Eduardo Guimarães não tem vergonha na cara, mas sabe fazer política

11
107

eduguimaraes

Qualquer pessoa que apoie os sucessivos golpes fiscais de Dilma Rousseff não tem vergonha na cara. Quem quer que tenha o menor senso moral sabe disso. Um sistema moral minimamente estável obrigaria o indivíduo a exigir antes que Dilma Rousseff cortasse os mais de 100.000 cargos comissionados (verdadeiros marajás em uma terra devastada) e cortasse a sangria de verbas públicas em benefício do PT.

Como os petistas gritam sordidamente para que o povo não perceba tamanha obviedade, aproveitam para atacar qualquer um que não apoie os golpes fiscais do partido. Foi assim que Eduardo Guimarães, com seu cinismo psicopático habitual, atacou todos os tucanos, pois 50 votaram contra o golpe fiscal, e apenas 1, Samuel Moreira, votou a favor da safadeza. E precisamente esse foi definido como “o único tucano que tem vergonha na cara” no blog Brasil247, abastecido com verbas do Petrolão. Decerto, mais uma inversão moral para expor os petistas como a maior escória ética que passou pelo país.

Porém, Guimarães dá um exemplo que devíamos exigir que todos os formadores de opinião e políticos que estejam alinhados conosco devem seguir: aumentem o tom. Será que preciso de novo me repetir ao relembrar que na guerra política o agressor geralmente prevalece? O que impede que utilizemos termos ainda mais fortes? Enfim, que o texto de Eduardo Guimarães, utilizado para defender uma safadeza sem limites (ou seja, os golpes fiscais de Dilma), sirva como motivação para que defendamos mais ética na política. Mas não é justo que demos a essa gente o monopólio dos termos contundentes e ataques.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Olha podem e chamar de anti-democrático mas o Brasil não vai ter jeito enquanto não fechar a USP e todas as universidades que produziram centenas de milhares de psicopatas. Se fechar hoje os cursos de humanas ainda vai demorar uns 200 anos pro Brasil se recuperar do estrago

  2. Inclusive o Brasil 171 não existiria se não fosse os planos dos sociólogos e historiadores da USP que deram a ideia ao PT de fundar o centro nazipetista de propaganda.

  3. O público alvo do Brasil 247 é a classe média que não quer se sentir culpada por ter enriquecido graças aos amigos do rei Lula e rainha Rousseff. Como a política é focada na classe média (principalmente classe média alta, vide discursos da DIlma na PUC ano passado) a única solução que eu vejo a médio e longo prazo é fechar Brasília e colocar fogo naquilo tudo e transferir a sede do governo para RJ ou SP como era antes da ideia satânica de construir a “Cidade Comunista”.

  4. Essa tática de atacar quando está encurralado é muito utilizada pela esquerda quando eles sabem que estão fazendo merda e que certamente alguém irá botar a boca no trombone. Assim, a direita sempre ingenuamente fica se defendendo quando deveria estar no ataque acusando e desmascarando os pilantras esquerdistas.

  5. O Sonho da esquerda brasileira é transformar o Brasil em Suécia tupiniquim. Agora eu entendo o motivo: os suécos desde os anos 60 não podem educar seus filhos; o Estado tem que educá-los desde os 3 anos. As crianças aos 14 anos não tem o direito de não ler sobre sexo e bestialidade; são obrigados a ler livros sobre “o mito da pedofilia como doença” e etc.
    Olha o que o “Walfare state”( invenção comunista diga-se de passagem) trouxe de bom:

    https://www.youtube.com/watch?v=U1MYMVfyHi0

    Sueca de 17 anos defende pedofilia: https://www.youtube.com/watch?v=q5F4jiXMHi0

  6. Luciano, não sei se você está sabendo sobre o êxodo de muitos membros do PT para outros partidos.

    Será que não é uma estratégia do PT infiltrar seus membros em outros partidos para conseguir se manter no poder?

    • Você está atrasado. Nos discursos dos ideólogos do PT (André Singer, Frei Betto e etc) já está quase pronta a Frente Ampla. Mesmo que não exista formalmente este partido chamado Frente Ampla, será uma junção de dissidentes do PT-PSOL

    • Kkkkkkkkkkkkkkk Matéria ridícula da Folha. Fez uma defesa ao Guilherme Boulos sutil, e depois falou: “Agora vamos ouvir o outro lado”. Kkkkkkkkkkk

      Eu fico abismado em como o jornalismo no Brasil ainda é levado à sério.

Deixe uma resposta