Dilma endossa golpe do STF e exige que Cunha se ajoelhe. E agora?

11
52

cunha

Dilma Rousseff anda cada vez mais desaforada. É fato que sua relação com o PMDB já entrou naquele ritmo do Marquês de Sade. E o incrível é que ainda funcione. Como pode uma presidente em um período de tamanho desastre econômico partir para tanta provocação? Observe o que ela propõe, segundo o Brasil247:

A presidente Dilma Rousseff sinaliza que vai vetar as doações de empresas em campanha. Ela já avisou Eduardo Cunha (PMDB) que não irá enfrentar a decisão do Supremo Tribunal Federal, que considerou inconstitucionais as normas que permitem a empresas doar para campanhas eleitorais.

“Eu disse ao Eduardo Cunha que nem eu nem ele podemos fazer um enfrentamento com o Judiciário”, teria afirmado a presidente, segundo o ‘Estado de S. Paulo’, em jantar que teve com a cúpula do PC do B no Palácio da Alvorada

O projeto que estabelece o financiamento empresarial de campanhas eleitorais foi aprovado na Câmara por uma manobra do presidente da Casa e previa doação de empresas apenas para partidos e um limite para pessoas jurídicas de R$ 20 milhões em doações. Já no Senado, foi rejeitado porque não foram conseguidos os 41 votos necessários para a aprovação.

Claro que tanto ela como Cunha podem aprovar a lei em desacordo com o golpe do STF. Não há nenhuma lei proibindo isso. E mais: o Congresso pode rejeitar o veto de Dilma e levar o caso à Corte Interamericana de Direitos Humanos, uma vez que estamos submetendo a lei eleitoral à vontade de um partido que dependeu de financiamento privado para se eleger quatro vezes e, depois de pego em casos recordes de corrupção, quer proibir que outros tenham o mesmo tipo de financiamento.

Esperamos que Eduardo Cunha não se ajoelhe para Dilma. O Congresso tem que dar a resposta, pois aquilo que o STF fez foi um dos golpes mais sórdidos dos últimos tempos.

Em tempo: uma das duas direitas dos movimentos precisa assumir essa frente (da derrubada do golpe do STF) e entregar resultados.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Por isso que não dá para contar com “pressão a deputados” como você sugere Luciano.
    Olha aqui o que o Olavo falou e eu concordo totalmente pois antes de eu conhecê-lo eu já sabia do esquema FARC-PT-RUSSIA

    “Os objetivos do movimento popular só poderiam ser atingidos pela derrubada do sistema, quebrando a autoridade da Presidência, do Congresso e do STF — o aparelho comunolarápio na sua totalidade. Com o apoio de 93 por cento da população, isso era fácil de conseguir. Bastava fazer o que recomendei na ocasião: seguir a massa em vez de tentar dirigi-la. Aí vieram os sábios e fizeram exatamente o oposto.” 09-23-2015 2:22 PM Olavo de Carvalho

  2. É óbvio que Cunha não vai deixar barato. Já disse e repito: Pode não exatamente um anjinho, mas tem uma equipe competente, e ele mesmo é um profundo conhecedor do regimento interno da Câmara e do Congresso.

    Claro que essa reunião com Dilma faz parte do teatro dele, para que possa dizer que tentou derrubar o veto “amistosamente.”

    No fim, nada mais fundamental do que ele vem dizendo: A Constituição não tem nenhum dispositivo que vete financiamento privado de campanha. O STF é o “Guardião da Constituição,” como este gosta de se autodenominar.

    Sendo assim, no que tudo se resume? A um bando de juizes que assumem posições claramente ativistas e legislativas, usurpando a função dos verdadeiros legisladores.

    E o STF ainda tem que modular a decisão. Mas mesmo isto parece que enfrenta resistência no tribunal. Mas é isto ou o corpo político nacional inteiro está ocupando suas posições ilegalmente.

    Mas se esquecem que Cunha ainda é o presidente de uma das duas Casas, e vai ter uns 25 partidos e uns 350 deputados que já sabem que serão bastante prejudicados. Não tenho dúvida que a reação será à altura.

    • Nada é óbvio, ainda mais vindo de Cunha, um político que, como outros PMDBistas, ajudou muito nos planos de poder do PT. O que impede eles de embarcarem no golpe e ter visto no modelo bolivariano um modo de lucrar, o deles estará garantido por um bom tempo, bastará eles agirem como cordeirinhos, para ministros do STF é o mesmo.
      Se eles realmente estivessem preocupados com ‘desequilibro’ da democracia por doações exageradas e políticos vendidos para empresários, trabalhariam para impor limites nas doações empresariais, e, principalmente para diminuir uso de dinheiro público e estatais em campanha, além de tentar evitar o aparelhamento.

      • Eles até tentaram, mas como tudo o que envolve PMDB tem o olho maior que a barriga, colocam um limite de 20 milhões por empresa… Tudo o que a esquerda queria que fizessem pra justificar esta decisão.

        Concordo que o PMDB deveria ter feito muito mais lá atrás, desde o mensalão. Mas por enquanto temos que estar com eles nessa batalha, apenas pelo simples fato de o PT ganhar muita força com essa vantagem competitiva financeira enorme que eles adquiriram.

        Cunha tem que pressionar o STF a modular a decisão e convencer Renan Calheiros a votar esse veto na próxima quarta. E então levar essa batalha até as últimas consequências no STF.

        Ou isso, ou vão nos impor bilhões de financiamento público goela abaixo. E sem contar que o PT ainda tem o dinheiro dos filiados, sindicatos, funcionários da máquina…

        E do outro lado, quase todos os partidos apenas com suas minguadas doações. Como competir?

      • Parece que você está bem correto mesmo, o olho gordo de nossos políticos tem ajudado muito nessa porr* toda… Mas, pensando no dinheiro desviado pelos PeTralhas e podem ter para as próximas eleições, os demais políticos tem até um bom motivo para nem mesmo querer impor limites a doações de campanha, até porque, se empresários brasileiros fossem ter noção do risco que o país corre com o PT no poder, doariam muito para oposição, claro, com exceção dos empresários companheiros da clePTocracia que mamam nas tetas do estado inchado e são favorecidos por isenções para depois ajudar em campanha do PT.

  3. Se permite um fora de pauta tão importante, e pasando o cavalo encilhado e a oposição não pula.
    Se a linha de extrema pobreza de acordo com o banco mundial é de uma renda per capita de 1,25 dólares diários com o dólar a 4 reais milhões de cidadão brasileiros retornaram a linha de extrema pobreza.
    Seria fácil para a oposição colocar nos jornais que 26 milhões de brasileiros retornaram a linha de extrema pobreza.
    Porque não denunciam isso?
    Os números são baseados na propaganda do governo e no relatório do TCU, eram 16 milhões com dólar a 1,8 r$. Com o dólar a 4 reais não apenas retornam a miséria como aumenta o numero dos que estão na extrema pobreza.

    • Uma coisa deve-se levar em conta, os delatores lucram com delações, mas, numa possível permanência do PT no poder, e talvez até para evitar que ainda mais coisas do PT e deles sejam descobertas, é de interesse de alguns delatores que o PT não saia tão prejudicado e que poucos políticos do PT sejam presos e abram o bico, pois são os que mais sabem dos esquemas. Além do mais, alguns desses delatores odiavam políticos que não cediam as suas queixas e choradeiras quanto aos rigores legais e burocracias que evitassem projetos com intenção de dilapidar o patrimônio público, não que eu confie em Cunha, mas dúvidas tenho, acharia mais provável que delatores sejam ameaçados pelo PT para atacar Cunha do que o oposto. Será que já existe mais que delações contra Cunha? Contra o PT existe.
      A Globo, muita gente já percebeu certos indícios da empresa gostar do governo petista(ou do excesso de propagandas pagas com impostos do povo), e de odiar muito Cunha, por parte da emissora, parece existir certa intolerância contra políticos um pouco conservadores e/ou evangélicos.

Deixe uma resposta