Documentário “Silenciados” denuncia impunidade de menores criminosos e fala em linguagem política

4
235

silenciados

Existe algo de extremamente agoniante em ouvir a direita brasileira – ou mesmo qualquer oposição republicana – balbuciar alguma coisa. Torcemos para ouvir algumas palavras politicamente bem encaixadas, mas nos deparamos quase sempre com reações espasmódicas desordenadas. Foi assim que o lema “bandido bom é bandido morto” se popularizou, enquanto na verdade poderiam gastar mais tempo apontando as vítimas da impunidade. Mas só poderão fazer isso se internalizarem em seu subconsciente de que a linguagem da guerra política envolve não apenas atacar, como também falar ao coração.

Na página do documentário “Silenciados”, do Facebook, encontramos a descrição do trabalho (em dica do Reaçonaria):

Este é o trailer do documentário nacional “Silenciados”. Nele, diferente do que acontece na grande maioria dos filmes e seriados brasileiros, você não verá a defesa de quem comete crimes ou a relativização da violência. Não verá “especialistas” jurando que menores infratores são incapazes de perceber que assassinar alguém é errado. Não verá nenhum sociólogo dizendo que há “muitas prisões” no Brasil, esquecendo-se de dizer também que a maioria dos crimes sequer é investigada. Em “Silenciados”, você conhecerá apenas o drama e a luta de quem teve a vida transformada pela ferocidade da violência brasileira, que não escolhe cor, lugar ou classe social. A violência de quem não é suficientemente alertado pela sociedade e pelas leis de que não se deve, em hipótese alguma, tirar a vida de outra pessoa. “Silenciados” está sendo financiado de forma privada, sem qualquer verba ou apoio estatal. A única chance de levar este documentário ao público é tornando-o conhecido a ponto de que ignorá-lo passe a ser impossível. Assista ao trailer: se gostar, não curta apenas: comente e compartilhe também. Se não gostar, entre no debate.

Não assisti o filme, mas com certeza o farei. O que podemos garantir, logo de partida, é que eles conseguiram falar politicamente, ao menos no que podemos presenciar no trailer abaixo:

Anúncios

4 COMMENTS

  1. 3 menores deram tiros na cara de turistas na praia grande na noite de ano novo.

    Ninguém sabe o nome deles. Eles provavelmente já estão soltos, prontos para matar à sangue frio novamente.

    REDE GLOBO, PT, PSDB, PMDB E VEJA APOIAM O DESARMAMENTO DA POPULAÇÃO DE BEM.

  2. “Sem censura, Sem Justiça, Sem Rouanet” O final do trailer já disse para o que ele veio. Desmascarar a hipocrisia nazi-petista e mostrar quem são as verdadeiras vítimas no Brasil longe das lentes da Globo e dos roteiros de artistas esquerdopatas.

  3. Luciano

    Mudando um pouco de assunto; entendo ser importante você que já entende bastante de guerra política, se antecipar e alertar os opositores do PT para o uso dos melhores frames em 2016 quando o assunto da pauta for o CPMF. Certamente o PT e seus braços esquerdopatas irão alegar a volta do mesmo sob algum pretexto nobre como a melhoria da saúde que era o propósito inicial do CPMF. Se Aécio vier com a mesma conversa de que brasileiro não aguenta mais tributo ( mesmo sendo uma verdade quase que matemática ) será rotulado facilmente de estar contra a saúde da população e de se colocar sempre como um empecilho para o desenvolvimento do país. Vai ficar 45 dias corridos só se explicando. Se ele alegar ao contrário que também quer a melhoria da saúde ou de qualquer que seja a justificativa PETISTA para volta do CPMF mas que isso tem que ser feito não pela CPMF, mas através de corte de ministérios e o controle dos gastos públicos porque o brasileiro está cansado de bancar político milionário, o ataque sairia mais contundente.

  4. Excelente proposta de vídeo. Mas é preciso desmascarar alguns juízes, alguns advogados da OAB, algumas ONGs e eliminar a LDB, juntamente com o ECA.
    Me lembro vagamente de uma reportagem, onde um dos delinquentes que estava no carro que arrastou o menino João Hélio, ganhou (não me lembro se do governo ou de uma ONG) uma viagem para a França.

    Antes se questionava o abuso do poder coercitivo, hoje este poder é quase nulo para os “coitadinhos” que a esquerda elegeu como sua bandeira de justiça. E se a turma da esquerda instalada e bem acomodada no governo não sair, a impunidade vai aumentar.

Deixe uma resposta