivariana (GNB) e do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin).

Leia mais, a partir da matéria de Janaína Ferreira, para O Globo:

Um dos relatos mais aterradores é o de Juan Manuel Carrasco, de 21 anos, um estudante da cidade de Valencia, no estado Carabobo. Como muitos outros jovens, Juan Manuel decidiu sair às ruas para “resistir” aos ataques do governo Maduro contra seus opositores. O estudante confessou ter sido estuprado com um fuzil.

– Você ainda vê nos olhos de Juan Manuel a dor, como se ele fosse estuprado todos os dias – disse Arencibia. – O livro é uma homenagem aos 49 mortos do ano passado e a todos os jovens que tiveram a valentia de defender a necessidade de uma mudança democrática […]

Para Arencibia, que no ano passado participou das chamadas “praças da resistência” (grupos de jovens que acampavam em praças como forma de protesto), a repressão não terminou. O jornalista assegurou que presos políticos como o líder do partido Vontade Popular, Leopoldo López, e o prefeito cassado de San Cristóbal, Daniel Ceballos, “são torturados permanentemente”.

– Leopoldo e Ceballos são surrados, maltratados física e psicologicamente. Alguns dos jovens que ainda estão presos passam semanas sem ver a luz do sol. Estão em porões, doentes e também são torturados – conta o autor do livro.

Um dos que continua preso é Raúl Emilio Baduel, filho do general reformado Raúl Isaias Baduel, um ex-aliado de Chávez, que rompeu com o governo em 2007 e em 2009 foi preso, acusado de corrupção quando era ministro da Defesa. Raúl Emilio foi detido na cidade de Maracay, junto com Alexander Tirado, que também continua atrás das grades.

– Eles estavam participando de uma manifestação pacífica. A resolução judicial diz que foram presos porque tinham em suas mãos objetivos de interesse criminalístico, neste caso, um megafone – contou Arencibia, que teve contato com ambos estudantes, numa das sedes do Sebin.

Segundo o jornalista, ambos sofreram uma das piores violações dos direitos humanos. Os policiais cobriram seus rostos e atiraram inseticida.

– São torturas do nível das praticadas pelas ditaduras das décadas de 70 e 80. No caso de Raúl Emilio, está claro que é uma prisão política, uma vingança por ser filho de Baduel – assegurou o autor do livro.

Outro dos casos que comoveu Arencibia foi o de Marvinia Jiménez, que passou somente três dias na prisão, mas, segundo o autor, “foi surrada com extrema violência”. Marvinia sofre uma doença em seus ossos e, mesmo sabendo isso, agentes da PNB e da GNB chegaram a bater nela com um capacete, revelou o livro.

– Marvinia mentiu e disse que estava grávida, na tentativa de escapar da violência, mas os agentes, até mesmo mulheres, a maltrataram ainda mais e chegaram a dizer que graças a Deus ela perderia o bebê – disse Arencibia.

Semana passada, o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, referiu-se ao livro em seu programa semana de TV como uma ficção da oposição, “uma espécie de conto de terror”.

Mas a tal comitiva picareta, com senadores bolivarianos como Lindbergh Farias, Roberto Requião e Vanessa Grazziotin, garante que “não há violações à democracia” na Venezuela. Sim, pois na ótica bolivariana, qualquer opressão que fizerem sempre será “democrática”. O endosso ao barbarismo venezuelano sempre será pleno por parte dos petistas e suas linhas auxiliares, pois é exatamente isso que eles ambicionam para todos nós.

Será exagero? Então relembre essa declaração de Lula:

Lutar contra o PT e suas linhas auxiliares é lutar para não termos o mesmo destino do sofrido povo venezuelano.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Como tem cego que não enxerga a óbvia conexão entre esses ditadores? Como tem quem ainda tenta defender Maduro? O PSOL lançou nota de apoio ao Maduro também. PSOL, portanto, como boa bolsinha da prostituta do PT, apoia esse filme de terror que o povo venezuelano está vivendo. Insano.

  2. “Se reina a estupidez e a ignorância, só a guerra pode fazer surgir a esperança de um mísero grito verdadeiro, de um apelo sinceramente comovido com o estado de coisas, pois que a vidinha não pode mais seguir normalmente. Nos tempos de boçalidade, a paz é a última pá de terra jogada em cima do cadáver da verdade, é o consenso pela mediocridade de longo prazo, que permita a todos viver sem sustos, sem receios.”

    Completo: http://rodrigosevilha.com/2015/07/20/o-petrolao-deflagrou-em-mim-todo-um-processo-regressivo/

Deixe uma resposta