Proposta petista: rombo no orçamento não justifica cortes de gastos abusivos em ministérios, mas justifica criação de CPMF. Vamos tolerar mais este tabefe na cara do povo?

6
64

sade

Desde que Marques de Sade redefiniu o sadismo, não deveria ser uma surpresa para muitos de nós entender que para um sádico, é vital afrontar suas vítimas com atitudes provocativas. São essas afrontas que destroem o senso de identidade de seus alvos. Com isso, estes alvos vão ficando cada vez mais prostrados. Está mais do que claro que o sadismo é um dos principais atributos do petismo.

Leia a notícia do Brasil247 e tente perceber os componentes de sadismo aqui embutidos:

O governo reestimou a expectativa de crescimento do PIB para o ano que vem para um patamar abaixo de 0,5%, o que afetou sua programação de receitas e despesas.

Segundo o relator-geral do Orçamento, deputado Ricardo Barros (PP-PR), o rombo no Orçamento de 2016 é de cerca de R$ 130 bilhões em relação ao estimado em abril, quando foi encaminhado ao Congresso o projeto da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

Diante da piora das perspectivas para a economia, o governo reduziu em R$ 60 bilhões sua estimativa de receitas, afirmou o parlamentar. Por outro lado, as despesas obrigatórias, que incluem gastos da Previdência e a folha de servidores, sofreram uma elevação de cerca de R$ 80 bilhões.

Para cobrir o buraco, que já foi amenizado por uma revisão das despesas não obrigatórias, uma das alternativas é a recriação da CPMF, que renderia R$ 60 bilhões aos cofres da União, segundo o parlamentar —Estados e municípios ficariam com uma fatia adicional.

Segundo o jornalista Kennedy Alencar, diante repercussão negativa sobre a eventual volta da CPMF, o Palácio do Planalto analisa uma sugestão: propor a criação da nova CPMF por um período de apenas um ano.

Ou seja, carimbar o envio de uma PEC (Proposta de Emenda Constitucional) ao Congresso como uma medida emergencial. Assumir que é mesmo para realizar a travessia econômica em 2016, fechando as contas públicas.

Notou as provocações?

Quem gerou políticas para gerar a queda de crescimento do PIB foi o PT, não o povo. Mas ali eles querem transferir a conta de suas políticas criminosas para o povo. Primeira afronta.

Em seguida, cinicamente apresentam contas de calculadora, apenas para explicar: “nos dê o dinheiro, pela forma de mais impostos”. Segunda afronta.

Para finalizar, não apresentam nenhuma proposta de redução de gastos com ministérios. Isto ao mesmo tempo em que estão querendo meter a mão no seu bolso. Observe que redução de ministérios é uma coisa. O que estamos exigindo, por outro lado, é redução de ministérios, e, principalmente, redução de gastos com ministérios. Hoje o governo gasta meio trilhão por ano com ministérios. Se o rombo será de R$ 130 milhões, bastaria reduzir o custo pela metade que ainda teríamos um superávit. Mas o PT não fará esta redução, pois só está no poder para permitir que eles e seus apoiadores possam mamar em tetas estatais. Terceira afronta.

Não classificarei como quarta afronta algo que não está na notícia, mas vale mencionar. Recentemente, Dilma propôs reduzir 1% de seus cargos comissionados. Mas qualquer proposta de redução de cargos comissionados (ou seja, que entram lá sem concurso, geralmente para não fazer nada) de menos de 70% é cuspe na cara do povo.

Aliás, um dos principais jornalistas do PT, Kennedy Alencar, disse que o partido analisa a sugestão de criar a nova CPMF por um período de apenas um ano. Ora, então porque não reduzir em 50% os gastos com ministérios “por um período de apenas um ano”?

É isto aí. Estamos lidando com um partido que não só adota um discurso psicopático, como também sádico. A coisa simplesmente já ultrapassou todos os limites aceitáveis. O PT é definitivamente um partido antissocial.

Anúncios

6 COMMENTS

  1. Faço apenas uma observação: pt não é um partido é uma organização criminosa sem projeto político, apenas almeja a manutenção de um poder totalitário para atender interesses próprios.

    Fabi

  2. ” Qualquer governante que tiver que suceder o PT, terá que fazer um curso de arqueologia, porque será obrigado a trabalhar no meio de ruínas “, declaração do vice-prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo.

Deixe uma resposta