Cinismo nível capeta: Paulo Nogueira quer que no Brasil, um país miserável, paguemos a mesma taxa de impostos que na Suécia

28
72

_80010380_80010379

Quando eu digo que lidamos com seres cujos padrões éticos são monstruosos, não estou exagerando. Em um recente texto, Paulo Nogueira, da BLOSTA, mostrou-se como um eterno ser rastejante à busca de verbas estatais para seus líderes (e para si próprio, talvez?), mesmo que tenha que fazer um discurso afrontoso à dignidade humana, como este:

Em sua passagem pelo Brasil, Piketty falou sobre os impostos nacionais com mais riqueza e mais profundidade do que o conjunto do conteúdo produzido, em muitos anos, pelas empresas jornalísticas. Vamos do básico.

A carga tributária do Brasil se situa em torno de 35% do PIB. O país está mais ou menos no meio do caminho, como notou Piketty em seu divertido inglês afrancesado ao falar para plateias brasileiras. Mais para cima, com cargas na casa dos 50%, você tem os países escandinavos, os mais avançados socialmente do mundo. Mais para baixo, com cargas na casa dos 20%, você tem países como Romênia e Bulgária, socialmente primitivos. Perguntou Piketty: o que vocês querem ser, Escandinávia ou Romênia?

A Folha não quer que o Brasil seja a Escandinávia, é claro. Nem as demais grandes corporações jornalísticas.

Isto é de um cinismo aterrador. Quando o indivíduo chega a este nível, ele já se apresenta naquela categoria “sem nada a perder”.

E é muito bom que ele tenha citado o Thomas Piketty, que, assim como Paul Krugman, não tem nada de útil a dizer a quem quer uma discussão a sério sobre economia.

Demonstremos:

  • Suécia: Renda Per Capita US$ 44 695
  • Brasil: Renda Per Capita US$ 15 153

Quer dizer que o Brasil tem renda per capita três vezes menor do que a dos suecos e ele quer que nós paguemos a mesma taxa de imposto que eles? Ué, para onde foi o pensamento socialista que diz “quem tem mais, paga mais”? Como sempre, eles vão mudando o discurso conforme a conveniência. Coisa de psicopata.

Se fôssemos aplicar a ótica de Pikaretty e Nojeira, então bastaria aplicar a alíquota de 27,5% sobre quem ganha salário mínimo, já que pagar mais aumentará a riqueza do pagador. Mas é claro que isso só seria categorizado como loucura ou safadeza. No caso da duplinha de socialistas, podemos apostar na última opção.

Alias, se o objetivo é “virar Suécia”, os procedimentos são simples:

  1. Pare de conviver com porcos (líderes de países como Venezuela e Argentina) e se alinhe a países civilizados
  2. Crie um livre mercado, com no máximo de 10% do PIB de carga tributária, mas não faça isso por um ou dois mandatos, mas por três ou quatro décadas, no mínimo (garanta liberdade de expressão e liberdade de imprensa neste período)
  3. Aproveite essas três ou quatro décadas para enriquecer o país, triplicando a renda per capita
  4. Aí, e somente aí, discuta um estado de bem estar social

Estou dizendo que “vamos” fazer isso? Não. Eu duvido. Até porque somos um país esquerdista demais para aceitar três ou quatro décadas de livre mercado. Mas se não passarmos pelos quatro passos, não viraremos Suécia coisíssima nenhuma. Uma ostra honesta já é capaz de saber que não foi o estado de bem estar social sueco que os enriqueceu, mas os tempos em que o país viveu sob livre mercado.

Aplicar 50% de impostos sobre o PIB em um país como a Suécia pode até atrasar o país, como tem acontecido. Exatamente por isso, estão rediscutindo o estado de bem estar social. Por outro lado, aplicar 50% de impostos sobre o PIB de um país miserável como o Brasil não irá nos transformar em Suécia, mas em Cuba.

Eu não acredito em demônios ou coisas do tipo. Mas pessoas que discursam vendendo ilusões, feito Pikaretty e Nojeira, se enquadram em uma moralidade do nível capeta.

Anúncios

28 COMMENTS

    • Todos os suecos pagam sem reclamar pois possuem um governo transparente e com um dos menores índices de corrupção do mundo o que lhes dão garantia de retorno do dinheiro arrecadado. Até parece o Brasil…Dilma vai aumentar os impostos e ainda cortar os benefícios. A grande conquista PTista foi institucionalizar a corrupção. Se o imposto de renda fosse de 95% na fonte e a arrecadação de 100 trilhões de reais, os estádios da copa teriam custado 10 vezes o que custaram de fato. O governo PTista teria financiado 10 vezes mais obras no exterior e a balela hoje seria exatamente a mesma. Até parece que falta dinheiro no Brasil.

  1. E por incrível que pareça, pode ainda ficar pior: Os 0,2 da tarde podem virar 0,38 com a “parceria” com os governadores. É incrível, mas vários querem morrer politicamente. Ao menos boa parte dos deputados não cometerá este mesmo erro.

    Além do batido argumento de “pegar os sonegadores,” a claque inventou um outro, hoje no Twitter: A Constituição legitima o princípio da “solidariedade previdenciária”, pois parte do tributo será, dizem eles, destinada à Previdência Social. Mas essa é fácil: Um governo sem moral e sem legitimidade pelos mais variados prismas não tem a menor condição de inventar mais maneiras de saquear o povo.

    Ou dá pra ter uma resposta melhor?

  2. Entupam a caixa de correios desses bostas com refutações. Vão deletar, mas vão ler, e saber que não estão mais tão “hegemônicos ” assim…

  3. Grande Luciano,parabens! simples e direto texto,aprendo sempre com seus textos.

    Continue seu TAO importante trabalho para o Brasil! obrigado!

    Este governo do PT DILMA E LULA É UM ACINTE TOTAL E ABSOLUTO!!UMA VERGONHA UM DESCALABRO!

  4. Para quem domina o inglês deixo aqui uma referência de um livro gratuito de um economista sueco que desmonta o mito dos escandinavos:

    http://www.iea.org.uk/publications/research/scandinavian-unexceptionalism-culture-markets-and-the-failure-of-third-way-soc

    É uma base imensa de dados e fatos para refutação dos que apontam esses países como um ‘socialismo que funciona’.

    Em resumo: a riqueza e a qualidade de vida já eram regras por lá antes do estado de bem estar social. Na verdade, depois que essas medidas foram adotadas o país estagnou economicamente, já os indicadores sociais ainda são altos mas em declínio.

    • Tem um livro com todos esses dados em Português. Suécia depois do Modelo Sueco, do historiador da economia Maurício Rojas, membro da equipe de revisão do Estado de Bem-Estar Social Sueco.

  5. Luciano, queria comentaru uma coisa.
    Você escreveu ano passado
    “Nyquist parte de um princípio nonsense: a retórica moscovita pró-cristã e pró-conservadora seria apenas uma armação para enganar conservadores. Muito difícil disso ser verdade.”

    Mas é verdade sim. A Russia que faz shows de banir propaganda gay inclusive atraiu e enganou um jornalista brasileiro: Julio Severo. Julio severo ficou tão maluco com a aparência de verdade do combate gayzista da russia que nem se importou em entrar em salas e conversar com pessoas que usam símbolos comunistas. Há fotos inclusive de Julio Severo em salas que ao invés do relógio na parede há uma foice e marcelo. Isso só para citar um exemplo que a Russia faz há muito tempo: fomenta o gayzismo no país dos outros e bane no próprio para tirar proveito da opinião pública ocidental de país “que não é uma bagunça igual o ocidente”.

  6. Uma coisa é tirar metade dos rendimentos de alguém que é rico.
    Esse vai continuar rico, e de quebra, vai ter bons serviços público em troca.

    Outra é tirar metade de alguém lascado. Vai ficar mais lascado é vai precisar
    mais de serviços públicos.

    A Suécia tem um vasto welfare (os excessos vêm sendo podados desde os anos noventa) porque ficou rica E NÃO O CONTRÁRIO. Ficou rica devido a anos de liberalismo, mas que, depois, como viram que começaram a fazer graça demais com dinheiro, tiveram que encurtar a corda.

    BTW; Onde diabos vcs encontraram essa renda per capita de 15 k doletas?

  7. Comunistas não tem a menor condição moral e técnica de discursar sobre economia.Falar em aumento de carga tributária nas condições que temos no Brasil é dar pérolas aos porcos. Se isso fosse a solução, já deveríamos estar bem próximos de uma Alemanha, mas estamos na verdade mais perto de uma Grécia. Pobres cabeças, pobre país.

  8. Talvez a situação escandinava seja o maior calo no discurso sobre as vantagens do liberalismo. Mas eu nunca perco nenhum debate com socialistas quando entram neste tópico.
    A idealização do liberalismo como algo único e imutável é o maior causador desta “apropriação” esquerdista do bem estar social (BES).
    Pulemos para a Inglaterra e veremos que Thatcher fez reformas agudas mas preservou o NHS. Ela é menos liberal por isso? A Inglaterra conservadora de hoje vai trazer o NHS para níveis mais realistas, mas duvido que acabe com ele.
    O BES promovido pela educação básica americana é questionado? Porque não?
    A resposta mais convincente ao progressista que usa a escandinavia como exemplo é o equilíbrio nas contas públicas. Se ambos não estiverem equalizados o BES deve ser reduzido e pronto! Imagino que deva inclusive existir uma curva de Lafer para indicar o ponto onde o BES limita o próprio empreendedorismo e geração de empregos. Algo obviamente ligado ao comodismo que o BES agrega.
    Constantino citou recentemente a questão da xenofobia também. Acho bem plausível se pensar até no aumento desta com um BES elevado.

  9. http://veja.abril.com.br/blog/rodrigo-constantino/politica-fiscal/esqueceram-da-curva-de-laffer/

    “Quem tem alternativas não quer trabalhar e produzir ainda mais para deixar uma parcela maior nas mãos do governo, especialmente do nosso governo, incompetente, corrupto e perdulário. Só mesmo na cabeça de um esquerdista os “contribuintes” deveriam ralar mais ainda para sustentar essa máquina estatal podre e ineficiente. Normalmente só defende isso quem está do lado consumidor desses impostos, ou seja, quem recebe dinheiro do governo.”

    Ou seja, Carta, Viomondo, Jô… Aliás, há eras que não vejo mais o que restou dele, mas consta que, depois de ousar opinar que os brasileiros pagam poucos impostos, teve que enfrentar uma verdadeira rebelião de suas “meninas,” algo inimaginável.

    Defender o que agora chamo de “Lei de Dilma”, ou “Regra Dilma,” ou seja, prometer que não vai fazer, demonizar os outros falando que eles farão e fazendo exatamente o que prometeu que não faria, era esperado. Agora falsear os fatos é insuportável. Um vendido.

    Aliás, Luciano, pretende atualizar o glossário com essa rotina?

  10. Essa falácia do falso dilema de Pikaretti é engraçada.Vamos desmontá-la?

    Brasil:35,13%

    Austrália: 27,30%

    Coréia do Sul: 24,30%

    Estados Unidos: 26,40%

    Suíça: 27,10%

    Japão: 29,50%

    França:43%

    http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/brasil-fica-na-lanterna-em-ranking-de-retorno-dos-impostos

    Reparem que os países que com melhores retorno de impostos são justamente aqueles onde a carga tributária é baixa (a amada Suécia do Paulinho fica em 22º).

    Mas fala aí, você quer que o Brasil seja igual a Austrália, Coréia do Sul ou Japão ou quer o “maravilhoso” modelo francês.
    Para se ter uma idéia de como é a educação da França, assista ao filme “Entre os muros da escola” (Entre lês Murs).Não está muito diferente da “educação” daqui do RJ.

    PS:Se Paulo Nogueira gosta tanto da Escandinávia, por qual motivi ele mora na Inglaterra (que está sendo governada por um conservador)?Amor à distância, igual ao Chico tem de Cuba?

  11. O Piketty é o novo queridinho da velha e da nova esquerda, que é uma coisa só. Suas teorias já foram desmentidas, refutadas e desmontadas.
    Vocês notaram que o velho e surrado mantra esquerdista da “taxação das grandes fortunas” voltou com toda força ? E claro que o livro do comunista Piketty é usado como mola mestra. Outra mentira repetida a exaustão pela esquerda é : “nos EUA o “imposto sobre herança é de 40%”.

    Não é verdade. Mas como 99,9% das pessoas ouve ou lê, e não vai atrás das fontes para saber, eles repetem e repetem.
    Existe o imposto Federal sobre Propriedade (Estate Tax)
    A isenção de imposto sobre herança nos EUA em 2014 foi de US$ 5,4 milhões (cerca de 19 milhões de reais). Até esse valor, não existe taxação. Entre 5-10 milhões de dólares, taxa de 7,7%. Entre 10-20 milhões de dólares 15,8%, acima de 20 milhões de dólares 18,8%. Portanto bem longe dos tais 40%.(figura 2 à direita). Se houver a morte do casal, e eles deixarem para o(s) filhos(s) esse valor dobra US$ 10,8 milhões.
    http://www.cbpp.org/research/ten-facts-you-should-know-about-the-federal-estate-tax

    E existem os impostos estaduais sobre propriedade (Estatemente tax) e/ou herança (Ihenritance Tax).
    Detalhe importante. Dos 50 estados americanos, apenas 15 estados e o Distrito de Colúmbia cobram esses impostos. E muitos que cobravam, estão deixando de cobrar. Nesse quadro tem um mapa dos impostos:
    http://taxfoundation.org/blog/state-estate-and-inheritance-taxes-2014
    E apenas 2 estados (Maryland e New Jersey) cobram os 2 impostos.
    A tributação alcança valores (de herança ou propriedade) que variam de US$675 mil até US$ 5,3 milhões. Com alíquotas de 0%-20% variando estado para estado.
    E vocês acham que a Hillary e o Bill Clinton, que adoram dizer que os ricos tem que pagar mais impostos (pelo menos na campanha eleitoral) vão deixar $$ para o governo ou para a sua amada Chelsea, através dos Trust Funds ??

    Ainda sobre o Piketty, achei esse texto muito bom, algumas pinceladas:
    http://diplomatizzando.blogspot.com.br/2015/01/a-falcatrua-piketty-joao-cesar-de-mello.html

    “Eu já tinha identificado o problema de Piketty ao ler as suas principais teses: ele acha que a acumulação de riqueza é um problema, e pretende diminui-la, supostamente para produzir “mais igualdade”. Vai deixar todos pobres, ou pelo menos, vai diminuir a criação de riqueza.
    Ele não usa seus talentos (?) para diminuir a pobreza, só está interessado em avançar sobre a riqueza.”
    “O Capital do Século XXI é apenas mais uma reedição de alguns devaneios marxistas, com o autor tentando relacionar dados selecionados com crendices ideológicas impregnadas com uma das piores fraquezas humanas: a inveja.”
    “Seu livro tem um único objetivo: julgar moralmente o direito de uma pessoa guardar para si o fruto de seu próprio trabalho e decidir, por si mesma, qual o destino desse fruto. A “moralidade” de Piketty chega ao nível de condenar os herdeiros pelo sucesso dos pais! ”
    “Fica bem claro que sua preocupação não é com a pobreza, mas sim com a riqueza. Eis um socialista.”
    “ignora que centenas de milhões de chineses se livraram da extrema pobreza simplesmente porque o estado deu um passo para trás, lhes dando a liberdade para empreender negócios visando o lucro, com direito de propriedade e com a possibilidade de ficarem ricos.”
    “Isso é o que chamo de cretinice e desonestidade intelectual, por ignorar os mais estridentes dados de melhoria de qualidade de vida e de inclusão social registrados ao longo dos últimos 150 anos. Não por acaso, Cuba não é citada uma única vez no livro.”
    “Piketty ignora completamente o que diz a história política da galáxia: taxações e confiscos beneficiam principalmente os burocratas que vivem de arbitrar essas mesmas taxações e esses mesmos confiscos. “

  12. A anta desonesta deveria ter mostrado o exemplo da Índia.

    A Índia também possui um Estado assistencialista de bem estar social nos mesmos moldes dos países escandinavos. Onde o governo fornece quase tudo “de graça” para a população.

    E advinha por que em um país a população é extremamente pobre e no outro a população é rica?

    Porque os países escandinavos antes de adotarem o modelo assistencialista possuíam uma economia capitalista completamente aberta, aos mesmos moldes dos EUA e da Inglaterra de antigamente. Enquanto a Índia nunca teve a economia aberta.

    Se o camarada Obama resolver implementar um Estado de bem estar social nos EUA, os EUA não vão ser o 5º IDH do mundo por causa do Estado assistencialista e sim por causa da sua economia de mercado.

    Assistencialismo não enriquece nenhuma população. Aplicar isso em um país pobre é suicídio.

  13. Ayan, o debate do Benê X Viúva de Kelsen renderá um post? Caso a resposta seja negativa, você poderia falar um pouco, na resposta, sobre as vigarices, controle de frame, comportamento da plateia e coisas do tipo?

    • Pedro,

      Vai render um post sim.

      Mas adianto que o Bene venceu o debate, principalmente pelo ambiente.

      Já a questão da plateia, eu entendo que ela facilitou a vida do picareta Viúva do Kelsen, pois ele pode ficar cagando regra e desviar o foco do debate.

      Abs,

      LH

  14. O Brasil está entre os 30 países de maior carga tributária do mundo, mas continua oferecendo os piores serviços à população em termos de saúde, educação, transporte, segurança, saneamento, pavimentação das estradas e outros. A constatação é do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT

    http://www.ibpt.com.br/noticia/1614/Brasil-continua-desequilibrado-na-questao-arrecadacao-de-impostos-x-servicos-a-populacao

    Carga tributária em relação ao PIB (2012)

    Estados Unidos (24%)
    Japão (28%)
    Canadá (30%)
    Brasil (36%)

    No ano de 2015, o brasileiro irá trabalhar 151 dias, ou o equivalente a cinco meses completos, somente para ficar em dia com o governo e pagar impostos, taxas e contribuições destinados aos cofres públicos, conforme revela o estudo “Dias Trabalhados para Pagar Tributos”, do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação – IBPT

    http://www.ibpt.com.br/noticia/2140/Leao-obriga-o-brasileiro-a-trabalhar-ate-o-final-de-maio-so-para-o-pagamento-de-tributos

    Veja quantos dias os cidadãos de outros países trabalham pra pagar impostos:

    Chile: 94
    Estados Unidos: 98
    Japão: 124
    Canadá: 130

  15. No Brasil, muitas áreas seguem legislações de “primeiro mundo”, a trabalhista por exemplo. Primeiro tem que ser rico para começar a discutir o suposto estado do bem estar social. Nenhuma micrempresa ou microempreendedor consegue pagar hoje tantos impostos, encargos e benefícios. Os microempreendedores são os grandes innovadores. Se se mata o empreendedorismo, o país não sai do lugar. É exataemnte o que acontece no Brasil. Alternamos com ciclos de crescimento e depressão de acordo com as oscilações da economía mundial. Na área dos produtos naturais e fitoterápicos, o governo decidiu “proteger” nossa riqueza nativa. Um povinho lá do mato agora é dona da flora brasileira. Se quiser lançar algum novo produto de origem natural tem que pedir licença e pagar royalties para os donos do mato.

  16. se for pra criar aberrações sociais como a extrema-esquerda da suécia, eu prefiro muito bem ficar com os países “Latinos” da europa, dos quais o senhor piketty prepotentemente chamou de “atrasados”.

  17. Seria bom pagar mesma taxa de impostos que na Suécia, desde que tivessemos a mesma qualidade de vida deste país e a mesma forma e sistema de governo.

  18. A batalha também é de linguagem: falar muito mal inglês vira “divertido inglês afrancesado”.
    Interessante que blogueiros como ele estão o tempo todo ressignificando os fatos.

Deixe uma resposta