Lola Aronovich faz crítica machista de filme de Quentin Tarantino

7
197

os8odiados

Em relação ao post “Lola relativiza o estupro de 500 mulheres por islâmicos na Alemanha: ‘machismo igual'”, o leitor Ivan questionou:

Cara eu não gosto das posições dela, mas existem umas pessoas que fazem blogs fakes dela e postam coisas absurdas como se fosse ela e não são. Já teve até gente sendo preso pela Polícia Federal por isso. Tem como você colocar a fonte do texto pra gente saber se é do blog oficial dela ou do fake?

Nada mais justo! Eis o link.

Aproveito também para avaliar o machismo assustador demonstrado por Lola em sua “crítica cinematográfica” do ótimo filme Os Oito Odiados, de Quentin Tarantino.

Sua reclamação principal é que a personagem Daisy (interpretada por Jennifer Jason Leigh) apanha o filme inteiro. Ela reclama: “Na primeira cena que a vemos, ela jé tem um olho roxo.”

Ela comenta as diversas surras tomadas pela personagem, com esta afirmação:

Pode ser uma denúncia contra a misoginia, o que certamente não é o caso em 8 Odiados. Daisy passa grande parte do filme com o rosto coberto de sangue. E sorri. Uma crítica vê seu sorriso como um “triunfo” contra a violência que sofre. Outras veem como uma mulher que aprendeu a aceitar a violência contra ela. Concordo com a segunda análise.
Taranta poderia ter feito um filme só com homens, como ele fez em Cães de Aluguel (e foi duramente criticado por isso). O personagem de Daisy poderia ter sido escrito para ser um homem. Creio que incomodaria também ver um cara (que, apesar de odioso, não vemos cometer crime algum, nem em flashback) sendo levado algemado e espancado o tempo todo, mas não dá pra comparar.

Mais um detalhe. Ela comenta: “Tudo que faltou foi Daisy ser estuprada.”

Só temos um detalhe: em todos os filmes de Tarantino, como neste, pessoas são vitimadas por extrema violência. Em sua maior parte, as vítimas são homens. Em Pulp Fiction, o personagem Marcellus – interpretado por Ving Rhames – é estuprado. Em Cães de Aluguel, um policial tem sua orelha decepada enquanto está amordaçado. Em Kill Bill e À Prova de Morte, mulheres são submetidas à violência e retribuem em dobro conta homens. E um detalhe adicional: no próprio Os Oito Odiados várias mulheres são assassinadas por uma gangue… chefiada por Daisy.

Quer dizer, a violência nos filmes de Tarantino não é misógina, racista ou coisas do tipo. Tem sofrimento para todo mundo. Ele é um esteta da violência como era Sam Peckinpah.

Se ela reclamasse da violência em geral, teria um argumento em mãos, mesmo que contestável, até por tratarmos de uma obra de arte. Mas ela reclama porque a vítima da violência, neste caso, é uma mulher. Todavia, esta mulher, Daisy, é uma assassina barra pesadíssima. Se fosse um homem, para Lola não havia problema ver um personagem sofrer toda essa violência. Mas se for mulher, aí não pode. Se isso não é busca de um tratamento diferenciado, nada mais é.

Num mundo não machista, é justo que mulheres inocentes de crimes sejam tratadas com mais gentileza. Mas no momento em que quebram a lei, devem ser tratadas igualitariamente por pessoas precisando defender suas vidas. Mulheres não merecem penas menores. Decerto em nosso mundo civilizado, podemos reclamar da violência contra prisioneiros, mas somente se esta crítica for isonômica: contra a violência lançada tanto sobre homens como mulheres.

A maior proteção às mulheres em uma sociedade civilizada é justa pois fisicamente elas são mais frágeis. A coisa muda quando falamos de predadores, sejam homens ou mulheres. Surpreende também que Lola se importou tanto com as porradas tomadas por Daisy, mas ignorou a morte de mulheres inocentes. Este era o problema real: a violência lançada contra essas mulheres (e homens) inocentes. Mas era tudo um filme.

No fim das contas, o filme é ótimo a crítica de Lola fica…abaixo da crítica. Deve ser deprimente ser uma feminista, incapaz até mesmo de apreciar um belo trabalho de roteiro, fotografia, direção e trilha sonora.

Em tempo: junto com Mad Max – A Estrada da Fúria, Os Oito Odiados é um dos grandes filmes do ano. Na obra de George Miller, Charlize Theron dominou a cena dando o tom da ação. No filme de Tarantino, Jennifer Jason Leigh interpretou um monstro em forma feminina. É só isso. O resto é mimimi patético e machista.

Anúncios

7 COMMENTS

  1. Véi, ela podia ter passado sem essa… Como você disse, deve ser muito, muito ruim ser uma feminista alucinada que nem consegue assistir um filme direito, precisa ficar resenhando na cabeça o tempo todo a esquerdopatia que fará.

  2. Na cabeça dessas sociopatas a vida de um homem certamente vale muito menos do que a de uma mulher. É doentio e triste. Mas não tenho pena. Ela ESCOLHEU ser uma escrota.

    • Temos que reconhecer que a esquerdalha sabe gritar quando a coisa não segue a receita de bolo deles. Tem até rapper sugerindo criar uma premiação exclusiva para negros. Seria uma ótima ideia para aumentar a popularidade do Oscar que continuará a premiar ótimos atores e atrizes negros(as) como Denzel Washington, Samuel L Jackson, Morgan Freeman, Jamie Foxx, Cuba Gooding Jr, Halle Berry e Forest Whitaker reconhecendo e valorizando sempre o talento ao invés da cor da pele. Pergunta para o Lee se ele é a favor de cota para brancos na NBA. No time dele pelo menos que é o New York Knicks.

      • Mas existe o bet awards que é premiação racista ou racialista na minha visão destinada apenas aos negros americanos. Agora imagina se você cria uma premiação dividida por raças em detrimento a qualidade artística e técnica? seria o fim dos tempos, não que o oscar já não cometa erros por já esta cheio dos ditos “liberais” deles.

  3. que lixo esse texto, achei a critica dela pertinente pelo fato dela ter dito que ela passao filme todo apanhando e ~~~com um sorriso no rosto~~ ja da pra entender a critica dela a partir disso.
    ela mesma fez o favor de explicar que é como se ela aceitasse a violencia que sofre. a gente sabe que hoje em dia é NORMAL sim as mulheres sofrerem violencia, estar com olho roxo semanalmente e continuar sorrindo, como se fosse realmente normal apanhar.
    mas não, tem gente que só consegue focar em “ai se as feministas querem igualdade elas tem que se igualar e sofrer como os homens” só faltou falar que alistamento feminino deveria ser obrigatório ja que as mulheres querem igualdade kkkkk

Deixe uma resposta