Haddad quer usar censura de nível stalinista sobre taxistas

12
117

ataxis

Depois de criar novas categorias absurdas de multas e transformar a vida dos motoristas paulistanos em um inferno, o prefeito Haddad já percebeu o óbvio: os taxistas em geral preferem ver o Cthulhu pela frente do que ele.

Não surpreende lermos algo assustador lembrado por Reinaldo Azevedo sobre uma nova lei exigindo o Condutax para os taxistas. Para obter o registro, os motoristas precisam passar por um cursinho de 8 horas. A parte monstruosa está na grade curricular:

O Item VI do curso está assim redigido:

“Evitar polêmicas ou situações que provoquem estresse no passageiro em virtude de:
a: paixões esportivas;
b: convicções partidárias;
c: fé e cultos religiosos;
d: opções de comportamento pessoal;
e: não tratar de problemas particulares nem da categoria.

Entenderam? Haddad quer suspender para o motorista de táxi os direitos assegurados pelo Inciso IV do Artigo 5º da Constituição — “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato” — e o Parágrafo 2º do Artigo 220: “É vedada toda e qualquer censura de natureza política, ideológica e artística”.

Quer dizer que acabou de entrar num táxi e debater política com o motorista? Ficarão eles proibidos de passar pela buraqueira da cidade e dizer: “Esse prefeito só se preocupa com bicicleta; olhem como está isso!”. Não mais poderão se orgulhar de seus filhos (“problemas pessoais”). Se o meu Corinthians vencer o Palmeiras do condutor do bólido, não posso fazer uma piada — ou, vá lá, ele comigo, na hipótese de vitória do Verdão?.

A lei é evidentemente anticonstitucional e, como quase tudo que tem saído das mentes petistas, totalitária ao extremo. Parece até ter sido escrita nos tempos de Stalin.

Obviamente, como petista não pensa em outra coisa que não em dinheiro de contribuinte, sabemos mais ainda da notícia pelo site Brasileiros:

Desde segunda-feira (18) os taxistas de São Paulo estão proibidos de discutir política, futebol e religião. Palavrão, nem pensar. É que entrou ontem em vigor o novo código de conduta da categoria, criado depois da popularização do Uber, aplicativo concorrente dos taxistas conhecido por seus carros de luxo e tratamento vip dispensado aos clientes.

A partir de agora, motoristas que usarem calça jeans ou for denunciado por falar com o passageiro sobre assuntos polêmicos podem receber uma multa de R$ 35,52.

Taxista há 40 anos, José Fausto dos Santos foi de calça jeans trabalhar ontem, conta o jornal Agora. “Para mim, estava tudo certo”, disse ele ao ser advertido pelo agente do Departamento de Transportes Públicos (DTP), que foi compreensivo: “Ele só errou mesmo na calça. O cara não é estilista, né?”

Por enquanto, os taxistas passarão por um tempo de adaptação, período no qual o DTP só vai orientar os motoristas, sem aplicar multa.

Quem não quiser usar social dos pés à cabeça terá a opção de vestir um traje esporte fino, que inclui calça jeans escura com “corte social” e bolsos retos, “em faca”. Em Santana, o taxista Marcos Antonio da Cruz acertou. “Comprei quatro! Já estão com a barra feita.”

Bem que os taxistas podiam combinar para explicar que agora não podem falar de vários assuntos com os passageiros porque o Haddad proibiu.

Se forem espertos, jogam a bola de volta para o colo do tiranete.

Anúncios

12 COMMENTS

  1. 1) Como o teor das conversas será fiscalizado?
    2) Haverá microfones e gravadores no táxi?
    3) Com relação as músicas, quais poderão ser ouvidas?
    4) Com relação as reclamações e brigas de trânsito, o motorista reagirá sorrindo e balbuciando em francês?
    5) Todos os táxis terão ar condicionado, celular, notebook e wi-fi à disposição dos passageiros?

  2. Provavelmente uma das leis mais estúpidas que eu já vi nesses tempos.

    Ayan, por que toda vez que eu publico uma mensagem ela não aparece (antigamente aparecia o que eu tinha escrito com uma mensagem dizendo que aguardava autorização)?

  3. É esse tipo de censura ditatorial que me enoja e quando faço referências aqui sobre os limites impostos pela esquerdopatia com sua poderosa arma do politicamente correto, que é aceita por editor e usuários aqui, é com esse propósito… Não é meu objetivo criticar negativamente e/ou ofensivamente, pois estaria cometendo o que critico mesmo involuntariamente, mas liberar ou ao menos ampliar os limites de um diálogo ou mesmo discussão que se limitados são improdutivos e inúteis… Para mim a liberdade de expressão deve ser absoluta e total, sem limite imposto por critérios subjetivos e rótulos falseadores, doa a quem doer!…

  4. Completamente ridículo.

    Primeiro aquela história de proibir Uber. Proibir o Uber foi ridículo, que prefeito é esse que determina o modo como podemos andar pela cidade?

    Agora essa ditadura do comportamento aos taxistas. Chegamos ao ponto assustador de controlarem CONVERSAS. Bem dito quem disse que esquerdista quer entrar dentro da sua casa e controlar até o que você faz lá dentro. Começou o Haddad com os taxistas.

    Socorro, esse prefeito não pode ser reeleito de jeito algum…

  5. Obrigar os caras a usarem social é outra coisa ridícula. Do jeito que São Paulo anda um calor nos últimos meses, vai fazer os sujeitos que ficam o dia todo dentro de um carro passarem calor? É de FODER!

    Fora, Haddad!
    Voto no Datena mas não voto nesse prefeito de bosta.

  6. Caro Luciano, dizem que Stalin era um mero seguidor de Lenin, sobre quem Fernando Haddad escreveu loas. Assim, nada a estranhar em sues sonhos totalitários. Deixo aqui uma pequena contribuição sobre o que a esquerda (des)entende por democracia, um artigo intitulado “DEMOCRACIA SOCIALISTA” É O SACI PERERÊ DA CIÊNCIA POLÍTICA: NÃO PASSA DE FOLCLORE. http://wp.me/p4alqY-3n

    Abraço.

  7. Os NaziPetistas vão firmes e devagar instituindo uma ditadura. Cada passo, cada golpe, tem sempre uma “causa nobre” que passa desapercebida aos olhos dos leigos mas que não passa na verdade de engodo ou desculpa esfarrapada.

    • Olá, Nill! Fiz um comentário lá no site indicado e não foi publicado. Há uma seletividade, embora o site se diga “pragmático”.
      Na minha opinião, cota racial é a instituição do racismo pelo Estado diante do uso da ideologia, um jogo de luta de classes, generalizando todas as pessoas, excluindo, extremando as divisões entre burgueses (os vilões) e não burgueses (as vítimas), atribuindo às cotas a ideia de reparação de uma dívida com o passado. Enquanto reparam (?) a dívida social com os negros e índios auto declarados descendentes, e isso fica mais barato e isto tenta manter o status de revolução para a extrema esquerda e muitos apoiam isto, por outro lado rouba-se bilhões do erário e quase nenhuma reforma notável se faz no ensino público. Em muitos casos as edificações têm mais de 50 anos e muitas vezes com condições extremamente precárias.
      Nota-se também que a resposta da moça que entrou na UFMG como cotista é recheada de extremismo vitimista, acusador, condenador, evidenciando racismo extremo. Imaginem se uma pessoa não negra respondesse à ela da mesma forma. Seria triturada nas redes sociais.
      Em 13 anos no poder a extrema esquerda fechou 40 mil escolas rurais e nenhuma grande reforma no ensino público. Ninguém se revoltou pelo reajuste de 70% na energia elétrica, mas se revoltam (?) por R$ 0,30 das passagens de ônibus. Ninguém se revolta pelas fortunas enviadas ao MST, MTST, Via Campesia, CUT, MAV’S. Mas defendem as cotas com unhas e dentes porque se locupletam delas. Nem saem em defesa de um ensino de qualidade e modernização das edificações porque se acomodam na luta de classes.
      Entre a extrema riqueza e a extrema pobreza existe uma extensão enorme de situações, de histórias de vida que não podemos ratificar, generalizar e ou rotular nos extremos de “burgueses” e “não burgueses”, além do que, na minha visão, são expressões idiotas usadas nesse jogo onde, quem se dá bem, embora de forma espúria, são os manipuladores, os ideólogos lá de cima que se lambuzam dos bilhões do dinheiro público. E isso não tem nada de ideologia.É só roubo!

  8. Felizmente a parte norte coreana das medidas já caiu, por ser inconstitucional. Agora imagine se a censura aos assuntos pudesse valer. Alguém duvida que um MAV da vida fosse entrar num taxi, falar mal da dilma só pra dar linha ao incauto taxista, gravar tudo em seu celular e denunciar para fazer o cara perder a licença?
    Por aí dá para perceber claramente a verdadeira adoração que estes filhos da p@ta nutrem por ditaduras no mundo todo, e são doidinhos para implantá-las aqui. Se não tomarmos cuidado, em breve teremos medo de nosso próprios filhos e falaremos aos sussurros com medo da polícia política.

  9. E o Brasil continua, passo a passo, lei após lei, em sua caminhada em direção ao totalitarismo. Muito triste ver isso acontecer enquanto a imensa maioria da população permanece apática.

Deixe uma resposta