Governistas praticam incessantes crimes de ódio, calúnia e difamação impunemente. O que fazer?

11
101

wyllys

No velório de José Eduardo Dutra, ex-senador e ex-presidente do PT, alguns manifestantes apareceram, educadamente. Outras figuras anônimas surgiram lançando panfletos dizendo “petista bom é petista morto”. O deputado Durval Ângelo (PT), líder do governo na assembléia legislativa de Minas Gerais disse: “São ações orquestradas. É lastimável. Nos dói muito esses panfletos e o clima de intolerância”. O ex-deputado federal Virgílio Guimarães comentou: “é lamentável, e parte dessa onda de ódio que vive o país”.

Jean Wyllys, sempre autoritário, como sói ocorre com os bolivarianos mais violentos, afirmou que “as autoridades desse país precisam dar uma resposta imediata a manifestações de ódio, desumanidade e incivilidade como essa! Sim, precisamos dizer não a esse estado de barbárie!”

Vamos aos fatos.

Sempre que criticamos comportamentos petistas, o fazemos diante de pessoas que definitivamente existem. Se culpamos Lula por chamar “o exército de Stédile”, temos um vídeo onde ele faz sua declaração. Se criticamos Vagner Freitas, presidente da CUT, geralmente colamos junto o vídeo com suas declarações. Vale o mesmo para as cenas ridículas onde Marilena Chauí diz odiar a classe média. Os casos mais escabrosos de violência política que vemos por aí surgem pelas mãos da extrema esquerda e não precisamos sequer acusá-los. Apenas exibir evidências, sejam elas dispostas em vídeos com declarações, sejam pela via de discursos não contestados em entrevistas capturadas pela mídia.

Por outro lado, os piores casos de violência política de que a extrema esquerda acusa a oposição quase sempre não se sustentam por evidências. O modus operandi bolivariano é simples:

  1. Citar críticas argumentativas ao PT ou até mesmo o apontamento de fatos pela mídia (o que eles odeiam)
  2. Citar, em seguida, eventos de violência praticados por anônimos (que podem ter sido feitos por eles próprios para acusar adversários)
  3. Dizer que (1) é responsável por (2)
  4. Tentar obter formas de censurar qualquer opinião divergente a partir de (3)

Eis o totalitarismo bolivariano mais pelado do que nunca.

Tenho certeza que petistas estrebucharão, dizendo, “O Luciano está nos acusando de forjar crimes?”. Não. Estou afirmando os fatos. Existindo um crime praticado por anônimos, contra o PT, ele pode:

  1. Ser praticado por opositores do PT
  2. Ser praticado pelos próprios petistas, para culpar opositores (como na ditadura tivemos a bomba no Riocentro)
  3. Ser praticado por vândalos sem nenhuma afiliação política (o que é menos provável)

A existência das três possibilidades não passa de um fato do mundo. Acusar a oposição, sem provas, seria tão irresponsável quanto afirmar 2, sem as mesmas provas. Não é preciso fazer a acusação (2) enquanto temos provas indubitáveis de que os petistas estão praticando crimes de calúnia de difamação ao afirmar (1), sem quaisquer provas para tal.

Para fazê-los pagar o preço por tanta afronta, primeiro é preciso criar uma conscientização interna, entre nós, de que os bolivarianos são tão cínicos, tão depravados, tão torpes, tão totalitários, tão inimigos da democracia que estão nos acusando sem qualquer tipo de prova, exatamente como fizeram com Leopoldo Lopez na Venezuela, com o fito de prendê-lo sem uma nesga de evidência. A simples conscientização deste fato deve nos ser útil.

A seguir, outras ações:

  • Demonstrar-se, com orgulho, como oposição ao PT, e exigir que os petistas apresentem provas de que pessoas de que é realmente a oposição que praticou os crimes.
  • Apontar, claramente, como reiteradas vezes o PT usa crimes de anônimos, de forma muito conveniente, para se fingir de vítima, tal qual os nazistas fizeram várias vezes contra os judeus na Alemanha Nazista. É sempre o mesmo: bombinha no Instituto Lula, panfletos no velório, etc. Mas evidência que é bom, nada.
  • Lembrar que isso não é prova de que são petistas por trás dos crimes, mas que é prova de que petistas acusam sem provas, e portanto estão praticando crime de ódio contra meros opositores.
  • Observar com atenção redobrada todos os discursos que os petistas fazem sobre o tema. Afirmações como “ações orquestradas” podem ser converter em processos judiciais, para que os petistas expliquem: “Orquestradas por quem? Tem como provar?”.
  • E daí por diante.

Acusar oponentes sem provas, tentando associar uma oposição à violência que ela não tem praticado, ao mesmo tempo em que apoiam regimes tirânicos e até a censura de opositores, deve ser mais um motivo para termos nojo dos procedimentos políticos petistas.

A forma mais perversa, criminosa, psicopática de se fazer política, em toda a história da política nacional, é aquela que tem sido praticada pelos petistas. E isso não pode ficar impune. Eles precisam ser desafiados em público pelo que tem praticado.

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Nos movimentos de junho de 2013, quando o povo tomou as ruas, os Black Blocks apareceram para esculhambar. Jornalistas, políticos e idiotas em geral se mostravam escandalizados com aquela violência nas manifestações.
    Hoje sabemos de onde vieram os BBs e os responsáveis, as chamadas forças auxiliares, continuam esbanjando cinismo e arrogância. Seja nas redações, nas tribunas ou nas redes sociais.
    A chance de alguém, dentre aqueles que foram pacifica e ordeiramente às ruas nas ultimas manifestações, ter feito essa desprezível panfletagem no velório, ou de ter jogado um traque no instituto lula, é ínfima!

  2. A esquerda vive incitando o ódio, ameaçando colocar exércitos de pães com mortadela nas ruas, pegar em armas e etc… Aí quando o povo se revolta como esta acontecendo dão uma de vitima! “Ui, quanto ódio”. Quem planta, colhe! Quem plantou esse ódio contra a esquerda foi a própria esquerda com suas ameaças patéticas, que além de terem saqueado tudo, quebrado tudo, roubado tudo, ainda ameaçam o povo Brasileiro, é mole! Esperavam colher o que? Declarações de amor?!!

  3. Vamos lá, tomar uma maracujina antes de comentar a respeito disso…

    Jean Wyllys é um dos maiores lixos que esse país ainda não jogou fora.
    O que um cara desses faz com ele mesmo? Se joga duma ponte? Bate a cabeça na parede até apagar? Porra! Mas que sujeito desnecessário.

    A respeito disso que ele falou é completamente fácil dissecar:

    “as autoridades desse país precisam dar uma resposta imediata a manifestações de ódio, desumanidade e incivilidade como essa!”

    Por que ele não diz isso a respeito de menores que estupraram a deficiente na rodoviária?
    Por que ele não defende que ~~as autoridades~~ prendam bandidos?
    Por que ele não defende que sejam punidos quem mata e estupra?

    Para Jean Wyllys, matar e estuprar não é ato de desumanidade e incivilidade. Já xingar uma porra de um petista, sim. Jean Wyllys prefere que mate e estupre do que xingar. Fica a dica.

    “Sim, precisamos dizer não a esse estado de barbárie!”

    Lembrando, para Jean Wyllys não é barbárie o tanto de crimes que amedrontam o brasileiro, que matam e estupram o brasileiro. É barbárie um maluco colar em um velório com um cartaz.

    Jean Wyllys, confessa, você deve odiar ser você mesmo.
    Deve odiar ser tão feio, tão banana, tão imbecil, ter voz ridícula, ter jeito de panaca, não comer (nem dar pra) ninguém, um lixo que já devia estar no esgoto há tempos. PANACA!

  4. O jeito bolivariano das esquerdas latino americana é esse. Um jeito irresponsável, cínico, debochado, criminoso. A verdade é que todos os brasileiros de bem não toleram esses psicopatas. Pergunto: quem os tolera então?

  5. Só para recordar, esse episódio do velório é mais um no qual suspeitamos ser operação de falsa bandeira devido ao retrospecto recente. Hoje em dia, devido à facilidade de impressão, essas fotomontagens podem muito bem ser feitas em qualquer impressora e qualquer um poderia fazê-lo sem ter qualquer formalidade de gráfica, que sabemos precisar registrar os pedidos que nela ingressam. Não é também muito difícil obter umas mil folhas de A4 para fazer algo, que muito bem poderia já estar pronto e só esperando algum episódio como estopim para a divulgação de tais panfletos, ao que temos também de considerar o tempo necessário para fazer uma fotomontagem de Dilma como a que vimos nesses papéis.
    O padrão é parecido com aquele que vimos na bomba do Instituto Lula ou antes, quando dos incêndios em diretórios do PT: algo que acontece em um horário ou modo que não gera prejuízos humanos e com as imagens que supostamente provariam a coisa sempre sendo pouco esclarecedoras, além de dificilmente termos registro de ocorrência policial. Vamos sempre levar em conta que o marxismo-humanismo-neoateísmo sempre prega não existirem verdade e mentira, mas sim aquilo que avança ou não a agenda que querem implantar, o que em tese permite a mentira se ela ajudar na obtenção de um avanço de agenda. Se praticado por marxistas-humanistas-neoateístas para acusar supostos inimigos, é aquele tipo de coisa também feito para tentar juntar os militantes para um só front de batalha, considerando-se o quão atomizado é tal movimento.

    Se formos investigar as coisas mais a fundo, vemos que muitas pontas soltas são deixadas.
    Poucas semanas atrás, no Caminho Niemeyer, em Niterói, surgiram cartazes supostamente atribuídos a uma organização chamada Imperial Klans of America Brazil, divulgados com estardalhaço no Face:

    http://4.bp.blogspot.com/-NZwLsPIaehs/VgAjBijubrI/AAAAAAAADm4/-6-rhZY1PuE/s1600/diariodorio-horz.jpg

    http://www.facebook.com/photo.php?fbid=1073326179358893&set=a.223835754307944.65422.100000445645895&type=3&permPage=1

    Logo isso viria a povoar os meios de comunicação, primeiramente saindo em sites MHNs mas posteriormente na grande mídia, como se pode ver aqui e logo após também divulgado no Face:

    http://www.facebook.com/rodrigomondego/posts/1073835209307990

    Porém, logo atentaram para um detalhe meio respingado em uma das imagens:

    http://4.bp.blogspot.com/-zqT-DJmhY0A/VgAq2i9PsnI/AAAAAAAADnI/EIfxee_c-Qo/s320/emanuel.jpg

    http://www.facebook.com/institutoliberaldesaopaulo/photos/a.1614901325402014.1073741827.1614894922069321/1895545390670938/?type=3&permPage=1

    https://www.facebook.com/institutoliberaldesaopaulo/photos/p.1895601513998659/1895601513998659/?type=3

    Isso também rendeu postagens de blog, como se pode ver na mais divulgada de todas sobre o assunto e que foi reproduzida aos montes na postagem do Face que deu origem a tudo. Quando começou a confrontação, eis que tivemos isto aqui:

    http://www.facebook.com/rodrigomondego/posts/1074030252621819

    Porém, como irão notar, o pessoal também caiu em cima e talvez estejamos vendo a transferência para outros campos do combate à ideologia MHN aquilo que já vimos aqui após aquela incrível onda de denúncias de estupro via postagens do Face:

    http://www.facebook.com/resistencia.anti.feminismo.marxista/posts/476236225882961

    Dá para aplicar a mecânica aqui citada para uma série de outras ações que estranhamente parecem muito boas para que MHNs possam usar como megafone.

    • Nenhuma novidade.Infelizmente a imprensa virou uma espécie de porta-voz de boatos de Facebook.Esses dias o R7 publicou uma matéria sobre um “estupro” que tinha “ocorrido” em um metrô de SP e que o público tinha incentivado, usando relato de facebook como fonte.
      No final, o tal “estupro” não tinha BO da polícia, não tinha imagem de câmera, não tinha testemunhas.Só um hoax que o portal do Pedir Mais Cedo engoliu
      Se tivesse praticado o que o jornalismo determinha (ou seja, investigar), não teria passada tamanho vexame.

      http://noticias.r7.com/sao-paulo/metro-diz-que-nao-encontrou-imagens-que-comprovem-abuso-coletivo-20082015

      Nesse ponto eu concordo com o pessoal do O Antagonista, quando eles dizem que boa parte da imprensa brasileira está morta.

      • Uma coincidência interessante: esse suposto abuso no metrô foi em 20 de agosto, enquanto a nota da página Resistência Anti-Feminismo Marxista é do dia 21 daquele mês. Ainda neste ano, dentro da onda de falsas acusações de estupro, tivemos gente que foi mais adiante, como aquela estudante uspiana que fez falso BO de estupro e depois teve de revelar que a única estuprada foi a verdade factual. Antes disso também tivemos aquela menor de idade carioca que disse ter sido estuprada por três eleitores do Aécio Neves, em mais uma história que por si só já soava absurda e que mais absurda ainda ia se tornando quando líamos algumas risadas da própria em relação à situação. Por isso que as dicas da Resistência Anti-Feminismo Marxista são preciosas e sua dinâmica, transferível para outras tantas coisas esquisitas que vêm do marxismo-humanismo-neoateísmo, bastando aí trocar “estupro” por outro crime.
        E, como disse antes, esses tipos de relato falso também podem ser o chamado “apito de cachorro” (dog whistle), que serve para congregar os militantes em alguma ação a ser feita e da qual só eles saberão o motivo, com o público de fora ficando sem saber o porquê. Caso desmascarem, subitamente a frequência não audível passa a sê-lo por quem é de fora.

      • Mais uma história para ficarmos bem atentos, ainda mais que usa as pichações de banheiro, de comprovação ainda mais difícil de autoria, para perpetrar um suposto caso de racismo no Mackenzie:

        http://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpa1/v/t1.0-9/1546349_883586665058885_925096804485717473_n.jpg?oh=1a874173f0b8781d8be4c8b7ba340185&oe=56A0C1FD&__gda__=1456244095_a7fa4cdef82e1e0870d56f3ad2a33c4b

        http://instagram.com/p/8hfRo7i509/

        Como pode observar, é do Instagram de Tamires Gomes Sampaio, que estuda no Mackenzie e é segunda vice-presidente da UNE. Pela interligação entre Instagram e Facebook, também pintou no perfil dela na rede do senhor Zuckerberg:

        http://www.facebook.com/photo.php?fbid=883586665058885&set=p.883586665058885&type=3

        Veio acompanhado de textão, que abaixo reproduzo:

        Lugar de racista não é no Mackenzie, é no presídio.

        Novamente um recado covarde, escrito nas paredes, dessa vez foi no banheiro do Prédio 3, que é o prédio dos Estudantes de Direito dos últimos semestres, dentro do campus do Mackenzie.

        É difícil pra mim, como estudante negra, desse mesmo prédio, escrever sobre essa imagem, por que ela é a representação do pensamento racista que eu sei que passa na cabeça de muitos que permeiam pelo Mack.

        O negro foi historicamente segregado no Brasil, desde a abolição da escravidão, fomos sistematicamente jogados para as periferias; nossos costumes, religião, luta, lazer, tudo que vinha de nós foi criminalizado. Foi determinado um papel e um lugar para o negro, e coitado do que tentasse ultrapassar o limite que nos foi colocado.

        Esse processo histórico tornou o racismo estrutural e institucional. Não é a toa que vivemos um genocídio da população negra no nosso país. A carne mais barata do mercado e a mais marcada pelo Estado é a negra.

        Acontece que o país mudou, houve uma transformação social grande, os negros passaram a ter acesso a espaços de formação e de poder que historicamente nos foi negado. E isso incomoda os que foram historicamente privilegiados. Muitos não se conformam em ter que dividir os espaços conosco.

        Volto novamente a dizer: podem chorar e escrever nas paredes quantas vezes quiser elite, branca, racista, MAS vai ter preto na universidade SIM.

        Nosso lugar é nas melhores universidades do país, nos melhores empregos, nos espaços de formulação e de poder.

        No Mackenzie vai ter professor negro, funcionários negros, aluno negrxs, diretores negrxs, reitores e presidentes de Centro Acadêmico negros SIM !

        Aqui existimos e resistimos!

        ‪#‎AfroMack‬ ‪#‎CombateORacismo‬ ‪#‎Mackenzie‬

        Acabou por consequência virando notícia em uma série de publicações, sejam as abertamente marxistas-humanistas-neoateístas, sejam aquelas que não são MHNs, mas têm maioria de jornalistas de tal espectro:

        http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/estudantes-denunciam-pichacao-racista-em-faculdade-de-direito-de-sp/

        http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2015/10/pichacao-racista-e-encontrada-em-banheiro-do-mackenzie-em-sp.html

        http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/pichacao-com-teor-racista-e-encontrada-no-mackenzie

        http://www.brasilpost.com.br/2015/10/07/racismo-mackenzie_n_8257842.html

        Além de já ter havido gente replicando as notícias em rede social com direito a querer agir naquela base de se fulano tem fenótipo europeu, tem de ser rechaçado por quem tenha ancestralidade africana:

        http://www.facebook.com/will.cirino/posts/958325460895258

        O próprio Mackenzie já se pronunciou a respeito do tal episódio, ocorrido no banheiro masculino do bloco 3:

        http://www.scribd.com/doc/283971621/Comunicado-Direcao-Direito-Mackenzie

        COMUNICADO Nº 007/15

        À Comunidade Acadêmica da Faculdade de Direito, A Direção da Faculdade de Direito comunica que tomou conhecimento no final da tarde de hoje da existência de dizeres de cunho racista no banheiro masculino do subsolo do Prédio 3, Campus Higienópolis.

        Lastreada nos valores e objetivos institucionais, a Direção se manifesta no sentido de repudiar todo e qualquer ato, ação ou manifestação de cunho racista em nosso ambiente.

        Ainda não sabemos a autoria, o que nos impossibilita de precisar se tal ato foi realizado por algum aluno ou membro da comunidade da Universidade. Informa que já foi feita a denúncia aos órgãos e instâncias responsáveis pela apuração, foi instaurado procedimento interno para apuração dos fatos e possível identificação de autoria, para que possamos imputar responsabilidades.

        Somos resultado de um processo de doação, entrega, solidariedade e pioneirismo a partir de uma experiência inovadora caracterizada pela introdução de um ensino destinado a todos os membros da comunidade brasileira, sem discriminação, e que este mês completa 145 anos.

        Nossa história de ampliação de liberdades e construção de oportunidades, nos impõe a reafirmação permanente do nosso compromisso com a defesa dos Direitos e Garantias Individuais e Coletivos, com o bem-estar do nosso povo e o repúdio a atos discriminatórios de quaisquer naturezas.

        São Paulo, 06 de outubro de 2015.

        E aqui vamos a alguns questionamentos:

        1) Sabemos haver um “braço longo da revolução” em relação ao Mackenzie, devido àquele episódio de 1968 em que a rua Maria Antônia virou praça de guerra. Logo, uma pichação dessas seria uma forma de fazer batalha interna em um lugar que o coletivo MHN tem ódio desde um tempo em que possivelmente os pais dos estudantes MHNs de hoje sequer eram nascidos ou eram muito pequenos;

        2) O Mackenzie, como sabemos, é ligado aos presbiterianos. Presbiterianos são cristãos e Cristo, como sabemos, faz MHNs estrebucharem mais do que vampiro na luz do sol. Sabendo ser a ética judaico-cristã um dos pilares que o marxismo-humanismo-neoateísmo quer derrubar, um ato desses dentro de uma instituição cristã é algo muito aproveitável para promoverem sua ideologia e fazer uma “marcha para dentro das instituições”, como preconiza Gramsci, algo que não ocorre tanto em faculdades particulares de nosso país quando comparamos às públicas;

        3) Notamos um recrudescimento no lado afro-MHN nos últimos tempos. Se antes eles queriam envergonhar os mestiços dizendo que eles são frutos de estupro, que “mulato” é filho de mula e “pardo”, de pardal, além de obrigá-los a renegar outras ancestralidades que não a africana (isso sem falar do uso de mestiços sem ancestralidade africana e igualmente pertencentes à categoria “pardo” para engrossar uma categoria “negros” que seria a soma de “pardo” e “preto”), agora eles querem cercear a mestiçagem futura, querendo envergonhar as pessoas de origem africana que por acaso se casarem e terem filhos com pessoas de aparência caucasiana, usando o termo “palmitagem” e “palmiteiro”, além de falar de uma suposta “solidão da mulher negra”. Um episódio como esse do Mackenzie poderia ser uma forma de tentar “polinizar” mentes influenciáveis para que pratiquem preconceito contra os supostos “traidores da raça”, já naquela base de defender que as pessoas se juntem em guetos e vejamos brigas nas ruas, como aquela postagem que pus acima;

        4) Considerando-se a hipótese de alegação sob medida para uso pelos afro-MHNs, essa pichação no banheiro é ótima para quererem pôr a culpa em um coletivo chamado “brancos”, “cristãos” e o que mais houver na prateleira de adjetivos de significado elástico que o movimento tenha, uma vez que feito com pincel atômico e dificilmente se podendo saber quando e por quem foi feito, uma vez que não há câmeras dentro de banheiros públicos pela óbvia razão de privacidade que atos tão íntimos como os feitos em um banheiro exigem;

        5) Além da tal privacidade necessária para atos que só uma pessoa pode fazer por ela mesma, temos o fato de que sequer dá para saber o número de série de um pincel atômico para saber quem o comprou. Também fica muito conveniente para o MHN jogar a culpa em quem sequer teria como estar no bloco 3 para escrever tais garatujas.

        A página Negros contra o Movimento Negro, tocada pelo Autêntico, já falou a respeito do ocorrido e já há comentário na postagem desconfiando de ataque de falsa bandeira:

        http://www.facebook.com/1611299849088372/photos/a.1688260184725671.1073741829.1611299849088372/1735749379976751/?type=3

  6. ….os ditos “coxinhas” estão deixando o pais em massa….obviamente não suportando mais a hostilidade vividas nos últimos anos…..comentários agressivos e ignorantes são constantes em inúmeros blogs da esquerda, como: “Tão indo embora, já vão tarde”…”não vai fazer falta nenhuma”…..”Vão com Deus”….e assim por diante exercem um falso direito de vingança contra os que sequer cometeram algum crime, muito pelo contrário, a síndrome de Estocolmo na grande massa brasileira esta cegando-os de tal maneira que eles não conseguem ter discernimento para perceber que a tal “elite branca” é que sustenta o pais economicamente e não o governo, que com o êxodo atual a taxa de desemprego vai subir assustadoramente, até o Itamaraty se preocupou com a questão recentemente…..mas a tendencia é de mais representantes das classes médias (a antiga claro) e das elites deixando o pais…nenhum povo que se preze concordaria em praticamente expulsar os seus mantenedores, chega a ser ridículo…diversas fábricas estão fechando as portas no Brasil e muitas reabrindo em outros países, inclusive no Paraguay (que sorte para a economia deles) …aproveitando a situação os países dão vantagens e benefícios que nunca tínhamos visto por aqui…e agora é que realmente não veremos…..ao deixar este inferno (literalmente) estamos trocando o luxo pela segurança em todos os níveis, pelos nossos filhos….uma declaração da ministra Matilde Ribeiro foi além do aceitável: “Não é racismo se insurgir contra brancos”…o que é isso?…um desrespeito a nossa Constituição e mais ainda, contra os que sequer cometeram algum crime….é o fim….por isso, e não como alguns indagam “covardia”, deixo o Brasil e minha vida no mesmo, afinal tem que ter muita coragem para recomeçar em outro país…..mas correndo os riscos altíssimos dentro de um Brasil falido na mão de criminosos não penso duas vezes…….quem quiser salvar os seus que faça o mesmo enquanto é possível….quem ficar “substitua a carne por arroz”……….

Deixe uma resposta