O caráter podre daqueles que dizem que Ju Isen “diz que” foi agredida

30
254

blosta

Será que Leopoldo Lopez está preso na Venezuela ou apenas algumas pessoas “dizem que” ele está preso? Será que ao invés de termos casos de dezenas de milhões de pessoas mortas na China e na Rússia, temos apenas situações onde pessoas “dizem que” muita gente morreu? Enfim, tratar os fatos inegáveis – e vergonhosos – como apenas declarações de pessoas que “dizem que” é um dos truques mais podres da extrema-esquerda. É assim que monstros morais escondem a realidade enquanto praticam barbáries sem fim.

Na BLOSTA – no caso, o Brasil247 – eles fizeram a afirmação taxativa de que a modelo Ju Isen apenas “disse que” foi agredida, quando o vídeo que vemos abaixo mostra que ela foi de fato agredida de forma covarde por um bárbaro que deveria ter sido preso em flagrante.

Você viu? Não tem nada de “Ju Isen diz que foi agredida”. Ela foi agredida, neguem eles o quanto quiserem.

Pois releia a chamada textual do Brasil247:

Modelo Juliana Isen, conhecida por desfilar pelada em protestos pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, conseguiu roubar a cena durante o desfile da escola Unidos do Peruche; ela foi expulsa da avenida por despir parte de sua fantasia, em protesto após ser impedida pela escola de usar um tapa-sexo com a imagem da presidente Dilma; no meio do desfile, Juliana se despiu do macacão e foi retirada da avenida; ela diz que foi agredida por integrantes da Peruche; “Como não deixaram, fiz meu protesto por um País melhor deixando os seios à mostra”.

Para esta gente, todo tipo de barbárie contra divergentes políticos está tolerada, desde que tenham cara de pau suficiente para negar os fatos. E isso eles tem de sobra.  Alias, será coincidência que Haddad aprovou uma lei muito suspeita na última quinta-feira (4/2) para livrar escolas de samba de aluguel, perdoar IPTU atrasado e ainda aumentar o repasse para esses grupos? Tudo com dinheiro dos pagadores de impostos, é claro, mesmo que muitos não dêem a mínima para o carnaval. (Seria uma boa ideia que Ju Isen servisse de mártir para acabarmos com qualquer forma de cessão de facilidades e verbas estatais para escolas de samba, que já serviram recentemente até para apoiar ditadores sanguinários).

Um comentário de Rogério Pletz, no Facebook, foi mais que certeiro:

Modelo Ju Isen, destaque da Peruche foi brutalmente jogada para fora da avenida. O motivo é que ela queria protestar contra Dilma Rousseff.
É isso, só pode enfiar crucifixo no c* na parada gay, protestar contra o governo não pode.
#SouJuisen

A luta não é apenas contra um governo corrupto, mas contra um partido, que, junto com suas linhas auxiliares e coletivos não eleitos, representa o que há de mais moralmente perverso na história da política nacional, chegando ao cúmulo de apoiar ou incentivar agressão de mulheres que critiquem o partido.

A Unidos do Peruche merece ser desclassificada por ter agredido uma mulher de forma tão canalha e covarde. E o PT merece ser escurraçado da história política nacional.

Abaixo a imagem da vergonha bolivariana:

q98a8055edf

Anúncios

30 COMMENTS

  1. Parece que a tática esquerdista então é o uso de blocos, escolas ou agremiações carnavalescas como agentes políticos. Em Salvador, alguns artistas receberam polpudas verbas do governo estadual, PETISTA obviamente, para desfilar sem corda em nome de um carnaval mais “democrático”. E tome totalitarismo no lombo dos oposicionistas.

  2. Não querendo de forma alguma justificar a agressão (é imperativo que ela preste queixa na polícia), mas essa moça está no clube errado. Deveria entender que Carnaval no Brasil NÃO é uma festa de expressão do indivíduo, mas sim um enorme esquema de lavagem de dinheiro e desvio do suado dinheiro do pagador de imposto. O que ela fez é o equivalente de adentrar uma mesquita no Irã para defender Israel. Sempre odiei esse lixo cultural criado pelo caudilho Getúlio Vargas e esse acontecimento só fomenta ainda mais meu desprezo.

    • Mas isso tudo é irrelevante. Estas observações suas não servem para VALIDAR a agressão, e esta é a ÚNICA discussão. Se começarmos a atenuar crimes por que as vítimas “ouvem funk” ou “não possuem determinada cultura” estamos decaindo para as eras tribais. Acho que talvez ninguém despreze o carnaval mais do que eu (talvez alguns igualem), mas isso não muda a avaliação moral do evento.

    • O protesto dela era simbólico, quase imperceptível. No entanto, as mesmas Escolas que exaltam Cuba, Chê, ditadores africanos e outros tarados assassinos, não toleram que alguém proteste contra a ORCRIM ou um de seus sócios. O bolivariano que agrediu a moça tem que tomar um processo para aprender!

  3. Não podemos ficar um minuto sem fustigar este lixo moral que tomou conta da vida pública brasileira. Só uma criatura desprezível e covarde para agredir uma mulher daquela maneira. É, donas feministas. Eu ainda acredito em cavalheirismo, linguagen livre de palavrões ou ofensas gratúitas e comportamento moralmente são de acordo com os preceitos cristãos.

  4. Luciano, sem querer botar lenha na fogueira, se você olhar bem o vídeo, quem na verdade dá o empurrão que derruba ela é uma mulher não o homem, olhe e veja!!!
    Abraços

  5. Esses covardes que recebem dinheiro do narcotráfico petista tinham que passar por humilhações em público. Desde esses paus mandados de escola de samba até jornalistas

  6. Estava assistindo no momento que passou,ela só mostrou o seios;não teve tempo de tirar toda a fantasia para mostrar o tapa sexo;eles retiram rápido pois a escola poderia perder pontos por isso,não estou defendendo a agressão, mas ali é um trabalho de um ano inteiro. Deveríamos fazer um protesto na altura do carnaval, com toda essa gente na rua .

  7. Sou contra a agressão! Mas essa moça precisa ter mais noção, ir num desfile onde há disputa e agir de maneira que possa tirar pontos da escola é procurar sarna pra coçar. Atitude pouco inteligente.

    • Marcos Prado,

      A questão de “noção no desfile” é CONSELHO PESSOAL, mas não um argumento que valide ou não a violência. Para cada vítima de violência podemos dizer “você deveria ter feito isso”. TODA ELA. Então isso não faz parte deste debate.

      Por exemplo: alguém poderia dizer que os judeus “erraram por não sair da Alemanha antes”. E daí? O crime de Hitler é o mesmo. Trazer discursos de atenuação em um DEBATE MORAL chega a ser IMORAL.

      Abs,

      LH

  8. Tinham que reclamar de Derci Gonçalves àquilo foi atentado violento ao pudor. A mulher e bonita e qual a diferença por protestar quebrar onibus tacar fogo en carro banco isso pode

  9. .Queiram ou não… Gostem ou não… Mas essa modelo, lindíssima diga-se de passagem, e que por isso só poderia ser contra a Dilma, mocréia símbolo das “femerdistas” de plantão e de toda a esquerdalha nojenta, está sendo a maior estrela, protagonista do o maior evento deste lixo cultural já sem sentido mais e esvaziado, pois vivemos tempos devassos de liberação total… Folguedo que fazia sentido em tempos mais austeros e moralistas, como valvula de escape, sendo uma liberdade momentânea e com data marcada… E assim eu digo: VIVA A JULIANA ISEN, MUSA DA IMPUGNAÇÃO, OU SE PREFEREM, IMPEACHMENT DA DILMAOCRÉIA, VÍTIMA DA INTOLERÂNCIA E VIOLENCIA PTISTA!…

  10. Só acho que deveriam corrigir onde dizem que o rapaz agrediu… na verdade estava a encaminhando para fora do sambódromo e no momento da queda ele tentou segurá-la, e quem a agrediu com um empurrão foi a mulher que na imagem exibida aqui não pode ser vista pois está ao lado do rapaz… no video do G1 é fácil de perceber isso!

    http://g1.globo.com/sao-paulo/carnaval/2016/noticia/2016/02/peruche-escapa-de-cair-e-reclama-de-ju-isen-peladona-derrubou-gente.html

    • Gustavo,

      Se ele era o segurança, deveria retirar a modelo de lá de forma mais segura, e não colocá-la em uma situação onde poderia ser empurrada. Na verdade, só temos mais CULPADOS, e não um inocente… O processo dela tem que ser contra A ESCOLA.

      Abs,

      LH

  11. Para mim a questao e muito simples: ambas as partes estao erradas! Por um lado, a tal modelo na ocasiao, estava desfilando em NOME DA ESCOLA UNIDOS DO PERUCHE e nao em NOME PROPRIO!!! Deste modo, entendo que ela deveria ter se limitado a seguir as regras impostas pela escola (que por sinal ja havia lhe proibido de fazer quaisquer manifestacoes). Some- se a isto o fato de que o tema da escola era sobre os cem anos do samba e nao tinha nada a ver com politica. Portanto, se ela queria fazer manifestacoes politicas, nao deveria entao ter aceito o convite da escola (pois nao era obrigada a desfilar) e sim ter escolhido uma escola ou bloco de rua que tivesse esse mesmo objetivo. Em outras palavras: a moca quis usar o desfile da escola de samba ( e toda a exposicao por tras disso) para a realizacao de objetivos pessoais e nao autorizados pela escola, sem se importar com eventuais prejuizos que poderia causar a tal agremiacao. Por outro lado, entendo que a escola foi muito alem do que deveria na defesa de seus interesses, pois o membro de tal agremiacao jamais deveria te- la agredido de forma tao violenta e covarde, ja que a modelo em questao ja havia sido retirada do desfile sem apresentar resistencia. Resumindo: o que podemos ver nessa lamentavel estoria e que o carnaval se transformou num palco sujo para pessoas oportunistas e tambem numa competicao cruel e sanguinaria onde vale tudo para se conseguir um trofeu.

  12. Vie um vídeo desse ano, ela ao vivo no TV fama mostrando a boca da cagador, rsrsrsrs tudo isso para da um “0” para a Geyse Arruda rararara, muito louco, o “0” tava meio estragado de tanto protestar pelas avenidas…..

  13. É engraçado como a esquerda divide a sociedade em “Nós” e “Eles”. “Nós”, os esquerdistas, podem tudo: bater, ofender, agredir, matar, roubar, matar milhões como fizeram no comunismo. “Eles” não podem fazer nada. Tudo é agressão, ofensa. Mas a máscara de “Nós” aos poucos vai caindo. Reclamam que “Eles” batem panelas, mas “Eles” batem apenas em panelas!

Deixe uma resposta