Aula: Ted Cruz e o controle de frame

21
110

Em mais belo um trabalho de legendagem – e seleção – do Juntos Pelo Brasil, podemos acompanhar a agilidade política do candidato republicano Ted Cruz. Visto na página de Alexandre Borges, o vídeo mostra um debate entre Cruz e a ativista de esquerda Ellen Page.

E o vídeo é bom para desmascarar o mito de que jogar o jogo político é “imoral”, como algumas pessoas já declararam em meu Facebook. Na verdade, deixar de jogá-lo – especialmente após conhecer suas regras – é a manifestação de uma arrogância a fim de beneficiar os mentirosos. Em nome de manias e colapsos cognitivos, advogar pelo “não jogo” é, por fim, imoral.

Não é preciso ser religioso para saber que neste embate Cruz estava do lado da verdade: Ellen Page adotava o duplo padrão e tinha falsas denúncias em mãos. Se Cruz resolvesse ir para o debate no estilo “escola de debates”, daria vida fácil a ela. Ao jogar o jogo, ficou no ataque, expôs a contradição oponente e, em estilo alinskiano, fez a própria adversária sucumbir pelo seu próprio livro de regras.

Ao final, a expressão de decepção no rosto de Page significava unicamente: “meus jogos aqui não funcionaram”. Em uma casca de noz, Cruz deu uma aula de controle de frame.

 

Anúncios

21 COMMENTS

  1. Não sei se escapar das perguntas sem dar respostas pode ser bom a longo prazo.
    Vi Cruz usar esse artificio várias vezes nos últimos meses.
    Existem outros meios para se ganhar um embate, atacando, mas respondendo.

    • Torreal,

      A Ellen Page não fez uma “pergunta”, mas uma acusação DISFARÇADA de pergunta. Sair respondendo assim naquele ambiente é absurdo.

      Seria o mesmo que eu perguntasse: “De que forma você matou sua mãe?”.

      Mas isso é uma FALSA pergunta. É uma forma de embutir um ataque em uma pergunta. Melhor que responder é apontar o absurdo contido na pergunta.

      Abs,

      LH

      • Realmente, tende a ser impossível responder à pergunta dele. O negócio é devolver com um “da mesma forma que você matou os seus filhos”. Como se fosse pouco, ela ainda tenta inviabilizar o debate não deixando ele falar, até ter esse truque exposto. Mas ainda assim fica feio não responder, e não sei quão bem a opinião pública vê isso no longo prazo. Ted Cruz é um excelente candidato, infelizmente é provável que Donald Trump – que, em minha opinião, é bem mais fraco em termos de guerra política – ganhe as prévias das eleições do Partido Republicano.

  2. Eis que os justiceiros sociais brasileiros atacaram novamente, sendo a vítima da vez a Renata Meins, brasileira de Osasco radicada na Austrália que tem um canal com dicas de maquiagem, cabelo e saúde e que sempre faz alguma coisa bem-humorada quando seu canal no YouTube passa da marca de alguma centena de milhar. No caso, o que gerou marxismo-humanismo-neoateísmo em seu estado mais puro foi uma sátira publicada em seu Instagram, em que ela usa uma peruca black power:

    http://www.instagram.com/p/BAfyAmCMEek/

    O detalhe é que ela sempre faz alguma sátira com algo, como aquele erro na premiação do Miss Mundo, mas desta vez obviamente que os marxistas-humanistas-neoateístas que se arvoram a defensores dos que têm ancestralidade africana partiram para cima dela acusando-a de blackface, essa coisa típica de Estados Unidos e que não tem paralelo por aqui em significado, exceto se sua cabeça for a de um afro-MHN. Até mesmo o Diário do Centro (mas que é de outra coisa com duas letras) do Mundo entrou na jogada. A mesma gravou aos prantos um vídeo rebatendo as acusações de racismo:

    http://www.youtube.com/watch?v=Ebo43crVdAA

    Quem olhar o link do DCM notará que também estão descendo a lenha nessa popular youtuber justamente por ela se haver recusado a prestar adoração ao monolito com pés de areia chamado MHN. Nessa história se destaca o Autêntico, que normalmente debulharia feministas e afro-MHNs em seu canal, mas fez um vídeo muito bom dissecando cada ponto do que Renata relata e conectando com aquilo que um afro-MHN faz, vídeo esse que inclusive ele pediu que fizesse chegar a ela e já chegou:

    http://www.youtube.com/watch?v=EkbPlpT-rbo

    O que temos de mostrar aqui é uma característica muito mais presente em pessoas que não foram histericizadas pelo MHN e que estão bem claras no vídeo do agora aprovado em Letras na Universidade Federal de Pelotas: ao contrário do que dizem os da foice e do martelo, a empatia e a solidariedade são características altamente presentes em quem é contrário a tal ideologia justamente por não termos sido anestesiados por um estado que distribui migalhas falando que essas migalhas são grandes coisas. Observem o grau de cuidado que o vlogueiro tem para com sua colega de YouTube ao explicar o porquê de ela ter sido vítima do que foi. Ele torna facilmente inteligíveis conceitos como ataque de falsa bandeira, palavras-gatilho e outras coisas, além de explicar que o tanto de audiência que ela tem por si só já a deixou no radar dos caras, que iriam arranjar qualquer pretexto para tentarem promover sua causa em cima dela, nem que às custas de deixá-la arrasada psicologicamente, uma vez que arraso psicológico é coisa pequena quando falamos de gente que subscreve ideologia que matou infinitamente mais gente do que a Inquisição a que eles tanto apelam para falar que o cristianismo seria uma fé intrinsecamente má e assassina, dentro daquela total ausência de senso de proporções e falsificação histórica. Vamos também considerar que seja alguém já calejado pelos ataques de MHNs a ponto de estar em posição para passar sua experiência a quem foi vítima de primeira viagem de um ataque tão vil quanto esse. Aliás, dá para entender muito bem o sentimento de Renata Meins, pois para quem normalmente convivia com gente de tudo quanto é tipo em paz, até porque o assunto de que trata é totalmente supraideológico, atordoa muito quando um bando vem te chamar de tudo quanto é termo pejorativo por simplesmente ter feito algo que eles usaram como “apito de cachorro” para que a militância atacasse e promovesse sua ideologia em cima de alguém.
    Antes mesmo do Autêntico, a audiência do canal, muito dela composta por gente de origem africana, já foi conversar com ela e pedir para que ela não abaixe a cabeça para afro-MHNs, alguns até lembrando que foram mais vítimas de preconceito por parte desse tipo de gente do que por parte daqueles a quem afro-MHNs acusam de ser preconceituosos. Detalhe: Renata Meins também tem ancestralidade africana por parte de seu falecido pai e conseguimos ver em seu rosto alguns traços subsaarianos, como na região dos olhos. Se ela nasceu com uma aparência não tão africanizada assim, é puramente por causa da combinação genética que recebeu enquanto mais uma brasileira miscigenada como tantas outras e tantos outros, que podem ter as mais diversas aparências, sendo que a imensa maioria fica em um meio caminho, alguns se parecendo mais com um grupo humano originário do que outro, mas muitos com aparência que mostra claramente ser a mistura de muitas ancestralidades, a ponto de não se conseguir dizer se a pessoa parece mais com branco, índio ou negro.

    Parece que a vlogueira notou que a maioria das pessoas está do lado dela e não dos afro-MHNs que quiseram se promover sobre seus mais de 300 mil fãs, pois um de seus vídeos mais recentes, em que ela liga para diversas “renatildes” e também publica uma nova versão de seu vídeo satirizando a canção Hello, de Adele, mostra aquilo que parece ser seu estado de espírito mais constante, que com certeza é bem melhor que o sempre problematizado estado de espírito revoltado com a estrutura da realidade que vemos em um MHN funcional que faz coisas dignas de psicopata quando na realidade é apenas um histérico que aprendeu a fazer o cosplay malfeito de psicopata que os inocentes úteis costumam fazer:

    http://www.youtube.com/watch?v=R4YZNXWAmeg

    Enfim, sejamos mais Renata Meins e Autêntico, pois já basta de suportarmos justiçadas sociais e perseguições por parte de MHNs por simplesmente sermos aquilo que eles odeiam porque alguém lhes disse que alguém assim ou assado tem de ser odiado por regra e precisa ser “desconstruído” para ser amado, também conhecido por assumir culpas que não tem, não teve nem jamais terá, até porque não tem como tê-las. Se o Autêntico estiver lendo isto, deixo-lhe os parabéns pela atitude. Caso a Renata Meins leia isto, fica minha solidariedade a ela.

  3. nossa… ele colocou ela na marca do tiro de meta e mandou pro outro lado do campo.. kkkkkk bom demais! além de controlar os frames perfeitamente ele ainda foi extremamente tolerante com a intolerância dela.. e ela caiu que nem um patinho.. tadinha… kkkkkk é impossível bater o argumento da direita, porque a direita está armada da verdade não é mesmo?

  4. seria bom que a moça desse as fontes de todas as falácias que proferiu. Cruz mandou muito bem. Na verdade não dá para debater com vigaristas desonestos intelectuais, seus espantalhos, suas mentiras e seus factóides. É como tentar convencer um flamenguista a virar botafoguense.

  5. Você tem toda a mídia contra você, o beautiful people inteiro contra você, e ainda debate com uma atriz de cinema, não levanta a voz, controla o rumo da conversa, calmamente corta a estratégia do oponente de falar em cima das suas falas de forma a obrigar ele a ouvir seus argumentos e encerra o debate quando está por cima.
    Esse cara é uma velha raposa da política hhehehe muito bom, uma aula.

  6. Todo petista sabe que, num governo tucano, nada acontecerá de mau ao seu partido, ao Foro de São Paulo ou à rede de narcotraficantes que os apoia. No máximo o sacrifício de uma ou duas cabeças de bode, seguido de execução do Hino Nacional, discursos tremendamente patrióticos, louvores ao Estado democrático de direito e uma profusão de lágrimas cívicas.”

  7. Fica a lição. A perseguição por cristãos na Jamaica é movida por mais fatores do que apenas a religiosidade majoritariamente cristã. Tem a cultura do naturalismo também. Mas se Ted Cruz seguisse esse caminho entraria no campo da esquerdalha igualando forças. Já que a garota abriu a discussão para o cenário internacional; Ted Cruz encaixou logo o caso do Irã em que recebe apoio dos democratas dos EUA, mata mais gays que a Jamaica e ainda sob a vigilância do Estado. Pensou rápido e certo.

    Pode dormir Ellen

    • Bem.. preciso registrar aqui que o Ted Cruz está sendo desmascarado pelo jogo sujo que tem feito nas eleições, desde o Iowa Caucus.

      Vivendo e aprendendo… Essa sensação de “traição” é uma merda (fora a sensação de abandono pelo Rand e pelo Huckabee).

      Toca o barco. Que ao menos seja um Republicano, pra não degringolar de vez.

Deixe uma resposta