Diálogos com um negacionista

100
294

bigstock--D-people-in-a-debate-isolated-13645262

Em nome da facilidade de entendimento, aqui está um debate ocorrido no Facebook – este é um post longo, mas para quem quiser entender um tanto das divisões hoje entre a direita vale a pena . A polêmica começou depois que fiz o seguinte post:

Se eu já disse que Olavo de Carvalho foi o grande remédio para a direita no Brasil, fiquei devendo uma informação, que atualizo agora. Os efeitos colaterais estão sendo terríveis. Ao denunciar o Foro de São Paulo, foi ridicularizado pela mídia. Ele estava com a razão. Também estava com a razão ao explicar a mente esquerdista pela primeira vez para os brasileiros, e também ao demonstrar o modus operandi gramsciano. Em relação ao tão negado Foro, ele parece nunca ter se livrado deste ressentimento. Isso está se tornando cada vez mais nítido, não apenas em seu comportamento mas em muitos de seus seguidores, que praticamente já compõem um “novo perfil” de direitistas. Está defendendo coisas como “intervenção civil (que depois seria complementada por uma intervenção militar, é claro)” e retirada de direitos políticos de oponentes (após a intervenção civil), além de ter dito, à Joice Hasselmann, que o PT “deveria ser tirado do poder de qualquer jeito”. Essas ideias são autoritárias e, pior do que tudo, negam a política. Como consequência, os que aceitam essas ideias à risca também negam a política. Fazendo isso, não irão lutar por um impeachment, pois, para eles isso seria “submissão a políticos”. Eles são claros enquanto falam isso. Logo, pode até ser que eles tenham outra meta. Mas para impeachment, não podemos contar com eles. Pelo potencial intelectual de Olavo e assertividade, de todos os casos, este é o que mais podemos definir como “desperdício de esforços”.

Dois leitores de Olavo ficaram muito bravos e vieram no meu inbox. Daí escrevi o seguinte, apontando o que compreendia como se fosse meramente uma lista de fatos:

(1) Olavo acertou no caso do Foro (foi indevidamente ridicularizado, por estava com a razão)

(2) Acertou sobre estratégia gramsciana

(3) Acertou sobre a mente esquerdista

(4) Vive tocando na tecla do Foro, pois nunca esquece a negação dos jornalistas – por isso, talvez, a questão tenha virado ponto de honra

(5) Seus leitores compõem quase um “novo perfil” de direitistas

(6) Muitos desses leitores usam estruturas argumentativas e retóricas similares às de Olavo

(7) Ele defende intervenção civil (que inexoravelmente precisa ser complementada por intervenção militar)

(8) Ele defende extinção de direitos políticos de seus oponentes

(9) Ele disse que o PT “deveria ser tirado do poder de qualquer jeito”.

(10) Há autoritarismo nessas ideias

(11) Há também negação da ação política tradicional (que é a que o PT faz há décadas)

(12) Olavo e seus leitores não estão focados em impeachment

(13) Se formos contar com eles, é para outra meta, não impeachment

(14) Isto é uma pena, pois, em uma ação de impeachment, ele poderia nos ajudar muito com seu potencial assertivo

Aos leitores de Olavo que não gostaram: qual dos 14 itens acima vocês querem CONTESTAR? Reparem: não é JUSTIFICAR (pois as justificativas de “beco sem saída” eu já conheço de cor e salteado)

Ora, se eu problematizei a atuação desses três FORMADORES DE OPINIÃO na QUESTÃO DO IMPEACHMENT, então eu não posso ser refutado por alguém que diga “ah, mas veja, devemos renegar o impeachment por…”, pois isso é a VALIDAÇÃO de minha tese, e não uma refutação.

Alias, entender um problema desta forma é algo que o Olavo de Carvalho já ensinou também….

Filipe G. Martins escreveu o seguinte, para, supostamente, me rebater:

(1) O que isso significa? Por que começar por aqui e não, digamos, pela construção dos métodos e das abordagens que permitiram a ele obter acertos muito maiores do que o mencionado? Será por que você está falando de um fragmento do Olavo e não do Olavo que as pessoas que vão além do Facebook e dos Hangouts conhecem?

(2) Ele não apenas acertou sobre a estratégia gramisciana. Ele a estudou, a assimilou, e compreendeu suas falhas e lacunas. Você, por outro lado, sempre que fala no assunto demonstra conhecer Gramsci apenas de ouvir falar.

(3) Ele não acertou apenas sobre a “mente esquerdista”, ele acertou sobre a mente revolucionária, uma categoria bem mais abrangente, incluindo iluministas e pseudos-neo-iluministas que acham brilhante a idéia de usar Gramsci para outros fins.

(4) Este é talvez a afirmação mais ridícula, pois é baseada numa especulação que projeta motivações psicológicas infantis sobre as motivações de um homem que tem um horizonte de consciência muito mais amplo que o seu. De onde você tirou que ele só toca nesse ponto por não esquecer a negação dos jornalistas e ver isso como uma questão de honra? Você sequer cogitou a possibilidade de que ele insista nesse ponto por que o julga de fato mais importante e essencial para derrotar a esquerda?

(5) Essa afirmação não diz nada, posto que não foi sustentada com argumentos ou demonstrações.

(6) Isso é natural. Ninguém usa estruturas argumentativas e retóricas totalmente originais. Então, é apenas mais uma banalidade que nem deveria ser mencionada.

(7) A “intervenção civil” não precisa ser complementada por uma intervenção militar. Isso é bobagem das grossas. O próprio Gene Sharp, o principal referencial neste ponto, propõe a resistência civil como uma forma de evitar a intervenção militar, que nunca pode ser controlada e quase sempre tem um desfecho imprevisível e indesejado.

(8) Incorreto. Ele não defende a extinção de direitos políticos de seus oponentes, ele defende a cassação de direitos políticos de criminosos — e diz que isso nem precisa ser feito pelas vias oficiais, bastando que a população continue se negando a ouvi-los.

(9) Você sofre de síndrome de asperger? Tem dificuldade com linguagem que não seja literal? Acredita, por exemplo, que ao dizer isso ele estava afirmando que, caso um sacrifício de todos os filhos dele em um altar satanista fosse resultar na queda do PT, ele faria tal sacrifício?

(10) Há uma inversão aqui. Não há autoritarismo nessas idéias, mas anti-autoritarismo. Seria autoritário pedir a cassação dos direitos políticos de grupos autoritários ou totalitários como nazistas e comunistas?

(11) Não há negação da ação política tradicional; há, isto sim, uma rejeição da escolha de se limitar à política tradicional, sem alargar os limites que foram fixados pelo PT e pela esquerda para o jogo político e sem completar a etapa que antecede essa ação que é a de construir uma base de apoio sólida para além da política tradicional.

(12) Eles não estão focados no impeachment, mas possuem objetivos mais amplos que abrangem o impeachment.

(13) Portanto, vocês podem contar com eles para o impeachment. Mas eles não podem contar com vocês para os objetivos mais amplos que possuem, devido a limitação de seus objetivos.

(14) O que é uma pena, pois, em uma ação que mire não apenas em uma presidente frágil mas vise mudar o cenário político, toda ajuda — mesmo a de quem não entende muita coisa e nem percebe isso — é bem-vinda.

O respondi assim:

Filipe Martins é o típico “bravinho” que acha que vai gerar resultados políticos assim. Ah, se ele resolvesse assistir as discussões táticas da esquerda para ver que é outro nível… Mas, enfim, não adianta falar.

(1) Não interessa se são “fragmentos”. O que interessa é que vocês, que seguem os “fragmentos”, executam ações no MUNDO. E estamos vendo o resultado… Apelo metafísico não muda o resultado.

(2) Tenho todos os livros de Gramsci, obrigado. E não só isso. Não pense ser mais esperto do que realmente é.

(3) O que ele chama de mente revolucionária é a religião política, já vista por Norman Cohn, Voegelin e Gray, em outros termos. É bom estudo sim, mas não pertence só à esquerda… Gramsci é usado até em empresas para implementar processos, caso você não saiba.

(4) Se isso é culto a personalidade, nada mais é. O fato de Olavo ter um horizonte de consciência alto, não muda o fato de que ele é humano. Afirmar que a repetição excessiva da história de que “muitos tentaram ignorar o Foro de São Paulo” pode ter deixado-o com rancor não é um desrespeito. É uma observação normal em análises críticas.

(5) Quando eu digo que os leitores de Olavo praticamente compõem um “novo perfil” de direitistas, Filipe diz o seguinte: “Essa afirmação não diz nada, posto que não foi sustentada com argumentos ou demonstrações.”. Não seja por isso. Já publiquei a primeira versão de um checklist, e logo sai a próxima, no blog, capaz de prever os discursos que você usarão em várias situações. O padrão de comportamento já é mapeável.

(6) Quando eu falei que muitos leitores utilizam estruturas argumentativas e retóricas similares às de Olavo, Filipe diz: “Isso é natural. Ninguém usa estruturas argumentativas e retóricas totalmente originais. Então, é apenas mais uma banalidade que nem deveria ser mencionada.”. Claro que deveria ser mencionada, pois se há equívocos em um discurso, e eles são reproduzidos ipsis literis, melhor sabermos os padrões. E isto é uma pena, pois se o Olavo indica aos seus alunos que busquem expandir o horizonte de conhecimentos, repetir exatamente o que ele diz parece até uma contradição. Eu mesmo tomo por base o pensamento de Olavo mas o expandi com outros autores. Isso é ser influenciado de fato, ao invés de querer virar um simples decalque.

(7) Sobre “intervenção civil”, ok, mas então vocês precisam dar um sumiço em vídeos onde o Olavo explica que ao fim do processo o exército deve ter uma escolha de apoiar o grupo que tomar o poder, depois de escrever a nova constituição.

(8) Olhem só que maravilha. Filipe diz: “Ele não defende a extinção de direitos políticos de seus oponentes, ele defende a cassação de direitos políticos de criminosos — e diz que isso nem precisa ser feito pelas vias oficiais […]”. Isso se chama apenas um reframe, mas não é dos melhores. Táticas de desumanização envolvem usar atributos para os oponentes na justificativa de ações autoritárias. Os petistas, alias, estão jogando o jogo político há décadas. Como retribuição, a ideia é cassar direitos políticos. Maravilha.

(9) No item 9 vem a ofensinha tradicional com a qual essa tropa encara os debates críticos, motivo pelo qual jamais estarão aptos a qualquer discussão tática que qualquer esquerdista faz com um pé nas costas: “Você sofre de síndrome de asperger? Tem dificuldade com linguagem que não seja literal? Acredita, por exemplo, que ao dizer isso ele estava afirmando que, caso um sacrifício de todos os filhos dele em um altar satanista fosse resultar na queda do PT, ele faria tal sacrifício?”. Nem merece resposta. O que eu disse é o oposto. Ao dizer que o oponente “deve ser vencido de qualquer jeito”, ele dá o comando verbal para que os limites que conhecemos no trato ao oponente político podem ser quebrados.

(10) Momento mágico: “Há uma inversão aqui. Não há autoritarismo nessas idéias, mas anti-autoritarismo. Seria autoritário pedir a cassação dos direitos políticos de grupos autoritários ou totalitários como nazistas e comunistas?”. He he he…. Isso se chama misturar esferas de debate (lógico e político), um amadorismo de dar dó. De fato é possível criar um argumento desse jeito, mas, politicamente, quem atuou no âmbito cultural para transformar comunismo em algo tão condenável quanto nazismo? Pior, se o comunismo é mutante, enquanto o nazismo não é, como atacar um adversário que muda de forma à vontade do mesmo jeito que se ataca um outro adversário parado? Essas questões, para começar, mostram que o próprio argumento tático não vai à frente.

(11) Filipe diz: “Não há negação da ação política tradicional; há, isto sim, uma rejeição da escolha de se limitar à política tradicional”. Que beleza. Justamente no momento em que vitórias políticas são necessárias, uma legião de pessoas é orientada a pensar em “usar política com moderação”. O resultado é isto aí. Não se tem uma coisa nem outra.

(12) Outra: “Eles não estão focados no impeachment, mas possuem objetivos mais amplos que abrangem o impeachment.” Claro, claro… Quem diria algo diferente, certo?

(13) Filipe: “Portanto, vocês podem contar com eles para o impeachment. Mas eles não podem contar com vocês para os objetivos mais amplos que possuem, devido a limitação de seus objetivos.”. É exatamente o oposto. Ao pedir “ok, impeachment, mas com moderação”, há uma retirada de esforços clara no momento de ações táticas que precisam de esforços. Ao falar de “objetivos mais amplos que possuem”, essa foi uma das mais desastrosas premissas que já ouvimos, pois é inventar um atributo que os outros não possuem. De onde se tirou que os grupos que apoiam o impeachment iriam desistir em caso de sucesso? Inventar premissas é o caminho para o desastre.

(14) E por fim, Filipe complementa: “O que é uma pena, pois, em uma ação que mire não apenas em uma presidente frágil mas vise mudar o cenário político, toda ajuda — mesmo a de quem não entende muita coisa e nem percebe isso — é bem-vinda.” Eis de novo o argumento de que “não é para focar tanto no impeachment, mas no objetivo mais amplo”, que é EXATAMENTE O PROBLEMA apresentado. Me surpreende que alunos do Olavo não estejam sabendo DISCUTIR UM PROBLEMA. Se vocês estão sendo acusados de prejudicar uma ação (x) factível, a partir da elaboração de um discurso focado em “ambições maiores” (o que é algo comum quando se discute senso de urgência, então não há nada de novo no seu argumento), a partir de premissas falsas sobre quem defende a ação (x), não adianta dizer “temos ambições maiores” ou “vocês vão interromper a luta contra o Foro se o PT cair” que isso apenas CONFIRMA o meu argumento.

Enfim, Filipe, ficou mal, pois você confirmou meu argumento, ao invés de rebatê-lo.

E, enfim, Filipe respondeu, e a partir de agora, o que se verá é um debate entre eu e ele. Na verdade, é minha resposta longa a um post dele, em um formato mais amigável para a compreensão de todos, ao invés de forçar todos a ler um texto extenso de uma única parte, para depois outro.

O DEBATE

Felipe: Você facilitou um bocado o meu trabalho ao começar essa segunda postagem com o erro mais essencial que você havia cometido na postagem anterior: o de partir para especulações de natureza psicológica enquanto lança mão da régua de sua própria ignorância para medir seus interlocutores.

Luciano: Padrão de ofensinha básico: “[x] mede o outro por sua régua”. Ele usa o truque da ampliação indevida ao achar que eu estava fazendo “especulações de natureza psicológica”. Na verdade usei a explicação mais caridosa.

Felipe: Se na postagem anterior você construiu todo o seu raciocínio sobre o alicerce de uma hipótese pouco plausível constituída de uma especulação puerial sobre as motivações do Olavo, nesta você tenta vender aos seus leitores a idéia falsa e infundada de que só um indivíduo movido pelas emoções, um típico bravinho, poderia discordar de seus argumentos, além de deixar no ar a sugestão de que esse sujeito bravinho que ousou questionar o que você escreveu é um amador sem qualquer familiaridade com as discussões táticas da esquerda.

Luciano: Falso. Em estava cagando e andando para as motivações de Olavo. Fui caridoso ao usar uma hipótese elegante para explicar o comportamento. O termo “bravinho” também não tem nada a ver com “tentativa de vender (x) como alguém motivado por emoções (w)”. É apenas uma forma de definir bem um grupo de pessoas que se tornou notório pelo comportamento antissocial diante do menor questionamento. Se meu interlocutor é amador em relação a (x) ou não, é algo que nem aventei em meu argumento.

Felipe: “Imagino que qualquer leitor um pouco mais treinado seja capaz de perceber o quão pueril e primário é esse método.”

Luciano: Os tais métodos estão na imaginação de Felipe. Ele está apontando intenções em meu texto que não é capaz de provar. Agora se entende como os negacionistas erram tanto ao apontar intenções nos outros. Eles simplesmente inventam…

Felipe: “Não à toa seus leitores, à exceção de um número insignificante, se negaram a curtir e endossar essa besteira, mesmo que a maioria deles não me conheça e não saiba se eu estou ou não familiarizado com tais discussões.”

Luciano: Era o resultado esperado de um texto longo. Ninguém aqui está se importando se o Filipi tem intenções (x) ou (y). O uso do termo “bravinho” foi feito apenas com base em um padrão que já se tornou notório em outros fóruns. Se o Olavo é culpado por este comportamento, não sei. Não me importa.

Felipe: (1) É evidente a qualquer pessoa que esteja minimamente familiarizada, não digo com a análise política ou com a análise filosófica, mas com a análise de textos que o escrutínio de fragmentos, via de regra, conduz a interpretações bastante diferentes das que seriam obtidas com a análise do objeto em sua completude. Portanto, não apenas interessa como é essencial determinar se estamos analisando fragmentos ou o todo de um dado objeto.

Luciano: Não interessa se estivermos fazendo uma análise filosófica. Se estivermos avaliando efeitos de um discurso sobre o mundo, interessa.

Felipe: Você dá continuidade à tentativa de se esquivar das perguntas feitas por mim dizendo que o que interessa é que nós, que seguimos os fragmentos (sic), executamos ações no mundo e que você está “vendo o resultado” e então completa com uma frase completamente sem sentido sobre eu ter apelado à metafísica, algo que ao que tudo indica você nem ao menos sabe o que é.

Luciano: O termo metafísica foi utilizado satiricamente, como forma de se referir ao uso de algum mingau sem sentido para tentar fugir da discussão – não que toda discussão metafísica seja isso, claro. O fato é que não adianta alguém dizer “não avaliem meus fragmentos, vejam o todo” se estes “fragmentos” estão gerando efeitos que estão sendo criticados por serem danosos. Esta é uma tentativa de esquiva, que não funciona nesta análise técnica.

Felipe: Pois bem, diante disso eu pergunto: (a) por que você não se esquivou minhas perguntas?

Luciano: ?

Felipe: (b) quem são o “vocês” de que você está falando e o que dá unidade a esse grupo?

Luciano: Todos aqueles que utilizam um determinado tipo de discurso apelando a “uma luta maior”, rejeitando conquistas atuais, vivem entrando nos fóruns dizendo “não se derrota (x) pelas vias democráticas, então aceite (m)”, etc. Decerto em um checklist de 10-15 itens, essas pessoas atendem a no mínimo 80%. Então, é um comportamento padronizado, agencialista, exclusivistas e, por vezes, autoritário.

Felipe: (c) o que garante que as pessoas que discordam de você estão seguindo fragmentos e não algo mais abrangente que coloca variáveis novas na equação e produzem um resultado que não pode ser entendido por quem, como você, só conhece os fragmentos?

Luciano: Isso não importa em termos de resultados. Se os outros “só conhecem os fragmentos”, então por que se esquivam tanto de explicar o que querem? Já expliquei o motivo.

Felipe: (d) o que diabos tem a ver o que eu disse com um apelo metafísico?

Luciano: Respondido antes.

Felipe: (2) Gramsci publicou sete livros. Não é necessário um esforço muito grande para obtê-los e menos ainda para armazená-los. Portanto, que mérito há em ter todos os livros dele?

Luciano: Há muito menos méritos em esquecer de apontar quais são minhas falhas de entendimento em relação ao que Gramsci escreveu. Era o mínimo que se esperava.

Felipe: Se nem mesmo a leitura desses livros garante a compreensão das idéias ali apresentadas, o que dizer da mera posse?

Luciano: Bela ética argumentativa. Se um autor toma como base Gramsci para suas ideias e cita que foi preciso ler Gramsci de cabo a rabo, dizer que ele está apenas alegando “mera posse” é uma canalhice sem limites. Previsível.

Felipe: Um sujeito que desconsidera a importância da distinção entre idéias fragmentadas e idéias integradas, noção essencial para a compreensão de Antonio Gramsci, deve ter uma dificuldade imensa para compreendê-lo, o que comprova minha suspeita e explica as dezenas de besteiras que você já disse sobre esse autor em seus textos – sendo a mais notória delas a sua ignorância acerca do caráter totalitário do método gramsciano.

Luciano: O padrão que ele usa é “Quem faz [x] não consegue [r]”. O problema é que ele mentiu ao dizer que eu confundi “ideias fragmentadas com ideias integradas”. Na verdade, o argumento usado por Vagner Freitas, da CUT, ao dizer que ia “pegar em armas” e que depois não era bem assim, é igualzinho ao dele. Pois assim seja: mesmo sendo “ideias fragmentada”, elas pode ter consequências no mundo, se tomadas como comandos, e, como tais, podem ter seus efeitos avaliados. Quanto ao “caráter totalitário do método gramsciano” isto é de ignorância sem fim. Se alguém vai implementar algo em uma organização, pode ir pelo método leninista ou gramsciano. Alguém escolhe. O que Felipe está confundindo é o método gramsciano com os valores de Gramsci. Um erro tão grande que incapacita alguém a falar sobre política de verdade. Enfim, método gramsciano é uma coisa. A moralidade das ideias de Gramsci para tomar o poder é outra coisa.

Felipe: (3) Com essa afirmação, você demonstra de uma só vez que não apenas não está familiarizado com os estudos do Olavo sobre a mentalidade revolucionária como desconhece as teses dos demais autores citados.

Luciano: O tal verbal assault pattern dizendo “Com [x] você demonstra não saber nada sobre [l]”. Mas é outra picaretagem felipistica. Qual parte da análise sobre mentalidade revolucionária minha está errada? Qual parte de minha análise sobre a religião política, de Voegelin e Gray, está errada? Qual parte do estudo dos cultos milenaristas, de Cohn, está errada? Usar um pattern que não engana ninguém que queira ir a fundo na guerra política não serve…

Felipe: Se é verdade que os estudos sobre a mentalidade revolucionária se beneficiam em alguma medida desses autores, também é verdade que eles vão muito além, se distanciando em diversos pontos e até defendendo teses contrárias em outros.

Luciano: Claro que podem ir além. Podem ir até as nuvens. Podem ir para o espaço sideral. Não há limites. Mas temos que nos ater ao que está sendo discutido aqui. Esse pattern dizendo “[x] vai muito além do que sua vã compreensão pode captar” é bem manjado.

Felipe: (4) Bela tentativa de colar em mim o rótulo de idólatra e cultor de personalidade.

Luciano: Isso é teatro, não argumentação (esse “pattern” do Olavo é bom, e honesto). Só o que aconteceu é que foi aventada uma hipótese caridosa pelo excesso de apego de Olavo à história de que muitos desprezaram sua análise sobre o Foro. Talvez por isso ele tenha assumido como meta algo que não era tão importante – por exemplo, atacar os métodos do Foro (como, por exemplo, o controle petista de campanha, a censura sutil, etc.) seria mais importante do que ter gente se manifestando “Fora Foro”. Em cima disto, escrevi uma linha, descompromissada. Ter se apegado tanto em esforço para dizer “O Olavo jamais teria uma preocupação deste tipo” e “cairia em um erro assim…” é uma baita de uma frescurite. Eu havia escrito: “Em relação ao tão negado Foro, ele parece nunca ter se livrado deste ressentimento.”. Observem até que eu escrevi “parece”. E o Felipe se doeu todo. Algo como se dissesse: “Onde já viu dizer que Olavo pode ter sentimentos (x)?”. Ora, para alguém como Felipe, Olavo não pode ser julgado pelo mesmo padrão que julgaríamos todos os humanos, não é? Goste ou não, isso tem todo o tom de culto à personalidade.

Felipe: Funcionaria se eu tivesse de fato feito observações morais e pedido respeito, algo que eu não apenas não fiz como jamais pensei em fazer. Mesmo o leitor desatento se dará conta de que tudo o que eu fiz foi apontar um erro – e, repito aqui, o erro mais essencial de toda a sua argumentação.

Luciano: Que coisa deprimente estamos assistindo. Esse chororô todo por causa disto que eu escrevi: ““Em relação ao tão negado Foro, ele parece nunca ter se livrado deste ressentimento.” Este é o erro “mais essencial” de minha argumentação. Aliás, nem é parte do meu argumento. Ele está na fase do chilique puro…
Felipe: E que erro é esse? Você se apega a uma hipótese incerta extraída de uma especulação de natureza psicológica para construir toda essa argumentação e esse é um erro primário e até risível.

Luciano: Haja saco viu…

Felipe: Veja bem. Ainda que a hipótese fosse plausível, seria equivocado construir todo um raciocínio em cima dela.

Luciano: Isto aí mesmo. Vai por aí mesmo campeão… Lembremos da frase que o incomoda tanto: “Em relação ao tão negado Foro, ele parece nunca ter se livrado deste ressentimento.” Então ele “provou” que Olavo não pode ter este tipo de ressentimento, de forma (não provou, mas vamos fingir que sim), logo todo meu argumento (que fala sobre consequência de decisões, não sobre a origem dessas decisões – e ele se perdeu nisso) estaria invalidado. Na cabeça de Felipe, todo meu argumento depende de que a frase “Em relação ao tão negado Foro, ele parece nunca ter se livrado deste ressentimento” seja validada. Então vou tirar o chão debaixo dos pés dele: não, não depende. Ele está se agarrando a uma bobagem.

Felipe: Como a hipótese nem ao menos é plausível – afinal, ela atribuí motivações infantis evidenciadas por nada além da sua falta de imaginação às ações de um homem com um horizonte de consciência muito mais amplo do que o seu – todo o seu raciocínio cai por terra como altamente improvável.

Luciano: Isso é de um fingimento digno de petista. Eis um teatrinho boboca. Oh… o Olavo é “um homem com um horizonte de consciência muito mais amplo do que o seu”. Logo, ele não se ressentiria. Bem, suponhamos que o horizonte de consciência de Olavo seja o mais amplo da história da humanidade. Isso não muda meu argumento sobre consequência de ações em nada. Acho que o teatrinho em cima de minha frase descompromissada podia parar né?

Felipe: (5) Sobre esse ponto só me resta esperar pela versão completa de seu checklist, mesmo que você já tenha dado mostras de que não está em posição de elaborá-lo.

Luciano: Torça então para que o checklist não mapeie os padrões de comportamento que estão sendo gerados por alguns discursos específicos.

Felipe: (6) Aqui você exibe mais uma limitação digna de pena ao mostrar que não sabe a diferença entre estruturas argumentativas e retóricas e os argumentos e discursos em si mesmos.

Luciano: Se sou digno de pena, Felipe não tem compaixão. Ele não tem pena de mim ao ter que me fazer aturar o lero lero dizendo “você confunde estrutura argumentativa e retórica e os discursos em si mesmos”, quando isto é irrelevante em termos de ações julgadas na análise de táticas políticas. Se alguém quer entrar no ambiente da política de combate (onde a linguagem importa muito) deveria estar prestes a ser julgado por isso.

Felipe: Ao valer-se de estruturas argumentativas e retóricas, um
indivíduo não reproduz os mesmos argumentos e discursos que ouvi em outro lugar, mas utiliza as mesmas categorias e estruturas para expressar seus próprios argumentos e discursos. Essa é uma distinção básica que qualquer um deveria conhecer – sua confusão entre as duas coisas é realmente digna de pena.

Luciano: Ele está fingindo, para a plateia, que eu fiz “confusão entre duas categorias de discursos”. Truque manjadíssimo. Na verdade, não. Estou avaliando as consequências de determinados tipos de discursos, que estão se traduzindo em ações táticas. O que Felipe pede é a condescendência com um autor por que “ele tem uma ideia mais ampla”. Nunca disse que ele não tinha. Então ele criou uma fantasia para lutar contra ela. Aliás, dois “digno de pena” em um mesmo parágrafo, como verbal assault, em nome de uma mentira. Bem, neste caso Felipe
não é digno de pena. É safado mesmo.

Felipe: Se eu soubesse que você estava falando de repetições “ipsis literis” e não utilizando expressões que não conhece, eu teria refutado sua generalização e não a aparente banalidade de sua afirmação.

Luciano: Repetição do truque anterior.

Felipe: Banalidade que está presente também na sua afirmação de que devemos expandir o horizonte de conhecimentos com outros autores, como se qualquer leitor ou aluno do Olavo que não se limite aos fragmentos não fizesse exatamente isso.

Luciano: Lá vem ele de novo com a ideia de “fragmentos”…

Felipe: (7) Não é necessário dar sumiço em vídeo algum. Se muito, é necessário voltar ao começo da discussão e, indo devagarinho com o bê-á-bá, ensinar a você a distinção entre os fragmentos colhidos em afirmações soltas e o todo apresentado em teses com começo, meio e fim.

Luciano: Deja vu…

Felipe: Ainda assim, mesmo se tomarmos apenas o fragmento, é evidente que afirmar que o exército deverá escolher que grupo apoiar não significa que o exército deva agir ativamente para derrubar o governo, basta que ele se recuse a agir para suprimir as ações populares.

Luciano: Volta a conversa de “fragmentos”. Legal esse negócio de atuação do exército hein? Ao invés de pedir intervenção militar, basta se recusar a agir para suprimir as ações populares, permitindo que um grupo tome o poder pela força. E, após isso, ir dar sustentação ao grupo que “tomou o poder”, claro. Ou não é? O grupo que chegou ao poder vai se sustentar com o que? Com rezas? Ou olhos de raio laser? Eu não nasci ontem, né…

Felipe: (8) Aqui você também está equivocado. Não se trata de um reframe, mas de coerência e senso comum. Você sempre insiste que o PT é liderado por psicopatas e criminosos sem qualquer escrúpulo. Diante disso, eu pergunto: devemos permitir que psicopatas ocupem cargos públicos e liderem o país? Não há autoritarismo em propor uma lei que impeça isso.

Luciano: Deixe-me ver: sabendo que seu oponente é um psicopata, você fala em público que ele deve ser impedido de ocupar cargos públicos? Talvez não tenha pensado que ele morre de rir ao ouvir isso. E, sim, é autoritarismo, pois não há lei impedindo psicopatas de ocupar cargos públicos.

Felipe: (9) Não há ofensa alguma aqui. Só estou tentando entender a razão de sua dificuldade em lidar com linguagem não literal, um defeito gravíssimo para quem se pretende analista do que quer que seja.

Luciano: O pattern “[x] é algo muito grave para alguém que se diz [y]” é conhecidíssimo, mas não se aplica aqui. A questão não era o que estava “na visão ampliada” do Olavo, mas no resultado tático que isso tem gerado.

Felipe: O Olavo não deu comando verbal algum, apenas utilizou uma figura de linguagem para expressar a importância de conter as ações de um governo que você próprio diz ser liderado por psicopatas.

Luciano: É difícil saber o que você entende por comando verbal. Um comando verbal é toda frase que pode servir de orientação, esteja ela de acordo com as intenções de seu propagador ou não. É um conceito mais comum na dinâmica social, onde a linguagem é avaliada pelos resultados, e não tanto pela intenção do argumentador. Tentar se defender com um modelo argumentativo usado na filosofia (onde julgar as intenções ou “visões mais amplas” na comunicação é essencial) para avaliar um comportamento político (onde os frames é que contam) é o fim da picada. Já disse que, diante de psicopatas, falar descuidadamente é a pior das opções.

Felipe: Nem todo mundo vive para jogar o joguinho de aparências ao qual você escolheu dedicar o seu tempo e a sua energia.

Luciano: Normalmente pessoas renegam o jogo político por dizer que é “joguinho de aparências”, mas isso, aí sim, é confusão entre método e moral. A meu ver o jogo político é essencial para quem tem a verdade em mãos em qualquer questão do mundo. Na sua visão é “joguinho de aparências”. Talvez você queira dizer que jogar o jogo político inevitavelmente é viver de aparências, mas isso, logicamente, não se sustenta.

Felipe: O Olavo é um filósofo e não um empacotador de slogans e chavões – ou de frames, se você preferir – tentando ganhar um joguinho de aparências.

Luciano: E eu não estou julgando a filosofia de Olavo, mas o comportamento de muitos de seus leitores, NA POLÍTICA. Aliás, você está confundindo os planos da discussão.

Felipe: (10) De fato temos aqui um amadorismo de dar dó: o seu. Afinal, o que além de amadorismo poderia explicar o fato de você ter visto confusão entre esferas de debate onde havia apenas uma contestação simples a uma afirmação simplista – a de que há autoritarismo na proposta de cassar os direitos políticos de psicopatas após estes serem derrotados?

Luciano: Eu sou realmente um amador, na arte felipistica de vender autoritarismo como algo palatável. Não sei fazer isso. Não quero aprender. Vamos avaliar detalhadamente. Há lei para punir psicopatas na política? Não há. Você quer estabelecer uma? Por enquanto, nem falou isso. Mas já quer cassar direitos políticos oponentes com base em uma lei que nem existe e nem sequer é discutida. E ainda não é autoritário? Hehehehe….

Felipe: A discussão apresentada foi exatamente esta: há autoritarismo nas idéias apresentadas pelo Olavo? Você afirmou que sim e eu demonstrei que não.

Luciano: Demonstração maravilhosa você deu… de que usa joguinhos retóricos para vender autoritarismo como algo palatável. Será que você teria coragem de escrever um post detalhando O QUE VOCÊ QUER no processo de TOMADA DE PODER? Ou ficaria com vergonha? Pensando bem, você falou demais por aqui. Bom que tenha sido assim.
Felipe: O que vai além disso pode até ter sua relevância, mas tem de ser necessariamente precedido pela discussão que eu enderecei.

Luciano: Digo o mesmo.

Felipe: Suas perguntas, por sua vez, demonstram apenas afobação. O Olavo jamais propôs, em sentido literal, a cassação imediata dos direitos políticos dessa gente. A proposta dele é coroar a derrota dessa gente com essa cassação.

Luciano: Aha…

Felipe: Portanto, ao perguntar quem atuou para tornar o comunismo tão condenável quanto o nazismo referindo-se ao passado, você demonstra não ter atentado nem sequer para o lugar que essa proposta tem na fala do Olavo.

Luciano: Explica aí então. Deve ser uma beleza…

Felipe: (11) Ninguém está sendo orientado a usar a política com moderação. A orientação é de ir além dos limites da política tradicional, atuando em esferas que a transcendem e a sustentam.

Luciano: Quais são os limites que devem ser superados? Você pode dizer isso claramente? (Aliás, se já deixamos o truque de “você não sabe diferença entre fragmentos e ideias mais amplas” e “você tem que provar que Olavo tem sentimentos (x) sobre (o)” você poderia quebrar o galho nosso e ser mais claro a esse respeito)

Felipe: Como à esta altura não confio que você entenderá claramente o que estou dizendo, enfatizo para que fique mais claro: a orientação é esgotar as possibilidades da política tradicional, utilizando-a tanto quanto possível dentro dos seus limites, mas não aceitando se subjugar ou se limitar a ela e buscar ações fora dessa esfera.

Luciano: Aliás, isso se explica pelo fato de que os adeptos do negacionismo (em maior ou menor grau) na política são geralmente muito desanimados para as ações táticas. Se tivessem lido Sun Tzu saberiam que na hora do campo de batalha não há titubeação. O PT ganha as batalhas políticas pois sabe que “é tudo ou nada na política”. E você defende uma ideia de “vai na política até onde dar, e se não der, supere-a”. A tendência é que fiquem no meio do caminho. Infelizmente, é assim que as coisas são. Já falei suficiente sobre isso em outros fóruns.

Felipe: (12) Não há nada aqui além de uma tentativa mal elaborada de se esquiar do ponto levantado.

Luciano: Eu havia escrito: “Outra: ‘Eles não estão focados no impeachment, mas possuem objetivos mais amplos que abrangem o impeachment’. Claro, claro… Quem diria algo diferente, certo?”. E esse é o PONTO CENTRAL de meu argumento: criticar a ausência de esforços no impeachment a partir de argumentos dizendo que existem “metas maiores”.

Felipe: (13) Quem foi que pediu “impeachment, mas com moderação”? O que se propõe é a conquista do impeachment como não mais do que uma vitória tática em uma estratégia muito mais abrangente.

Luciano: Bem, estranho. Por é desse grupo de pessoas que estão surgindo discursos com foco em “desistência do impeachment” ou “abandono de toda a classe política”.
Felipe: Também não há aqui nenhuma “invenção de premissas”. Não há sequer premissas. Como a presença do “portanto” no início da frase indica, o que há aqui é uma conclusão – a conclusão de que ao dar atenção demasiada a uma vitória tática e ignorar a estratégia como um todo, não dedicando uma única linha ao day after, eles não poderão contar com vocês após a conquista dessa vitória tática, mas vocês poderão contar com eles até que essa vitória chegue.

Luciano: A ideia de que se ignora uma estratégia maior é uma premissa inventada. Não há fatos para justifica-la. A noção de atenção demasiada à vitória tática mais importante do momento é meramente baseada em concentração de esforços, assunto que vocês jamais trataram adequadamente. O discurso dizendo que “eles não poderão contar com vocês após a conquista dessa vitória tática” é uma mentira deslavada. Por fim, “vocês poderão contar com eles até que essa vitória chegue” não tem correspondência na realidade, pois são vocês que, agora no mesmo tom que os intervencionistas, estão atuando fortemente em fóruns desanimando as pessoas para a batalha política.

Felipe: (14) Por fim, você atribui a mim argumentos que eu nunca usei.

Luciano: Qual?

Felipe: Tudo o que eu apresentei aqui foi um lamento posterior à conclusão apresentada acima. Que você analise um lamento como quem analisa um argumento oferece apenas mais uma evidência de que você tem uma dificuldade imensa em distinguir diferentes tipos de linguagem.

Luciano: Eis o cúmulo de sua desonestidade. Você disse: “O que é uma pena, pois, em uma ação que mire não apenas em uma presidente frágil mas vise mudar o cenário político, toda ajuda — mesmo a de quem não entende muita coisa e nem percebe isso — é bem-vinda.” Isso é claramente uma requisição de esforços em uma direção (dizendo “olhem para a mudança do cenário político”, mas é exatamente este pedido, no momento em que os esforços deveriam estar concentrados em um lugar só, que está sendo criticado). Ao ser contestado diz que “foi um lamento posterior”. E daí diz “tem uma dificuldade imensa em distinguir diferentes tipos de linguagem”. Sabe por que você faz esse teatrinho? Por que é um autoritário, com propostas de tomada de poder indecentes (e que não vão funcionar), e tem que ficar fingindo o tempo todo dizendo “você só entendeu fragmentos”. Mas o resultado está aí: meu argumento continua intacto, em nome de propostas alegadas como “metas maiores”, pessoas da própria direita estão tirando esforço do impeachment, e, exatamente por isso, devem ser questionadas. Isto é um fato do mundo. Dizer que “é só fragmento” ou “só um lamento” não serve para te absolver.

Felipe: Seja como for, resta a você demonstrar que a elaboração de uma estratégia abrangente à qual se integra a tática de obter uma vitória em relação ao impeachment traz algum prejuízo ao sucesso da execução dessa mesma tática.

Luciano: As pesquisas demonstram uma redução de interesse no impeachment. O que era esperado depois do show de ataques que vocês lançaram contra os movimentos. O motivo para isso é básico: agora as pessoas não vão mais para o impeachment como “tudo ou nada”. Mas deveriam.

Felipe: Indo um pouco além você também terá que explicar o motivo pelo qual, após pensarem apenas na vitória tática de longo prazo, os movimentos resolveram voltar atrás e adotar os meios que o Olavo havia sugerido desde o início, complementando a ação política tradicional com ações que a transcendem.

Luciano: Ações não violentas são ações políticas. De onde você tirou que não são? E essas técnicas já eram utilizadas pelos grupos. Na verdade, foram comentadas por lá antes de serem trazidas à tona por Olavo.

Felipe: Terá sido por que eles se deram conta de que o diagnóstico do Olavo estava certo e que eles não irão obter nem uma vitória modesta (o impeachment) se não agirem à luz da estratégia mais abrangente em que essa ação tática está inserida?

Luciano: Ou terá sido que você mais uma vez está inventando história para fingir que “estratégia de longo prazo é aqui”. Foi esse o truque, não? Na época em que começaram a atacar os movimentos, inventou-se a mentira de que “eles não tinham estratégia de longo prazo”, como desculpar para atacar o pedido de impeachment.

Felipe: Curiosamente, aqui, nós voltamos para o ponto de onde começamos: é necessário distinguir os fragmentos do todo; é necessário entender como esses fragmentos se relacionam como o todo e, portanto, compreender como uma ação tática se integra à estratégia.

Luciano: Não, nada de fragmentos. Creio que devemos avaliar tudo que você declarou aqui, e escrutiná-lo. Queiram ou não, pessoas como você devem ir para a arena, e serem avaliadas, em seus discursos, em suas táticas, etc. E esta era a essência de meu argumento, que você mentiu para tentar engabelar o público fingindo que o oponente não entendeu a diferença entre “fragmentos e ideias completas”. Não vou falar por todos do seu grupo, mas se a coisa for nesse nível de desonestidade, é melhor desconfiarmos muito de gente como vocês, pois, com tantas trucagens, as intenções com certezas não são as melhores.

Felipe: Para concluir, eu não diria que ficou mal. Pois, se por um lado, eu demonstrei completamente a sua linha de raciocínio – apoiada em premissas frágeis e falsas –, por outro, um de seus objetivos foi alcançado. O objetivo de expor, por meio do escrutínio cético, um desses sujeitos que prejudicam a derrubada do PT por se meterem a oferecer opiniões sobre assuntos que entendem apenas parcialmente: você.

Luciano: Mas como vemos aqui, você não mostrou onde há falhas de entendimento. Ao contrário, você confirmou tudo que eu havia dizendo: há pessoas que dizem que “impeachment é só um detalhezinho em algo maior” (o que consequentemente vai reduzir impacto sobre esforços para o impeachment) e atuando de maneira organizada, e este é um ponto que devemos lidar. Para alguém que queria expor um oponente como alguém que “não entende”, você deveria ter sido mais cuidadoso. Por não ter sido, permitiu que eu mostrasse que, ao menos no escopo deste debate, eu acertei em cheio.

Felipe: Entendo que perto das suas pretensões de expor o Olavo de Carvalho, o Reinaldo Azevedo e o trio do Antagonista, a exposição de alguém como você não é muita coisa, mas espero que lhe sirva de consolo.

Luciano: Lá vem o truque tradicional (“ui, olha, eles têm mais audiência, então cale-se diante deles”) que só enganaria retardados. Aqui não funciona. Alias, não era essa a minha pretensão. Ela é outra: explicar que quanto mais alguém tem exposição como formador de opinião, mais deve ser escrutinado e relação ao impacto de suas ideias, ou mesmo qualquer tipo de discurso; e se estes discursos (e não adianta dizer “olha, é só fragmento, portanto não pode ser julgado por seu efeito”) geram efeitos em relação a objetivos, este questionamento deve ser ainda maior. Por não repararem nisso, Olavo de Carvalho e Reinaldo Azevedo, mesmo com todo o potencial que possuem (e abrangência) não geram tantos resultados para o lado de lá, como Paulo Nogueira e Paulo Henrique Amorim geram para o outro lado de cá. Por que lá, qualquer “fragmento” é bem pensado, para gerar efeitos, em UMA DIREÇÃO. Esse é o fato, que dá o centro do meu argumento, que permaneceu intocado por você. Quanto a ser “só fragmento”, eu digo “foda-se”. Na política, ao contrário do que ocorre na filosofia, essa desculpa não cola. Sendo assim, pode ficar com o consolo para você, pois vai precisar.

P.S.: Eu até acho que posso ter sido um pouco injusto com Olavo de Carvalho neste post ao Filipe, mas digamos que o clima de confronto, com o qual a outra parte quis levar o debate resultou nisso. O post Sun Tzu,o dia D e o que a direita deveria ter em mente ao divagar sobre impeachment? explica um pouco. Eu realmente não acho que Olavo arquitete um discurso para esconder intenção de intervenção militar. Acho que minha resposta ao Filipe pode ter dado essa impressão. Mas, como se diz, são “fragmentos”, logo, alguns possíveis excessos contidos no debate podem ser melhor explicitados. Em todo caso, mantenho a integra de minhas refutações ao Filipe, e reconheço que menções à outras partes podem trazer alguns excessos.

Anúncios

100 COMMENTS

  1. Que surra você levou do Filipe. Mesmo mutilando os argumentos dele, você foi humilhado e teve que se apegar a desculpinhas. Me desculpe, sou seu fã, sempre comento aqui, mas o tom que você adotou para falar com o Filipe desde o início foi muito errado, mas muito errado mesmo.

    O Filipe é um cara sério, estudioso e dedicado. Se você tivesse sido mais humilde, você teria evitado tudo o que aconteceu depois. Btw, edite o seu post e coloque os argumentos dele na íntegra e só depois coloque suas respostas. Assim é mais honesto.

    • Que surra você levou do Filipe.
      Estratagema da falsa proclamação de vitória.
      Mesmo mutilando os argumentos dele, você foi humilhado e teve que se apegar a desculpinhas.
      Não fui eu que me rebaixei ao fingimento. Quem viu o debate aqui, na íntegra, notou que todos os truques dele foram rebatidos. Se você não é capaz de perceber isso, é sinal de que talvez não esteja comprometido com a argumentação honesta. Quer ver uma prova? Apresente os (5) pontos mais “humilhantes e decisivos” do conteúdo de Filipe, e vamos ver se você OS SUSTENTA logicamente como ataques de fato.
      Me desculpe, sou seu fã, sempre comento aqui, mas o tom que você adotou para falar com o Filipe desde o início foi muito errado, mas muito errado mesmo.
      Se quiser insistir nisso, ok. Eu estava até pensando em deixar isso para lá, mas posso mostrar que o Filipe atacou primeiro, e desonestamente. Se algumas pessoas apoiam este tipo de desonestidade, é sinal de que, em nome de um grupo político, vale a pena apelar à “noble lie”, como diria Leo Strauss.
      O Filipe é um cara sério, estudioso e dedicado.
      Não é isso que devemos observar em duelos argumentativos. São os argumentos e provas trazidos por cada parte.
      <strong:Se você tivesse sido mais humilde, você teria evitado tudo o que aconteceu depois.
      Putz! Eis a inversão de sujeito-objeto.
      Vejamos os ataques do Filipe SÓ NO COMEÇO da primeira resposta:
      1 – mentiu ao dizer que eu quis julgar “O Olavo” pelos “fragmentos” (na verdade avaliei o resultado de um discurso, sem me apegar ao autor)
      2 – apontou, sem motivo algum, que eu demonstrava conhecer “Gramsci apenas de ouvir falar”.
      3 – fingiu ao dizer que eu “projetei motivações psicológicas” sobre “um homem que tem um horizonte de consciência muito mais amplo que o seu”
      E daí você quer que o OUTRO SE CALE por que, se rebater, vai “sofrer consequências”. Se for assim, a ética deste grupo que segue o Olavo é algo de que quero distância. Pois é por isso que luto contra os petistas.
      Btw, edite o seu post e coloque os argumentos dele na íntegra e só depois coloque suas respostas. Assim é mais honesto.
      Eu bem poderia ter banido o Filipe no primeiro ataque. Fui até tolerante demais. Quando vi a segunda resposta desaforada e desonesta (e ainda acompanhada de bando que não veio comentá-la, apenas iniciar instância de “ataque em bando”), bani, deletei e FUI ATÉ CARIDOSO ao respondê-la na íntegra.
      Desculpe-me: acho que quem defende a atitude do Filipe não está em posição de cobrar honestidade de ninguém.
      No fim das contas, foi bom tudo que ocorreu. Se eu já andava desconfiado de algumas atitude, agora tenho certeza. Se oficialmente eu já havia rompido com o neoconservadorismo (não tenho nada contra o conservadorismo tradicional, embora possa discordar de alguns pontos), tudo isto foi bom para que a ruptura formal fosse concluída.
      Eu não sei se você está de má fé ou não: mas MUITO CUIDADO com isso de dizer que “a vítima é culpada pelos ataques sofridos”, pois é um dos comportamentos das religiões políticas, acusação que pesa não apenas sobre o marxismo, o nazismo, o fascismo… mas também sobre o neoconservadorismo. Será mesmo? Vou começar a olhar com MUITO mais cuidado. Se eu lutei pela direita, contra o totalitarismo da esquerda, não é por essa direita que lutei. Minha luta é mais ampla.
      Vida que segue.

  2. Acho ruim essa tática de atacar os conservadores. Mas enfim, que seja lido o debate inteiro, pois na minha opinião o Luciano está errado, mas não nego que ele é um grande defensor da liberdade e portanto não deve ser ridicularizado.

    • Um dia desses alguém sugeriu nesse site a unificação de todos os anti-bolivarianos/petistas em um “think tank de direita”, incluindo inclusive forças não necessariamente “de direita” como socialistas fabianos e liberais. Essa matéria e seus comentários demonstram perfeitamente a impossibilidade de isso acontecer.

      A esquerda é partidariamente desunida no Brasil tão somente por conta do infame Fundo Partidário. Se este não existisse, certamente as supostas dissidências do PT (PSTU, PSOL, PCO, PPL etc.) não existiriam, tanto que volta e meia os anarquistas se aliam com os petistas.

      Entrementes, o mesmo não se pode dizer dos que combatem o bolivarianismo petista. É uma ilusão achar que pode ser criada uma frente antibolivariana juntando no mesmo balaio socialistas fabianos, liberais, libertarianos e trabalhistas com grupos conservadores. Um exemplo prático disso: mal foi criado, o Partido Novo já deu uma escorregada à esquerda ao condenar o Estatuto da Família e espantou conservadores – eu inclusive, que outrora fui simpatizante desse grupo.

  3. Uma revolução social só favorece o PT: é possível derrubar o PT e os partidos aliados ao Foro de São Paulo sem violência. Aliás é capaz de a esquerda avançar na ideia de revolução para eles depois se promoverem como fizeram no pós-1964

  4. ‘Todos aqueles que utilizam um determinado tipo de discurso apelando a “uma luta maior”, rejeitando conquistas atuais’

    A luta maior não exclui as ‘conquistas atuais’, só que pra quê alguém vai apoiar um sistema que te dá x se existe uma opção que te dá x y e z?

    ‘O PT ganha as batalhas políticas pois sabe que “é tudo ou nada na política”. E você defende uma ideia de “vai na política até onde dar, e se não der, supere-a”. ‘

    ‘Tudo ou nada na política’ nope…o PT também supera a política sempre que eles podem. Aparelhando o judiciário, as intituições, a mídia, tudo.

    • “A luta maior não exclui as ‘conquistas atuais’, só que pra quê alguém vai apoiar um sistema que te dá x se existe uma opção que te dá x y e z?”
      Primeiro que nem um dos sistemas “dá”, apenas prometem mostrar como conquistar, ou, lhe conduzir para conquistar. Segundo, que, se X, Y e Z estão com o oponente poderoso, você realmente acha mais fácil que o sistema que lhe promete X,Y e Z de uma só vez vá ter sucesso. No caso, se tivermos focados em X(impeachment) e tivermos sucesso, o Y e Z são mais fáceis de serem alcançados, mas, se demorar muito ao ficar tentando pegar X, Y e Z de uma única vez, o oponente pode ficar ainda mais poderoso. E é o que está ocorrendo com o PT, enfraquecem a economia, a oposição e usam a maquina pública para se fortalecerem.

      • Não sei se vai ter sucesso, mas tem uma chance mesmo que seja remota. Já o impeachment não, depois do impeachment como é que se limpa o STF? Não tem como.

      • Pode-se fazer o oposto que foi feito para sujar, ou seja, novos ministros cedo ou tarde terão de assumir, eles devem cumprir as leis, e essas não estão a favor de ditaduras, menos ainda a bolivariana, isso não mudará eles, mas é algo a favor da população, e, existe a pressão popular e, de pessoas que sabem o certo e errado e podem desmoralizar quem ir pelo caminho errado(juristas, mídias/jornalistas independentes). Por fim, a população deve aprender que, nunca poderá abandonar a política, até pelo fato de que, quanto mais a população é ingênua, mais difícil manter a democracia. A sociedade terá que continuar lutando contra muitas coisas danosas, como a doutrinação, contra o desprezo pelo voto, contra o populismo, contra corruptos, por leis mais rígidas e instituições saudáveis… É importante a diminuição de imposto e do estado para que seja menos atrativo aos políticos que pensam em usá-lo para crescimento de seus companheiros.

  5. Luciano, sou seu leitor há anos, assim como do professor Olavo, aprendo como vocês dois até hoje. Mas nessa questão da luta pelo impeachment acho, na maior humildade, que você está se embananando. Na prática, no mundo concreto, nos fatos, o que estamos vendo é que a estratégia do MBL – de tentar vitórias práticas desde já – o tal “fazer alguma coisa” – está se mostrando um furo n´agua. O governo teve uma série de vitórias em termos de se afastar a possibilidade do impeachment. E o MBL está seguindo mais a sua linha de pensamento em termos de guerra política que a do prof.Olavo, que segue mais uma linha de intervenção popular, ressalvando sempre que o atual momento não era apropriado, pois a população, embora bem mais esclarecida por causa da Internet, ainda não sabe direito o que fazer pra se livrar desse governo corrupto. Na minha humilde visão, as duas estratégias não são antagônicas, podem ser tocadas ao mesmo tempo. Enquanto a molecada do MBL tenta ações imediatas, como o impeachment, a turma do Olavo cria as condições para uma intervenção maior, a media e longo prazo, pois sabemos o tamanho do aparelhamento ideológico promovido pela esquerda em 30 anos. Veja que o Olavo – e eu o acompanho direito – nunca se colocou contra o impeachment, mas sim contra a idéia de entregar o protagonismo de entregar a condução do processo – que envolve um ativo valiosíssimo que é a gigantesca indignação popular contra o PT – para notórios esquerdistas como FHC e Hélio Bicudo. Eu sei que do ponto de vista prático, o nome do Bicudo pode ser mais propício pra conduzir o pedido do que o Bolsonaro, por exemplo, mas os atos têm consequências. Desde aquela foto maldita do MBL com o FHC, a coisa só tem piorado e isso é um fato. A grande foda (desculpe o termo) é essa mania que os direitistas brasileiros têm de, ao primeiro sucessinho sair pagando de gostosão, que nem o Kim Kataguiri em cima do Olavo e, por consequência, em cima dos seus milhares de leitores e seguidores, que são sim – como eu e você, Luciano – muito gratos a ele. Essa necessidade que os direitistas mais jovens têm de exortarem independência em, relação ao Olavo pra não serem confundidos com um reles “olavete” é um saco e é a origem de quase todas essas cizânias desnecessárias na direita. Não se trata de culto à pessoa ou endeusamento artificial do cara, mas se ele é uma referência positiva no direitismo, nós temos que preservá-lo, como a esquerda preserva seus nomes como o Paulo Freire, por exemplo. Enquanto os esquerdistas lutam para por o nome de um bosta como o Paulo Freire em ruas, prédios, avenidas, livros, fazem documentários e o escambau, alguns direitistas – em geral mais jovens e de perfil libertário (e eu não estou lhe incluindo entre esses, ok?) vivem alimentando essa máquina de anti-olavismo. Parece coisa de gente retardada mental: o sujeito pensa mais no ego do que na realidade. Daí vem a realidade dos fatos, mostra que o Olavo estava no caminho certo e a direita brasileira precisa começar tudo de novo. Abs.

      • Uma coisa que gosto neste blog é o seu tema “ceticismo político”. Ninguém, mas ninguém mesmo deveria escapar dele, nem mesmo Olavo. Convenhamos que sua trajetória a guru da oposição tem mais furos do que um queijo suiço, por isso acho necessário colocar luz sobre o que ninguém está vendo (ou não dando a devida importância).

        Fico feliz Luciano que vc tenha finalmente decidido fazer jus ao tema de seu blog diante de seu mestre. Isto é sinal de maturidade. Saiba ainda que sua decisão pode significar a sobrevivência da oposição, pois sendo cético com relação a Olavo, veremos que julgar suas ações como erros táticos pode ser uma decisão tão grave quanto atribuir erros ou “malfeitos” às ações de petistas.

        Vou começar logo na lata. Há muitos anos atrás percebi que a relação de Olavo com a grande mídia era bem peculiar, para não dizer bastante suspeita. Olavo escrevia nos cinco maiores veículos de mídia do país _ O Globo, Zero Hora, Revista Época, JB e JT (se não me esqueci de algum), isso durante um período de DEZ anos. Até ai tudo ok, o cara é um filósofo conhecido, autor de um best seller importante coisa e tal. Merecia estar ali.

        Ocorre que Olavo denunciava (com razão) o bloqueio sistemático de toda e qualquer notícia, mesmo que pequena e irrelevante, com potencial de arranhar a imagem da esquerda e dos planos globalistas, inclusive este era um de seus temas preferidos (basta ver nos arquivos de seu próprio site olavodecarvalho.org). Ora, o que ele estava fazendo ali senão arranhar sistematicamente a imagem da esquerda e dos globalistas por DEZ longos anos?

        Constatar isso me acendeu uma luz de alerta. Daí o que fiz foi ver as possibilidades;

        1- Seus empregadores não perceberam sua presença ali durante DEZ anos. Piada.

        2- Seus empregadores o notaram, mas julgavam-no um ser pitoresco e inofensivo. Difícil, pois suas análises eram sempre precisas e suas denúncias muito bem fundamentadas.

        3- Olavo estava ali com anuência de seus empregadores globalistas e, por consequência, mantê-lo era parte de seus planos.

        Para se livrar desta incômoda situação, Olavo ajudou a disseminar a crença de que havia nas redações uma espécie de conluio de jornalistas de esquerda que exercia o tal bloqueio, inclusive contra a vontade de seus empregadores (como se a decisão de mantê-los em seus empregos também não fosse destes).

        Curiosamente a regra valia apenas no Brasil. Nos EUA, segundo Olavo, os globalistas têm a mídia nas mãos e exercem este poder com mãos de ferro, tomando-a como instrumento de seus interesses sem fraquejar (vide o campo de força globalista ao redor de Obama), afinal não vimos ninguém por lá denunciando os documentos falsos de Obama no NYTimes, correto? O que se viu foi uma denúncia aqui outra ali, apenas pelo rádio ou internet, jamais dentro da grande mídia.

        Isto significa também dizer que os mesmos conglomerados de mídia, proprietários de emissoras no Brasil e nos EUA (como é o caso do grupo Time, verdadeiro proprietário do grupo Globo) agiam lá de acordo com seus interesses e aqui entregava todo o poder gostosamente aos jornalistas esquerdistas. Será mesmo que alguém que gasta tantos recursos para obter a propriedade de canais de mídia se absteria de utilizá-los de acordo com seus interesses, preferindo entregá-lo de mão beijada a seus funcionários? (a não ser que os interesses sejam coincidentes, obviamente).

        É incrível como Olavo ainda repita isso sem ser questionado.

        Durante muito tempo guardei essa história dando o benefício da dúvida a Olavo, inclusive alertei-o para tomar conta de seu banco de dados, no caso dele estar sendo usado para aglutinar a oposição, afinal ele pode ter sido colocado ali, mesmo que a sua própria revelia, justamente para ter em mãos os nomes e CPFs dos potenciais dissidentes do regime vindouro (teoria conspiratória, é verdade. Mas quem pode saber se essa não é a nova versão da velha tentativa de tomada de poder perfeita?). Esse pessoal está nisso há séculos!

        Se me perguntarem qual o papel de Olavo nos planos globalistas, eu realmente não sei dizer. Confesso que minha hipótese é puro chute, mas como o seguro morreu de velho, venho trabalhando com a hipótese de Olavo ser alguém que trabalha para radicalizar o movimento de oposição, dando a justificativa para a implantação de uma real ditadura de esquerda, em consonância com os reais objetivos dos globalistas envolvidos no projeto. Seus últimos movimentos indicam isso claramente.

        Você pode dar o benefício da dúvida a Olavo, isso é até compreensível, mas por via das dúvidas, jamais dê seu nome verdadeiro, seu CPF nem nenhum dado seu a Olavo, seja na sua nova rede social (que me parece exigir isso), seja no seu seminário de filosofia. Leia tudo, absolutamente tudo que Olavo escreve, e acredite em cada palavra, porém não subestime jamais o poder dos globalistas arquitetos da esquerda internacional. Eles são capazes de tudo, até de soltar uma armadilha que fale verdades demais, por isso mesmo acima de qualquer suspeita.

    • Fernando José, perfeita a sua análise e se coaduna em muito com o que penso.
      Luciano, não entender o raciocínio estratégico das intervenções populares e militares, tem sido, para mim, uma leve e perdoável falha em suas análises.
      Também me incomodava com sua ênfase nas atitudes tucanas em detrimento de menções positivas aos líderes pró-ativos e mais eficazes da direita. Falo especialmente de Caiado e Bolsonaro.
      Mas, independentemente do que pensamos individualmente, há que se dar desconto para com os companheiros de caminhada contra os reais adversários.
      Apesar de Patton ter sido mais resolutivo que Montgomery não há porquê se achar que o segundo era menos anti-nazista que o primeiro.

    • Fernando, só discordo de você sobre a questão do impeachment ser furo n’água: ainda não chegamos ao olho do furacão. O que o PT realizou foram manobras defensivas graças ao aparelhamento do STF e da mídia, contudo sabem que o presidente da Câmara é imprevisível, mesmo acuado com as acusações. A luta ainda continua.
      O que percebo é a confusão entre a guerra contra o PT e contra guerra contra o movimento revolucionário. Os petista ganham e muito com a noção da guerra contra o PT, pois torna evidente que a batalha do impeachment, dentro da guerra contra os revolucionarios é golpe.
      No mais, parabens pelo texto.

    • Tenho ainda grande respeito e gratidão por tudo que Olavo trouxe e ensinou para a direita. Mas extrapolou ao não aceitar formatos e opiniões diferentes de executar diferentes estratégias. Certamente a turma dos movimentos das ruas foram influenciados pelo professor Olavo de Carvalho. Mas esse meninos e meninas tiraram o traseiro da zona de conforto e de forma certa ou torta conseguiram organizar que uma multidão de indignados pudessem colocar seus sentimentos com um conteúdo político antes represado. Ah, você não gostou que alguém tirou uma foto com FHC ? Eu também não, mas não é razoável inutilizar todo o esforço anterior deles por um erro ou acerto, como se isso fosse traição a pátria. Se o grupo que reza a cartilha do Olavo trouxer algum resultado prático para a situação que temos, ótimo. Isso não significa que resultados de outros grupos não sejam bem vindos porque escolheram rezar em outra cartilha. Essa é a merda da direita de hoje. Há ciúmes demais no ar, pois alguém não concorda comigo e vai desperdiçar esforços. Vamos parar com isso e fazer o que cada cartilha puder fazer para livrar o Brasil desta peste que é o esquerdismo, aprender um pouco com cada um dos erros e acertos dos outros grupos,trocar ideias e ações. Mas o que se vê é o ego tomando a frente do objetivo.

    • Fernando José perfeita colocação! (2)

      E o ponto citado por vc, “a luta de egos”, já ocorreu tempos atrás com o Reinaldo Azevedo.

      O advesário mesmo debaixo de uma saraivada de ataques continua avançando sua agenda,
      enquanto a oposição fica procurando furos nos discursos dos aliados.

      A esquerda se divide e se agrupa de forma organizada e sincronizada … cada qual
      com sua tarefa ou assunto.

      Note que a regulação da midia “passou de mãos” conforme foi citado tb por esse blog já que
      os petralhas só podem gastar seu tempo com as denuncias/processos e, através dos vetos presidenciais, barrar o que o congresso aprova e vai contra a agenda (p ex., voto impresso).

      O resto tem que avançar, então, estão delegando para os aliados.

      No caso da oposição, quando um aliado avança, enxerga mais longe, “leva fogo amigo”!

      “Pra fazer gol o time da oposição tem que driblar o proprio zagueiro”

      Assim fica dificil.

    • A questão é que tem diversos movimentos, eles se unem em grandes manifestações e é ótimo, eles tem alguns(ou vários) objetivos em comum, usam abordagens e táticas diferentes e isso é bom, o problema é, por parte de seguidores, um pouco de mesquinharia somado a vontade de conquistar seguidores, só que, na vontade de conquistar seguidores, alguns Olavétes perdem o foco e, muito pior, tentam tirar seguidores dos outros grupos ou lançar tais “fragmentos” nas páginas alheias(até para tentar manipular), assim, ao invés de bater no inimigo, batem no aliado, conseguem alguns seguidores mas dispersam muitas pessoas. Canso de confundir alguns Olavetes com petistas nas páginas do MBL e VPR fortalecendo o PT com discursos depreciativos, contraprodutivos e que levam outros a depressão, a querer abandonar a luta, são coisas como “esquece impeachment, tem que protestar contra todo político, já perderam”, “como vocês são ridículos, querem tirar PT e deixar Cunha e PSDB”… Alguns chegam a ponto de chamar os movimentos e organizadores de corruptos(com palavras diretas ou não). Tal tipo de coisa eles também fazem em páginas de Luciano, porém, com frases diferentes, assim eles perdem o tempo deles e nosso. Na batalha virtual, a gente precisa combater os MAVS do PT para os movimentos não perderem força, e ainda combater fogo amigo é foda. E não se limita às frases que eu citei, existem muitos gritos por intervenção militar no meio de um público que boa parte é democratas, de direita ou esquerda moderada. Olavo iria rir de alguns olavetes se visse algumas atitudes.

    • Prezado Fernando José, somente hoje (23/10) concluí, não sem certo cembaraço, a leitura da conversa entre o Luciano e o Felipe, passando, então, a ler os comentários postados, chegando aqui, onde resolvi interromper a leitura para congratulá-lo por seu comentário com o qual concordo integralmente.

      Houve um momento nesses últimos 50 anos em que a esquerda estava dividida em todos os campos que ela ocupava: os sindicatos brigavam entre si; os partidos se odiavam mutuamente; as instituições esquerdistas se degladiavam na luta por dinheiro. Até que, em dado momento histórico, surgiu um a organização internacional que convenceu (ou obrigou, sei lá,essa gente não está acostumada a “convencer” ninguém. Ela OBRIGA!) às lideranças esquerdistas do continente que precisavam se unir para tomar o poder. O resultado são as agrúrias e sofrimento pelos quais nós e as demais nações latino-americanas estamos passando com os bolivariano-castristas.

      Nós, que integramos a Oposição à quadrilha que tomou o poder e as instituições brasileiras, somos o último bastião, a última casamata, que se coloca entre a bandidagem e o povo brasileiro.. Que ainda resiste e os impede de dar o Golpe final, isto é, assumir o Poder Total.

      Este blog, que tanto tem feito por nós na construção de um comportamento político autenticamente estratégico e combativo e em que tanto se escreve sobre as táticas da guerra política, não deveria, em minha opinião (IMHO), alimentar as divisões que estão sendo criadas em nosso (da Oposição ao governo) meio.

      Aqui, como disse, se discute estratégia e, em minha opinião (IMHO), é um erro tático atacar os três principais bastiões da luta contra o Golpe das esquerdas: O Professor Olavo de Carvalho e os jornalistas Reinaldo de Azevedo e do Antagonista. Não estou afirmando que, por isso, os citados não cometem erros ou equívocos, nem que se possa chamar atenção a isso, mas que o foco não seja em apontar insistentemente as idiossincrasias de cada um, mas usar, para garantir a vitória, o que de bom eles contribuem para o nosso entendimento da situação e o que de útil nos municiam – e não tem sido pouca coisa – para nos armarmos para o combate. Uma boa maneira é seguir o exemplo deles que respondem ao “fogo amigo” sem citar nomes – pelo menos até onde eu tenho lido os últimos comentários deles sobre críticas que recebem dos “aliados”.

      Como aprendi com Horowitz, aqui: “É política, estúpido!” 😉

      • Só uma coisa. Todos os três citados já citaram nomes de quem criticaram. Acho que o Reinaldo foi o mais elegante de todos. Minha crítica foi elegante, sem conter nada de ofensivo. Mas decerto uma coisa está clara. A partir de agora, usarei um outro tratamento, focando em comportamentos, não pessoas.

        Abs,

        LH

  6. Impeachment assinado e chancelado por Helio Bicudo não é vitória. É parte de um recuo tático para ajudar a limpar e reciclar a esquerda e o Foro de SP, que voltarão enorme e sob nova bandeira em duas ou três eleições se não forem contidos e denunciados agora. Esse deve ser o esforço conjunto a ser apoiado e tudo que o Olavo diz se baseia nessa questão. Ocorre que há pencas de pessoas dentro dos movimentos que já tratam o impeachment como um fim em si mesmo, por razões que vão desde o oportunismo político até o cansaço, passando, inexoravelmente, pela ignorância. A desmobilização virá com certeza se essa questão não for abordada. Esse é o resultado prático e previsível que colherá a direita se apenas concentrar esforços na questão do impeachment.

      • Não sei se você participa de algum movimento político contra o PT. Eu participo e te afirmo categoricamente que o sentimento que descrevi no post é muito presente. E não apenas em militantes, mas também em líderes. Tem gente doidinha para que o impeachment ocorra apenas para abandonar o barco da luta contra a esquerda e tocar em frente seus projetos políticos pessoais ou para, como já ouvi, “procurar namorada”.

        Tô me lixando para ad hominens. O que me importa é o escopo da luta contra a esquerda. E nisso, mais uma vez, o Olavo tem razão. Impeachment é necessário, mas insuficiente. Alertar para isso já está virando pretexto para ser acusado de ser contrário ao impeachment ou de coisas piores. Mais irônico ainda é isso partir de gente que demorou séculos para aderir à pauta do impeachment. Absolutamente bizarro. Diria até maucaratismo.

        Se alguém que se diz de direita e alega ter consciência política não começar desde já a incentivar os outros a continuar a luta contra a esquerda num cenário pós-impeachment e pós-PT, estará agindo com a mais absoluta ligeireza e imoralidade. Não serve como analista político.

      • Tomé,

        Antes de analisar analistas políticos, procure fazer análise sobre textos.

        1. Ninguém aqui disse que Olavo era contra impeachment
        2. Ninguém disse que ele está errado em pensar ALÉM do impeachment
        3. Porém, eu sugiro que, considerando o impeachment, o foco tático deve ser total agora

        É tão difícil entender?

      • Hahaha O criador da página Orvalho de Cavalo, MAV do PT não declarado adora vir importunar aqui. Ô Eduardo, vai lamber as bolas do Lula vai.

  7. Olavo tem razão e o Felipe também. Você não entende nem o que escreve, Luciano. O Felipe desmascarou no mesmo instante seu ataque ao Olavo utilizando especulações sobre os motivos psicológicos dele (ressentimento) e sua tentativa de imputar a ele uma conduta criminosa (perseguição política é CRIME CONTRA A HUMANIDADE) e autoritária.

    • Olavo tem razão e o Felipe também.
      Que eu saiba isso é um slogan, certo, não um argumento.
      Você não entende nem o que escreve, Luciano.
      Não entendo. Então seu desempenho deveria ser bem melhor.
      O Felipe desmascarou no mesmo instante seu ataque ao Olavo utilizando especulações sobre os motivos psicológicos dele (ressentimento)
      Hahahaha…
      Como é infantil esse tipo de conversa. Eu usei um “parece” e defini caridosamente algo, mais a título estético. BURRO! Não ERA argumento! Aliás, como não era parte do argumento, eu até retirei. Agora, para não magoar os nenéms, eu digo: ESTOU CAGANDO E ANDANDO para o que pensou Olavo quando decidiu tomar suas ações. Mas não muda em nada meu argumento central.
      e sua tentativa de imputar a ele uma conduta criminosa (perseguição política é CRIME CONTRA A HUMANIDADE) e autoritária.
      Vão continuar com esta palhaçada.
      Aprenda:
      (1) Não há nenhuma comprovação de subordinação do PT ao Foro (atas não servem)
      (2) Assim, não há nenhuma lei prevendo extinção do PT pela acusação acima
      (3) Se um cyborg insistir nisso podemos aventar a possibilidade de que ele busca brechas na lei na tentativa de atingir a um grupo político opositor (e aí… vai vir com o desvio de “ah, tá querendo ler a mente de (x)”; não, para tirar teu recurso, eu criei um personagem hipotético)
      (4) Há alternativas muito melhores do que buscar esta alternativa, que não tem futuro
      Foi isso que eu disse…
      Agora, sair dizendo que eu “imputei conduta criminosa” aos outros é um fingimento ridículo. Você, ao fazer isso, age igual Jandira Feghali e Maria do Rosario. Ei, mas são esses que eu APRENDI a combater e, nesse ponto, as dicas do Olavo foram boas.
      Vá fazer ENCENAÇÃO E FINGIMENTO com outro.

  8. Por que você não propõe aos alunos do Olavo um debate tático de verdade? Convide esse Felipe ou algum outro aluno e realizem uma discussão com regras, como a que o Olavão teve com o Dugin.

  9. Já disse isso há um milhão de anos, o cara não sabe conviver com quem não seja um idiota puxa saco sem cérebro. Um palerma megalomaníaco com linguagem de esgoto que esculhamba com todo Deus e o mundo, já teve a vez do Hélio Beltrão,(que teve a grandeza de nem responder) do Constantino (que fez aquele hangout ridículo) do Kim Kataguiri e agora foi a sua, Luciano.
    Então, o melhor é deixar o astrólogo ficar isolado mesmo, até porque ele fala tanta merda que as vezes parece que ele é pago pelo PT pra fazer a direita parecer ridícula.

    • A luta política é tão quase antiga quanto a própria humanidade. Negar isso é bastante contraproducente. E o que o Olavo e seus alunos estão fazendo é como negar a teoria da gravidade.

      ‘Luciano: Eu havia escrito: “Outra: ‘Eles não estão focados no impeachment, mas possuem objetivos mais amplos que abrangem o impeachment’. Claro, claro… Quem diria algo diferente, certo?”. E esse é o PONTO CENTRAL de meu argumento: criticar a ausência de esforços no impeachment a partir de argumentos dizendo que existem “metas maiores”.’

      Aqui está acontecendo algo parecido com o que o PT faz com seu “ajuste”: Só pensa no que vai fazer com a gastança para garantir mais uma eleição depois. É por isso que estão andando pra ele, mesmo que seja absolutamente necessário pro país. E é por isso que não há ajuste nenhum, na verdade.

      E é aqui onde precisamos aprender com eles: Pras “metas maiores”, o impeachment é fundamental, pois seria um marco para a quebra dos planos de dominação total do PT. Claro, também vem com a ocupação de espaços e de quebra da supremacia cultural da esquerda, mas desprezar a luta propriamente política é de uma tolice fundamental, pois é dali que tudo começa.

    • Aqui temos algo revelador. O Luciano não publica comentários contrários a ele ou aos argumentos dele, mas publica comentários como esse do Slaine que especula até a possibilidade de que o Olavo seja pago pelo PT. É assim que você quer nos convencer de que não estava interessado em atacar o Olavo, mesmo tendo declarado que ia trabalhar para desconstruir a imagem dele?

      • Matheus Enio Lopes

        Deixa de ser desonesto, o Luciano publica vários comentários contra ele, demora um tempão mas publica, agora vai lá discordar de uma linha no facebook do Olavo, vai ser escorraçado pelo mesmo e suas ovelhetes.

    • Parece que falta ao Olavo pragmatismo. Sem o efeito político de um impeachment, não há suporte de qualquer natureza para que se atinja metas mais ousadas. Qualquer mudança, só virá depois.

  10. Cara, você realmente se leva a sério mesmo? Ou é só um piadista que quer causar? Se não a segunda opção, parabéns! ‘Tenho todos os livros de Gramsci’. Ai, ai… Não adianta ter a biblioteca de Alexandria na sua casa, amigão. Você pode ter aprendido algo com o Olavo, e JAMAIS o contrário; mas se esqueceu da lição fundamental dele: estude a realidade. Você está completamente cego da sua ignorância, todos os seus supostos debates são mero debates de linguagem, de semântica, de lógica interna. Você só fica na tecnicalidade do código e ignora completamente o sentido de tudo que está no cerne das questões. Você é uma analista de lixo cósmico: enquanto o foguete parte prum paneta você analisa o que ele vai descartando no espaço pelo caminho.

    Cresce, cara. Você não tem cacife intelectual para discutir nem com olavete do primário, quanto mais com o Olavo.

    É tão ridículo essa situação. Um zé ruela de internet agindo como se fosse um espião a serviço secreto de sua majestade, um agente da contra-revolução, um iluminado da nova era a nos trazer as estratégias a se seguir para se libertar do ‘grande irmão’. Jesus…

    Você nunca vai perceber a diferença entre você e o Olavo. E ela é fundamental: enquanto um se acha grandes bosta, o outro ao menos É GRANDES BOSTAS!; Porque dentro de tudo o que ele fala há um universo de sentido irrefutável nas ideias dele: ele sabe que não é o novo messias do mundo, ele sabe que os conselhos dele não estão acima da realidade, do óbvio, do autoevidente.

    E caras como você querem forçar à realidade aos seus desejos, às suas ideias. Seja numa mera frase de um discordante ou numa análise inteira de um cenário político. E isso é o primeiro passo para a sociopatia, aquela que você condena, copiando o Olavo, na mente revolucionária.

    Enquanto você ignorar a realidade por mero desejo de aparecer, ganhar dinheiro, seja lá o que for, contente-se em angariar baba-ovos virtuais.

    Mas poupe-se a vergonha de dar um passo maior do que a perna.

    Boa-sorte na sua ‘tática’, na sua ‘estratégia’. Você já conseguiu o que queria com esse blog. Ser um babaca conhecido em vez de um babaca anônimo. Mas isso, 90% da internet conseguiu. Parabéns!

    • Vamos lá a uma análise de mais discurso erístico…

      Cara, você realmente se leva a sério mesmo?

      Essa técnica de verbal assault está bem mapeada já.

      Ou é só um piadista que quer causar? Se não a segunda opção, parabéns!

      Por enquanto até aqui só truquinho que até FUNCIONARIA, não fosse o que veremos a seguir…

      ‘Tenho todos os livros de Gramsci’. Ai, ai… Não adianta ter a biblioteca de Alexandria na sua casa, amigão. Você pode ter aprendido algo com o Olavo, e JAMAIS o contrário; mas se esqueceu da lição fundamental dele: estude a realidade.

      É o contrário. Não adianta usar frases de efeito. Tipo “você não tem o nível de consciência” ou “não estuda a realidade”. É preciso apontar o erro e não apelar à encenação. Como Olavo diria, isto que você está fazendo é teatro, não argumentação.

      “Você pode ter aprendido algo com o Olavo, e JAMAIS o contrário” <- Mas que discurso bobo, coisa de criança mesmo.

      Aliás, quando eu disse "tenho todos os livros de Gramsci", impus um desafio. Me cite, de acordo com os livros, onde EU errei na análise que fiz de Gramsci. Ao contrário, eu fui ALÉM de entender Gramsci e choramingar "ah, ele é maligno". O método dele JÁ FOI RECONSTRUÍDO em esferas até além da política. Varie suas leituras.

      Você está completamente cego da sua ignorância, todos os seus supostos debates são mero debates de linguagem, de semântica, de lógica interna.

      Aliás, este é um ponto onde um negacionista como você toma de 10×0 dos petistas. Em tempo: mostre-me por favor como tem sido sua atuação no combate aos projetos bolivarianos do PT. Quero ver os FRAMES utilizados, por exemplo. Apresente seus resultados. Se forem bons, compartilharei aqui.

      Você só fica na tecnicalidade do código e ignora completamente o sentido de tudo que está no cerne das questões. Você é uma analista de lixo cósmico: enquanto o foguete parte prum paneta você analisa o que ele vai descartando no espaço pelo caminho.

      Até aqui a retórica boba prossegue, e ele não apontou ainda NENHUM erro meu.

      Cresce, cara. Você não tem cacife intelectual para discutir nem com olavete do primário, quanto mais com o Olavo.

      Vou chorar de depressão agora! Não fale assim! Isso magoa… Não abale minha autoconfiança rs.

      É tão ridículo essa situação. Um zé ruela de internet agindo como se fosse um espião a serviço secreto de sua majestade, um agente da contra-revolução, um iluminado da nova era a nos trazer as estratégias a se seguir para se libertar do ‘grande irmão’. Jesus…

      Então faça assim. Não utilize nada, ok? E mostre depois os resultados. Por enquanto, vemos os petistas pegando discursos que pessoas como você geram e fazendo a festa. Mas eu dou todo apoio, campeão! 😀

      Você nunca vai perceber a diferença entre você e o Olavo. E ela é fundamental: enquanto um se acha grandes bosta, o outro ao menos É GRANDES BOSTAS!; Porque dentro de tudo o que ele fala há um universo de sentido irrefutável nas ideias dele: ele sabe que não é o novo messias do mundo, ele sabe que os conselhos dele não estão acima da realidade, do óbvio, do autoevidente.

      Realmente, tudo que ele diz é realidade, óbvio e autoevidente. Quem não percebe isso é um “iluminado”. Claro que como o nível de consciência de vocês é muito alto, não é preciso argumentar, certo? E daí todos que discordarem tem que calar a boca. Hmmm… Mas não deveria ser um duelo de argumentos? Disfarça…

      E caras como você querem forçar à realidade aos seus desejos, às suas ideias. Seja numa mera frase de um discordante ou numa análise inteira de um cenário político. E isso é o primeiro passo para a sociopatia, aquela que você condena, copiando o Olavo, na mente revolucionária.

      Discordar de uma tática de Olavo = primeiro passo para a sociopatia.
      Eu duvido que o Olavo concordasse com essa besteira que você disse.
      Alias, que raio de atributos de mente revolucionária você viu sendo defendidas aqui?

      Enquanto você ignorar a realidade por mero desejo de aparecer, ganhar dinheiro, seja lá o que for, contente-se em angariar baba-ovos virtuais.

      Eis o famoso método de dizer que se alguém lê meu conteúdo, é um baba-ovo. Certo. Mesmo que neste site a abertura a críticas é total. E eu escrevo este site há 6 anos, sem ganhar um tostão por isso, e só faço por “mero desejo de aparecer, ganhar dinheiro”…

      Cara, você não percebe que este SEU COMPORTAMENTO é PARTE DO PROBLEMA?

      Mas poupe-se a vergonha de dar um passo maior do que a perna.

      Eu vou lendo o mundo, os eventos que se passam, e, se você observar alguma inconsistência, aponte. O resto é choradeira.

      Boa-sorte na sua ‘tática’, na sua ‘estratégia’. Você já conseguiu o que queria com esse blog. Ser um babaca conhecido em vez de um babaca anônimo. Mas isso, 90% da internet conseguiu. Parabéns!

      Eu acho que nesse tipo de técnica, o Olavo é muito melhor. Você é medíocre. Eu lembro de um True Outspeak onde ele disse que um crítico dele “Não é que come mortadela mas arrota peru. É pior: ele come merda e arrota aquele pato do Le Tour D’Argent”. Damos risada quando assistimos. Ele é bom quando faz isso. Já você? É patético e ridículo enquanto o faz.

      Comece a argumentar, a ser específico e deixar de enrolação.

      • Você sabe diferenciar a ‘externalidade de um juízo baseado em pressupostos’ da ‘ação de argumentar’? Não, porque se soubesse não me pediria para começar a argumentar quando eu nunca tentei isso…

        Desculpe-me, mas eu não sou doente mental para refutar ninguém ponto a ponto quando isso claramente não passa de disputa de egos, não uma contribuição para a inteligência humana.

        Mas é previsível que você acusará isso de ‘desculpa esfarrapada’, ‘sair pela tangente’. E com parcial razão: porque não me dar ao trabalho de te destruir intelectualmente é, confesso, indiscernível de não ter a capacidade de fazê-lo.

        Você é uma pessoa com uma inteligência razoável. Mas, como a maioria, se perde nos ‘manuais da vida’ e não enxerga a vida real na sua frente. Tática, estratégia e toda essa patacoada só funciona num mundo onde existe algum parâmetro absoluto. Um ateu como você perdendo tempo em querer vencer o ‘mal’, representado pelo PT, pela mente revolucionária, seja lá o que for é triste. Mas ok. O Olavo ao menos argumenta sobre a égide de uma moral absoluta. Querer vencer o PT valendo-se do que eles usaram para chegar ao poder é admitir um relativismo moral que, no fim das contas, faz tudo ‘tanto fazer’ se é você ou a Dilma que angaria mais pessoas para agirem conforme suas crenças.

        Boa sorte com seu blog, ele teve um papel importante para posicionar um voz contrária, dissonante. Mas, como diria ao Olavo, seu problema é ‘ir além das chinelas’.

        Abraços.

      • Padrões vistos:

        1 – Você sabe diferenciar (x) de (y)? Não, porque se soubesse não faria (w). [Daí é só fugir da especificação]
        2 – Não sou doente mental para (x). [Onde (x) é a ação do oponente]
        3 – O que (x) propõe não passa de (y)? [Onde (x) é o oponente, e (y) uma ação deste oponente, a ser banalizada, no jogo de rótulos]
        4 – Me pouparei do trabalho de (x). [Onde (x) significa a derrota do oponente, a ser qualificada como fácil]
        5 – Você tem qualidades (x), mas não consegue (y). [Verbal assault pattern, mas usado sem especificação]
        6 – Alguém como você ousa querer (x)? [Outro verbal assault pattern, usado sem especificação]
        7 – Você já serviu para (x), mas hoje só serve para (y). [Tática de propaganda que já inclusive mapeei no blog]

        E, tudo isto acima, sem nenhum argumento específico. Não há uma instância sequer de “O Luciano disse (x), mas a premissa (y) assumida é falsa, pois ela deriva de uma conclusão de um outro argumento, (w), que está refutado aqui: (z)”. O mais interessante é ver tudo isso sendo utilizado – mas sem efeito, depois de mapeado e desconstruído – contra alguém que era aliado até dias atrás, e apenas divergiu educadamente em 1 ou 2 pontos. O fato é que, agindo assim com aliados, perderão o poder de obtenção de feedback. E o melhor é que eu já não dou a mínima para isso.

  11. Bom, não li tudo o texto, mas tenho algumas considerações a fazer:

    1) Estou me divertindo muito com essa história de intervenção civil haha. Utilizando seu termo Luciano, nós os republicanos já estamos alertando por n^2 motivos que “intervenção militar” é uma idéia maluca. O fato de dentre todos os pontos citados, o simples fato de apenas um deles ter se mostrado inexoravelmente verdadeiro recentemente (o fato de que o exercito responde ao executivo, e de a possibilidade de intervenção simplesmente não existe sem a atuação previa dos demais poderes). As pessoas que na situação atual (na qual ainda há meios institucionais para derrubada do pt do poder) realmente estão dispostas a isso, em meio a tuda a população, correspondem a minoria da minoria. Quando preceberem isso, irão se frustrar novamente, assim como se frustaram com os militares. Faz parte da educação politica. Com o tempo vão tomando conciência da realidade…

    2) Assim como a extrema-esquerda existe, também existe o extremo-liberalismo (anarcocapitalismo)… não poderia faltar o extremo-conservadorismo. Essa idéia caricata de toda a esquerda, sem excessão é comunista (Helio Bicudo, um notório e digno democrata, e FHC, uma pessoa que certamente se equipara grandes lideres de centro-esquerda, como Tony Blair), e até mesmo a idéia bizarra de que pelo fato de que nós liberais considerarmos que a liberdade individual deva ser o primeio pilar de quaquer sociedade livre, vindo portanto antes de qualquer outro sistema moral, nos torna consequentemente ajudantes da esquerda, ou mesmo parte dela, e portanto alvos de combate é uma piada.

    Sinceramente eu me divirto com esses extremismos. Acho uma pena, pois são um disperdício de energia. Mas como, fatidicamente não se transformação em resultados praticos, a unica coisa que nos resta e pegar a pipoca, e acompanhar de camarote 😉

    • Me diga uma coisa mano. Certa feita li em uma página de um ex admirador do Olavo de Carvalho, dizendo que o Foro de SP não representa nenhum perigo para a América Latina e que é apenas uma organização para reunião de partidos de esquerda, assim como existem organizações de direita, pondo abaixo todas as denúncias do Olavo. Pode até ser exagero do Olavo, mas que o Foro representa a força da esquerda e ainda a faz permanecer no poder isso é inegável. O erro do Olavo é ele ser carola demais. Eu sou ateu e não suporto o cristianismo.

      • Espero que você não tenha acredito no mito de que eu acho que o Foro não representa NENHUM perigo, certo? Eu acho que ambos graduamos o “perigo” Foro do mesmo jeito. Mas os métodos para contenção são diferentes.

  12. O que é mais preocupante é o tipo de gente que segue ele que ele gerou, sem nenhum senso crítico, só vive de repetir o que ele fala, como se estivesse gritando palavras de ordem, slogans, sem nenhuma análise, até porque o velho é contra pensar pelos próprios miolos, vejo no site do Antagonista, tontos que não param de fazer comentários querendo que eles falem do FSP, querem que eles falem o quê? O foro é malvadão e Olavo tem razão, com certeza algo do tipo. Até as motivações do Olavo sobre o FSP são nebulosas.

    O que ele quer realmente? Acabar com uma abstração ou quer que as pessoas falem do FSP para dar crédito a ele pela descoberta? Um episódio há muito, muito, muito tempo que ocorreu, foi quando o Merval Pereira citou o FSP na Globonews, sabe qual foi a reação dele? Ficou furioso, xingou até não poder mais no true outspeak porque não citou ele. Sobre o Merval: http://www.olavodecarvalho.org/textos/091016.html

  13. Eu queria saber dos seguidores do velho como se derruba o Foro de São Paulo e o PT antes de conseguir o impeachment?( até porque foi o PT que fundou o FSP e é o mais importante membro) Se não conseguem o impeachment de uma pessoa( poderosa, que manda muito, por isso é importante conseguir) como vão derrubar toda classe política, justiça, FAs e etc?

    Luciano, vc acha que o Olavo tem outra motivação para ser contra o impeachment? Por exemplo, se o PT acaba, os que vivem de criticar o mesmo também se enfraquecem?

    • Já estou começando a pensar dessa forma. O ideal seria pedir a lista de atividades para esses que preferem dar prioridade para destruir o Foro de São Paulo no lugar do Impeachment. Aí sim veremos se essas atividades estão concatenadas de forma a “banir” os comunistas da política como se propõem.

      Até porque simbolicamente, um impeachment de Dilma, seria hoje o ataque mais contundente ao PT que é o partido que está na liderança do Foro de São Paulo mas que precisa se manter no poder aqui no Brasil para garantir sua credibilidade quanto liderança política na América Latina.

      O modus operandi do Foro de São Paulo também demanda o vazamento de divisas brasileiras para o abastecimento dos demais países bolivarianos. O golpe mais contundente contra o Foro de São Paulo seria o impeachment contra Dilma.

  14. Quanto mais rupturas na direita , melhor.. Desde que , evidentemente , elas não provoquem aniquilações mútuas e não exorbitem a sempre salutar estratégia de demarcação de territórios … Um dos pensamentos mais estúpidos e pueris é acreditar que precisamos unificar os discursos contra o comuno-petismo.. Não precisamos.. Precisamos é atuar em conjunto , concomitantemente , cada um em seu próprio diapasão , batendo na esquerda tão pesadamente sem que ela consiga elaborar uma estratégia eficaz para se defender…

    Ora , quem saiu perdendo com as recentes escaramuças entre Reinaldo Azevedo e os ANTAGONISTAS ? Resposta :os petistas… Azevedo , Mainardi , Sabino e Dantas por acaso se enfraqueceram , perderam musculatura , articulação e eficácia na luta contra o PT ? Muito pelo contrário.. Saíram mais fortalecidos..

    Em suma , conservadores não precisam se unir , não precisam unificar discursos e nem elaborar planos juntos..Basta que não se atropelem..

    • Bem lembrado, a escaramuça entre os Antagonistas e RA (mais chumbo dos Antagonistas) foi patético. Tudo bem que o RA pensa ser jurista, mas torcida para o Janot e tratar o PT como um partido corrupto somente, é frustrante.

    • EXATO

      O fundamental aqui é que não se aniquilem.
      Posso estar errado, mas pessoalmente tenho a impressão de que alguns conservadores de maneira geral r-e-a-l-m-e-n-t-e veem os liberais como uma ameaça real, assim como a esquerda.
      Ao menos tenho a impressão que o meior liberal está mais preocupado em atacar o status quo, e “ignorar” a existência dos conservadores… enquanto boa parte dos conservadores começaram a “esquecer” da esquerda, ou então não saber diferenciar a centro-esquerda da extrema-esquerda….

  15. Corrigindo : Conservadores e LIBERAIS não precisam se unir , não precisam unificar discursos e nem elaborar planos juntos..Basta que não se atropelem

  16. Lendo os posts de Ayan no seu blogue e as “notas” do Olavo (não tenho acesso ao facebook) já antevia esse momento de ruptura. Infelizmente para nós, por temperamento (e talvez ressentimento do passado), Olavo se deixa levar pelas fofocas de seus milhares de seguidores virtuais e, em vez de conversar reservadamente com Ayan para que este explique suas idéias, já entra com os dois pés na porta inviabilizando qualquer conciliação.

    A questão é que Olavo parece não entender (ou não querer aceitar) que qualquer estudioso brilhante que o tenha como influência vai necessariamente divergir dele em muitos aspectos, superá-lo em outros, ou enveredar por assuntos que Olavo nunca se interessou. É humanamente impossível Olavo ter o domínio completo de todos os campos filosóficos e humanísticos. É portanto desejável e saudável que seus alunos comecem a se especializar ! Mas Olavo tem que reconhecer que neste processo muitos vão divergir de seus pontos de vista. E, politicamente !, essa divergência deve ficar confinada ao campo intelectual.

    Pelo que entendi até agora, Ayan vem se especializando no mapeamento de estratégias para vencer a “guerra política”, ou seja, conhecer e usar as regras do jogo para ganhar o jogo, no curto e longo prazos. Certamente Olavo não se especializou como Ayan no assunto e poderia reconhecer isso com tranquilidade.

    Por outro lado, Ayan ganhou relativa importância na área e deveria se abster de discussões de facebook onde “necessariamente” se escreve sem o devido cuidado e sempre se comete imprecisões e facilita-se a má interpretação. Assim, querendo ou não, Ayan precipitou a ruptura inevitável e a tornou traumática para a pequena comunidade de direita esclarecida que está se formando no Brasil.

    • O Olavo já reconheceu o talento do Luciano por citações eventuais, mas rola uma coisa estranha entre os seguidores e alunos do Olavo. É sabido que o Olavo possui ótimo relacionamento com o Reinaldo Azevedo e a Denise Abreu, os quais são alvos de alunos do Olavo frequentemente. Se fossem Olavo e os seus alunos fascistas ou comunistas, imaginaria uma combinação.
      Outro detalhe: a irascibilidade do Olavo não é uma condenação ou argumento ad hominem.

  17. Parabéns Luciano Ayan. Sua postura foi coerente e incansável do inicio ao fim do debate, e 100% amparada na sua proposta de Ceticismo Político.É muito simples repetir aquilo de lemos sobre nossos autores favoritos. DIFÍCIL E MUITO, é estudar com disciplina e criticamente os argumentos de nossos autores favoritos e os não favoritos e partir para um projeto com teoria e prática e com resultados satisfatórios . Nossa reação:UNIÃO!

  18. O discurso olavista é como o comunista: utópico.
    Tirar do poder a esquerda, retirar direitos políticos da esquerda… Dai teríamos apenas a direita no poder. Como imaginar algo assim?
    Radicalizar a disputa política dessa maneira contribui com o lado oposto, que vira o lado heróico, marginalizado pelo poder, justamente como Olavo e seus seguidores pensam ser hoje em virtude do autoritarismo do PT.
    Uma coisa de cada vez.
    Tudo ao mesmo tempo, agora.
    O que da mais certo na obtenção de vitórias dentro de um processo?
    A guerra é feita de batalhas, cada uma a sua hora.
    Não se conquista todos os objetivos de uma única vez.
    E a população não tem interesse em apoiar essas demandas.
    Em pouco tempo, aqueles que pedem o impeachment serão menos da metade da população.
    Dai, adeus. Somente em 2018, e somente talvez.
    O desgaste produzido pelas demandas utópicas gera isso.
    O povão não está interessado em revolução.

    • Então você acha legal o PT continuar no poder? Beleza cada um com sua opinião. No mínimo você deve ser um humanista que se classifica como “centrista” e fã do Pirulla ou do Maestro Bagos. hahahaha Brincando. É, e mesmo porquê calar de vez a boca da esquerda é meramente impossível já que ninguém pensa igual, cada um com sua filosofia de vida. Tem cara que gosta de dar a bunda, eu não gosto, mas tem quem goste. Agora se você acha que tirar o PT do poder é golpismo beleza. Camarada, vou te dizer uma coisa, não é calar a boca da esquerda é calar a boca dos intelectuais orgânicos que empurram cartilhas gays e ideologia de gênero nas escolas. Nós temos e devemos calar a boca dos humanistas que relativizam a criminalidade, aonde o bandido é tido como “vítima da sociedade e do capitalismo burguês”. Sim, a PM comete exageros. Mas é engraçado que mesmo quando ela está certa, não vejo ninguém da esquerda aplaudindo-a. A esquerda vive uma utopia, eles acham que é possível resolver todos os problemas da humanidade e assim acham normal e “legal” a vinda de milhares de imigrantes ilegais destruindo o nosso país. Se o sujeito for de esquerda no campo econômico, eu ainda aceito. Mesmo pq eu sou contra a falácia da meritocracia. Eu sou a favor de uma política de Terceira Via. Fascismo, Integralismo? Sim, isso mesmo. E se você se sentir incomodado com o que eu falei, vai me desculpar mas penso assim. Mas pelo jeito vc é daqueles que defendem bandido. hjahahaha

  19. Olavo de Carvalho parece partir do princípio de que a ordem constitucional hoje é uma farsa, tendo em vista

    (1) a fraude das eleições de 2014;

    (2) que o aparelho de Estado, pelo menos suas instâncias superiores no Congresso e no Judiciário servem ao PT, e em última análise ao Foro.

    Para ele a constituição já foi rasgada, então uma intervenção não prevista na Constituição para expulsar os petistas do Executivo seria justificada, não do ponto de vista da constituição formal, mas no da Norma Hipotética Fundamental (Hans Kelsen), que é o fundamento da Constituição e que pode ser confundida com a Vontade Popular.

    Ocorre que as duas premissas ainda não encontraram prova absoluta. A fraude é altamente provável, mas não se tem prova cabal dela. O aparelhamento é relativo.

    Por tudo isso, saltar uma etapa desprezando o impeachment, é temerário.

    Além disto a tentativa só seria possível com derramamento de sangue.

    • Petralha detected. Eduardo da página Orvalho de Cavalo, você está em todas hein esquerdoso hahaha. Mano o PT já deveria ter saído fora do poder a muito tempo. Como que eles não aparelharam todo o estado cara pálida? Vai paparicar a sua Dilmãe e o seu painho Lula.

  20. Concordo com Olavo em muitas coisas, digo até em quase tudo, mas divirjo em algumas, como a estúpida defesa do sionismo, considerando-o de direita e aliado do cristianismo, e seu excessivo uso, desnecessário e até dispensável, de baixo-calão… Mas dos pontos relacionados no texto, concordo plenamente que o pt tem que ser alijado do poder por bem, se possível e preferível, ou na marra, se não cederem à pressão popular e recursos legais… O que não se pode é deixar esses canalhas no poder criando leis e impondo regras que estão destruindo a nação e implantando a ditadura esquerdopata bolivariana, para se eternizarem no poder e concretizando o projeto marxista!…

      • (deu um erro ssaporra) o cristianismo dele é um troço inventado, ele não segue o que a Igreja diz, segue o que ele quer que a Igreja diga, assim é muito fácil! Assim vale tudo, católico esotérico, católico maçon, católico astrólogo…
        È como o Constantino resumiu no tempo em que tinha juízo:’não acho que ele seja católico de verdade, acho que ele só USA a Igreja pra arrumar otários pro curso dele’

      • Só o fato dele dizer que o nazismo era de esquerda e que foi o Stalin quem armou a Alemanha Nazista ele perde na mesma hora todo o crédito. Direitocrata, o problema não é o fato dele falar palavrão. Eu também falo aos montes. Você está parecendo espírita babaca. Todo espírita é assim, não gosta que fala palavrão pois é “contra os designios do mestre Jesus”(imitando o viado do Chico Xavier). O problema é ele ser carola. Ele condena quem é ateu. O problema é que o ateísmo é muito imbuído de marxismo militante e humanismo. Eu sou um anti-humanista. E ele esconde que são os judeus sionistas quem financiam o comunismo.

  21. Luciano, você é um chato!
    Esse tipo de análise que você faz, parecendo um relatório técnico de auditoria: porque (x) leva a (Y) ou o argumento (D) leva a (Z) é muito pentelho!
    Agora, apesar disso, você tem sido para mim ultimamente o meu porto seguro, pela sua coerência, pela sua educação, pelo seu respeito intelectual ao próximo.
    Seu pentelho: PARABÉNS!
    Lendo o Prof Olavo, sempre fico com medo que uma hora ele vai me xingar. Tenho ficado irritado às vezes com as posições do Reinaldo Azevedo dando uma de jurista e “purista”, embora eu admire tanto OC quanto RA. Os Antagonistas tinham tanta certeza que Janot era do bem, que agora fica até estranho a realidade da crueldade petista que ele está gerenciando.
    Nesta merda toda que a nossa Direita está se enfiando ao se degolar uma ala com a outra, fica o ensinamento do Prof Olavo: a esquerda é mais que política, é mais que economia, é mais que religião, é um processo cultural. E parabéns a você pela sua postura cordial e inteligente. Sou seu fã, seu “pentelho”.

  22. Enquanto vcs digladiam, a esquerda se reorganiza e crava fundo os dentes no no osso do poder para não largá-lo por nada, sem nenhum pudor ou escrúpulo . Desperdício de tempo e retórica em tempos graves como os nossos, com gente q eu devia estar lutando do mesmo lado.

  23. Nunca curti tanto um post sobre Ceticismo e Guerra Política quanto esse, pois ele ILUSTRA PERFEITAMENTE os erros clamorosos que a maioria dos oposicionistas cometem em suas lutas diárias contra o PT e o comunismo no Brasil, por ordem de importância:

    1) Confusão completa entre objetivos de longo prazo e de curto prazo e entre objetivos estratégicos e táticos, exemplo:
    A) Impedir que a esquerda volte, uma vez que seja alijada do poder é objetivo de longo prazo. Já Alijar o PT do poder é comparativamente, objetivo de curto prazo, pois de todos os Partido de Esquerda é o mais organizado e, portanto, o mais perigoso.

    B) Por outro lado, SE o IMPEACHMENT movido pelo Hélio Bicudo tem maior chance de ser adotado, então isso é OBJETIVO TÁTICO, já o IMPEACHMENT em si tem um caráter mais ESTRATÉGICO pois trata de macular ainda mais a esquerda, dificultando-lhe os passos seguintes tencionados por esta.

    2) Ninguém, nem o Olavo, nem Você, Luciano, nem seja quem for acerta todas! Infelizmente, aqui no Brasil se tende ou para a fé cega, beirando o FANATISMO ou, então a DESCRENÇA TOTAL: Agindo assim, não existe solução à vista para a direita, pois torna-se IMPOSSÍVEL O SURGIMENTO DE UM LÍDER.

    3) Na oposição ao PT, continua não existindo AGENDA MÍNIMA! Exatamente por isso, caíram de pau em cima do Eduardo Cunha, tendo como resultado, atrapalhado completamente o processo de IMPEACHMENT da atual governante.

    4) É completamente IRREAL E FANTASIOSA a proposta de “NOS LIVRARMOS DO COMUNISMO DE UMA VEZ POR TODAS”, isso, pelos seguintes motivos abaixo:

    A) O comunismo habita os Governos hiper-inchados e autoritários, EXATAMENTE o tipo de Governo que nós, no Brasil, SEMPRE TIVEMOS. Então, para nos “livrar completamente”, precisamos antes evoluir em direção ao ESTADO MÍNIMO, só que NUNCA TIVEMOS ISSO ANTES! Estou falando, portanto, de uma QUEBRA DE PARADIGMA, o que é sempre, imensamente difícil. Portanto, faz muito mais sentido, lutar para ENFRAQUECER A DOENÇA, o que nos dará tempo para fazer as mudanças necessárias à sua cura completa.

    B) Em nosso País, a educação SEMPRE, foi “coisa de governo”: Enquanto o Estado continuar imiscuído nesta área, não existe chance alguma para se implementar (e manter depois de implemtentado) o ítem “A”.

    5) Perde-se tempo precioso com bobagens, “guerras de beleza”, e sonhos impossíveis. Ninguém nem nenhuma batalha é perfeita mas são sempre dois os requisitos mais importantes para conquistá-la, em ordem de importância:

    A) UM LÍDER! Alguém que unifique todos e mobilize o povão: A comunistada têm o Lula, e nós da oposição temos quem ? Ninguém !
    B) Um planejamento DO QUE FAZER DEPOIS de obtido o ítem “A”, de forma a manter o que foi conquistado. A comunistada têm o Foro de São Paulo, e nós da oposição temos o que? Nada!

    Sem resolvermos estas questões básicas estaremos cada vez mais perto de Havana e de Caracas, pois o resultado PRÁTICO obtidos são apenas ações DESENCONTRADAS E A APATIA DA POPULAÇÃO!

  24. QUANTA BOBAGEM,PERDA DE TEMPO!ENQUANTO ISSO OS CRIMINOSOS GANHARAM SEU TEMPO E AVANÇAM EM OUTRAS ESTRATÉGIAS PARA CADA VEZ MAIS AMPLIAR SEU PODER,NOS CALAR E DESFECHAR O GOLPE FINAL!DIZER QUE AINDA NÃO ESTÁ PRATICAMENTE TUDO DOMINADO COM TODO APARELHAMENTO E GOLPES SUCESSIVOS QUE HÁ MUITO DERRUBARAM O ESTADO DE DIREITO É DESINFORMAÇÃO!BRASILEIROS,ATÉ SUA INTELECTUALIDADE É TACANHA,DIMINUTA. PASSAM HORAS DISCUTINDO O ÓBVIO SEM DAR A MÍNIMA CHANCE PARA CHEGAR AO OBJETIVO:A UNIÃO PARA DERRUBAR OS CRIMINOSOS QUE IRÃO RETROCEDER O PAÍS POR NO MÍNIMO 100 ANOS,TRAZENDO A ESCRAVIDÃO INCONTINENTI E EXPLÍCITA!MAS A VERDADE É ALGO Q DÓI,O QUE ESTÁ AÍ É O REFLEXO DESTE POVO,QUE VAI CAIR DO BERÇO ESPLENDIDO,CHORAR LÁGRIMAS DE SANGUE E LEVAR UM BOM TEMPO APRENDENDO SOBRE TUDO QUE AÍ ESTÁ POSTO!
    TENHO CURIOSIDADE EM SABER COM ESTE QUADRO QUE SE APRESENTA,ENQUANTO O BRASIL SE ESVAI ECONOMICO/SOCIAL/FINANCEIRO E MENTAL,COM ÂNIMOS ACIRRANDO A CADA DIA ATRAVÉS DAS PROVOCAÇÕES INEQUÍVOCAS DESSES AGENTES SOCIOPATAS COM SEUS INOCENTES /IDIOTAS ÚTEIS,COMO SE RESOLVERÁ O PROBLEMA EM TEMPO REAL!ATÉ AGORA, SEJAMOS REAIS,SÓ VIMOS CHICANAS,BLABLABLA…E PROGNÓSTICOS FANTASIOSOS,QUANDO NÃO LEVIANOS!ESTAMOS ATENTOS.

  25. Luciano tem razão sobre a maior eficiência da esquerdalhada. Mas é inegável que ela está diretamente ligada ao aparato e ao alcance das emissoras e jornais onde esses jornalistas atuam. Um exemplo: nas manifestações pro impeachment por todo país, havia cartazes proclamando OLAVO TEM RAZÃO. Ora, não houve um único jornal, uma única emissora, que tenha se dado ao trabalho de mínimamente, esclarecer de quem diabo se tratava. Os cartazes eram em número suficiente para chamar a atenção. No entanto, os manifestantes que pediam intervenção militar, embora em número bem reduzido e notóriamente apartados da maioria, foram amplamente apontados, entrevistados e criticados. O próprio Olavo foi o primeiro a denunciar esse bem planejado e milionário esquema de esvaziamento de denúncias e opiniões contrárias ao governo petista e à esquerda como um todo. Olavo não precisa e jamais pediria que alguém o defendesse. Muito menos o júnior aqui. Mas acho que Luciano comete mais do que alguns exageros contra Olavo, comete injustiças.Olavo não diz que é contra o impeachment. Diz que o correto seria a anulação da eleição fraudulenta. Mas sempre ressalvou que se não tem tu , vai impeachment mesmo. Olavo tem razão.

  26. Eu gosto do que você escreve Luciano, você absorveu bem os conceitos da luta política que derivam de Alinsky, Horowitz, Shapiro etc.
    E o mais importante, você realmente entendeu o PT, você interpreta bem as entrelinhas daquilo que o partido resolve tornar público.

    Internamente o PT é muito, muito mais assustador do que a maioria aqui imagina, tenho na família um petista graúdo não político mas influente na intelligentsia, presidente de comissão de ética, enriqueceu absurdamente de 2002 pra cá.
    Subiu na hierarquia do partido por ter sido guerrilheiro da Var-Palmares, preso e supostamente torturado, escreveu livros, dá entrevistas etc…
    Eu já acompanhei conversas informais dele com outros da intelligentsia, é assustador, eles realmente desejam transformar isso aqui numa União Soviética tupiniquim.

    Dito isso, tenho que dar crédito ao Olavo, basicamente tudo que aprendi sobre comunismo e a mente revolucionária derivaram dos programas que o Olavo gravava em 2004-2010, até então nunca havia ouvido falar de Gramsci, FSP, Ponerologia etc…
    O brasil era basicamente a terra dos sonhos petista e você não encontrava nada na mídia ou mesmo na internet sobre o que realmente era o PT, e eu já desconfiava que havia algo muito errado nisso tudo.

    O primeiro front anti-esquerda na internet foi a finada comunidade do Mainardi no Orkut, lá aprendi quem era o Olavo, e comecei a acompanhar seus videos e estudar temas que ele comentava.
    Toda uma geração fez isso, pessoas hoje entre 30 e 40 anos, ferrenhos adversários da esquerda, vieram daí.

    Mas Olavo não é uma pessoa fácil, é um ególatra incorrigível, excessivamente sensível a crítica, muitas vezes é desonesto intelectualmente e chega as raias do cretinismo infantil ao falar de seus desafetos, mas isso são características comuns da personalidade de pessoas vastamente cultas e inteligentes.

    Olavo tem a estratégia dele, que particularmente acho furada, mas algumas vezes você também dá a entender que as táticas para vencer a esquerda são receitinhas de bolo simples, o que acho errado e raso, a esquerda é antiga muito antiga, leia os Demônios de Dostoievisky para entender a gênese do esquerdismo como ele é hoje, na época ainda não tinha nome.
    Não há nenhum país de matiz democrática inteiramente livre da esquerda, em alguns poucos eles são fracos, mas estão lá, se organizando, fomentando e angariando idiotas úteis, esperando pacientes até o momento que tenham força suficiente para iniciar seus jogos de poder político e dominação cultural.

    Então não se irrite em demasia ao receber um insulto do Olavão, ele uma hora ou outra acaba insultando todos os direitistas que em algum momento ganham destaque, é quase um rito de iniciação.

    Não esmoreça, sua abordagem é única(até onde eu saiba) e você faz um trabalho e tanto aqui, ensinando muita coisa para jovens perdidos nesse inferno marxista.

  27. Esse texto me levou de volta aos tempos áureos do orkut. Luciano venceria uma discussão sobre filosofia aristotélica com Aristóteles. Toda e qualquer afirmação contrária a ele é um “truque”, um “frame”, uma “técnica de rotulagem”, uma “tática para x”, um “padrão de comportamento y”, um “chilique”… Já vi o autoritário do Olavo admitir que estava errado. O Luciano, nunca.

    Mas não se preocupe, sou “pragmático” o bastante para tirar proveito do que você diz de útil.

    PS: Qual o foi o “frame” que usei nesse comentário?

  28. A esquerdalhada deve estar adorando esse episódio…

    Luciano, para discordar publicamente do Olavo, é preciso, antes, digerir MMMUUUUIITO as palavras do professor, pois ali há décadas de estudo e dedicação. Eu discordo dele em um ponto hoje, mas, para não correr o alto risco de passar vergonha em público por estar errado, e para fins políticos até, o melhor mesmo e apoiá-lo no que ele tem razão (a maioria esmagadora do que diz), e segurar as diferenças enquanto for possível. Nesse meio tempo, é comum passar a entender o ponto dele, encerrando, então, a divergência.

    Deixe o Olavo focado no quadro geral, para não perdermos o objetivo maior, e continue, sem tretas, o seu excelente trabalho nas várias frentes de batalha que temos, sendo a principal na mente das pessoas, com este blog, e a queda do PT.

  29. As pessoas não entendem que o Olavo é um FILÓSOFO e, como tal, ele basicamente aponta rumos, caminhos, mas não tem nenhuma prioridade em nos mostrar COMO CHEGAR LÁ. E isto está correto, pois o trabalho de um filósofo é, em grtande parte, atemporal. Assim, não acho que o trabalho do Luciano, por exemplo o contradiz, mesmo quando ambos discordam sobre um mesmo assunto pois a visão do Luciano é TÁTICA: Quer chegar a um determinado resultado o mais rápido possível.

    O que me deixa “P” da vida é que nessa droga de País ou se acredita cegamente em alguém como se esse fosse algum “messias”, ou então, se descrê totalmente de tudo e de todos! Esse maniqueísmo, é uma simplficação grosseira e infantil da realidade que nos condena a jamais formarmos uma LIDERANÇA DE DIREITA, capaz de se tornar uma real ameaça aos esquerdistas. 🙁

  30. O estranho fenômeno do anti-olavismo precisará ser estudado com muito detalhamento, no futuro, se houver tempo. Eu nunca ouvi falar em anti-merquiorismo, ou anti-freirismo ou anti-chauísmo. Custa-me a acreditar, Luciano, que um ninja altamente treinado como você esteja entrando nessa. Mas enfim…

    Vamos lá: o problema não é discordar do Olavo, mas do que discordar e como discordar. Sou aluno do Seminário de Filosofia desde o início e já discordei em aula do professor Olavo em várias ocasiões, sempre de forma respeitosa, como deve ser a relação entre duas pessoas civilizadas. Visando a um debate instrutivo e esclarecedor. Posso afirmar taxativamente que ele, na verdade, despreza os puxa-sacos. Também já discordei várias vezes de você, Luciano, sempre de boa, visando o meu esclarecimento. O professor Olavo, como qualquer idiota deveria saber, não é perfeito, não tem a onissapiência divina e nem age como se tivesse. Ele vive falando das merdas que já fez ao longo da vida, como ter sido comunista na juventude. Boa parte das fofocas que seus detratores lançam contra ele, foram reveladas por ele próprio, em seus programas True Outspeak.

    Sim, ele pode cometer erros pontuais, geralmente em informações vindas do exterior, erros que qualquer jornalista, filósofo, intelectual ou qualquer um de nós poderia cometer, mas que em nada comprometem suas análises gerais sobre temas internacionais e nacionais. Mas ele não diz besteiras homéricas como o leitor André Luiz, por exemplo, que suspeita que ele seja um agente do globalismo ou do petismo!!! E é nessas horas que ele desce o relho mesmo, em besteiras ditas como se fossem grande coisa. Se é pra respeitar qualquer merda só porque saiu da boca de uma pessoa supostamente “de direita” aí a vaca vai pro brejo. Pelo contrário, o Olavo vai é escrever o imbecil coletivo da direita, logo, logo.

    Analisemos o affair “Kim vs Olavo”, por exemplo: o Olavo sempre exaltou as virtudes do Kim, fez hangout com ele, o elogiou em seus programas, respeitou e deu força até para a Marcha a Brasília e ao pedido de impeachment, mesmo não concordando, para não enfraquecer a luta da direita. E o que faz o Kim? Vai ao programa de rádio do Pânico pra dizer que discorda do Olavo na questão dos “fetos dentro da Pepsi”. Não é de foder? De graça, sem a menor necessidade, o cara vai lá colocar azeitona na empadinha da esquerda, como se eles já não tivessem o bifê inteiro a disposição. Pra que isso, pra que alimentar mais essa lenda urbana contra um dos principais nomes do nosso exército brancaleônico?? Só pode ser pra dar satisfação aos amiguinhos libertários dele, pra arrotar independência aos 23 anos de idade. Coisa de criança, de amador, de gente imatura.E ainda vem gente aqui reclamar que o Olavo grita, que fala palavrão, que tem medo dele. Gente assim tem que ser xingada mesmo, pra ver se acorda pra realidade.
    Tem direitista que fala que nem maricas ofendidinho, “aí, o Olavo gritou comigo…”. Imagina um nego desses fazendo a prova de admissão do BOPE ou uma seletiva pra entrar pro SAS britânico…

    Pergunto: do ponto de vista do ceticismo político, da guerra política, qual o sentido de “desconstruir” o Olavo de Carvalho, como muita gente vem defendendo aqui? Pensem bem: nós somos o time do Ibis e vamos enfrentar o Barcelona. De repente, nosso time ganha o Pelé como reforço, mas aí os reservas acham que é preciso “desconstruí-lo” para ganhar a partida. Dá pra imaginar a esquerda, nos anos 80 – fazendo a revolução gramsciana na miúda – se reunindo pra propor a “desconstrução” do Sérgio Buarque de Holanda, do Caio Prado, do Florestan Fernandes? É claro que não, eles os endeusaram pois eles foram – e ainda são – muito úteis para a causa esquerdista. Luciano, eu reconheço grato que aprendi o conceito de guerra política com você, com seus textos e traduções e não com o Olavo. Mas eu pergunto: como pode um blog dedicado ao ceticismo político e à guerra política cometer um erro tão crasso como esse de tentar “desconstruir” um dos principais nomes da direita brasileira?

    A esquerda não tem um Olavo do lado deles. Nós temos, mas lhe recusamos o reconhecimento, nem que seja por pragmatismo estratégico. Me expliquem qual é essa lógica, onde um oponente já historicamente enfraquecido tenta invalidar ainda mais um de seus melhores atores, acreditando que vai ficar mais forte. Ou seja: eu reconheço que o cara contribuiu com análises importantes pra eu chegar onde cheguei, daí quando ele pode vir a ser mais útil, eu passo a desprezá-lo. Como diria o velho Spock: “fascinating”! Entendam: Ainda que o Olavo estivesse mesmo gagá, coisa que absolutamente não ocorre, seria um erro estratégico em termos de guerra política ficar espalhando essa informação por aí. Por favor, me expliquem qual a lógica que vocês estão empregando pois eu devo mesmo ser muito burro pra compreendê-la.

    Pra terminar: o Olavo não é responsável pelo que os leitores em alunos deles dizem por aí. Luciano, você não é responsável pelo que seus leitores fazem com o que você publica.

    • Fernando José,

      Talvez eu publique uma resposta na íntegra, respeitosa e com esclarecimentos, no FB (não publicarei neste site porque ele atinge outros públicos e o fuzuê pode cair na mão da esquerda, o que não quero).

      Mas peço que você leia a primeira resposta que o Filipe deu ao meu esclarecimento e veja os ataques e provocações que SÓ SERIAM ACEITÁVEIS em um cenário de conflito aberto. Eu poderia ter banido o sujeito logo ali, mas, ainda assim respondi (obviamente com alguns ataques, mas nem de longe próximos aos que ele fez contra mim). Ele rebateu ainda com mais ataques, onde o bani (até porque notei uma orquestração de ataque em bando – outra tática que só seria aceitável em embates contra oponentes), excluí a resposta, mas, para evitar o CHORORÔ, a publiquei na íntegra, rebatida, no FB. Eu só a publiquei aqui para evitar afirmações de que a coisa ficou desconexa.

      Mas ali já havia chegado o momento de que qualquer coisa que eu fizesse seria desconstruída. Dava para notar essa intenção.

      Então este post está publicado apenas para evitar que o Sr. Filipe se pudesse dizer vítima de censura. Diante de baixezas inaceitáveis, o máximo que aconteceu com ele foi ter um post bloqueado e ser banido por várias horas (para evitar a orquestração de ataque em bando). Eu tirei dele o espaço para poder executar um jogo que é normal no embate entre oponentes? Sim. Fiz e faria de novo porque a página é minha e lá tenho o direito de excluir posts desrespeitosos. Se ele ou alguém do grupo quiser apelar à falsa proclamação de vitória, terá que ser confrontado com o conteúdo aqui na íntegra, para ser avaliado MORALMENTE se está sendo honesto ou não. Simples assim.

      Eu fiz o MÍNIMO que se esperava, sendo sempre mais brando com meus “oponentes”, do que eles foram comigo.

      Então, o post publicado aqui não foi feito com intenção de desconstruir Olavo, mas de tirar pretextos de uma pessoa que segue o Olavo, ou de pessoas que tenham concordado com as ações de Filipe, em maior ou menor grau, por boa ou má intenção (pois há grande possibilidade de ruídos).

      Pior ainda foi levarem “fragmentos” do que eu disse para o Olavo, sem o menor uso do princípio da caridade (o que seria tentar entender o que o autor disse, e não os fragmentos do que ele disse), onde surgiram rebatidas revoltantes. para as quais há um desconto, por conta de recebimento de informações picotadas. Então, é preciso diferenciar a atitude de um grupo específico da atitude de Olavo. Sabemos o estilo dele, explosivo, que pode ser compreensível, embora consequências (geralmente colaterais e não intencionais) possam ser discutidas.

      Guardo em relação ao Olavo todo o respeito pela influência que me trouxe, e pela motivação que seu conteúdo trouxe para iniciar este blog. Em relação a um MODELO DE ATUAÇÃO que foi praticado contra mim (e há muito mais, como já deixei claro no FB), há, sim, uma ruptura. Atenção: não é uma ruptura com Olavo, cujo material continuarei acompanhando, e filtrando o que achar adequado ou não. É com um modelo de atuação de direita que tem surgido. E não é contra toda a direita, que fique claro. Contra este modelo específico, digamos que é uma das maiores decepções que já tive na política.

      Mas a minha resposta completa pode ser publicada ou comentada em um podcast que pretendo fazer. Ainda não decidi.

      Grande abraço, com respeito

      LH

    • ‘E o que faz o Kim? Vai ao programa de rádio do Pânico pra dizer que discorda do Olavo na questão dos “fetos dentro da Pepsi”. Não é de foder? De graça, sem a menor necessidade’

      Ah então o problema foi esse?
      https://www.youtube.com/watch?v=DYYQwfzqHVg
      Pra quem não sabe ele fala isso lá pelo fim do programa mas enfim, se o problema foi esse mostra bem como o Olavo é mais mesquinho ainda, deixa de apoiar um movimento que pode ajudar o brasil apenas porque teve o ego machucado numa coisa que sinceramente, o Kim está certo, o olavo falou merda mesmo tanto na pepsi quanto nos combustíveis fósseis e qualquer um com O MÍNIMO de inteligência teria que discordar também.

      ‘pra que alimentar mais essa lenda urbana contra um dos principais nomes do nosso exército brancaleônico?? ‘

      Nem é lenda, nem esse cara é tão importante quanto vcs olavetes pensam. Pode parecer incrível pra vcs aí da seita mas aqui fora, no mundo das pessoas normais, ninguém idolatra esse cara como vcs pensam, ou melhor, como ele faz vocês pensarem.

      Um post como esse seu, isso sim serve pra ‘desconstruir’ esse seu grande guru porque mostra bem pro resto da direita o comportamento de seita de vcs.

      • E olha só, o Kim não fala isso ‘do nada’ como vc disse, O Emílio que puxa o assunto, bota o olavo na conversa e pergunta exatamente ‘onde é que vcs discordam?’ E o Kim ainda tenta limpar a barra dele no final
        @1:09:03

  31. Eu tenho duas impressões; Ou esses desentendimentos entre o Olavo, o Luciano Ayan e o Kim Katupiry é tudo uma estratégia para confundir a esquerda ou então no caso do Ayan ele está sendo politicamente correto demais igual aos esquerdistas. “É desumano caçar para sempre o mandato de um político de esquerda”. Então vamos deixar o PT no poder meu amigo. Vamos deixar eles fazerem o que eles querem. Por isso que a direita não tem força, por causa dessas briguinhas dos pequenos burgueses da neodireita brasileira. E tem mais, vocês não gostam de brigar, não gostam de confronto. O PT tem uma militância poderosa que é capaz de morrer para defender o Lula ou a Dilma. Enquanto que a direita só fica nessa discussãozinha tola na internet. Me desculpe mas sem confronto pessoal não existe como mudarmos um cenário político. Eram os Integralistas que por mais que tenham apanhado e muito abaixavam a cabeça para comunista.

      • Você criticou os “neocons”. Engraçado isso, alguma coisa me diz que você daqui a pouco vai dizer que ser anticomunista é coisa de “nazista”. Mas uma coisa é certa. É muito engraçado esse racha que está acontecendo na direita. Você e o Kim Katupiry já não são mais amigos do Orvalho de Cavalo. São personas non gratas para ele. Agora que todo mundo poderia estar unido acontece essas discórdias, cada um para um lado, cada um por si. Na esquerda existem vertentes que discordam uma da outra, mas na hora de confronto com a direita, eles estão sempre unidos. Não existe isso com a direita.

      • Júlio Évola,

        Não existe nenhum “racha” entre eu e o Olavo de Carvalho. Conversei com ele no Skype uma vez por breves segundos, acho que faz mais de um ano. O respeito de antes se mantém pela OBRA INTELECTUAL. Discordar de TÁTICAS POLÍTICAS não é “ficar inimigo” de ninguém. Minha abordagem já era divergente da abordagem neocon há muito tempo. Eu tenho feito a crítica a vários padrões de comportamento que já eram praticados por muitos seguidores do Olavo. O fato é que direita em geral precisa aprender a discordar sem “ficar de mal”. Se alguém que segue o Olavo quiser “ficar de mal” de mim, é a vida. Eu acho que isso é uma besteira. Eu não tenho tempo para “tretar” com a direita (posso até discordar de algumas táticas). Meu inimigo é outro neste momento.

        Abs,

        LH

      • ‘Não existe nenhum “racha” entre eu e o Olavo de Carvalho.’

        Pode não existir da sua parte, mas pra ele vc já está no limbo dos olavetes traidores que querem se promover às custas dos contatos e do trabalho do mestre

      • O único “racha” que pode existir tem a ver com ideias, propostas, demandas OU táticas. Esses itens que você citou não fazem parte do escopo de coisas a se levar em consideração. Quem quiser levar estes aspectos em consideração, que o faça.

  32. Parabéns pelo seu excelente trabalho até aqui, Luciano Ayan!

    Olavo de Carvalho é indiscutivelmente um mestre na aplicação dos 38 esquemas argumentativos desonestos para vencer debates sem precisar ter razão descritos por Schopenhauer. Pode reparar que não há uma polêmica em que ele não utilize alguns deles. Sua grande inteligência e absoluta falta de caráter facilitam muito seu trabalho na aplicação daquelas técnicas.

  33. Me desculpem as Olavetes, mas eu já li algumas barbaridades que esse senhor (Olavo de Carvalho) escreveu, e que me causaram vergonha alheia… Tanto por sua arrogância, quanto por seu autoritarismo, sua falta de compostura, excesso de obscenidades, e ataques extremamente intolerantes a qualquer um que ouse discordar dele.

    Se vocês seguem e leem o que ele escreve nas redes sociais sabem do que eu estou falando…
    por exemplo
    http://imgur.com/lLUwx7S

    O que o Sr. Olavo quer sugerir com isso tudo? Qual é a implicação desses fatos levianamente fraseados? Que Einstein desenvolveu sua (brilhante) teoria da relatividade devido a uma escusa motivação anti-cristã? Que a teoria heliocêntrica de copérnico está em discussão porque, na realidade, a Terra é de fato o centro gravitacional do sistema solar? Ou melhor, que a Terra é o centro do universo? Ou ainda melhor!, que a bíblia sagrada é inerrante e portanto somos sortudos cidadãos do playground divino de Javé? Que Satã conspira para que companhias maléficas (provavelmente controladas por esquerdistas) sacrifiquem bebês e façam as pessoas consumir seus produtos satânicos? Que as barbáries da Inquisição perpetradas pela igreja católica nunca existiram, e a própria igreja católica aceita a veracidade histórica desse episódio pérfido por motivos obscuros?

    Sem contar que já tive o azar de ler alguns de seus vitriólicos tweets ridicularizando homossexuais.
    http://imgur.com/y3knKM7

    Apesar de todas as críticas, eu acredito que ele acertou em cheio em relação aos intentos criminosos do PT, seu esquerdismo bolivariano, e seus planos de dominação cultural gramsciana. Fui atraído a ler seus escritos justamente por isso e acho que nesta questão ele está absolutamente correto.
    Muitos ainda denunciam que se trata de mais uma de suas teorias da conspiração. Grande parcela da população aparentemente politizada reluta em aceitar os fatos. Cada vez mais as evidências apontam que #OlavoTinhaRazão. Pelo menos em relação aos intentos bolivarianos e totalitários do PT…

    Bem, o que posso concluir disso tudo? Não dizem que até um relógio quebrado está certo duas vezes por dia?

    • Leonardo, em relação ao absurdo dos fetos abortados na Pepsi ou então que o “Stalin quem armou a Alemanha Nazista” eu concordo. Realmente, foi ele quem trouxe a tona o até então desconhecido e secreto Foro de São Paulo. O que estraga ele de fato é a sua arrogância e egocentrismo. Bom, mas melhor do que ser esquerdista e defender bandidos certo brother? Você ao que tudo indica deve ser de esquerda mesmo rsrs.

      • É muito mimimi.

        É realmente engraçado esses juvenis que ficam o dia inteiro no facebook vasculhando frases do Olavo. Ahhhh o olavo disse isso dos fetos, da pepsi do copérnico.

        Mas é igualmente engraçado que mesmo entre esses mentecpatos da direita não se ache um, mas um individuo que tenha feito uma analise e critica séria das 32 aulas e livros da História essencial da Filosofia e das mais de 300 aulas de filosofia alem dos livros, um em especial é a Teoria dos quatro Discursos……

        Parte da Direita é tão burra quanto a esquerda, não é a toa que gostam tanto do PsdB e defendam coisas como intervenção militar (contradições gritantes pra quem se diz de direita).

      • ‘Parte da Direita é tão burra quanto a esquerda, não é a toa que gostam tanto do PsdB e defendam coisas como intervenção militar’

        É? E o MAIOR defensor da intervenção militar é o próprio olavo! Impeachment pra ele (na linguagem de esgoto dele) é ‘peidar no pau do PT’!

        Segundo esse JC burro é quem não lê as trecentas aulas do olavo mas ele próprio faz PIOR AINDA de não saber nem o SUPERFICIAL das coisas que o olavo fala.

  34. To falando……..

    Essa ´´Direita´´ juvenil que le uns artigos e pega um monte de frases do Olavo no facebook é tudo ignorante.

    Essa anta, realmente quer que eu me importe mais com frases soltas do facebook, em vez de ler aquilo que tem realmente alguma substância?…..Eh pra acabar mesmo.

    Vai lah xinga o olavo no twitter vai Pseudo revolts….kkkkkk

  35. E outra…..eu não preciso concordar com tudo com o Olavo.

    O que o olavo diz no facebook não é nada. Você quer realmente uma analise seria da realidade?. Assista as aulas da História essencial da filosofia.

    Até lah você só vai ser um sujeitinho que fica se atendo as SUPERFICIALIDADES…..

Deixe uma resposta