O que tem a ver a falta de publicidade governamental sobre o zika com a guerra política?

8
113

zica

Já não é novidade para ninguém que a direita true (*) neocon (uma das variações da direita true) parece, ao menos no que se vê em boa parte de seus adeptos, não gostar da luta real pelo poder. Em vez disso, cultuam totens.

É por isso que quando escrevi o texto “‘Fora Foro’ é meuzovo!”, algumas pessoas enlouqueceram. No meu texto, eu simplesmente dizia que ficar falando “Fora Foro” e se limitar a isso é resultante de falta de foco e, em alguns casos, até má-fé. O problema, no entanto, não está em gritar “Fora Foro”, mas achar que sua ação política contra o Foro se limita a isso, quando na verdade aquele que protesta contra o Foro deveria ter demandas políticas intermediárias que fossem congruentes com aquilo que ele diz acreditar: lutar contra o Foro. Essa congruência se veria, por exemplo, se os adeptos do “Fora Foro” tivessem feito algo contra o controle bolivariano de campanhas, implementado em 17/9. Mas ficaram caladinhos, como se isso não tivesse nada a ver com a implantação do totalitarismo petista por aqui. E então, depois disso, podemos desconfiar – ao menos taticamente – não de quem pede “Fora Foro”, mas de quem se limita a isso. (E aí não poderia deixar de surgir a mentirinha reconfortante de dizer que “Luciano Ayan quer que parem de falar ‘Fora Foro'”, quando meu texto foi em outra direção, pedindo que o “Fora Foro” deixasse de ser apenas gogó para se tornar lutas pragmáticas)

Por exemplo, uma das formas de luta seria exigir que a publicidade institucional tivesse regras claras, mas hoje é utilizada cada vez mais apenas como parte dos resultados previstos pelo PT com o controle bolivariano de campanhas. Ou seja, a publicidade institucional não tem mais nenhuma finalidade de orientação ao povo em campanhas de crise. Na realidade, é usada unicamente para arrumar pretextos de o governo comprar propaganda a partir do dinheiro estatal em benefício do PT.

Em cima disso, vale a pena ler o texto de Josias de Souza, dizendo que a Câmara quer obrigar o governo a usar a publicidade institucional, ora vejam só, para sua função prevista, ou seja, coisas como alertar o cidadão quanto ao zika:

Aproveitando-se da lentidão e da incompetência no enfrentamento à proliferação do vírus zika, a Câmara decidiu impor ao governo uma nova lei sobre propaganda oficial. Deseja-se regulamentar o princípio constitucional segundo o qual a publicidade governamental precisa ter um caráter educativo e informativo, obrigando o Estado a orientar a sociedade em situações como a atual, em que o mosquito Aedes aegypti, além de transmitir dengue e chikungunya, espalha o vírus zika e o pânico da microcefalia.

As caldeiras do Congresso serão religadas nesta semana. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, encomendará à sua assessoria um levantamento de todos os projetos sobre o tema que já tramitam na Casa. A ideia é fundir tudo o que for aproveitável numa única proposta, votando-a em regime de urgência. Deve-se a iniciativa a uma sugestão feita a Cunha pelo deputado Lúcio Vieira Lima.

“Num instante em que o mosquito faz e acontece no país, não se vê no rádio nem na tevê uma mísera publicidade governamental orientando a população”, disse Lúcio. “Com a popularidade baixa, o governo da presidente Dilma tende a preferir as peças de autopromoção. Conversei com Eduardo Cunha. E ele concordou que é preciso agir. O primeiro passo é levantar os projetos que já estão em tramitação. Depois, aprovar uma boa proposta.”

Lúcio acrescentou: “Não será por meio de entrevistinhas do ministro Marcelo Castro (Saúde) que vamos conseguir orientar a população. A própria presidente Dilma seria a primeira a se beneficiar com uma campanha de esclarecimento público. Orientada, ela falaria menos besteira sobre o tema.”

Sejamos claros. Qualquer legislação regulamentando a publicidade institucional para evitar que o governo a utilize para fins particulares é um míssil político lançado contra o PT e o seu projeto totalitário. E, curiosamente, esta demanda não veio daquela direita gritando “Fora Foro”, mas de deputados independentes. E isso deveria ser vergonhoso, pois atacar o uso indevido de verbas de publicidade do governo deveria ser uma das prioridades na luta contra o totalitarismo socialista, que é exatamente o projeto do Foro.

O problema então não está em bradar “Fora Foro”, mas se limitar a ele, especialmente quando convertido apenas em um totem, não em um objetivo real para o conflito político.

Podemos observar isso no cotidiano de uma empresa onde um gerente de qualidade resolva implementar o Six Sigma. Supondo que ele tenha oportunidades de tentar essa implementação, imagine que ele coloque como meta falar “O Six Sigma é a revolução que precisamos”, com o objetivo de “criar a conscientização”. A ideia é que daqui a 10 anos todos falem em Six Sigma e, enfim, a organização terá mudado. Mas alguém questiona: o que podemos fazer durante esse interregno para que o objetivo final seja alcançado mais facilmente? Podemos implementar alguns projetos adicionais de qualidade? Podemos ter indicadores quantitativos? Ou seja, todos itens que poderiam facilitar aquilo que ele diz acreditar são ignorados. A pergunta é: por quê? Entre as explicações, temos falta de foco ou talvez até má-fé.

Mas voltando ao mundo das lutas reais, poderia existir pressão por essa regulação, e até o aproveitamento para a construção de frames como: “O governo petista não fez publicidade para alertar o cidadão quanto ao virus zika. Estamos assistindo pessoas sendo contaminadas, crianças adquirindo microcefalia e sonhos familiares sendo destruídos porque esse partido desumano não fez o seu trabalho, até mesmo quanto à publicidade, que preferiu utilizar em nome de seu projeto sádico de poder”.

Dizer coisas assim, bem como pressionar os deputados a cortar a farra do uso indevido de publicidade institucional pelo PT, é parte, enfim, de um real projeto para abalar o totalitarismo não só do PT, como de todas suas linhas auxiliares.

(*) Direita true significa uma direita que se autodenomina como “a verdadeira direita contra falsas direitas”, geralmente a partir de exageros, distorções da realidade e purismos exacerbados. 

Anúncios

8 COMMENTS

  1. Luciano, você está hiperestimando a inteligência de quem você está criticando.

    As pessoas que ficaram malucas em seu texto entenderam o seguinte:

    _____________
    *”Fora Foro” é meuzovo*
    Iriure liberavisse sit id, eam an inani populo. Dico facete mel et, PAREM DE LUTAR CONTRA O FORO usu cu ridens omnium, eam et scaevola inciderint accommodare. Vix te labore scaevola. Ne hinc consul O FORO NÃO REPRESENTA UMA AMEAÇA adipisci cum. Te est tollit gloriatur vituperata, an est omnes noster partiendo. O OLAVO DE CARVALHO ESTÁ MENTINDO Eu minim affert doming pro, quodsi alterum vix at. O PT É BONZINHO Dolore gloriatur conceptam pri ne, et ius volutpat posidonium. Est ei dolorum apeirian, augue labore vivendum ad pro. Id nonumy accusamus vituperatoribus eum, corpora fabellas vix ex.
    FIM.
    _______________

    São pessoas incapazes de interpretar o texto que leem.
    Para vc ter noção, o Flavio Morgenstern, que é aluno do Olavo, já ganhou o rótulo de traidor, pq falou parabéns pro Kim por ter entrado na folha.

    Pode me chamar de pessimista, mas ao meu ver, o PT não sai do podem nos proximos 3 anos.
    Por outro lado, há um trabalho de base relativamente bem estruturado, do ponto de vista estratégico por parte do liberais, e liberais conservadores, visando o longo prazo. Já, os movimentos criado por parte desses direitistas tr00s são em geral completamente efêmeros, movidos apenas por sentimentos. Tendem a desaparecer e se enfraquecer, a medida que não obtem resultado pratico algum: são como fogo de palha.

  2. Luciano, atualmente o político anti-FSP (consciente ou não) com maior poder é, sem sombra de dúvidas, o deputado Eduardo Cunha. Os meios de comunicação são flagrantemente contra o Cunha, principalmente pelas suas posições na arena moral, por isto movem uma intensa campanha para desmoralizá-lo. Esta demanda (regulamentação da propaganda) é uma forma dos aliados do Cunha fazer pressão sobre a mídia, há aí um oportunismo, mas é óbvio que os liberais e os adversários do FSP e do PT devem se unir pela aprovação da regulamentação dos gastos do governo com propaganda.
    Aliás, o alerta sobre a dependência cada vez maior que a imprensa tem das verbas do governo já foi dado pelo deputado Jair Bolsonaro, naquela entrevista onde um repórter amestrado tentou retirar o microfone no momento da denúncia.

  3. Na verdade o Zika Vírus já deveria ter sido usado como argumento político contra o PT desde o seu surgimento no Brasil logo após a Copa de 2014 em função da abertura para entrada de turistas sem nenhum tipo cuidado de vigilância quanto a possíveis doenças e em função de um sistema precário de saúde que foi mantido como tal mesmo o governo PETISTA alardeando ao Mundo que diversos projetos seriam implantados. Ao Mundo claro, porque internamente, Dilma Rousseff adorava responder aos críticos com desdém que iria ter Copa. Teve e deu zika. O governo PETISTA é coautor desse crime contra os brasileiros.

  4. O PAÍS DOS PETRALHAS e o Aedes aegyPT

    O País dos Petralhas, além de ser um antro de corrupção, tornou-se também o maior criadouro mundial do zika vírus, e o exporta para a América do Sul e o mundo.

    Vejam o que está acontecendo com as grávidas do Estado Petralha, que passaram a usar burca e a se intoxicar com repelentes do Aedes aegyPT. As que não se protegerem estarão sujeitas a engrossar a geração de microcefálicos que começa a se formar no País.

    É mais umas das consequências de 13 anos de criminoso descaso com a saúde pública!

  5. Posso estar enganado, mas o que eu acho que falta é um ou dois formadores de opinião, jornalistas de peso e respeitados, que abracem suas ideias e que as exponham insistentemente para o seu público.

    O Antagonista, por exemplo começou com apenas dois jornalistas, ou apenas um, o Diogo Mainardi, e hoje é uma referência. Nós precisávamos de algo mais ou menos assim.

    Sem um apoio nesse nível de influência da opinião pública, o máximo que podemos fazer aqui, ou em nossos blogs pessoais, em minha opinião, é ficar esperneando nos lamentando entre nós mesmos, sem nenhum resultado prático além de vermos seguidamente frustradas e perdidas oportunidades de derrota dos bolivarianos.

  6. Quanto ao texto sobre o Fora Foro, o que esperar de gente que fica cheia de fogo no cu, assanhada, com a periquita doida, se vê num texto a palavra “gay” e nem esperam ver sobre o que o texto tá falando, já saem esbravejando sobre gayzice, sobre o quanto esses seres estão destruindo o país, numa histeria que dá mais vergonha alheia que molecada psolista que vota na Luciana Genro apoiadora o ditador Maduro?

    O que esperar de “direitistas” que estão vomitando a palavra Bolsonaro em cada canto e que se você fala dele e não coloca um elogio logo em seguida, você é um otário e merece ser exterminado? É com esse tipo de gente louca que estamos lidando. Gente que devia estar num HOSPÍCIO.

    Logo, é óbvio que não teriam capacidade compreender seu texto sobre o Fora Foro. Tenho a teoria de que eles nem sequer abriram pra ver do que se tratava, só leram o título e saíram esbravejando “aaaaaaaa Luciano tá defendendo o Foro, olha que bomba, que bafão, tirou a máscara”.

    E sobre o zika vírus, é uma putaria isso que o governo Dilma está fazendo destruindo VIDAS. 13/03 vamos pras ruas ELIMINAR esse governo,.

  7. Ontem vim no carro ouvindo o “Cientista Político” Pedro Costa na Band FM, enaltecendo Bernie Sanders como quem vem arejar a política americana trazendo maior liberdade para imigrantes ilegais, direitos sociais, imposto sobre fortunas e aumento de impostos como fazem os escandinavos.
    Como eu gostaria de ver Reinaldo Azevedo mandando um traste desse pastar.
    Mas sem Olavos, esses trastes vão se disseminando pelo mundo.
    Olavos são o arado que abrem a terra da ignorância. Os demais são os semeadores que gerarão resultados.
    Alimentar brigas entre ambos é tão útil quanto decidir quem pula primeiro do décimo andar de um prédio em chamas.

Deixe uma resposta