Vamos falar a verdade sobre o PMDB

20
148

temer

Um dos lemas do novo programa do PMDB é “falar a verdade”. Ou seja, tudo o que o PMDB menos tem feito há mais de uma década.  É difícil entender se com o programa o partido estaria desembarcando da base governista, ou se estaria querendo reforçar sua fidelidade ao jogo sujo petista. Mas precisamos começar a avaliá-los com mais clareza.

Ninguém precisa mais dizer que o partido é fisiológico e fica do lado de quem está no poder. Infelizmente, este processo tem se mantido até na aliança com um partido, o PT, que só tem como meta o poder totalitário. O PMDB sabe disso, e quase todos os seus deputados estão cientes de suas escolhas. Mas, assim como o tucano Geraldo Alckmin, muitos ali apostam em uma pequena chance de que um dia poderão de novo ter o poder em suas mãos e que o PT não leve tudo enquanto recebem seus apoios ocasionais. (É claro que devem existir pessoas decentes tanto do PMDB e PSDB, mas, na dúvida, tome muito cuidado)

Observe que isso não é aliviar a barra dessa gente pmdebista. É perverso e podre apostar uma pequena chance de sucesso enquanto o dinheiro para essas apostas arriscadas não sai do bolso deles, mas das costas de milhões de brasileiros. É com nossa liberdade que estão brincando. A elite do PMDB sabe que se um dia virarmos uma Venezuela, será por responsabilidade das escolhas que fizeram. Mas quando isso chegar, esses sujeitos também estarão com suas fortunas fora do Brasil. O açoite do totalitarismo petista não machucará as costas de nenhum desses que falaram no vídeo que veremos abaixo.

Essas pessoas sabem que estão mentindo para você quando falam em “superação da crise”. Elas tem a plena noção de estarem aliadas a um partido que iria aparelhar o estado e usar medidas para afugentar investidores, desde que tudo isso atendesse a um projeto de poder. Roberto Requião, que aparece no vídeo, é um apoiador de todas as iniciativas totalitárias do PT, inclusive a censura de mídia. Alias, eles também tem ciência absoluta de que quando falam em “erros”, supostamente do PT, o fazem para esconder que estes últimos criaram a crise intencionalmente. Assim, não foram “erros”. Outros aparecem para dizer que o problema é da “crise política”, o que significa jogar o jogo sujo e antidemocrático de afirmar que a existência de uma oposição fazendo seu trabalho gera crise. A mesma conversa com odor fecal propalada por Nicolas Maduro.

Parece mesmo que o PMDB não tem um plano totalitário, mas lamentavelmente está disposto a arriscar nossa liberdade em troca de cargos. Quando eles falam em “união”, também sabem que estão mentindo, visto que o partido que apoiaram e podem continuar apoiando durante tanto tempo sempre pregou o “nós contra eles”. Nessa época, é claro, nunca reclamaram de “falta de união”. Quer dizer, quando existem “cargos” em vista, tudo pode ser permitido.

A verdade é que o PMDB não está ligando mesmo para o sofrimento do povo, mas ainda pode nos ser útil. Acontece que a imagem do PT está tão danificada que isto, e somente isto, pode fazê-los se afastar do partido bolivariano. Quando o capital político de se aliar ao PT não valer mais a pena, eles abandonarão o barco. Porém, o mesmo discurso no vídeo poderá ser utilizado para endossar o PT, caso ele consiga empurrar o impeachment com a barriga e usar mais verbas estatais e cargos para garantir apoio.

Temos que continuar pressionando o PMDB por um simples fato da política, vista de uma ótica realista e comprometida com a verdade: eles mostram o pior que há no ser humano que não esteja comprometido com um projeto socialista, mas ao menos há chances de que eles se interponham contra um outro grupo, o dos petistas, que mostram o pior que há no ser humano que esteja comprometido com um projeto socialista de cabo a rabo. É repugnante, devemos reconhecer. Mas esta é nada mais do que a verdade sobre o PMDB.

Anúncios

20 COMMENTS

  1. Perfeito, parabéns pelo texto! Mais uma vez eles sobem em cima do muro, agradam os planaltistas e a oposição. Por incrivel que pareca eu ainda acho o Cunha mais alinhado com os principios democraticos do que Temer.

  2. Olha o TÍTULO dessa podreira: “hora de reunificar os SONHOS”. Acho tão imbecil quando políticos querem falar de modo piegas. É Lula dizendo que a Dilma é mãe de todos os brasileiros (só se for dele e dos petistas que preferem desrespeitar a própria mãe dando o lugar delas à Dilma), é o PMDB vindo falar em “sonhos”…

    ~~sonhos~~. Que modo mais patético de falar.

    Ok, claro que entre PT e PMDB eu prefiro o segundo, mas no lugar do PT preferiria até o poodle da minha vizinha que late adoidadamente.

    • É hora de transformar a vida de petistas, psolistas, pecedobistas e afins em um PESADELO! Esses merdas acham que quando venezuelizar geral não vai respingar neles nem em suas famílias. Bom, grana para fugir para um país civilizado eles têm. Infelizmente, eu não.

  3. Discordo da sua análise hoje.
    Para mim é o programa de um partido pronto para assumir a presidência e que avisa ao povo que pode tirar o país da crise, e que precisará do apoio das pessoas, e sinaliza que não aceita aumentar impostos, por exemplo.

    Na sua teoria do ceticismo, eu invoco a questão que os políticos querem: poder. Poder é melhor do que dinheiro, e é a hora certa de derrubar o PT e assumir o poder, não viver de migalhas de gente estupida como Dilma ou Lulla. Sob a perspectiva de assumir o poder, obviamente o PMDB vai ganhar mais poder com Temer presidente do que ganhando um ou outro cargo do PT.

    E a invocação da verdade é para contrapor as mentiras da campanha.

    Na minha singela opinião, é por isso que a reforma ministerial empacou. O PMDB agora quer tudo, inclusive o Planalto.

    • Daniel,

      Esses símbolos estão até “ok”, mas o problema é que eles misturam a tudo várias mensagens dúbias. E o tom de meu texto não foi para pedir desistência do PMDB, mas encará-los de forma realista e sabendo que temos que olhar para o menos pior dos abismos.

      Abs,

      LH

      • Sob a perspectiva de poder, a mensagem do PMDB é clara.
        O PT só tem para se defender a burocracia, os vendidos nos tribunais, e os pão com mortadela.
        Não tem mais povo, não tem mais militância, não tem mais nada. O impeachment é um procedimento formal que o temer está articulando cuidadosamente, como Tancredo fez no passado.
        Claro que é uma torcida também, mas minha interpretação é essa. Para que apoiar um governo moribundo sem apoio em troca de um ministério se existe a possibilidade real de tomar o poder todo, com amplo apoio do povo, e ainda ter a chance de sair para a história como salvadores da pátria? Como você bem lembrou, o PMDB participou do governo e tem sua parcela de culpa, mas isso será rapidamente esquecido mediante o alívio geral que será a saída do PT da presidência.
        O PT fora da presidência vai ser destruído rapidamente. Por isso eles resistem tanto.

    • Essa reforma pode ter empacado devido a pressão que o PMDB sofreu, ou não acha que depois da propaganda dizendo que não segue as estrelas e depois vendo o Picciani abanando o rabinho, ninguém foi em suas páginas sociais enquadrar e cobrar cada um dos indicados aos Ministérios?

      O que mais tem nas redes sociais é o PMDB personificado como prostituta, traidor, vendido.

    • Senhores, o poder é fluído e dinâmico. Faz-se necessário distinguir entre o poder de jure e o de facto. Creio que ontem à noite o PMDB lançou os dados à sorte. Em sua intragável propaganda muralista penso que deliberadamente calcularam-na para moldá-la ao sabor da Fortuna.
      Há muito o PMDB fez um pacto fáustico com o totalitarismo tardio do foro paulista PT. A ironia é que o partido o qual nos legou um anacrônico modelo de Estado sacramentado em sua CF/88 nunca conseguiu o poder de jure desde então. Caso o poder desorganizado nas ruas e redes de oposição aliado aos círculos de poder nacional e regional consigam vencer o PT, que tem a formidável e falida máquina estatal a seu favor, veremos o PMDB desembarcar tal qual ratos em fuga de uma nau a pique. Caso os seguidos e subversivos golpes formais do Executivo sacramentados por um verniz legal dos execráveis togocratas a ocuparem a corte mínima sejam bem sucedidos teremos uma virada alarmante a favor do projeto totalitário tardio do PT.
      Observem que até uma nulidade, uma crétin extraordinnaire como a Dilma, equipada com a máquina do Estado e algumas raposas velhas Gramscista-leninistas, pode conseguir dar o golpe final. Assim a Hidra paradoxalmente sairá mais forte de uma crise deliberadamente criada para tal ao dar o cheque-mate das “campanhas” públicas alimentadas pela Smartmatic. Nossa vitória de Pirro foi a impressão do resultado nas urnas (não será suficiente). Triunfam na crise e adversidade e nós, ambas as vertentes republicanas de cidadães livres, estamos perdendo para o partido do homem-massa!
      Jr e Daniel, Veritas odium paritas! Da verdade nasce o ódio, sabemos que o PMDB se beneficiou do esquema de poder anti-republicano do PT, ainda que como coadjuvante e numa qualificação primus inter pares. A razão de tanta hesitação é justamente limpar o terreno das investigações do lado deles e articular o escudo de defesa com a pobre oposição formal de nossa classe política num pós governo. Mas como potencial inimigo de nosso inimigo o PMDB é, numa análise política realista diante das circunstâncias graves, o ÚNICO CAVALO DE TRÓIA que temos para derrubá-la do poder de jure. A derrubada de facto prosseguirá com os cortes nos quadros de indicação, cortes de verbas do MINC e publicidade e deliberado fechamento dos canais comunicantes de sustentação financeira do inimigo. Feito isso passemos ao ataque ao PMDB quando pudermos.
      O foco, creio, deve ser em shaming cirúrgico nas altas esferas do PMDB para que não debandem; humilhar publicamente a tríade apocalíptica Fabiana do PSDB (THC, CEPAL Serra e Quisling Alckmin) para que os novos turcos PSDBistas, mais aguerridos e aliados momentâneos, sintam-se fortalecidos. Graças a Deus a tríade é mortal e não é o futuro do partido, a ala nova sabe disso mas não tem poder suficiente para desafiá-los. Os bonecos do Pixuleco com suas Excrescências que votaram a favor do golpe do STF deveriam ser inflados na frente do maldito palácio da Injustiça e lá permanecer até que o contragolpe triunfe. A kulturkampf já se acelerou e ainda há muitos que dormem no ponto e pensam que um movimento revolucionário em crise fica enfraquecido. Estamos num momento perigosíssimo, pois reitero, o poder é fluído e dinâmico. Timing é crucial e se não soubermos contra-atacar a tempo nossa chance de sucesso diminuirá exponencialmente.

  4. Certo; vamos falar sobre PMDB.

    A última vez que estiveram na presidência, tivemos hiperinflação, congelamento artificial de preços, gastos públicos descontrolados e moratória da dívida pública (Plano Cruzado). O discurso e as soluções apresentadas naquela época eram as mesmas de hoje.

    Já tiveram a chance e cagaram.

    Próximo?

      • Um Partido já registrado no TSE, mesmo não tendo representantes no poder, tem direitos (ver lei 9.096/95) que seriam extremamente úteis, como, por exemplo, acesso ao horário nobre da tv aberta.

        Que tal, ao invés de beijar a mão do Sarney ou outro pmdebista em nome do pragmatismo na guerra política, pressionarmos o Novo para que assuma o protagonismo da verdadeira oposição no país? Ele já dispõe de ferramentas o suficiente, bem como bom trânsito em grandes mídias, tipo o Grupo Abril.

      • O que está em questão não é quem a gente gostaria de ver no poder. Isso só será importante depois, caso convoquem novas eleições.
        A questão é que quando a Dilma sofrer impeachment alguém precisa assumir no dia seguinte. E só o PMDB (via Temer) pode fazer essa transição com legitimidade no Congresso. Cabe a nós decidir se apoiamos ou não esse governo de “união nacional”.

        Na minha opinião não deveríamos não. A chapa Dilma inteira merece ser cassada. É uma questão de justiça. E pragmaticamente falando, Temer não vai cortar a raiz do problema – o aparelhamento das instituições pelo PT. Ele vai é entrar em acordo com esses, é o PMDB afinal. Deveríamos pressionar por novas eleições.

        Mas a imagem de estar num protesto “lado a lado” com CUT e MST (que certamente vão tentar minar um governo de transição pra recolher os cacos em 2018) me dá calafrios.

  5. Eu fiquei impressionado com o domínio de frame da propaganda política do PMDB. Ela é dúbia quanto ao apoio ao PT, para dar a impressão de que o PMDB é a base que dará sustentação ao governo o que quer que aconteça.

    Na propaganda fala-se em “erros cometidos”, mas em nenhum momento se fala em quem cometeu e que erros foram esses, ou seja, é uma mensagem de “conforto” para o povão que se sente indignado.

    O ar severo dos pemedebistas aliado às mensagens de conforto, esperança e de união acima da crise parece indicar um frame de que o partido será a ancora de governabilidade independentemente de impeachment ou de manutenção da Dilma.

  6. John Acton disse certa vez: “O poder corrompe e, o poder absoluto corrompe absolutamente”. Este bem poderia ser o epitáfio do PMDB (visto que o PT já nasceu corrompido). O que está nos faltando é algum meio para pressionar esta corja mas não consigo imaginar nada além de uma GREVE GERAL.

  7. Se o PMDB realmente quisesse se bandear pra oposição eles jamais anunciariam isso num programa político.
    Tudo que consigo tirar da propaganda é um grupo de marketing político tentando montar uma terceira narrativa da crise (nem a do PT e nem a da oposição). Eles se distanciam um pouco do PT (e o “sem estrelismos” não é por acaso, NADA é por acaso numa propaganda política) mas ainda falam com uma certa institucionalidade de quem é governo, num tom acima do bem e do mal…

    O resultado pra mim dá uma analogia tremenda com a real situação do PMDB: confusão ideológica, uma mensagem fraca, sem convicção, que hora vai pra cá, hora pra lá e acaba não dizendo nada com substância; sem centro e unidade, tal qual esse partido que não tem cabeça, só membros.

    O que acontece é que o PMDB não tem um projeto de poder. É uma confederação de forças regionais, cada uma com seu projeto (quase) pessoal de poder. Esse ecossistema estranho parece uma anomalia, mas não é. Serve pra todas as partes envolvidas. Eles ganham eleições como ninguém pelo Brasil (exceto a Presidência). Eles poderiam sim ter um projeto nacional – mas isso é um dilema do prisioneiro pro PMDB. Todos poderiam se beneficiar de um presidente, claro, mas na falta dessa pessoa (e de ideologia como força motriz) para cada um individualmente é vantajoso colocar a máquina à serviço do candidato de outro partido com reais chances.

    On another note, acho um tanto risível a preocupação exagerada dos jornas com o proverbial fisiologismo do PMDB. Como um todo eles sempre tiveram poucos ministérios, autarquias e até mesmo médio escalão em comparação com a força que tem no Congresso. Quem é predatório com a máquina pública é o PT. São os figurões e correntes internas do petismo que vivem pressionando incessantemente pra tomar mais e mais da máquina pública, que forçam novos ministérios, que montam joguetes contra outras correntes, etc.

    Todos os aparelhos do PMDB juntos, e ainda que fossem todos corruptos, são apenas uma gangzinha comparado com a máfia de escala nacional que é o PT. Não ter ideologia nesse caso é um atenuante, eles só espoliam a máquina pública parcialmente e pro bolso deles. O socialismo torna o PT o pior tipo de bandido: aquele tem a convicção de que está fazendo “o bem”. Torna o roubo uma missão. Elevado à escala nacional, o resultado é exatamente isso que estamos vendo – o poder é em si mesmo o roubo.

Deixe uma resposta