O mito da “pauta bomba” do Congresso

24
63

brasil-universidades-educacao-dilma-mercadante-20130605-01-size-598

Valendo-se do já manjado recurso de transferência de responsabilidade, o PT aponta para as decisões do Congresso na hora de definir “os culpados pelo agravamento da crise”.

O lero-lero de Kennedy Alencar é sintomático deste padrão. Segundo o jornalista chapa-branca, os partidos políticos agem com “irresponsabilidade econômica na Câmara”. Para ele, “o apelo feito pelo vice-presidente da República e articulador político do governo, Michel Temer, deve ser visto como alerta e prova do agravamento da crise política”.

Por esta perspectiva, se há uma parte de responsabilidade do PT, ela reside apenas na articulação política. Alencar afirma: “Nem o PT votou a favor do Palácio do Planalto, o que demonstra um alto grau de irresponsabilidade do partido do governo numa hora de crise. Se nem o PT fica com o governo, outros partidos aliados se sentem confortáveis para derrotar a presidente Dilma Rousseff. Portanto, a culpa maior pelo agravamento da crise é a incapacidade política do governo Dilma”.

Daí emenda: “Câmara deveria ter demonstrado maior responsabilidade”. Em seguida, conclui: “isto tem nome: sabotagem política do governo utilizando a Câmara e prejudicando a economia. A oposição também fica mal na foto. É coadjuvante de Eduardo Cunha e se comporta com irresponsabilidade política e econômica”.

Entenderam?

Na narrativa de Alencar, o PT é responsável apenas por não ter colocado o Congresso sob o cabresto. De resto, as ações do Congresso no momento de aprovar suas propostas e rejeitar as do governo é que tem amplificado a crise. (Claro que em outros textos, os petistas também culpam a mídia, os coxinhas, a crise internacional, dentre outras transferências. Mas o fato é que o discurso da “pauta bomba do Congresso como o maior agravador da crise do momento” tem sido recitado mais incisivamente da semana passada para cá)

Podemos dizer que existe qualquer responsabilidade do Congresso? Será que é racional acreditar que à boa intenção do governo se contrapõem os interesses mesquinhos do  Congresso? É verdade que há um conflito entre o bem (o PT) e o mal (o Congresso)? O ceticismo novamente nos exige uma investigação mais apurada.

A grande verdade é que as propostas recentemente aprovadas ou rejeitadas pelo Congresso são praticamente irrelevantes no que diz respeito ao gasto público. Ao contrário, algumas dessas propostas chegam até a restringir o direito do governo gastar à vontade. Na busca por um culpado pelo “agravamento da crise”, não podemos encontrá-lo no Congresso.

O culpado está em outro lugar: no governo petista. Enquanto vemos notícias dizendo que “nova proposta aprovada vai gerar 2,1 bilhões de gastos” ou “correção conforme inflação aumentará os gastos em 3,5 bilhões”, a narrativa desonesta do PT omite um fato: até o presente momento, nada se falou quanto ao gasto de R$ 400 bilhões por ano com os 39 ministérios de Dilma, valor que em momentos de crise poderia ser reduzido, no mínimo, à metade. Isto se o governo petista tivesse qualquer tipo de compromisso com o povo.

O PT se recusa a fazer essa redução, uma vez que está comprometido com os projetos do Foro de São Paulo, com o aparelhamento do estado para bancar a “cumpanheirada” (com uma infinidade de cargos comissionados) e demais gastos com um único fim: manter o poder.

Se há uma pauta bomba, esta é aquela que descreve o projeto petista. Qualquer conversa pedindo “ei, Congresso, me ajude a reduzir gastos”, sem a redução pela metade do gasto com os ministérios, é no mínimo imoral. Seria o mesmo que cortar despesas familiares de educação e saúde, para continuar mantendo a mania do esposo de sair com prostitutas caras duas vezes com semana. Ora, este é o gasto que deveria ser eliminado primeiro. Não o gasto com a saúde e a educação dos filhos. Pelo mesmo princípio, a redução de gastos mais urgente a ser feita está nos ministérios petistas.

Aqui algumas ideias. Que tal eliminar a FUNARTE? Extinguir a Lei Rouanet? Ou mesmo eliminar os investimentos de publicidade de estatais monopolistas (que, como tal, não concorrem e não precisam gastar em anúncios)? Que tal eliminar 75% dos cargos comissionados? O PT sabe que a cada ação deste tipo atingirá radicalmente sua base de apoio, que troca verba estatal por endosso a um projeto totalitário.

A “pauta bomba do Congresso” é um mito. Mas a pauta bomba do PT continua vigente, irretocável e escondida por um discurso cínico de transferência da responsabilidade do partido aos outros. Já passou da hora de ridicularizar qualquer petista que venha com o discursinho de “pauta bomba do Congresso”. Safadeza tem limites. E essa desonestidade intelectual do PT está custando muito caro a todos nós.

Anúncios

24 COMMENTS

  1. São Paulo, 6 de agosto de 2.015

    Prezado Sr. Ayan,

    Muito obrigado por desmascarar um esquerdopata como Kennedy Alencar, que também atende pela alcunha de “Robin do Dirceu”. O sujeito não se emenda mesmo. Ao invés de defender o governo mais corrupto e incompetente da história da República, deveria ficar quietinho, mantendo-se em sua insignificância, até a questão da gráfica de seus irmãos ser resolvida.

  2. Luciano, você da um show de leitura do cenário político nacional, com o mais alto nível de coerência e independência. Um verdadeiro banho em cima blogueiros oportunistas que resolvem aproveitar a oportunidade atual de insatisfação geral contra o governo para tirar uma de antagonistas aos petralhas. Parabéns!

    • Realmente Luciano está por muitas vezes de parabéns.
      O restante de seu comentário, os petistas agradecem pessoas com essa sua visão e posicionamento, e tenho certeza que ele concorda em julgar outros blogueiros como “oportunistas” que simplesmente estão aproveitando a oportunidade ao invés de estarem extremamente indignados com tudo que acontece, e digo mais, o PT pensa o mesmo daqueles que compartilham nas redes sociais, que criam ou participam de grupos para criticar e protestar… Pelo visto, tanto o PT quanto você, devem pensar também que os “blogueiros oportunistas” deveriam deixar criticas e artigos sobre política apenas para os blogueiros que vocês consideram bons e para aqueles que o PT financia e, também para as centenas de blogs de militantes petistas que replicam conteúdo.

      • O seu nome já diz tudo. Se tem uma coisa que admiro muito no Luciano Ayan, é que ele combate a hegemonia de esquerda de modo GERAL, e não apenas o PT. Tem alguns blogueiros por aí que entraram na onda de malhar o judas petista, mas são descaradamente alinhados com certas pautas da agenda esquerdista.

      • Como assim meu nome diz tudo? Se meu nome diz tudo, o nome do PT ser “Partido dos Trabalhadores” também deveria dizer tudo. Parece que meu nome diz apenas o pouco que seu cérebro quer que ele lhe diga.
        Vi caras como TVrevolta defendendo algumas pautas de esquerda, e nem por isso os chamaria de ‘bologueiros oportunistas’, talvez que, 10 desses blogueiros oportunistas fazem mais pela Brasil do que 100 caras como você.
        Agora ajoelha e pede desculpas aos “blogueiros oportunistas”, se não quiser apanhar mais, e nem adianta ficar puxando o saco do Luciano, ele pode até me bater, mas não vai vai lhe defender. Seu petista disfarçado, tentando desincentivar “blogueiros oportunistas” que ‘malham os petistas’.

      • Você deveria ajoelhar e agradecer a existência de pessoas como Olavo de Carvalho, Percival Puggina, Luciano Ayan, Rodrigo Constantino, entre outros, que estão a anos (o Olvavo então, faz décadas) defendendo os valores conservadores e liberais, além de combater de forma incisiva a ocupação de espaços pela esquerda, o gramscismo, o Paulo Freirismo, a agenda de degradação da unidade familiar, etc. TODOS os blogueiros oportunistas juntos não valem um destes caras citados acima, estes caras fazem mais pelo Brasil do que todos os palhaços, desinfomantes e idiotas úteis como você juntos. Combater o PT assim como se deseja a prisão ou a cabeça de um traficante chefe de facção, como se isto fosse suficiente para resolver o problema do crime organizado, é muito pouco, é lógico que tem que ser combatido, mas é toda uma estrutura maior que tem que ser eliminada, senão logo logo aparece um criminoso novo para assumir o comando e tudo continua na mesma. E assim caminha o Brasil, são décadas de doutrinação ideológica e monopolização das virtudes por parte da esquerda, não permitindo que o pensamente divergente tenha espaço, mas parece que as coisas estão mudando e tem muita gente que, apesar de combater o PT agora, sente-se incomodada essas mudanças, com o crescimento do conservadorismo. Eu não espero que você compreenda isso, pois creio que o seu cérebro tem um alcance limitado no que tange a entender os reais problemas do Brasil.

        Ps. Dou o maior incentivo para que os “blogueiros oportunistas” continuem a malhar os petistas, mas creio que muitos deles vão ficar sem assunto e cair no ostracismo quando o PT tombar.

      • No que ajudou você malhar “blogueiros oportunistas”? Nada, você mesmo diz que deveria ser grato a eles. Você mesmo conclui que apenas o valor de Olavo e outros não resolveu o problema, e dá até o motivo:

        “E assim caminha o Brasil, são décadas de doutrinação ideológica e monopolização das virtudes por parte da esquerda, não permitindo que o pensamente divergente tenha espaço, mas parece que as coisas estão mudando e tem muita gente que, apesar de combater o PT agora, sente-se incomodada essas mudanças, com o crescimento do conservadorismo”.

        Agora então você começou a reconhecer o valor dos “blogueiros oportunistas” em abrir mais caminhos para pensamentos divergentes e contrários à esquerda?
        quanto ao restante de seu comentário(ou arrotário), tem gente sentindo-se incomodada com o crescimento do conservadorismo, com crescimento de liberais e outros(coisa comum de democracia). Se está preocupado com quem se incomoda do crescimento de conservadorismo, preocupe-os ainda mais com o fato da esquerdalha querer tirar uma hora de matemática para colocar uma hora de ideologia de gênero, ou fique esperando, talvez um blogueiro oportunista o faça, já que você, com todo seu pensamentO, ainda parece ter vergonha de fazer, mas não tem vergonha de criticar os oportunistas que estão malhando o PT.

        Por falar em pensamentO, use-o, talvez você evolua de um idiota inerte para um “idiota útil” da direita, que no momento é necessário e acho que você está qualificadíssimo, talvez até mais do que eu.

    • Só para alertar os demais, o “ex-“petista que criou esse evento pode ser um “agente triplo”.
      Suponha que, ele combinou com algum líder petista essa estratégia de conquistar uma quantia de zoeiros de “direita” para enganar os militantes petistas, faz isso, depois a mídia PTralha “mostra” como a “direita” é suja, os petistas saem usando isso para gritar que o pessoal do MBL e Vem Pra Rua agem dessa forma para enganar as pessoas.

      O que esse “ex-“petista conseguiu com a sujeira? Conseguiu conquistar pessoas que não seriam conquistadas pelo MBL ou Vem Pra Rua? Acho que não, mas conseguiu dar munição para petistas chamar “coxinhas” de mentirosos, por mais que, segundo uma imagem antiga, não foi mentira, a imagem mostra que desde o início tinha um #ForaDilma na página.
      Imagem do Uol:
      http://f.i.uol.com.br/folha/poder/images/15218342.jpeg

  3. Eu sempre odiei o PSDB porque se trata de um partido de esquerdistas, tem até alguns cidadãos honestos como o ex-candidato Índio da Costa, mas depois de 15 anos eu vou fazer um elogío: ESSE VIDEO É PARA ALERTAR O POVO E FOI FEITO PELO PSDB

  4. Ninguém falou ainda do puxassaquismo extremamente explícito e vexatório que o Jô fez novamente, em conjunto com o incoerente e ignorante Duvivier:

  5. [OFF-TOPIC] Luciano, é o seguinte: noto em mim mesmo um problema que, creio, é o mesmo de diversas outras pessoas em geral: é a “reposta tardia”. Dando um exemplo, ao panelaço de ontem, uma vizinha petista berrou na sacada, creio, se dirigindo a mim: “democracia não é isso, democracia e urna, seu merda!”. Confesso que fui pego de surpresa, não esperava uma confrontação dessas. Enfim, deixei de lado e continuei “panelando” na janela do quarto dela. Uns 10 minutos depois, sentado no sofá, pensei: “Bah, deixei barato, eu devia ter tido “merda é o que tu tens na cabeça para falar uma asneira dessa pra todo mundo ouvir! democracia é a livre manifestação do povo, sua ditadorazinha fascista!” que poderia ser complementado com um “tu não mora mais no cortiço para ficar xingando vizinho e dizendo palavrão na janela! tu saiu do cortiço mas o cortiço não saiu de ti!”. Creio que com isso ou ela ficaria quieta ou teria um ataque de fúria que chegaria a ser engraçado. Mas na hora não me ocorreu dizer essas coisas. Que sugestões tu me darias para melhorar isso, para fulminar radicais de esquerda NO ATO?

    • Pense você, qual a vantagem política em criar um conflito com vizinhos e tentar debater frente-a-frente com alguém anti-democratico e ignorante?
      Quando você pode fazer isso em redes sociais e com pessoas que, pelo fato de não lhe ver “todos os dias” não poderão ficar alimentando um ódio interno que é um combustível da militância petista. Além do que, se você não é político, não precisa praticar debates de boca, no mais, se fosse debater e costuma travar, precisa praticar, para casos assim seria bom ter algumas respostas prontas, coisas como apenas dizendo que tem crianças ouvindo os palavrões ou apenas pedir “mais educação” ajudaria muito para isso.
      O bom da web, é que você tem tempo, e sua última sugestão, é errada até mesmo para a web, as pessoas podem pensar que trata-se de preconceito e usar para tentar rotular todos anti-PT como preconceituosos, seria desonesto de quem o fizesse, mas, a pouca educação do brasileiro permite que caiam nesses golpes da extrema-esquerda, assim, a sua última frase é contra-produtiva para combater o petismo, principalmente por termos a imprensa ajudando o PT ao chamar “coxinha” de preconceituoso.

  6. ANÁLISE, AUGUSTO DE FRANCO – POR QUE A ESQUERDA ENVEREDOU PARA O CRIME

    O que está acontecendo com o PT não é um fenômeno isolado. Aconteceu com vários grupos da esquerda autocrática depois da queda do muro de Berlim. Sobretudo na América Latina, em que muitos dirigentes de organizações ditas revolucionárias enveredaram para o crime.

    Conheci vários desses militantes que viraram bandidos. Daniel Ortega, da Frente Sandinista, hoje presidente da Nicarágua, foi um deles. Me lembro como se fosse hoje. Ele foi convidado de honra no I Congresso do PT (que coordenei), no final de 1991. Chegando lá, no Hotel Pampa, em São Bernardo, Daniel pediu logo ao tesoureiro do PT à época, se não podia arranjar umas prostitutas. Esse Daniel e seu irmão Humberto, eram teleguiados de Fidel, que lhes passava pitos, aos berros. Reuniões decisivas para o futuro da chamada revolução sandinista foram realizadas em Havana, sob o comando de Fidel. E enquanto as bases petistas da Igreja idolatravam por aqui os sandinistas como expoentes de uma nova espiritualidade dos pobres, esses bandidos assaltavam patrimônio público (inclusive passavam para seus nomes propriedades imóveis) do Estado nicaraguense.

    O mesmo ocorreu com gente da Frente Farabundo Marti de Libertação Nacional de El Salvador, que também está no governo. Aconteceu com o Mir (e com o Mir Militar) chileno, com alguns Tupamaros, com as FARC colombianas e, é claro, com a nova leva de bolivarianos, que não tinham tanta tradição de esquerda, como Chávez, Maduro e Cabello (mas aí já estamos falando de delinquentes da pior espécie, que inclusive chefiam o narcotráfico na região) e como Rafael Correa e Evo Morales. Bem, para resumir, aconteceu com boa parte das organizações e pessoas que frequentam as reuniões do Foro de São Paulo (fundado, não por acaso, um ano depois da queda do muro – e eu estava presente na reunião de fundação, no Hotel Danúbio).

    Não dando certo a revolução pela insurreição, pelo foquismo ou pela guerra popular prolongada, essa galera chegou à conclusão de que seria preciso fazer a revolução pela corrupção. Bastaria adotar a via eleitoral contra a democracia e depois assaltar o Estado para financiar um esquema de poder de longo prazo. O plano era simples: conquistar hegemonia sobre a sociedade a partir do Estado aparelhado pelo partido. O objetivo era claro: chegar ao governo pela via eleitoral, tomar o poder e nunca mais sair do governo. Para isso, entretanto, era necessário, além do tradicional caixa 2, fazer um caixa 3, encarregado de custear ações legais e ilegais, ostensivas e clandestinas, para controlar as instituições, comprar aliados, remover ou neutralizar obstáculos…

    Afinal, pensaram eles: as elites não fizeram sempre assim? Para jogar o jogo duro do poder não se pode ter escrúpulos. Foi essa a conclusão de Lula, Dirceu e dos dirigentes petistas que tomaram o mesmo caminho. É claro que, como ninguém é de ferro e como não se pode amarrar a boca do boi que debulha, alguma compensação em vida esses bravos revolucionários mereciam ter. E foi assim que enriqueceram, abriram contas secretas no exterior para guardar os frutos dos seus crimes, adquiriram bens móveis e imóveis em nome próprio ou de terceiros e foram levando a vida numa boa enquanto o paraíso comunista não chegasse.

    O ano de 1989 foi decisivo para essa degeneração política e moral da esquerda. Mas o que aconteceu não foi um resultado do somatório de desvios individuais. Não! Eles viram que seria muito difícil conquistar o mundo e assumir o comando de seus próprios países, contrapondo um bloco a outro bloco. O bloco dito comunista se desfez. A União Soviética derreteu em 1991. Ruiu tudo. E agora? Bem, agora – pensaram eles – seria necessário ter uma nova estratégia. E eis que surgiu uma ideologia pervertida, baseada numa fusão escrota de maquiavelismo (realpolitik exacerbada) com gramscismo. Eles, como operadores políticos, conduziriam a realpolitik sem o menor pudor, enquanto que pediriam ajuda aos universitários para dar tratos à bola do gramscismo (e reproduzir mais militantes nas madrassas em que se transformaram as universidades).

    No Brasil, porém, parece que erraram no timing. Precisariam de mais uns três ou quatro anos para ter tudo dominado, dos tribunais superiores, passando pelo Congresso, pelo movimento sindical e pelos fundos de pensão, pelos (falsos) movimentos sociais que atuam como correias de transmissão do partido, pela academia colonizada, pelas ONGs que se transformaram em organizações neo-governamentais, por uma blogosfera suja financiada com dinheiro de estatais e por grandes empresas (com destaque para as empreiteiras, atraídas pela promessa de lucros incessantes quase eternos se estivessem aliadas a um sólido projeto de poder de longo prazo).

    Não deu tempo. O plano foi descoberto antes que as instituições fossem completamente degeneradas. E chegamos então a este agosto de 2015, ano em que alguns desses dirigentes vão começar a assistir, de seus camarotes na prisão, o desmoronamento do esquema maléfico que urdiram.

  7. Luciano, é um calhamaço de quatro horas de autoria do Strider Hien do qual você já falou aqui em outra ocasião, mas vale a pena o pessoal assistir, mesmo que em suaves prestações de tempo:

  8. Nem sei se tenho este direito mas pq não aprovou o texto que coloquei.
    Eu não estou cobrando nada, só desejo se cometi algum erro não repetir.

  9. IRRESPONSABILIDADE!

    Esses jornalistas que alerdeiam por aí que é uma irresponsabilidade do Congresso se derrubar o veto da Presidenta ao reajuste dos funcionários do Judiciário,
    a eles eu pergunto:
    Se fossem eles que estivesse há nove anos sem recomposição das perdas salariais, e o governo decidisse que eles deveriam continuar sem reajuste para não prejudicar a economia das empresas onde eles trabalham, estariam eles a favor do governo? Diriam ser irresponsabilidade do Congresso defender o direito deles?

Deixe uma resposta