Aécio capitula ao propor “recesso mais curto”

16
85

aecioneves

Aécio Neves deve ser aquele tipo de pessoa que recebe a seguinte proposta: “Fique de quatro para mim agora que vou te penetrar”. Ele responde: “Não, de jeito algum, onde já se viu?”. Mas, depois de alguma negociação, ele propõe: “Ok, tudo bem, mas use vaselina”. Isto deve ser o “meio termo” na visão tucana. Ou seja, quem fizer uma proposta para enrabá-lo é só usar a técnica “porta na cara” que sempre vai no lucro.

É isto que podemos abstrair desta posição vexatória assumida pelo tucano:

O presidente do PSDB, Aécio Neves (MG), defende que o recesso parlamentar seja encurtado e o Congresso retome os trabalhos em 11 de janeiro para analisar o processo de impeachment.

Trata-se de uma posição intermediária em relação ao governo (que quer suspender o recesso) e o que a oposição vinha dizendo nos últimos dias, que deveria ocorrer o recesso para haver tempo de mobilizar a população a favor do impeachment.

Antes de defender publicamente a tese, Aécio a propôs ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Já o também senador tucano José Serra (SP) mantém a defesa da suspensão do recesso.

Para ele, seria casuísmo mudar de posição por mero cálculo político. O tucano acha, ainda, que não dá para manter um assunto de tamanha gravidade em suspenso por um mês, com risco de agravar a situação do país.

Ora, o governo quer o recesso. Mas o padrão é que não tenha recesso de forma alguma, pois isto só interessa a um governo que quer esconder a crise e se aproveitar do fato de que está controlando a narrativa – jogo capaz de terminar se fizermos pressão em cima de tucanos para que eles falem politicamente e comecem a rotular infernalmente o PT, o que não está acontecendo.

Então, não é “jogo” ter recesso algum. Essa proposta de Aécio é uma capitulação vergonhosa. Qualquer tentativa de recesso deve ser rebatida com uma chuva de processos e desmascaramento público, além de valer o rótulo de golpista a qualquer um que a tente.

Aécio precisa ser pressionado a parar com essa covardia. Que eles enfiem o recesso naquele lugar…

Anúncios

16 COMMENTS

  1. Parece que falta testosterona para o senador. Ele deveria ter respondido prontamente: “excesso de cu é rola, vâmo botá prá fudê nesse impeachment e liberar o Brasil dessa crise.”

    • Antes de tudo, EXIGIR que os políticos profissionais FALEM POLITICAMENTE. Se o fizerem, a mídia não conseguirá esconder suas declarações. Isso vai eletrizar o povo, que falará com uma linguagem mais assertiva.

      • Perfeita análise, em minha modesta opinião.

        Só vejo um problema: poucos sabem falar politicamente e os que sabem, ou sofrem assassinato de reputação ou não tem interesse de se expor no atual cenário. A proporção entre ganho e perda em termos de capitalização politica está muito volátil, quase como operar opções de ações na bolsa de valores.

  2. Luciano, eu estou por fora da burocracia jurídica estatal e talvez fale uma besteira agora. Mas será que muitos leitores que votaram nos políticos que supostamente ajudariam a derrotar o PT não deveriam abrir um processo contra essa gente por mentirem para esses mesmos leitores?

    Acredito que estou falando merda, mas nesse momento acho que devemos usar de todos os meios para acabar com o comportamento de frescos como esse Aécio Neves e muitos outros como ele.

    Aliás, eu pessoalmente acredito que a melhor forma de derrotar o PT, e todos os outros partidos, é fazer com que eles não coloquem as mãos naquilo que os sustentam: O Dinheiro dos impostos.

    As moedas digitais como o bitcoin podem nos ajudar nessa luta com muito mais eficiência.

  3. Recesso para mobilizar a população a favor do impeachment? E o que o PSDB vai fazer? Falar feito homem? Enfiar o dedo na ferida? A Globo mudou de lado e vai apoiar e dar espaço para os PSDBistas descerem a marreta no governo?

    O discurso frouxo do PSDB se manteve desde as primeiras manifestações que já; mesmo que atabalhoada; pediam pelo impeachment.

    De fato a região entre o anus e a próstata dos PSDBistas deve dar muito prazer para eles. Só assim para explicar essas manobras cara-cu. Parceiros e adversários dão a cara e eles dão o…

  4. Aécio, honre nossos votos. PT não tá interessado em meio termo, e quer saber? Nem nós. É guerra. Brigue direito e agressivamente com o PT, e seu nome será muito bem lembrado por anos.

  5. Desde um principio todos os blogs trataram o Aécio e o PSDB como a alternativa ao governo do PT e nunca foi. A movimentação do PSDB sempre foi no sentido de salvar o governo do PT e disputar a eleição em 2018. O impeachment poderia ter saído muito antes se o PSDB tivesse apoiado mas ficou encima do muro, quando não foi contra. Para quem não o conhecia, o Aécio é isso aí. Agora, se o Temer assumir a presidência e estabilizar a economia o PSDB não terá chances em 2018. Ficou com o ônus de ser um partido covarde e aliado do PT. Não foi por falta de aviso. Quem vai sair lucrando é o Serra que vai sair do PSDB para assumir alguma pasta no governo Temer.

    • Na Estratégia das Tesouras, dois partidos de mesma ideologia atuam, em aliança, simulando oposição um ao outro. É esse o jogo do PT e do PSDB. São aliados. E as escaramuças que eles manifestam são para inglês ver. Até agora, os tucanos apoiaram Dilma. O que fez, desde o início do ano de 2015, o Fernando Henrique Cardoso? Ele disse, em todas as suas manifestações, que não há motivos para o impeachment, e chegou ao desplante de declarar que Dilma é uma mulher honrada. Agora, no entanto, após a aceitação do pedido de impeachment por Eduardo Cunha, os quatro cavaleiros tucanos dilmóicos posam para fotos, em defesa, segundo diz a imprensa, do impeachment. Quem acredita neles? Eles não querem perder a narrativa. Querem ser os protagonistas da história. Se Dilma cair, eles dirão aos quatro ventos: “Nós apoiamos o impeachment”. Se Dilma não cair, e seu governo, até 2018, for sofrível, o que é provável, e o povo vir a sofrer, e muito, eles dirão: “Nós defendemos o impeachment da presidente Dilma”, e exibirão a única foto na qual eles aparecem, unidos, com dizeres favoráveis ao impeachment, e a imprensa não lhes cobrará coerência, não evocará todos os discursos deles a favor da presidente e contra o impeachment.

  6. Qual é a influência de pressão em cima dos tucanos? Os tucanos, penso eu, não são suscetíveis a influências que podem lhes deslocar para a direita. Eles irão mudar de natureza, sob pressão? Não creio. Eles são, presumo, aliados do PT, mas se fingem de opositores. Pergunto-me se eles são, como se diz, socialistas moderados, ou se fingem moderação com as palavras suaves, o timbre de voz tranquilo, o semblante sereno – como eles se esforçam para exibir -, o requinte na indumentária, o linguajar complexo, sem os rompantes de Lula e de outros esquerdistas. Desde 2003 na oposição… Aliás, desde 2003 a simularem oposição, os tucanos, agora, viriam a se oporem – se pressionados pelo povo brasileiro – ao PT, até obrigá-lo a recuar? O José Serra, o Fernando Henrique Cardoso e o Geraldo Alckmin passaram todos a era petista em silêncio cúmplice, e agora mudariam de postura porque pressionados a fazê-lo? Por que o fariam? Qual o interesse deles? Não é ingenuidade esperar dos tucanos ação contra o PT? Ao PT eles apresentam divergências pontuais, aqui e ali, sobre questões irrelevantes, mas, no núcleo, o apóiam, incondicionalmente, parece-me. O apoio do PSDB ao PT é incondicional. As críticas, raras e inofensivas, das quais o PT sempre sai incólume, do PSDB ao PT, são dadas ao público apenas para ludibriá-lo. A postura do Álvaro Dias no que diz respeito ao Cunha e Fachin é uma amostra. Ele é tucano, e, como todo tucano, atende à agenda da esquerda, dos socialistas. Não encontro razões para acreditar nos tucanos. E acredito ser tempo perdido pressioná-los a mudarem de postura; presumo, até, que seja contraproducente, pois, supondo que eles mudem de postura, eles não o farão por convicção, eles apenas simularão mudança para chegarem ao poder, e uma vez sentados nas cadeiras que lhes emprestam o poder, eles promoverão idéias socialistas, em atendimento à agenda socialista, contrária aos interesses do país, e o farão com ar de autoridade de um partido que lutou contra o PT. Suspeito que o PSDB é tão ou mais perigoso do que o PT. Pressionar os tucanos a atuarem, neste momento, contra o PT, considerando-se que eles mudem de postura, é, repito, no meu modo de ver, contraproducente. Na Estratégia das Tesouras, é necessário que um partido simule oposição, a defender idéias que se opõem ao PT. O melhor, penso, é expor ao público brasileiro a farsa que é o PSDB, para arruiná-lo de vez; assim, e só assim, presumo, é possível que uma oposição autêntica ocupe o seu espaço.

    • Desculpe-me, mas essa afirmação de que “PSDB é servil ao PT” NUNCA foi colocada sob teste. Eles NUNCA foram pressionados. Ao contrário: é a direita que tem SE RECUSADO a pressioná-los. Assim, me desculpe, mas a direita primeiro tem que pressionar para somente depois alegar que NÃO ADIANTA PRESSIONAR. Sinceramente, a direita que desiste da pressão também merece ser vista com desconfiança.

      • Não considero o PSDB servil ao PT; considero-o aliado do PT. O ponto principal dos meus comentários é: Pressionando-se o PSDB a adotar uma postura contrária ao PT é contraproducente, pois dará, ao PSDB, caso o PSDB adote um discurso (apenas discurso, mas não prática efetiva) de oposição ao PT, uma imagem, que não é dele, de adversário do PT, e não de aliado; assim, o PSDB continuará a exercer o seu papel na Estratégia das Tesouras, simulando oposição ao partido, PT, partido do qual é aliado, enão adversário.
        A pressão, no entanto, penso, já existe, mas não está para obrigar o PSDB a adotar uma postura contra o PT. Se dá com a queda, abrupta, e significativa, da popularidade dos peessedebistas. E diante deste cenário – parece-me que muito desfavorável ao PSDB -, os peessedebistas mantêm a sua postura de sempre, em atendimento à sua agenda, indiferente ao que quer o povo brasileiro.
        Não vejo razão para pressionar o PSDB a agir contra o PT. Vejo, no entanto, motivos para desprezá-lo, repudiá-lo, para debilitá-lo, para que um partido de oposição autêntica se apresente com as suas propostas distintas da do PT. Penso ser este o ponto.

Deixe uma resposta