Dilma dá o golpe da falsa acusação de discurso de ódio

8
86

dilma

E lá vamos nós, de novo, para avaliar mais um evento óbvio. Tanto quanto é óbvio que a direita tem grandes chances de deixar isso baixar batido, como deixou que o golpe jurídico do STF, proibindo financiamento empresarial de campanha, passasse sem nenhum tipo de pressão.

No vídeo que veremos ao final deste post, Dilma inicia uma “campanha contra o discurso de ódio”. Ela se embasa na mentira de que tem havido um “crescimento do discurso de ódio” no Brasil. Como sempre acontece com engodos desta extração, ela não apresentou nenhum dado estatístico que comprovasse sua afirmação.

Eis o truque: “crescimento do discurso de ódio” significa o crescimento das críticas ao PT. Daí eles usarão encenações teatrais para fingir que criticar o PT é “fazer discurso de ódio”. Obviamente todos os discursos bolivarianos dizendo que o “exército do Stedile vai pegar em armas” ou que “vai rolar sangue se tirarem Dilma” serão catalogados como “manifestações de amor”. Mais uma vez, tudo conforme o previsto. O Brasil é o país do óbvio.

Para fazer o golpe dar certo, Dilma irá depender do Humaniza Redes, projeto criado pelo PT para “denunciar crimes de ódio” na Internet. Claro que ninguém percebeu que isto era a usurpação de uma atribuição da Polícia Federal, que em qualquer país civilizado iria centralizar o registro desses crimes. Mas como existe agora um site não da Polícia Federal, mas do governo petista, instala-se uma gestapo virtual com o fito de registrar críticas ao PT como se fossem discurso de ódio e, é claro, dar salvo conduto a qualquer ameaça de assassinato praticada por bolivarianos. Até uma criança deveria perceber o padrão.

Esperamos que a direita não chore sobre o leite derramado depois, assim como estão chorando agora por causa do golpe jurídico no STF para deixar o PT controlar a verba de campanhas. Não digam depois que eu não avisei.

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Luciano Ayan peço se possível que analise e faça um comentário sobre o post usado pelo Ministério da Cultura chamando as pessoas de REAÇAS e ameaçando Blogs e Twitter.Algum agente público usou o Ministério para criticar quem é contra o Governo,sendo assim contra o princípio constitucional da impeassoalidade.

  2. Luciano, se falharmos no impeachment da Dilma, poderemos acabar com o roubo aos bolsos dos brasileiros incentivando o uso da moeda digital bitcoin.

    Deixando de pagar impostos para essa cambada de safados, iremos implodir o governo petista e também a classe política brasileira.

    Invistam em bitcoin.

    • http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/deputado-petista-quer-acabar-com-o-dinheiro-literalmente/

      Não sou a favor do bitcoin, embora seja a favor de um estado mínimo. Uma das poucas medidas centrais que eu tendo a apoiar – ou pelo menos não achei argumentos muito convincentes do contrário – é da moeda única de um Banco Central – mas acho que o BC deve ser 100% independente da influência do governo e agir de forma absolutamente independente em prol da eficiência socioeconômica, baseado em ciência econômica. Coisa difícil, claro, mas há mais exemplos de BCs independentes do que de países usando bitcoin em escala maior do que a moeda física.

      E, como o texto mesmo cita, apenas 51% dos brasileiros tem conta bancária. Estou aberto a argumentos, mas acho difícil que o sistema de bitcoins, talvez ainda mais ‘ininteligível’, pegue mais fácil na cultura popular do que o sistema bancário.

      Fora que, depois que implodirmos o governo petista, implodiremos o país inteiro junto. Não por que o Brasil precise do PT, longe disso; mas por que é particularmente difícil que investimentos estrangeiros continuem a entrar num país sem uma moeda real quando isso não é uma prática consolidada no mundo.

      • Aref Abdullah Souza, a matéria da Veja que você colocou me incentivou mais ainda em investir no bitcoin.

        Nenhum banco é independente. Todos de uma forma ou de outra tem ligações com a classe política. Veja como os donos de bancos privados no Brasil já estão defendendo ogoverno Dilma.

        Se apenas 51% dos brasileiros tem conta bancária, através do bitcoin esse número pode diminuir mais ainda. Afinal: banqueiros defendem a classe política.

        Os impostos, que são recolhidos na fonte, em sua grande maioria, vai diminuir, e o governo não terá mais como aparelhar o estado burocrático.

        Não acredito que o país inteiro será implodido, visto que negócios diretos serão feitos em trocas cada vez mais de forma voluntária.

    • Bitcoin não é investimento, nunca foi, foi criado pra ser uma forma de transferir dinheiro pela internet, só depois os bitcoinzistas começaram a falar que aquilo era dinheiro, pra atrair mais gente pra pirâmide deles.Coisa que até hoje não é.
      Bitcoin viola o teorema da regressão, tem gente que morre negando isso mas essa é a verdade.Viola o teorema da regressão sim e não vai ser dinheiro nunca.

      https://smilingdavesblog.wordpress.com/2014/05/21/bitcoin-the-summing-up/

      Mas mesmo assim pode ter alguma utilidade como ferramenta pra sonegação de impostos.E se vc acha que o governo vai ficar parado vendo uma ferramenta de sonegação de impostos crescendo e incomodando, vc nasceu ontem.

  3. A direita brasileira está começando a entender o jogo sujo do discurso politicamente correto… E da pior maneira: sofrendo rotulação desqualificadora simplesmente porque legitimaram esses rótulos artificiais idiotas! A solução desse dilema e a saida desse encurralamento( se essa palavra parece ridícula, aqueles rótulos não são melhores) é ironizar, ridicularizar e esculachar mesmo com tais rótulos como “discurso de ódio”… Esse é o caminho para transpor os limites impostos pelo discurso politicamente correto! È não recusá-los só quando são usados contra nós, mas não recusa-los simplesmente por serem intrinsecamente ilegítimos…

  4. Só corrigindo a ultima oração mal revisada:E não recusar apenas quando são usados contra nós, mas recusar a usá-los porque são intrinsecamente ilegítimos…

Deixe uma resposta