PT faz o de sempre: prega a união e em seguida desce a porrada em oposicionistas

5
88

alckmin_kassab_dilma

Quando um petista falar em “quero união” você já pode prever o resultado: um novo surto de violência extrema será lançado a partir do partido ou ao menos por parte de seus simpatizantes. Implacável, a regra nunca deixa de funcionar, como mostra um texto de Reinaldo Azevedo, mostrando que “um dia depois de Dilma pregar união, petistas vaiam Alckmin em solenidade e batem em membros do MBL”:

O que há de surpreendente no petismo, além de nada? Um dia depois de a presidente Dilma ir ao Congresso Nacional, pedir a união de todos, conclamar, como se dizia antigamente, as “forças vivas da nação” a se unir em defesa do bem comum, o que fazem o governo e o PT? Ora, investem na divisão, no confronto, no arranca-rabo. É a cara deles. Em solenidade de entrega de unidades do Minha Casa Minha Vida em Indaiatuba, interior de São Paulo, apaniguados do PT aplaudiram Dilma, vaiaram o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e bateram em manifestantes do MBL (Movimento Brasil Livre).

Isso mesmo. O Planalto armou uma megaoperação de marketing para a entrega de unidades do programa. Enquanto Dilma estava em Indaiatuba, eventos do Minha Casa Minha Vida ocorriam em cidades da Bahia, Ceará, Paraná e Maranhão, transmitidos por telão, com a fala de prefeitos e outras autoridades locais. Todos gratos à… presidente.

A plateia, nesses casos, todos sabemos, é rigidamente selecionada. Os escolhidos são desocupados remunerados dos ditos “movimentos sociais”, essas milícias disfarçadas de militância em favor do bem, do belo e do justo. A CUT era uma das forças mais visíveis. Pois bem, quando Alckmin foi falar, adivinhem o que aconteceu: vaia! Na terça, a presidente pede a união nacional, na quarta, seus esbirros se comportam como vândalos. Em sentido literal.

Manifestantes decidiram protestar contra a presença da presidente Dilma. Membros do MBL apanharam de trogloditas vestidos com a camiseta da CUT. Celulares de pessoas que gravavam as agressões foram quebrados. É o que o PT entende por paz social.

Então agora você já sabe a linguagem petista. Ela nunca é feita em cima de intenções reais, mas de jogos sórdidos. Uma forma de se planejar violência é sair pedindo “paz” para poder atingir seus adversários pelas costas. Reinaldo Azevedo não se surpreendeu. E se alguém manifestar surpresa em um momento como esses, merece um puxão de orelha.

Só que Alckmin, como sempre, fez papel de idiota perante o PT, como mostra a matéria do Valor Econômico:

Presente ao evento, o ministro Gilberto Kassab (Cidades) fez elogios à presidente, mas não citou Alckmin, apesar de parte dos recursos das casas entregues no Estado ter sido financiado pelo governo estadual. “A senhora coloca recursos, dá prioridade e habitação. É o maior programa habitacional não só do Brasil, mas do planeta”, disse Kassab.

O governador discursou rapidamente e evitou falar sobre as vaias. “É boa parceria com o governo federal e estamos felizes. Que Deus cubra de benção todas as famílias”, afirmou. Segundo Alckmin, cada casa entregue gera 1,2 empregos. “São quase quatro mil empregos gerados no Estado”.

Aí é questão de falha de caráter, certo, Sr. Alckmin? Se isto é “parceria”, só se for uma parceria caracu, onde a Dilma entra com a cara e o Alckmin com… bem, vocês sabem.

Anúncios

5 COMMENTS

  1. É o eterno joguinho da esquerdalha: pedir apoio e oferecer parceria no que e quando lhes convèm, mas agredir sempre que possível e lhes beneficie… Acho que esse comportamento demonstra a arrogância deles e o desprezo pelos discordantes, mas que não os impede de firmar sempre que necessário, o que se chama de ALIANÇA PROFANA!…

  2. O PSDB não cansa de ser capacho do PT. É uma vontade inexplicável que os Tucanos têm de apanhar para sorrir. Saiu do núcleo Bolivariano Nazi-Petista ou é inimigo ou objeto descartável. E isso se aplica inclusive aos movimentos “sociais” que apoiam os próprios PETISTAS. Se não houver espaço para babar o ovo do ditador ( ou o grelo da ditadora no caso do Brasil, não sei, deve ser…), o elemento é no mínimo objeto descartável. Isso é histórico e comum a todos os regimes comunistas implantados.

    Não vão bater e assoprar. Vão assoprar e depois bater para os Tucanos saírem iguais umas putas com o lombo ardido. De fato a comparação com uma relação sado-masoquista que o Luciano fez alguns meses atrás está perfeita.

  3. O Alckmin podia ter dito que vaia de mortadela é elogio e que ele não paga para ser aplaudido nem para que vaiam outros, iria ridicularizar todos facilmente.

  4. O Kassab é um aproveitador, cego pelo poder, que por mérito próprio nunca obterá. O Alckmin tambem é uma pessoa cega pelo poder, e se transformou em uma figura patética, que a despeito de sua cara de “xuxu”, não exita em fazer um jogo dubio na tentativa de superar seus adversários dentro do partido. É por este motivo que o PSDB é um partido em cima do muro; seus caciques estão mais preocupados em superar os outros do que defender interesses legítimos do cidadão brasileiro. A coisa fica pior ainda se pensarmos que do ponto de vista administrativo e técnico o PSDB é a melhor opção, o que no frigir dos ovos nos deixa sem opção. Uma lástima.

Deixe uma resposta