Por que Rodrigo Constantino está errado em descartar a direita cética?

50
275

bolivarianismo

Embora admirador dos textos de Rodrigo Constantino, e fã de carteirinha de seu livro “A Esquerda Caviar”, sou obrigado a discordar de seu mais recente texto, “A crise é algo deliberado por parte da esquerda revolucionária golpista?”, do qual comentarei alguns pontos.

Alguns leitores meus começaram a alegar que faço parte do time dos ingênuos que ainda não compreendeu que toda essa crise era prevista e faz parte de uma estratégia da esquerda revolucionária golpista. Ou seja, não seria resultado de incompetência, e sim parte dos planos diabólicos dessa esquerda global para a sua perpetuação no poder e a destruição da civilização ocidental.

Como sou defensor da tese de que a crise causada pela esquerda é intencional (e isso é ainda mais verdadeiro no caso da extrema esquerda), obviamente tenho que aparar algumas arestas.

Em relação à “destruição da civilização ocidental”, este não é um ponto em que, em particular, me apegue tanto. Na verdade, eu chamaria de “conquista de sociedades pertencentes à civilização ocidental”. Isto mostra que os céticos diante das alegações esquerdistas compreendem uma visão mais abrangente daquela proposta por Constantino.

Essa ala da direita adora teorias conspiratórias, enxerga comunista em todo lugar e adota o pensamento dialético, mesma arma usada ironicamente pela esquerda que combate.

Para início de conversa, em muitos casos não existe isso de “teorias conspiratórias”. Acabei de publicar um texto mostrando Miguel do Rosário, um dos principais formadores de opinião do PT, confessando toda a estratégia gramsciana. Pegar as frases de Miguel, assim como de outros formadores de opinião, exibindo-as ao público, não é “teoria da conspiração”, mas um apontamento de fatos. Qualquer análise racional depende da observação dos fatos.

Ademais, se a extrema esquerda lança conspirações a partir do nada (como Sibá Machado fez recentemente ao dizer que a CIA estava por trás dos manifestos), isto não significa que denunciar o PT a partir de exposição de fatos seria usar de “teorias da conspiração” sem o menor fundamento.

Constantino também parece criticar o pensamento dialético, mas não há nada de errado com isso. Ele é de direita, e liberal, e eu sou de direita, também liberal, e meu texto expõe, dialeticamente, inconsistências em sua visão de como combater a esquerda. Aliás, a direita precisa ampliar o pensamento dialético.

O raciocínio dialético é útil pois pode estar sempre certo, vale em todas as ocasiões. Se a esquerda golpista governa numa fase de bonança, distribuindo esmolas estatais e crédito farto, então isso é parte de sua estratégia de poder; se a economia vira, a crise se instaura e caímos na estagflação, tudo também é parte da mesma estratégia de poder. Cara eu ganho, coroa você perde.

Esta é outra visão simplória de como funciona uma perspectiva cética sobre o esquerdismo (que é como chamo minha visão menos benevolente da esquerda), junto ao pensamento dialético.

É um fato que o aparelhamento estatal, bem como o uso demagogo do assistencialismo, são parte do projeto de poder esquerdista. Porém, a crise é prevista para sistemas deste tipo, e os esquerdistas seguem ganhando, pois o objetivo principal é… o poder. E para chegarmos à essa conclusão, basta olharmos os fatos, que comentaremos ao longo desta análise.

Torna-se impossível refutar um raciocínio dialético desses, pois qualquer coisa que ocorra faz parte dos planos maquiavélicos do inimigo. Se ele vai para um lado, isso prova que ele pertence àquele lado; mas se ele vai para o outro, isso apenas prova que ele usa essa falsa migração para fortalecer aquele primeiro lado. A tal esquerda globalizante está por toda parte, e tudo foi milimetricamente ensaiado por ela na dança do poder.

Nesta semana, assisti a série Narcos, mostrando como organizações criminosas se alinham por vários estados e até por vários países. Isto há mais de duas décadas. Ver a combinação de esforços criminosos em escala continental ou global não deveria causar espanto.

O que importa, ao contrário do que diz Constantino, é observar se os passos dados estão alinhados ou não com resultados que, se conquistados, beneficiem principalmente a aquisição de poder para um grupo específico. É assim que a polícia investiga cartéis de traficantes. Por que usar tal perspectiva seria inconveniente para nós?

Constantino está errado ao dizer que “torna-se impossível refutar um raciocínio dialético desses”. Na verdade, bastaria considerar a tese central (a de que o esquerdismo é focado somente na obtenção de poder, e de que a extrema esquerda almeja o poder totalitário), e daí buscar ações que a prejudiquem neste ideal. Estas ações seriam falseamentos da tese de que o esquerdismo é focado em busca de poder e nada mais.

Entra nessa visão de mundo o papel do PSDB, por exemplo, que seria apenas um instrumento na estratégia das tesouras da mesma esquerda global, talvez com George Soros dando as cartas lá de cima. O tucanato deixa de ser pusilânime, uma “oposição” acovardada por ter algum grau de simpatia pela trajetória petista e por ser também de esquerda, e passa a ser conivente propositalmente com os planos da esquerda global. Se alguns tucanos intensificarem o tom e a reação ao PT, não adianta: tudo foi ensaiado antes e é parte da conspiração.

Podemos notar que Rodrigo comete algumas generalizações. Ainda que existam pessoas que usam o argumento de que o PSDB é apenas um instrumento na estratégia das tesouras, há outros na direita cética que discordam dessa visão.

Eu mesmo defendo a ideia de que o PSDB, se for pressionado adequadamente, vem para o nosso lado. Alguns dizem que “já está tudo combinado” com o PT. Há indícios de que se PT e PSDB estão alinhados em relação ao esquerdismo, também não estão coordenados no nível que os direitistas mais fatalistas afirmam.

Mas observem bem: renegar a tese de que PSDB e PT estão combinados (e que, portanto, não adianta pressionar o PSDB, o que é absurdo) não significa apoiar a tese mais absurda ainda, que é a de que o PT é um “coitadinho enganado”, que “tentou acertar economicamente, mas errou”.

Teorias conspiratórias seduzem pelo simplismo com o qual “explicam” o mundo complexo. Tudo se encaixa nesse modelo binário, maniqueísta, e toda a complexidade do mundo é deixada de lado.

É exatamente por isso que todo o debate tático deveria se amparar em exemplos e fatos. Eu me sinto extremamente confortável em debater a favor da tese de que o esquerdismo bolivariano, por exemplo, é só focado na manutenção de poder, sabendo que com parte deste processo irá danificar nossa economia. Para contrapor esta tese, Constantino deveria abordar uma perspectiva igualmente racional, apresentando fatos em fator da tese de que “esquerdistas são coitados enganados”, ao invés de criar uma visão simplista do que é uma direita cética.

Sigamos:

Vejam bem: acredito numa esquerda global, mas que seria muito menos organizada do que essa ala da direita imagina. Sei da existência do Foro de São Paulo, que simboliza mais essa união de bolivarianos latino-americanos do que efetivamente um palco de decisões golpistas arquitetadas às escuras. Similis símili gaudet: os semelhantes regozijam-se entre si. A escória é atraída pela escória. Irã se junta a Putin que se une aos caudilhos bolivarianos. O mundo sempre foi assim.

Eu quase concordaria com este parágrafo. Porém, assusta a rapidez com que Constantino retirou as “decisões golpistas arquitetadas às escuras” do rol de hipóteses sob estudo. Será que o envio de verba à ditadura cubana para pagamento de escravos foi um acidente? Será que os empréstimos do BNDES a várias tiranias não passam de coincidências? Se abraçar a tese dos “acordos ocultos” sem provas é enganoso, igualmente o é ignorar vários fatos do mundo que só poderiam ter ocorrido por causa de acordos golpistas.

[…] a crise, se pode por um lado ser usada pela própria esquerda para avançar mais sobre nossas liberdades, também pode representar um enorme risco no projeto de permanência no poder dessa esquerda. Que, aliás, não custa lembrar, é formada por indivíduos com seus próprios interesses, muitas vezes conflitantes. Vide as delações premiadas de membros da quadrilha.

As delações premiadas de membros da quadrilha encontram seu par nas delações premiadas de mafiosos. E nem por isso olhamos os mafiosos como pessoas de boas intenções, e que apenas não conseguiram criar o mundo ideal.

Outro erro é dizer que a crise pode “representar um enorme risco no projeto de permanência no poder dessa esquerda”. Nada mais falso, uma vez que a base de conhecimento que adquirimos ao assistir os casos da Venezuela e da Argentina mostram que a crise é quase irrelevante desde que o governo consiga censurar a mídia. Alias, aproveito para lembrar que o candidato de Cristina Kirchner é o favorito para as eleições deste ano.

Como será que Constantino explicaria que quase todos esses governos bolivarianos censuram a mídia? Será que é mais um engano que cometem? Ou será que há um objetivo neste tipo de comportamento? Por que criar uma mídia que transfira os problemas do país para a CIA? Não seria porque a censura de mídia é parte de um projeto no qual os donos de poder socialistas sabem que terão que esmagar as economias de seus países, a partir de saqueamentos estatais (pelo qual comprarão apoio, como fazia Pablo Escobar na Colômbia) e afugentamento de investidores? E como este é um resultado inexorável, eles dependem da censura de mídia para seguir no poder. É exatamente por isso que o PT tinha como projeto central censurar a mídia no início do segundo mandato de Dilma. Quando Eduardo Cunha brecou este processo, o PT entrou em pânico, pois aquilo que sustentaria o partido no poder (a censura de mídia) saiu do radar.

Para um direitista cético, como eu, isto tudo é um resultado óbvio e esperado. Mas quem quiser entender a esquerda sul-americana como uma legião de “coitadinhos enganados”, vai se surpreender. Em minha defesa, digo que é uma vantagem ver os fatos da política sempre com a expressão “por que não estou surpreso?”.

Logo, a crise ameaça o projeto de poder desses esquerdistas, e serve como oportunidade para movimentos de oposição. O próprio crescimento da nova direita brasileira é prova disso. Seria tudo orquestrado pela esquerda global? Sério? Quem estaria por trás disso tudo então? Pois se Dirceu, Lula e companhia têm alguma representatividade na célula brasileira, fica claro que não estão felizes com os acontecimentos. Lula anda desesperado, com medo de ser preso, e Dirceu já está no xilindró. Quem, então, usaria até esses líderes da esquerda nacional como simples peões sacrificáveis para seus grandiosos e ultra-secretos projetos?

É um tanto diferente: Lula e Dirceu só não estão felizes por que o PT não conseguiu censurar a mídia. É a pressão popular que levou Dirceu em cana. É a mesma pressão popular que pode levar Lula a ver o sol nascer quadrado. Ambos estariam vivendo como sultões se o PMDB não tivesse se tornado uma prostituta rebelde. O PMDB, no fim das contas, é a pedra no caminho do PT, que não existiu no caminho de Maduro, Correa, Morales e Kirchner.

Não é apenas a crise que ameaça o projeto do poder do PT. É a crise em um ambiente de liberdade de imprensa (ou ao menos de uma imprensa não toda controlada, e nem controlada de forma oficial, com uma Ley de Medios, por exemplo). Caso contrário, a crise não seria um problema para o PT. Seria um problema a ser tratado pelos órgãos de mídia censurados. Eles ganhariam muito bem para isso. E usariam boas técnicas de spin para revolver o problema. Simples assim.

Não, meus caros, a crise não era desejada pela esquerda revolucionária golpista. Ela pode, ao contrário, sepultar seu projeto ambicioso de poder. Ela pode colocar seus líderes atrás das grades. Ela pode destruir o PT, sem que isso represente crescimento expressivo para o PSOL, sua “linha auxiliar”. Ela tem permitido o avanço de um Ronaldo Caiado da vida, com discurso mais liberal. Ela tem impulsionado vários movimentos liberais e conservadores, para o pânico da esquerda. E isso tudo seria algo deliberado, parte esperada de um plano mirabolante qualquer?

A questão é diferente. Não é que a crise é “desejada pela esquerda bolivariana”. Ela é apenas um passo necessário em um projeto baseado em saqueamento estatal e controle do fluxo de informações em prol do único objetivo: conquistar e manter poder.

Certa vez eu tive uma infecção abaixo da unha do pé, após tê-la quebrado em um jogo de futebol. Tive que extrair a unha. Para isso, tive que tomar uma injeção de anestesia debaixo da unha. É isso que você leu: debaixo de unha. A dor é horripilante, mas dura alguns segundos apenas. Mas eu tinha que fazer. Será que podemos dizer que eu “ambicionava tomar injeção debaixo da unha”? Não. Mas eu sabia que tomar esta injeção é um passo necessário para que o médico pudesse fazer a cirurgia de extração de toda a unha. Da mesma maneira, os bolivarianos provavelmente não adorem ver a economia se esfarelar, mas eles sabem que terão que fazê-lo em um continente pobre (ou seja, é diferente de implementar o socialismo na Suécia, por exemplo), pois se o saqueamento estatal e o ataque aos investidores não conquistarão o poder, que é o objetivo central. Logo, assim como eu tive intenção de tomar anestesia debaixo da unha antes de uma cirurgia, os líderes bolivarianos tem a intenção de esmagar economias para que consigam sustentar seu projeto de poder.

Ademais, o  impulso de vários movimentos liberais e conservadores é causado unicamente por que o PT cometeu equívocos em seu projeto de poder, caso contrário estaríamos vivendo como venezuelanos.

O PSOL tem plenas condições de se dar bem e crescer muito se não ficarmos vigilantes, pois, ao menos na visão da direita cética, sabemos como serão os próximos passos que tentarão.

Hoje mesmo há uma reportagem no GLOBO questionando qual o futuro do PT, e mostrando que o partido deve minguar, perder capilaridade e sair bem menor das próximas eleições.

Isto vai depender de nossa competência em jogar o jogo político, assim como de nosso potencial de predição e reação às táticas da extrema esquerda. Se os continuarmos visualizando como “coitados enganados”, nos daremos mal. Se visualizarmos os possíveis sucessores do PT como parte de um esquema bolivariano, não teremos surpresa alguma ao reparar os próximos projetos de lei que apresentarem e, com isso, estaremos muito mais preparados para reagir.

Podem acreditar: não era isso que os petistas queriam, tampouco a esquerda em geral, mesmo a “globalista”. A turma é golpista sim, mas é também incompetente, e seus equívocos ideológicos, assim como sua obstinação asinina, causaram esse caos econômico que coloca em xeque sua permanência no poder. Seu único projeto era ficar no poder, e a crise pode destruir esse sonho.

Aqui quase concordamos. Mas o fato do PT ter sido incompetente em uma fase do projeto não muda o fato de que o projeto existe. E vai continuar existindo após a derrubada do PT. Mas não será a crise que destruirá o sonho de poder petista. É unicamente o fato do partido não ter conseguido implantar o totalitarismo e censurado a todos nós.

Portanto, menos simplismo na análise, menos teoria conspiratória, e menos dialética que serve para justificar tudo como parte de uma engrenagem maior voltada justamente para seus objetivos finais. A realidade é mais complexa, e também mais prosaica muitas vezes. A crise não foi produzida de propósito por revolucionários golpistas numa sala no Palácio da Injustiça; ela é resultado de muita roubalheira, de muita incompetência, e será a pá de cal do projeto totalitário petista.

Se a crise é resultado de “muita incompetência”, o que explica a vida maravilhosa que vivem Nicolas Maduro e Cristina Kirchner, assim como seus sicários? Eles foram “incompetentes”? Não é a crise que impacta o projeto de poder do PT. A crise é parte deste projeto. Mas a crise só pode ser utilizada como forma de um governo socialista manter e ampliar a servidão se a mídia estiver censurada. Uma dica de leitura é The Dictator’s Learning Curve: Inside the Global Battle for Democracy, de William J. Dobson.

Sei que muitos dessa ala da direita são seguidores de Olavo de Carvalho, e esse tipo de mentalidade sempre foi uma das maiores críticas que fazia (e faço) ao filósofo. Continuo com meu projeto de união da direita toda (e de parte da esquerda civilizada também) contra um inimigo maior, e essa estratégia está simbolizada na minha campanha do Panaceia, meu primeiro livro de ficção em que há essa união tática contra o inimigo maior. Mas não posso deixar de expressar o que penso sobre o assunto, até porque julgo que essa teoria conspiratória em nada ajuda na luta contra o PT.

Para finalizar, aqui vai uma síntese.

Existe uma ala da direita que usa o discurso “está tudo dominado”. Preocupam-se tanto com questões globais, que esquecem a luta atual. Todavia, este grupo está certo em um ponto: saber que o esquerdismo é um embuste, que não dá a mínima para a economia e sim para a tomada de poder. Infelizmente, muitos discursos fatalistas e até escatológicos que eles ouvem os levam ao desespero, inabilitando muitos deles para o efetivo combate político. Se o texto de Constantino fosse focado neste tipo de comportamento derrotista, eu o apoiaria integralmente. Já escrevi muito sobre este tipo de comportamento. (Em tempo, eu não diria que o pensamento de Olavo de Carvalho leva ao derrotismo. Eu mesmo tenho Olavo como uma de minhas influências e não descambei para uma escatologia de direita. Podemos dizer que alguns de seus leitores, por outro lado, podem descambar para o direitismo derrotista, mas somente por fazerem uma leitura mais apressada e pouco crítica do material de Olavo).

O problema é quando Constantino mistura as coisas e passa a criticar a noção de que os esquerdistas causam a crise intencionalmente como parte de seu projeto de projeto. É a simples recusa em aceitar a má intenção esquerdista, passando a apostar em boas intenções “que não deram certo”. Esta via de pensamento desenvolve, de maneira subconscientemente, vários sentimentos de compaixão diante dos “coitadinhos enganados” da esquerda. Muitos escrevem textos dizendo que eles “erraram”. Mas aí quando vemos as fotos dos ditadores da Venezuela, da Argentina, do Equador e da Bolívia, eles não nos parecem tão incomodados com seus “erros”. Estão sorridentes até demais.

De modo mais simples, o que vemos aqui é a contraposição de uma direita derrotista com uma direita benevolente. A primeira entende que tudo ocorre em escalas globais, com tal nível de organização que daí só resta a conclusão de que o “futuro já está escrito”. A consequência adversa é o derrotismo, e uma sucessão de erros na execução de táticas políticas. A segunda entende que os esquerdistas são pessoas bem-intencionadas, “mas um tanto atrapalhadas”. A consequência adversa é a benevolência, além de uma absurda incapacidade de previsão sobre os próximos passos da esquerda.

Acho extremamente louvável a intenção de Rodrigo em unificar as direitas atuais com seu novo projeto, para o qual não havia contribuído ainda, mas o farei imediatamente. Entretanto, a partir do momento em que os direitistas estejam unidos, que seja mais fácil direcionarmos a crítica à ilusão de que os esquerdistas “se equivocaram na condução de sua economias”, mas sim adotarmos a tese mais do que comprovada e amparada pelos fatos de que tudo se baseia em projetos de poder (e controle da mídia, do estado, e da livre expressão), sabendo que com isso destruirão economias intencionalmente.

Enfim, concordo com alguns pontos da abordagem de Constantino, e discordo de tantos outros. Estas contradições de discursos de direita é algo que devemos fazer cada vez mais. É assim que a esquerda se estruturou tão bem para seus projetos totalitários. E é assim que uma direita pode reverter este tipo de processo.

Em tempo: por direita cética, defino a direita que não está interessada no que os esquerdistas dizem de si próprios, mas somente em como eles se comportam. Isto levará, inevitavelmente, a uma menor benevolência diante de suas “boas intenções”.

Anúncios

50 COMMENTS

  1. Não li todo o seu texto ainda, mas no meu entendimento, o Bolivarianismo e a New-Left são fenomenos sefarados na essencia e origem, apesar de terem sofrido um fusionismo na america-latina.

    Entendo o bolivarianismo como uma fusão realizada entre os remanecentes e orfãos do muro de Berlin (ou seja, do comunismo classico), somada ao gramscismo em um casamento perfeito com a herença patrimonialista iberica-latino-americana.

    Já a New Left, vejo como um produto da herança do pensamento de esquerda classico com o pós-modernismo de caras como Focaut.

    Apesar de não serem antagonicos, o primeiro modelo tem consequencias mais danosas no ambito politico e economico, e a segunda no cultural e moral. O Segundo não é anti-ocidente como um todo, mas anti-cultura ocidental, e o primeiro anti-ocidente nos moldes classicos. Não vou entrar no mérito de que ao longo-longo prazo, ambos podem convergir para coisas muito parecidas. Mas o ponto central aqui, é que no meu entendimento o Bolivarianismo é um inimigo “mais fácil” de ser vencido, e semi-moribundo, podendo cair como um todo até o fim da década, caso o PT saia do poder, e o cenário externo seja favorável. A New Left está ai para ficar, e ao meu ver será o carro frente de batalha da esquerda durante todo o século 21, assim como o marxismo foi no século 20.

    Apesar do fusionismo, o bolivarianismo pode cair, e a new left não tão cedo. No meu entendimento, a america-latina está simplesmente atrasada na história, vivendo uma guerra fria 2.0. Não sei se você concorda.

  2. RC, vive falando da doutrinação Marxista nas escolas e universidades, mas se nega a ver que isso faz parte do plano mãe, ou ele acha que esses professores se tornaram comunistas por acaso ?

  3. realmente, pouca coisa eh planejada efetivamente.
    os governos carecem exatamente disso, o maior problema eh a falta de planejamento.
    Dilma comete escorregao em cima de escorregao, e por isso tem sido derrotada sistematicamente.
    para mim parece obvio que todo politico busca basicamente o poder.
    alguns querem perverter o sistema democratico, outros se contentam em se aproveitar dele.
    dificil crer em teorias da conspiracao irreais, como uma esquerda global coordenada com o objetivo de estabelecer um poder total. quebrar o mundo nao melhora as coisas para a esquerda e nem para a direita.
    tanto vemos que a coisa toda nao eh assim planejada que podemos perceber o desespero de varios politicos diante da crise economica, que eh o principal fator de rejeicao ao PT.
    a crise economica eh a unica coisa que poe em risco o PT.
    sem ela, a oposicao nao teria poder para frear o projeto de poder do PT.
    sem a crise, corrupcao nao tem o mesmo impacto.
    penso que o PT nao queria a crise. sem a crise seria mais facil se manter no poder mesmo com a corrupcao.
    com a crise eh que o projeto de poder corre o risco.

  4. Excelente artigo, e o anterior também. Concordo com suas colocações, mas do que com as do Rodrigo Constantino. Não precisa nem ser um estudioso do assunto, tampouco entender de economia, para vislumbrar a má-fé dessa gente na condução da política econômica do país.
    Parabéns pelo site. Só conheci este ano mas já se tornou imprescindível as visitas diárias.

  5. Temos que levar em conta que o trabalho globalista de esquerda, mesmo na Russia e em outros lugares não se deu da noite para o dia. O plano nefasto, para ser concretizado pela mão opressora, invisível e desestruturadora, leva em consideração cada sociedade e suas peculiaridades, onde são estudadas cientificamente para ser operadas sem mesmo ficar sabendo, como o caso dos países na AL. No Brasil, há muito, o comunismo de todas as correntes sempre foi forte e manifesto, com propaganda maciça (didática) de grandezas épicas, e já vai várias gerações nadando de braçadas em veneno. Se foi reprimido no passado, hoje, escancarado é motivo de status social representa-lo, como se fosse a melhor coisa do mundo. Falar do que são capazes, é desnecessário.
    Deve haver alguma explicação para esse desconforto manifestado pelo colunista, exposto a sensibilidade dos acontecimentos. Tanto quando, nega a possibilidade de tentáculos gigantescos reger com maestria o sufocamento das sociedades inteiras na escravidão( drogas, material bélico, guerra, prostituição, ateísmo etc), como quando direciona o dedo em relação a Olavo de Carvalho. Talvez devido a falta de independência, por estar ele subordinado a uma revista ou querer ser original na invenção de uma formula direciona o nariz em favor do vento que melhor convir, indiferente a iminente catástrofe. Como no filme TItanic, onde a orquestra não para de tocar. (Realmente) tudo, é uma questão de classe.
    Qualquer tentativa de se impor sob o pensamento, os estudos, a sabedoria, a bondade de Olavo de Carvalho é burrice latente.
    Ter um projeto para unir a direita e esquerda não é novo, por essa razão parece ser mais estupidez que uma proposta séria de quem realmente tem conhecimento da história. Por muito menos, Luis Carlos Prestes mandou matar Elvira Cupello Calônio. E outra, se essa idealização pueril mentalizada por Constantino fosse proposta para Stalin, ele teria a cabeça arrancada com machado por algum aliado de confiança do Czar Vermelho. Com essa gente não há diálogo de bens intencionados, ainda mais se tratando um cara que apresenta uma confusão mental.

    Rodrigo Cortes.

    • Em tempo, correção:

      onde se lê: …de se impor sob, é: de se impor sobre…..

      e onde está: ..se tratando um cara, é: se tratando de um cara….

      Rodrigo

  6. Luciano Ayan, concordo que deve ser atacado o projeto de controle da mídia e observar os caminhos tomados por todas as ditaduras de esquerda da região que sob os piores resultados econômicos mantém o poder. Vamos acompanhar os debates do Kim kataguiri contra o tiranete Jean Wyllys na Cpi cibernética! Já será uma mostra do futuro da liberdade de debate.

    • Platéia péssima. Por descontrole diante das incontáveis besteiras ditas pelo esquerdopata, interromperam de maneira estúpida e abriram espaço para as costumeiras rotinas de vitimização e populismo que essa turma tira da cartola em momentos assim. Ainda que o Benê tenha se saído tecnicamente muito melhor, sob o prisma estritamente político o resultado não foi assim tão positivo. É preciso que as pessoas deixem o Benê cuidar sozinho de seus debatedores. Ele sabe fazer isso muito bem.

  7. Parabéns pela coerência e ética. Tenho certeza que Rodrigo Constantino lerá com respeito e refletirá.
    Mas, me pergunto porquê essa ênfase no discurso dele. Eu o imaginava mais pragmático.

      • Não Luciano, não estou te questionando, pelo contrario.
        O português nos pregou uma peça.
        Eu questionei o Constantino.
        A um intelectual com a capacidade e a sagacidade dele não é permitido visão tão simplória da nossa realidade.

      • Comentário que enviei ao Constantino:
        Não acrescento nem retiro uma vírgula à resposta que Luciano Ayan te deu caro Constantino. Está no site dele e no Mídia Sem Máscara. Foi ético, ponderado, crítico e, cético.
        Neste ceticismo do Luciano mora, acho eu, o meio termo entre sua, me perdoe mas é verdade, ingênua visão e a, às vezes exagerada mesmo, visão do Olavo.
        Seu texto me lembrou alguns do Kanitz em que ele defende a administração, dizendo que comunismo e capitalismo são a mesma coisa. Coisa de amador, que sei que você, um intelectual altamente capaz, não é.
        Sobre a inocência e incapacidade econômica petista ne diga se isso (http://www.oantagonista.com/posts/a-petrobras-e-de-Dilma) é planejado para agradar donas de casa ou para quebrar a empresa. Eu fico sim, com a segunda opção.

  8. *
    A intenção de um ente dominador é obter privilégios e poder para si. Desde o indivíduo até grandes corporações há projetos relativos de poder. Não podemos é entabular um jogo de perde/ganha.
    A administração pública e privada tem que observar o decoro, a honestidade. Para tanto, a cada passo premeditado ou ocorrência inesperada mudam-se ou ajustam-se os planos. Decorre desses ajustes a idéia de “conspiração”. Estratégias de mercado são aplicadas na política e vice-versa. É um jogo permanente, de atenção, habilidade, agilidade, paciência; envolvendo muitas áreas do conhecimento.
    Tradicionalmente somos um povo passivo, confiando aos políticos nossa subserviência. Diante dessa passividade, eles avançam sem escrúpulos, sejam de direita ou de esquerda. Qualquer extremismo pode ser um passo para o abismo.
    Com tudo o que está acontecendo, o que se pretende? Que cada um coma o pão com o suor do seu rosto!
    Senhor de Engenho ou Senhor da CUT é tudo a mesma porcaria.
    O cidadão comum quer pagar seus impostos e ter o retorno relativo. Se é prometido saúde, educação e segurança, que seja feito. Tenho certeza que ninguém se importaria em pagar salários compatíveis com as funções públicas se fôssemos tratados com dignidade e respeito.
    O governo e o sistema político/eleitoral/econômico que está aí não presta, não resolve. Temos que mudar, aprimorar para o bem estar de todos!
    Parabéns ao debate! Vai ser uma longa jornada.
    *

  9. Muito bom o texto Luciano. Acredito que o Rodrigo Constantino ainda está naquela fase de querer provar que o comunismo é falho e uma péssima alternativa para o capitalismo quando sabemos que sim, o comunismo é falho tanto quanto uma chave de fenda é falha para pintar uma parede. O comunismo é uma ótima tática para tomar o poder e instaurar uma ditadura militar.

    A economia é sem dúvida um dos pilares mais fortes a serem desestabilizados pelos esquerdistas tanto que atacam em duas frentes. Desestabilizando a economia em si por meio de intervenções estatais furadas (mas planejadas) e por meio do domínio das relações trabalhistas (via controle dos sindicatos). Ver inocência ou incompetência nisso não faz o menor sentido.

    A democracia é um obstáculo para o PT? Sim. Já vimos que quando tocamos o trombone mesmo o mais cínico e sórdido PTista treme na base. Mas isso só é verdade enquanto tivermos liberdade de expressão e há um horda de esquerdistas que não se importarão de arrancar isso da gente. Acredito que o maior obstáculo ainda seja o fato de termos no Brasil uma República Pluripartidária consolidada. Essa é que foi a grande diferença entre a Venezuela e a gente. Se não fosse os Caiados, Bolsonaros, Cunhas ou mesmo os PSDBistas quando pressionados a gente já estaria batendo continência para o Lula e depois de postar uma mensagem aqui no blog do Luciano, em 24 horas estaríamos na delegacia para “prestar esclarecimentos”.

  10. O espaço físico Brasil permite teorias globalista sim.
    Geograficamente estratégico, vide a China implantando base na Argentina e entre tantos países, EUA louco para dominar a Amazônia, riquezas em profusão, clima ameno apto portanto a qualquer cultivo, área territorial equivalente aos maiores países do planeta …
    Todos ficariam felicíssimos em botar as mãos neste tesouro.
    Arrisco mais, lula é somente um bundão descartável cooptado para, regiamente pago, trair a pátria em benefício de um ou um aglomerado de países.Talvez a blindagem, tão poderosa, deste governo deva-se a este fato.Para maior justeza não só o lula mas de um modo geral, se assim pode se chamar ladrões, a classe política brasileira.
    Na realidade as mentes “brilhantes” a muito tempo já sabem que sistemas políticos não resolvem nada, o ser humano infelizmente muito burro, em sua esmagadora maioria, necessita ser conduzido e sendo impossível separar o joio do trigo vai tudo de roldão.
    Todos querem se dar bem, sobreviver sorrindo com dinheiro no bolso e saúde perfeita…
    Um país desequilibrado psicológica e economicamente é presa fácil.
    Acredito portanto que toda manipulação que o país vem sofrendo seja intencional e com o intuito final de, não importa a ideologia, ser dominado.
    Temos sérios problemas!

  11. Constantino se esqueceu de Keynes, esquerdista da sociedade Fabiana, que intencionalmente propunha a inflação e dane-se o futuro porque o povão não saberá a causa da crise inflacionária, que os fabianos culparão no “capitalismo”?

    Esqueceu de Marx, que disse: aumente-se gradualmente os impostos até implodir o capitalismo?

    Esqueceu de Barack Obama que prometeu e cumpriu o aumento de impostos para a eletricidade baseada em carvão da qual depende a economia americana?

    Esqueceu da estratégia esquerdista confessa Cloward-Piven: o povo americano se qualifica para usar programas assistenciais mas não os utiliza por orgulho, independência ou ignorância, então vamos propagandear esses programas e convencer todo mundo a se dependurar neles e aumentar o seu escopo até quebrar o Estado, forçando uma crise da qual tiraremos proveito porque seremos hegemônicos na mídia, universidade e cargos eletivos, portanto nós é que proporemos as “soluções”.

    Isso são só crises econômicas, sem contar as crises culturais que a esquerda planejou, como insuflar o conflito de raças (pretos contra brancos) ou a crise matrimonial (destruindo a noção de casamento e de homem e mulher), enfraquecendo os indivíduos perante o movimento esquerdista e o Estado.

    Constantino criou uma falsa alternativa: ou os esquerdistas são incompetentes sem planos, ou são gênios semi-deuses que planejam e controlam cada folha que cai ao vento, calculando seus peidos com hora e data para acontecer. Como eles não são semi-deuses então só podem ser incompetentes sem planos.

    Nem uma coisa nem outra correspondem à realidade. Os esquerdistas fazem planos que às vezes dão certo e outras vezes dão errado, sempre tentando tirar proveito da situação, sem apego a princípios que não aumentar o poder do movimento esquerdista.

    É claro que a esquerda não queria enfrentar uma crise econômica antes de ter o poder total, mas toda crise é uma oportunidade, não apenas para a esquerda, mas para qualquer um. Isso não é “teoria da conspiração” mas filosofia política elementar: as trocas de regime acontecem em momentos de crise e desespero popular somados a um desequilíbrio de poder (os revoltados tem de ter mais poder que o regime, evidentemente, do contrário a crise apenas se prolonga). Como a esquerda não tem fundamento moral nem princípios ela não se importa de tirar proveito de crises ou planejá-las como nos exemplos que dei acima.

    Acontece que o PT não quer largar o osso. O PT no Brasil ficou grande demais, forte demais, mais forte que a esquerda. Para a esquerda resolver a crise seria facílimo: basta sacrificar o PT, Lula, Dilma. Entregar as cabeças, condená-los, exilá-los, destruindo o PT e assumindo o mérito da limpeza. Pronto. O povão imbecil novamente iria confiar na esquerda, os heróis salvadores da pátria que satisfizeram a vontade popular. Mas a própria esquerda está subjugada ao PT, dependendo do governo petista para verbas e cargos. O que é ótimo para nós, pois dessa forma ela se suja e cai e junto com o PT.

  12. Luciano, brilhante!!
    Eu mesmo havia deixado um comentário no texto do Rodrigo sobre o fato que a “Pátria Grande” não é uma teoria conspiratória, mas uma realidade que estamos vivendo e sofrendo na carne!

  13. Luciano, segue a mais nova palavra dos marxistas-humanistas-neoateístas para xingar quem por um acaso faça algo que atrasa o atingimento de suas agendas e dentro daquele lance do ódio ao intermediário: chamar de “palmiteiro” o homem de ancestralidade africana que por um acaso se relaciona ou mesmo se casa com uma mulher branca (ou, considerando-se o grau de miscigenação brasileiro, uma mulher que tenha aparência europeizada) e, consequentemente, de “palmitagem” tal ato. Como sabemos, o termo “palmiteiro” por si só já é bem negativo em seu sentido original, uma vez que falamos de alguém que devasta matas e espécies de palmeiras em busca de um palmito que é acomodado em um vidrinho sem muitas condições de higiene. Também podemos pensar no derrogatório do “palmiteiro” se considerarmos também a metáfora baseada na extração do palmito, em que tiramos diversas cascas da parte superior da palmeira até chegar ao palmito, que é branco. Logo, vamos considerar que esses MHNs discípulos de Louis Farrakhan e Robert Mugabe estão considerando que o homem de ancestralidade africana que por um acaso escolhe uma mulher que não tenha uma aparência básica que seja a dele, e isso porque “aparência de negro” varia muito, como comprovam as evidentes diferenças entre zulus e etíopes da etnia amárica:

    http://buzzsouthafrica.com/wp-content/uploads/2013/07/The-Zulu-Tribe.jpg

    http://i523.photobucket.com/albums/w357/Aizadara/Amhara%20people/8254004047_42b5eca13a_z_zpsfed1f873.jpg

    Pois bem, eis que agora chego aonde quero chegar, que é este depoimento no Face:

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=1624303044497600&set=a.1389668967961010.1073741828.100007537603892&type=1

    Que foi replicado aqui:

    http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/posts/894151703999680

    Sim, meu caro, “coxinha” já ficou démodé, ainda mais depois de neutralizado por “mortadeleiro”. Agora eles olham para a travessa de salada na mesa e desmerecem quem por um acaso segue a normalidade destas bandas tão miscigenadas, normalidade essa tão odiada por MHNs que não notam ser seu ódio à miscigenação uma das muitas parcelas de inocência útil. Veja a página citada pelo Richard Ferreli atacado pelos tais odiadores de “palmiteiros”:

    http://www.facebook.com/Amor-n%C3%A3o-tem-cor-839288806178676/timeline/

    Tenho cá minhas impressões de que possa haver gente com interesse político sustentando uma página que tem mais de 5 mil admiradores e que tanto se dedica ao ódio a relacionamentos entre pessoas com cores de pele e ancestralidades diferentes. Veja estas amostras:

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/839851022789121/?type=1

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/840298246077732/?type=1

    Aliás, também há ódio destilado a mulheres de ancestralidade africana que por um acaso se encantaram com alguém de fenótipo caucasiano:

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/840589332715290/?type=1

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/839729676134589/?type=1

    Sobra também para homossexuais:

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/840229419417948/?type=1

    E também para famosos que formam casais nos quais vemos solidez:

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/839392436168313/?type=1

    Há um evidente cunho feminista na coisa, aqui jogando em cima da “solidão da mulher negra”, que podemos considerar o novo cavalo de batalha de um marxismo-humanismo-neoateísmo que tenta usar a cissiparidade interna para tentar se multiplicar em um momento altamente desfavorável a ele:

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/839889489451941/?type=1

    http://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=839297419511148&id=839288806178676

    Observe-se inclusive que, para esse pessoal, não existe “solidão do homem negro”, apenas evidenciando aqui o cunho do chamado “feminismo negro” na coisa toda:

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839298546177702.1073741828.839288806178676/839372962836927/?type=1

    Observe inclusive que essa página é coisa recente, tendo sido criada no mês em que estamos, como poderá ver pela postagem mais antiga:

    http://www.facebook.com/839288806178676/photos/a.839289112845312.1073741825.839288806178676/839289119511978/?type=1

    Bom, uma parte da análise em relação àquele depoimento do cara é que, em minha opinião, ele acabou acreditando de boa fé, em um momento anterior, que os tais grupos afro-MHNs de fato pensariam nas pessoas de ancestralidade africana, quando na realidade são apenas um instrumento de transformação de pessoas desse grupo social em inocentes úteis que não notam estarem na prática fazendo a tal estratégia gramscista de destruir a sociedade ocidental em seus valores básicos e pôr partes da sociedade contra outras partes da sociedade, aqui inclusive na base de, dentro do grupo de pessoas de ancestralidade africana, trabalhar em cima da porcentagem influenciável dele para que odeie gente de dentro do próprio grupo e acusá-la de traidora por simplesmente fazer escolhas e gere cizânia dentro das próprias famílias, a se considerar que as famílias brasileiras são essencialmente miscigenadas e ser perfeitamente possível alguém de aparência africana ser parente de primeiro grau de alguém com aparência caucasiana e ambos terem e serem parentes de gente com aparência intermediária. Saindo do ambiente familiar, vemos a cizânia ser gerada também nos relacionamentos sociais, ao se instituir a desconfiança de que alguém de ancestralidade africana aproxima-se de alguém de pele clara pela pele e não por outros dos muitos aspectos que qualquer pessoa tem.
    Aliás, poderíamos considerar que olhar uma pessoa baseando-se em raça é uma forma de desumanizá-la e igualá-la a uma criação de animais. E aí a mente poderia ir longe e cairmos em conceitos como “puro de origem” e “puro por cruza”, tal qual vemos em criações bovinas, equinas ou de outros animais:

    http://www.girolando.com.br/imagensSite/cruzamento1.jpg

    http://www.criarcurio.com/uploads/1/3/7/6/13768036/5616709_orig.jpg

    Aliás, já se caiu em coisa muito parecida com isso:

    http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/7d/Nuremberg_laws.jpg

    http://www.yadvashem.org/yv/en/education/educational_materials/adl/images/lesson3_17.jpg

    http://f.tqn.com/y/history1900s/1/L/m/I/1/nuremberglaws.jpg

    Observe-se inclusive que, a exemplo dos MHNs daqui criando “negros” por meio das somas das categorias “preto” e “pardo” do IBGE, na Alemanha muitos cristãos que tinham algum ancestral judeu acabaram sendo considerados judeus com base em tal tipo de lei. Aqui não é lei e sabemos que os MHNs só irão ficar mesmo na base da autodeclaração das pessoas quando se falar de indivíduo e na tal soma marota que inclui mestiços sem ancestralidade africana para engrossar um número que só existe na cabeça dos filhotes de jacobinos, que irão usá-lo para reforçar a conclusão prévia que eles haviam tido e que procuravam alguma forma de fazê-la soar verídica.
    Logo, vamos considerar as tais acusações de “palmitagem” contra brasileiros como extremamente semelhantes à criação de mischlingen em uma Alemanha de socialismo nacional e uma continuação de coisas que já vimos acontecerem contra o Fernando Holiday e, anteriormente, contra Joaquim Barbosa. Ainda considerando no quão desumanizador é dividir pessoas em raças, mesmo que se tenha feito isso sem maldade, temos de lembrar que raça pressupõe outras muitas coisas além da aparência externa, tais como:

    1) Temperamento e inteligência: podemos aqui pensar no quão bravo costuma ser um rottweiler e no quão manso e sociável costuma ser um labrador ou no quão burro é esse mesmo rottweiler em comparação a um border collie. Em seres humanos, como sabemos, temos gente calma e brava em todos os povos, assim como gente burra e inteligente, não sendo essas características mais ou menos marcantes;

    2) Conformação física, incluindo aí tamanho geral, proporções entre partes do corpo e uma figura geral de indivíduos daquela raça. Um dachsund, como sabemos, tem pernas bem mais curtas que um galgo, enquanto um buldogue tem focinho bem mais curto que o desse mesmo galgo, cujas proporções são mais esguias que o rombudo corpo desse buldogue. Como sabemos, em que pese haver algumas características físicas mais comuns em alguns povos, como formato de nariz, tipo de cabelo ou tamanho de pernas, isso é insuficiente para caracterizar a existência de raças em nossa espécie justamente por não haver nem de longe o grau de fixação morfológica que temos em raças;

    3) Genética: raças, como sabemos, são formadas a partir de um fechamento que, a partir de um determinado ponto, é hermético e só passa a ter indivíduos daquele determinado pool genético, de maneira a essas características se tornarem bem fixas e previsíveis. Se cruzamos um pastor alemão com uma fêmea dessa mesma raça, ambos com pedigree, significa podermos esperar que seus filhotes tenham uma conformação mais ou menos previsível e típica daquela raça, além de temperamento e inteligência típicos de pastores alemães, com diferenças ficando mais mesmo na conta das linhagens existentes entre os criadores, mas diferenças essas que não afetam o geral dessa raça. Com certeza não temos isso em seres humanos nem teremos.
    Quem for olhar a África saberá que aquele é o continente de maior diversidade genética na espécie humana, havendo maiores distâncias genéticas entre povos de lá do que haveria entre povos diferentes de outras partes do Velho Mundo justamente por lá ser o lugar de origem de nossa espécie e, como em qualquer espécie, o lugar de origem tender a ter maior variabilidade genética. Logo, há mais diferenças genéticas entre aquele zulu e o amárico do que haveria entre um europeu e um japonês, e isso se considerarmos que externamente possuem aparências diferentes.

    Pelo que vi, o cara em questão acusado de “palmiteiro” já está sendo assessorado por advogados que se comoveram com a situação, aqui usando a via judicial para parar essas pessoas e gerar exemplo a dissuadir outras. Isso acaba servindo também de exemplo para quando vemos MHNs acusarem os outros de “fascistas” ou “nazistas”. Enfim, torço para que Richard Ferreli ferre os afro-MHNs que querem dizer com quem ele pode ou não se relacionar.

    • Sim mas e aí, ele quer o quê? Que o tal do ‘coletivo’ (só esse rótulo idiota já fede a coisa de comunista mas enfim) seja obrigado a aceitar ele? Isso não existe, os caras são sem noção mas não tem que ser obrigados a aceitar ninguém.Daqui a pouco vai ter gente processando os outros porque os outros não querem ser seu amigo, faz sentido isso?
      E inclusive a tal das ‘microagressões’ que as feminazi gringa inventaram agora está bem perto disso.

      • Slaine, a questão aqui é que testemunhamos quase em tempo real alguém se desgramscianizando em definitivo (e aqui considerando que ele estivesse sendo propagador inconsciente de gramscismo, a tal categoria de que sempre falo e que por vezes é mais importante que os marxistas-humanistas-neoateístas em si), pois chegou a fazer parte de páginas que diziam defender pessoas de ancestralidade africana. E testemunhamos também um comportamento de seita mais acentuado dessa militância quem outrora os apoiava de alguma forma, que fica dentro da história marxista cultural de que é necessário destruir a cultura de um país para que se possa dominá-lo.
        Qual é um valor importante de nosso povo? Com certeza a miscigenação, o que sinaliza para o marxismo-humanismo-neoateísmo ser esse um valor que precisam atacar, uma vez que fator valorizado por um povo. Para tal, é usado o braço afro-MHN, que inicialmente começou com expedientes mais insidiosos, como:

        1) “Negro” seria a soma das categorias “preto” e “pardo” do IBGE (mesmo que “pardo” também englobe gente sem qualquer ancestralidade africana e signifique “mestiço”);

        2) Dizer que a mestiçagem brasileira veio do estupro coletivo de negras e índias por brancos europeus, algo que sequer temos como provar e que soa absurdo se considerarmos o baixo número de europeus que vieram para estas bandas enquanto o país era colônia, isso sem falar da complexa relação com as tribos indígenas;

        3) Dizer que “mulato” é filho de mula e “pardo” é filho de pardal;

        4) Falar que branco é privilegiado e não sabe, mesmo que favelado, sem dinheiro no banco e vivendo tudo aquilo que qualquer pobre brasileiro viveria;

        5) Falar do jogador de futebol com uma loira a tiracolo.

        Como sabemos, o gramscismo é gradualista e, como o ambiente atual não mais o favorece, há uma tentativa de dar mais um choque brusco para que haja uma sobrevida (lembremos que movimentos artificiais como os da Escola de Frankfurt precisam do choque pelo choque como forma de ir gerando ondas que repercutem dentro da sociedade). Como não está dando certo, parte-se para uma etapa seguinte e mais radical (mais ou menos como vimos em 2013 e primeiro semestre de 2014, quando os manifestantes comuns foram aterrorizados pelos black blocs, algo que só não foi mais longe porque houve a morte do cinegrafista da Band), em que passa a haver preconceito explícito não em relação à mestiçagem já havida, mas em relação àquela que ainda não houve, além de preconceito contra o mestiço com ancestralidade africana que exercer uma escolha amorosa que não favoreça o avanço da causa MHN.
        Aqui não é muito diferente do que aconteceu nas próprias hostes do socialismo clássico, quando aqueles grupos a quem os líderes diziam acolher de braços abertos, ao terem a validade expirada, passaram a ser descartados por “não serem verdadeiros marxistas”. Aqui entra o tal ódio do MHN pelo intermediário (bissexuais, mestiços, classe média etc.), mas de maneira mais explícita e muito na base do “se colar, colou”. Agora temos esse lance de odiar a miscigenação em potencial, mas com mecânica muito parecida à de outros episódios:

        1) Cunham-se termos que servem para que os militantes de início se identifiquem, mas que se tiverem seu uso amplificado acabam por esconder esses militantes. Nos últimos tempos tivemos o “coxinha” artificialmente transformado, enquanto gíria, de uma denominação paulista para policial militar para abranger todo e qualquer anti-MHN, naquela mecânica de palavra-gatilho que desumaniza instantaneamente alguém e bloqueia qualquer raciocínio e empatia. No caso em questão, usa-se o tal termo “palmitagem” para querer desumanizar quem porventura esteja em relacionamento que prossiga a miscigenação, aqui também fazendo-se a tal analogia ao palmiteiro propriamente dito, que sabemos destruir florestas;

        2) Também começam a querer ideologizar os relacionamentos que na vista do movimento afro-MHN ajudariam a avançar a agenda, passando a chamá-los de “afrocentrados”, mesmo que os casais em questão jamais tenham consentido em qualquer uso do que vivem para propaganda desses caras (vide a tentativa de dizer que Lázaro Ramos e Taís Araújo estariam juntos por “afrocentrismo” em vez do mais óbvio, de ambos terem tido atração mútua e ajudada por terem trabalhado juntos);

        3) Começam a atacar os casais em que um dos componentes tenha fenótipo africanizado e o outro, europeizado (observe que falo de fenótipo, pois no Brasil é perfeitamente possível alguém de aparência africana ter genótipo predominantemente europeu e alguém de aparência europeia ter genótipo predominantemente africano), dizendo que a parte de aparência africanizada estaria traindo a “raça” (e aqui, como já dito, pensar em raça é por si só desumanizador, pelo fato de raça envolver mais do que simplesmente aparência), e aqui indo também contra aqueles que estejam apoiando o movimento afro-MHN, aqui dentro daqueles movimentos de “purificação” tão típicos de movimentos MHNs;

        4) Para incutir culpa nos ingênuos (aqui entendendo-se por propagadores inconscientes de gramscismo) que não notam a manobra artificialíssima por trás e gerar uma conexão com movimentos feministas (e mais especificamente com o chamado “feminismo negro”), criam o conceito da “solidão da mulher negra”, culpando ainda mais os homens de ancestralidade africana por simplesmente terem exercido suas escolhas, passando aí a serem acusados também de “machismo” e outras coisas;

        5) Ainda dentro da articulação com outros movimentos MHNs, também jogam culpa sobre homossexuais que também tenham simplesmente exercido suas escolhas, uma vez que o termo “palmiteiro(a)”, por ser termo artificialíssimo e forçado, pode ser usado em diversos contextos;

        6) Se os afro-MHNs conseguirem espalhar isso pela sociedade, ainda que o ambiente não favoreça, irão por tabela estigmatizar a mestiçagem no Brasil e, em longo prazo, aumentar a possibilidade de pessoas que ao menos na aparência sejam o mais próximo que se possa ter de europeus (AKA opressores) e africanos (AKA oprimidos), em vez de pessoas com aparência intermediária como a imensa maioria dos brasileiros. Seria mais ou menos como o “puro por cruza”, se considerarmos o quanto que o pensamento racialista desumaniza as pessoas.
        Se isso acontecer, também começa uma cisão dentro de nossa sociedade baseada pela combinação da ancestralidade e da aparência das pessoas, algo que pode ser somado à campanha antifamília, que visa minar a família estendida, em que parentes distantes têm algum contato que seja. Poderia acontecer de alguém com aparência altamente africanizada ir contra um parente distante de aparência altamente europeizada, por exemplo.

        7) Se os afro-MHNs não conseguirem isso, esse sendo o cenário mais provável de todos, apenas ganharam mais um cavalo de batalha para irem pegando incautos para engrossarem suas fileiras e de quebra haver a tal briga interna para ver quem é mais oprimido (vide “feministas negras” xingando feministas que não usam o prisma da africanidade), o que favorece ainda mais os beneficiários (aqui entendendo-se daqueles que precisam manter seus funcionais o mais ocupados possível com digladiações internas, de maneira a evitar que comecem a querer seu quinhão na roça).
        Sempre haverá algum miscigenado de mal com um de seus progenitores e sempre haverá um MHN beneficiário querendo capitalizar sobre esse ressentimento e induzindo-o a querer transformar esse ressentimento em regra para a sociedade em geral. Quanto mais um determinado tipo de ressentimento se tornar regra na sociedade, mais fácil para o beneficiário de transformá-lo em um ódio amplo e aproveitável para ir surfando na onda.

        Vamos sempre levar em conta que boa parte dos anti-MHNs do Brasil atual já foram no mínimo propagadores inconscientes de gramscismo, isso se não foram MHNs em algum grau. Eles são perigosos para os MHNs, não só por saber da mecânica de tal movimento em nível teórico como também prático, como o caso daqueles dentro das hostes que do nada foram agredidos por terem feito alguma coisa que não sabiam que o núcleo duro dos MHNs iria condenar (mas que esse núcleo duro não irá falar abertamente justamente por saber que isso espantaria boa parte dos inocentes úteis). Neste caso, temos alguém que apoiava a militância negra em um contexto que me parece de propagação gramscista inconsciente, mas que foi pego no contrapé da mudança de estágio do núcleo duro dessa militância (que agora testa mais abertamente o preconceito contra a mestiçagem e a estigmatização dos relacionamentos que possam gerar mestiçagem). Observe-se aqui a tal mecânica parecida com a dos protestos de 2013, que passaram a ser anti-MHNs e tiveram os anti-MHNs intimidados pelos black blocs na parte prática e pelo epíteto “coxinha” quando o assunto era interação social.
        A tal postagem do cara também foi reproduzida pela página Negros contra o Movimento Negro:

        http://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=1729879543897068&id=1611299849088372

        Ainda na página Aventuras da Justiça Social (que não tem como ser considerada anti-MHN, ainda que alguns movimentos dela sejam bem úteis para combater o MHN), os caras foram bons ao debochar violentamente os tais “antipalmiteiros”:

        http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/photos/a.827394220675429.1073741828.827240997357418/893820760699441/?type=1

        http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/posts/895088837239300

        http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/photos/a.827394220675429.1073741828.827240997357418/895260670555450/?type=1

        http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/posts/895261750555342

        http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/posts/895532317194952

        http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/posts/895563427191841

        http://www.youtube.com/watch?v=aPWfMHAYRNQ

        http://www.facebook.com/AventurasnaJusticaSocial/photos/a.829754243772760.1073741829.827240997357418/895923700489147/?type=1

        Porém, na Negros contra o Movimento Negro (essa claramente anti-MHN e tocada pelo Autêntico), também houve um deboche dos bons contra esse pessoal que odeia quem quer continuar a tradição brasileira, herdada dos portugueses da época das navegações, de se ver enquanto povo não por recortes étnicos:

        http://www.facebook.com/1611299849088372/videos/1730802647138091/

        Enfim, como se pode observar, é daqueles momentos que muito bem pode e já está sendo aproveitado para bater em uma das cabeças da hidra gramscista, podendo aqui inclusive usar a seu favor as batidas que outra cabeça dessa hidra já esteja dando na outra.

    • Slaine, acho que o objetivo dele é pura e simplesmente denunciar a hipocrisia desses movimentos raciais, que se dizem contra o racismo, mas são os verdadeiros racistas.

      Cidadão, por que você não faz um blog, cara? Você vira e mexe aparece com uns artigos enormes (e de alta qualidade) aqui, que dariam reportagem de revista. O trabalho que você tem pra fazer isso, e a utilidade deles faz com que eles mereçam ter maior visibilidade.

  14. Parabéns Luciano, excelente!! De fato, pessoas muito competentes andam falhando na arte da Guerra Política; somos completamente amadores comparados a esses petralhas e não dá pra comemorar vitória antes da hora. Se dormimos no ponto eles viram o jogo num piscar de olhos. Luciano, vc tem previsão de lançar algum livro? Pra quem tá começando no estudo, o que vc indica? Obrigada.

  15. Cara vc ta viajando na maionese.Essa crise foi incompetência do PT sim.O objetivo de todo socialista não é só chegar no poder, mas ter o maior estado possível e agora taí o PT tendo que cortar ministérios.

      • Pois é, é o que o Luciano falou, devido a falta de censura fica impossível esconder da população e com isso a pressão sobre eles só tem aumentado. É só por isso mesmo essas medidas(bem porcas por sinal) para tentar conter a crise e dar uma satisfação à população, além do fato de poderem ganhar tempo para permanecerem e continuarem com o projeto de poder.

      • Ainda não faz muito sentido.Mesmo que o PT estivesse contando com uma mídia controlada, o que seria melhor pra eles?
        a) Uma midia controlada e economia nos trilhos
        b) uma mídia controlada e economia ferrada, tendo que cortar ministérios, bolsa esmola e aumentar impostos
        Claro que a crise não foi planejada.

        BTW, é engraçado que o Constantino veja a falácia da falsa escolha no discurso dialético dessa esquerda, e não veja a mesma coisa na psicanálise que ele gosta tanto.A psicanálise não é falseável e está sempre certa, no matter what.

      • Slaine,

        Pode-se até argumentar que o PT preferia ter “economia nos trilhos”, mas SOMENTE se isto não prejudicasse seu projeto de poder. Mas não dá para ter as duas coisas. Um projeto socialista TERÁ QUE esmagar sua própria economia em nome da manutenção no poder.

        Agora relembre isto que Rui Falcão disse em 27 de outubro de 2014, ou seja, UM DIA após Dilma ter vencido as eleições:

        http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,falcao-ve-prioridade-na-regularizacao-da-midia,1583903

        Será que isso é coisa de um governo que SABE TER FEITO A ESCOLHA PELO ESMAGAMENTO DA ECONOMIA (e com isso sabe que terá que censurar a mídia) ou coisa de um governo que teria como PRIORIDADE arrumar a economia?

        Não sejamos ingênuos…

        Abs,

        LH

  16. Concordo com o Constantino, essa visão de que tudo é um plano mirabolante, curiosamente exime sempre o PT e a esquerda de incompetência, e uma coisa é vc falar que a crise não é suficiente para tirar o PT do poder outra é achar que a crise fortalece o PT no poder, alguém acha mesmo que o PT está mais forte hoje do que quando o país crescia em ritmo forte? Ah mas só não está mais forte porque não tem censura, mas é besteira pensar que uma crise fortalece o poder, a Venezuela com toda censura e fraude nas urnas, o Maduro só conseguiu pouco mais de 50% dos votos, acham que seria o mesmo se estivesse no boom do petróleo?

    • Marcel,

      O Maduro só conseguiu pouco mais de 50% das urnas por que o Chaves morreu. Senão seria mais.

      Enfim, eles são incompetentes, mas conquistam coisas que nem o Pablo Escobar em seus melhores dias conseguia. Mesmo assim, são “coitados enganados”.

      Desculpe, mas esta é uma alegação extraordinária.

      ABs,

      LH

      • É possível sim que se o Chavez não tivesse morrido, o Maduro teria uma votação maior, mas nunca seu apoio chegaria perto de quando o preço do barril do petróleo chegava quase a U$100 dólares.

        Pra mim é notório que crise tire as pessoas de suas casas, as deixam menos acomodadas, aqui ou na Venezuela, a insatisfação econômica está ligada a insatisfação geral. Para o PT seria muito mais fácil se manter no poder e fortalecer em um momento de bonança.

      • Marcel,

        Tanto eu como você concordamos que seria melhor para o PT se manter no poder gerando FARTURA.
        Porém, isso é como querer extrair um dente sem anestesia. Você NÃO VAI conseguir.
        Logo, a anestesia é um processo.
        Uma vez que o governo tenha como premissa SE MANTER NO PODER A QUALQUER CUSTO, terá que comprometer o estado para essa conquista.
        Enfim, o saqueamento do estado, assim como aparelhamento, é um passo necessário neste projeto.
        E o PT sabe disso.
        E fez esta escolha.

        Abs,

        LH

  17. Toda religião é produto de um ideal. É a sua sistematização, que veio com o advento da mente. Memória, desejos,etc.
    Pretensão humana de colocar o mundo à imagem e semelhança do Homem.
    É a maçã colocada na mão de Adão. A delícia. Agora na mão dos humanos. A utopia.
    Um sonho que não funciona na prática, já que, animais como outros quaisquer já estamos prontos há milhões de anos e com uma natureza que é indestrutível. Inabalável. E pior, há mais nela do imagina a nossa vã filosofia.
    Existem hoje duas religiões que querem o poder político totalitário: a esquerdista e islâmica. Como tais, religiões, pregam a nossa salvação. O paraíso. Quem não quer? Por isso facilmente seduzem adeptos. Militantes e fiéis. Só que a maioria dessa gente sentimentalizada não imagina a violência de seus mentores e sacerdotes que, quando no poder matam os infiéis. Essa gente ingênua é a esquerda moderada e os muçulmanos pacíficos que, como eu disse , não imaginam e nem querem a violência. Querem a democracia. O convívio pacífico. Porém, na prática, acabam por levar ao poder seus mentores e sacerdotes, extremistas disfarçados de salvadores, como por exemplo aqui no Brasil o PSDB serviu de escada para a chegada da extrema-esquerda ao poder com o PT.

  18. Concordo em gênero, número e grau com seu artigo e sua comparação ponto a ponto com o do Constantino.
    Acredito que, além da pouca mídia resistente mas de grande alcance e das redes sociais abrangentes, o PT não esperava encontrar Sérgio Moro e toda a publicidade negativa das descobertas do Petrolão.

  19. Mas que M ..esse politicamente correto!Negócio de dívida histórica,que ninguém pode achar feio, a maximização do coitadismo dos afro descendentes,se falar hoje em dia negão,meu preto como se dirigia muita gente carinhosamente,dá até cadeia ou execração pública!Coisa da esquerda que transformou algo bom,digno,em cultuar ódio e abuso de pensamento crítico.Até quem não é racista hoje em dia ta começando a ficar,a Tv,as revistas e esses tais da consciência negra tá dando saco! Mesmo uma boa parte dos negros não aguentam mais esse mimi P C!
    https://www.youtube.com/watch?v=MvShtiYM4sg
    https://www.youtube.com/watch?v=P0qAvA8tDOc
    https://www.youtube.com/watch?v=F12Wz5vApLw
    https://www.youtube.com/watch?v=bgrcMqPf4hA

    Queria ter um filho assim …..

  20. OS COMUNISTAS VÃO TOMAR O MUNDO DE ASSALTO POR CAUSA “DELES”. OLHA AÍ O PLANO, NADA NOVO…

    Albert Pike “supostamente” teria recebido uma visão, cuja qual foi descrita pelo próprio numa carta endereçada a Giuseppe Mazzini, com data de 15 de Agosto de 1871. Nesta carta estão descritos os traços gerais para a criação de três guerras mundiais cujas quais seriam necessárias para trazer a Nova Ordem Mundial.
    Esta carta esteve em exposição por um breve período de tempo no BRITISH MUSEUM LIBRARY de Londres em 1925, de acordo com o Cardeal Caro y Rodriguez de Santiago do Chile, cujo qual a transcreveu e posteriormente a publicou no seu livro “ THE MISTERY OF FREEMASONRY UNVEILED”.No entanto, o museu nega a existência de tal documento.

    “A Primeira Guerra Mundial deve decorrer de forma a permitir que os Illuminati derrubem o poder dos Czares da Rússia e garantir que esse país se torne um bastião do comunismo ateísta. As divergências causadas pelos agentes Illuminati entre a Alemanha e a Inglaterra serão usados para fomentar esta guerra. No final da guerra, o comunismo será criado e usado de forma a destruir outros governos e ainda para enfraquecer as religiões.”

    “A Segunda Guerra Mundial deve ser fomentada por forma a tirar vantagem das diferenças entre os Fascistas e os Sionistas políticos. Esta guerra tem de surgir de forma a que o Nazismo seja destruído e o Sionismo político se torne forte suficiente para instituir um Estado soberano de Israel na Palestina.
    Durante a Segunda Guerra Mundial, o comunismo internacional tem de se tornar forte suficiente de forma a contrabalançar a Cristandade, o qual deverá então ser refreado e contido em cheque, até ao momento em que nós voltaremos a necessitar dele para o derradeiro cataclismo social.”

    “A Terceira Guerra Mundial tem de ser fomentada de forma a tirar vantagem das diferenças causadas pelos agentes Illuminati entre os Sionistas políticos e os líderes do mundo Islâmico. Esta guerra tem de ser conduzida de forma a que o Islão (Mundo Árabe Muçulmano) e o Sionismo político (Estado de Israel) se destroem mutuamente. Entretanto as outras nações, mais uma vez divididas nesta matéria serão constrangidas a lutar até ao ponto de completa exaustão física, moral, espiritual e económica. Nós iremos então libertar os niilistas e os ateus, e então iremos provocar um formidável cataclismo social em que em todo o seu horror mostrará claramente a todas as nações as consequências do ateísmo absoluto, origem de selvajaria e agitação sangrenta.

    Então por todo o lado, os cidadãos, obrigados a se defender eles próprios contra as minorias revolucionárias, irão exterminar esses destruidores da civilização, e a multidão, desiludida com o Cristianismo, cujos espíritos ficarão a partir desse momento sem compasso ou direção, ansiosos por um ideal mas sem saber para onde direcionar essa adoração, irão receber a verdadeira luz da manifestação universal da doutrina pura de Lúcifer, trazido finalmente aos olhos do público. Esta manifestação será resultado de um movimento reacionário geral no qual se seguirá a destruição da Cristandade e do ateísmo, ambos conquistados e exterminados ao mesmo tempo.”

  21. Tanto que Dilma e o PT sabiam da crise antes das eleições q essa semana duas matérias publicadas na imprensa comprovaram isso. A primeira mostra a sugestão q Guido Mantega fez à Dilma para reduzir gastos já em março do ano passado e a mesma teria respondido que isso levaria a derrota dela nas eleições. A segunda, destaca a fala de Gilmar Mendes, onde ele afirma que o PT, com o Petrolão, conseguiu dinheiro para bancar eleições até 2038. Isso era evidente, mas nenhum membro do poder judiciário teve coragem de afirmar isso até poucos dias atrás.

    É importante ressaltar que apesar de Cunha ter enterrado os planos do PT de censurar a mídia, outros projetos que contribuem para manter o partido vivo, como o fim do financiamento privado, estão a todo vapor. Precisamos combater também esses planos.

    É muita ingenuidade dizer que eles erraram nos seus planos. Eles sabiam que a economia ia de mal a pior, mas não ligaram para isso. Acharam que apenas se reelegendo conseguiriam manter o projeto totalitário intacto e seguindo de forma planejada. O monstro que eles mesmos alimentaram, o PMDB, se tornou o maior problema, pelo menos até agora, quando o Picciani resolveu se vender.
    A esquerda e o PT são espertos e atacam por várias frentes, não podemos jamais subestimá-los.

  22. Luciano, eu tenho uma interpretação diferente sobre o texto do Constantino. Não acho que ele defenda que a esquerda tinha boas intenções para a economia, e errou. Ele critica a noção de que houve um plano maquiavélico para criar a atual crise econômica de propósito. Minha visão é que que o PT errou sim, e baseando justamente no que vc diz sobre a esquerda. A crise econômica está sendo prejudicial para o projeto totalitário do PT. O fato de o PT ter errado não quer dizer que eles sejam bonzinhos! Quer dizer que ele cometeu erros na implantação do seu totalitarismo. Claro que não é o único motivo, mas a crise está contribuindo bastante para que as pessoas procurem alternativas à direita, e com isso o pensamento de direita está ganhando espaço. Que a esquerda buscará tirar proveito da crise, não tenho dúvidas. Suas intenções totalitárias continuam e eles possuem incontáveis estratégias maquiavélicas. Mas não consigo engolir que era a intenção deles era chegar no atual estado, com 90% de rejeição ao governo e possibilidade real de impeachment. Creio que você também não, Luciano. Abraços.

    • Conservador Patriótico,

      O Constantino só pode dizer que “a crise econômica está sendo prejudicial para o projeto totalitário do PT” se ignorar o que está ocorrendo na Argentina e na Venezuela. O que digo é que a crise econômica é fator secundário, DESDE QUE o partido no poder consiga censurar a mídia. Uma vez que o PT tinha convicção de que censuraria a mídia já em meados de 2015 (o Berzoini entrou para isso), o projeto do partido deveria tomar ações AS QUAIS eles saberiam que destruiriam nossa economia. O PT fez uma escolha: pelo poder. Se Dilma errou, não foi na economia, mas em sua precipitação no projeto de censurar a mídia (e aí reside nossa sorte).

      O erro do Constantino é focar só na economia, mas ignorar o estudo das tiranias modernas.

      Você diz: “Mas não consigo engolir que era a intenção deles era chegar no atual estado, com 90% de rejeição ao governo e possibilidade real de impeachment.”

      Não. O objetivo do PT era censurar a mídia, e aí a economia no estado atual não iria deixá-los com 90% de rejeição. Muito provavelmente Dilma estaria aprovada pela maioria.

      É triste, mas é a realidade dos países bolivarianos.

      Abs,

      LH

Deixe uma resposta