Golpe do PT para proibir financiamento privado cai na Câmara

8
120

cunha

Segundo a Folha, o veto do Senado ao financiamento privado de campanhas caiu na Câmara. Veja:

O plenário da Câmara dos Deputados derrubou na noite desta quarta-feira (9) decisão do Senado que vedava o financiamento privado das campanhas políticas.

Com isso, a tendência é a da manutenção da possibilidade de as empresas doarem recursos para os partidos políticos, que ficarão com a tarefa de repassar os valores aos candidatos.

Tanto a Câmara quanto o Senado analisam nos últimos meses propostas de reforma política e eleitoral, com modificações na Constituição e nas leis ordinárias.

O que a Câmara está analisando na noite desta quarta é a parte da reforma que não precisa de alteração na Constituição. Essa ponto da reforma já havia sido aprovado pela Câmara, foi modificado posteriormente pelo Senado e, agora, volta para a palavra final dos deputados.

Após a conclusão, o projeto segue para a sanção ou veto da presidente Dilma Rousseff. Na noite desta quarta, estavam sendo votadas emendas ao texto.

Partidos de esquerda que defendem o financiamento exclusivamente público de campanha tentaram manter a decisão do Senado, mas a emenda encampada por eles foi derrotada por 285 votos a 180.

Apenas PT, PSB, PDT, PC do B, PPS, PV e PSOL votaram contra o financiamento privado. PMDB, PSDB, DEM, PSDB, PR, PTB, PP e demais partidos votaram a favor.

“Essa é uma medida moralizadora, meu voto é sim [à decisão do Senado]”, discursou o líder do governo na Câmara, José Guimarães (PT-CE). “Tirar o financiamento das empresas é estimular o caixa dois”, rebateu o deputado Marcus Pestana (MG), que falou em nome da bancada do PSDB.

Ótimo.

Só um detalhe: o que acontece com os deputados não bolivarianos que não conseguem sair da infância política na hora de defender suas ideias?

Marcus Pestana, por exemplo, disse que “tirar o financiamento das empresas é estimular o caixa dois”. Isso é igual falar “gugu dadá” na hora de usar a linguagem política.

Vejamos como Marcus Pestana poderia falar:

  • Financiamento exclusivamente público de campanha é golpe.
  • Financiamento privado de campanha existe em todos os países civilizados.
  • Depois dos escândalos, nenhuma empresa quer doar mais para o PT.
  • Em parte por isso, o PT quer tirar as doações dos outros partidos, mesmo tendo usufruído dessas doações em quatro eleições presidenciais. Isso é golpe puro. Além de um cinismo monstruoso. Esses políticos do PT e de suas linhas auxiliares deviam usar óleo de peroba, pois a cara de pau dessa gente superou todos os limites.
  • O PT quer se eternizar no poder por decidir como o dinheiro estatal (disfarçado de publicidade institucional, além verbas estatais para artistas e mídia) vai ser direcionado, e para isso quer conhecer antecipadamente o que cada partido vai receber em uma forma nojenta de financiamento exclusivamente público de campanha.
  • O que devemos propor é o inverso: eliminar as formas do PT usar verba estatal de anúncios, de fazer publicidade partidária disfarçada de publicidade institucional e de usar o dinheiro público para se eternizar no poder, como ocorre em nações não civilizadas, de quem essa escória é aliada.
  • Dinheiro público tem que estar no bolso no povo, não no bolso de políticos. Financiamento de campanha tem que ser privado.

Como o assunto não é daqueles mais populares, os frames podem ser desenhados para falar uma linguagem mais complexa, como acima. O que importa é deixar claro para os formadores de opinião e para classe política: votar junto com o PT em questões de financiamento de campanha é um golpe dos mais perversos possíveis. Ou seja, não é nada de “evitar caixa dois” (o que é uma preocupação interessante, mas nem de longe é o risco maior diante da proposta petista), mas proteger o Brasil da barbárie.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. sou a favor do financiamento privado de pessoas fisicas, com restricao de valores.
    no Brasil as campanhas funcionam como uma enorme lavagem de dinheiro, e por isso, carissimas.
    todas funcionam de forma ilegal.
    todas as empresas atuantes acabam por receber muito mais do que declaram, lesando o pais.
    isso eh generalizado.
    para coibir isso ainda nao foram encontrados meios praticos.
    o cenario vai se configurando.
    o PT realmente nao deve mais receber financiamento, ainda mais depois das eleicoes municipais do ano que vem.
    nas proximas majoritarias, o partido vai encolher ao nivel de um nanico desacreditado, sem o menor protagonismo.
    se Dilma sofrer o impeachment, esse processo serah ainda mais rapido.

    • Torreal,

      Qual o argumento para liberar financiamento de pessoas físicas e não de pessoas jurídicas?

      Por que se prioriza falar em limitação de financiamento privado e não financiamento PÚBLICO? (até porque ninguém está tirando dinheiro meu para financiar uma campanha, mas se for financiamento público, está)

      Por que não há limites para publicidade institucional?

      Por que não há limites para verbas estatais de anúncios?

      Por que não encerramos a Lei Rouanet (que virou compra de apoio político de artistas)?

      O problema moral está em discutir o financiamento privado (seja de empresas, ou pessoas físicas, tanto faz) e deixar a torneira do financiamento público aberta para o PT.

      Toda a questão se resume nisso.

      Abs,

      LH

      • Sou contra o financiamento publico de campanhas e partidos e se explicar para o povo que quem financia políticos e partidos é ele acho que também serão contra. Certeza nisso.
        Não quero dinheiro que é meu e de familiares todos trabalhadores e com vida sofrida financie politicos que nos quer mortos.

  2. Eu assisti uma reportagem sobre segurança residencial em que um consultor israelense explica que não há sistema de segurança eficaz quando quem opera ele é corrupto. Simples. É o mesmo que colocar o ladrão armado com todas as senhas de acesso para dentro de casa.

    O argumento do PT de que uma empresa que doa dinheiro para um partido político quer algo em troca não é diferente de eu querer algo em troca do governo quando pago impostos principalmente se for para financiar campanha eleitoral. O governo PTista é corrupto e continuará sendo com ou sem dinheiro da iniciativa privada.

    • Dizer que “O argumento do PT de que uma empresa que doa dinheiro para um partido político quer algo em troca não é diferente de eu querer algo em troca do governo quando pago impostos principalmente”. Não é nem de longe a mesma coisa!O problema é que o brasileiro pensa que seus impostos pertencem aos “dotôs”,e podem fazer o q bem quiser com eles!NÃO! eles se comprometeram na pratica a serem os gestores, eles são os empregados e nós os empregadores! Enquanto essa mentalidade vira-lata não mudar … Já as OAS da vida dão dinheiro para os petralhas por ideologia??? ora faça-me o favor! Vamos acordar!O problema brasileiro,quiça do mundo é viver literalmente nessa hipocrisia plantada e repetir as mesmas incoerências,gente,lé não tá batendo c/ cré e há muito tempo!

      • Cristina

        O mau uso dos impostos não vai terminar com o fim ou a continuação do financiamento privado de campanhas. O que se tenta evitar neste momento é que o PT se perpetue no poder por meio da implantação de um regime totalitário esquerdista separando ainda mais a população daqueles que como você mesmo menciona, deveriam agir como nossos representantes e não como donos do nosso dinheiro.

        Você está correta para longo prazo. Também é um desejo meu e de muitos que nossos representantes agissem como tais sem virar as costas para a população e com uma mínima capacidade e honestidade na gestão dos recursos públicos. Mas até o primeiro representante começar a trabalhar como um deputado sueco, isso aqui já virou uma Cuba ou uma Coréia do Norte. Precisamos de ações de médio e curto prazo. Não é só o problema do destino das verbas estatais. Temos hoje um projeto totalitário em andamento onde os psicopatas que estão no poder se convenceram de que isso é o melhor para a população (e muito melhor para eles).

        Se você não der pelo menos o benefício da dúvida a favor de quem faz doações e usar isso como critério para tornar a própria ilegal porque uma vez que o sujeito é um grande capitalista então ele necessariamente tem uma intenção sórdida; você acaba por retroalimentar o discurso PTista. Quando eu digo o que eu quero em troca, eu não me referi ao que era. Mas por mais nobre ou altruísta que fosse seria hipocrisia dizer que não seria para o meu benefício também. Quando eu digo que eu quero algo em troca, é da relação comum entre pagar e levar o produto, investir e receber dividendos, pagar impostos e ter benefícios e por aí vai.

        Abraços

Deixe uma resposta