Abortistas criticam comercial da Doritos por “humanizar” feto

13
250

doritos-ultrasound

O blog Senso Incomum, de Flavio Morgenstern, fez bem ao lembrar mais uma atitude indigna e apavorante praticada pelos movimentos do politicamente correto nos Estados Unidos em virtude de um comercial da Doritos exibido no SuperBowl.

No comercial, vemos uma grávida fazendo procedimento de ultrassom, enquanto o pai está comendo Doritos. Quando a mãe joga o salgadinho longe, o bebê sai da barriga da mãe para agarrá-lo.

Pois o grupo pró-aborto NARAL Pro-Choice America perdeu toda a vergonha na cara e saiu pedindo boicote ao Doritos “pela tática #antiescolha (sic) de humanizar fetos”.

Olha… eu não muito ligado nessa conversa de aborto, e acho que devemos ter leis como as atuais, tanto restringindo o aborto em alguns casos, como permitindo-os em algumas situações (questões de saúde da mãe, estupro, etc.). Nota-se que essa questão tente a sensibilizar principalmente os conservadores. Mas não é preciso ser um deles para perceber que a esquerda desceu ao nível do esgoto com sua reclamação.

Reclamar da “humanização de fetos” é simplesmente o fim da picada.

Flavio Morgenstern diz mais:

O Huffington Post, coletânea de escritores comunistas americanos, declarou que o comercial já os faz repensar se vão comer Doritos novamente. O Adweek afirma que o comercial iniciou uma “conversa no Twitter sobre controle de nascimento”, nos típicos eufemismos progressistas que, ofendidos, não conseguem chamar as coisas pelo nome – como nossas mamães chamando nossos jaramaralhos de “piu-piu” para não falarmos porcaria.

Algo que me diz que isso tudo foi um tiro no pé dos abortistas.

Veja a propaganda que causou a chiadeira da escória:

Anúncios

13 COMMENTS

  1. Fantástico o comercial. A extrema esquerda adora destruir famílias por qualquer método incluindo o aborto. Tratar um feto pelo que ele realmente é; um ser vivo, atrapalha a agenda desses psicopatas. Se os comunistas estão na dúvida entre comer ou não comer; não comam a porra do Doritos; esse salgadinho machista burguês capitalista e opressor.

    O argumento esquerdista é falho ao tentar classificar um feto em qualquer período da gestação como apenas um amontoado de células alegando que antes de se formar um sistema nervoso não haveria nada se não isso. Acontece que a porcentagem de gestações que chega ao final de maneira natural levando a uma nascimento de crianças sadias é de 80%*. 5 a 7 casos em 1000 serão de bebês com anencefalia parcial ou total. Não é porque não tem um cérebro em um determinado momento que não terá depois. O histórico aponta então que o aborto antes da formação de um sistema nervoso nada mais é do que um assassinato de futuros bebês sadios.

    Se você tivesse a seguinte taxa: 25% de bebês sadios; 25% de bebês anencéfalos; 25% de bebês natimorto e 25% de objetos inanimados; você poderia alegar: Porra; sei lá o que vai dar. Não é o caso quando se trata de gestação humana.

    É claro que o aborto tem que estar previsto em lei como nos casos que foram mencionados mas as bestialidades que rolam na câmara dos deputados em forma de projetos de lei – da esquerda obviamente ( PT, PSOL, PC do B) não tem nada a ver com isso.

    * Essa taxa leva em conta inclusive os abortos naturais em que o zigoto não consegue se fixar na parede do útero e é expelido na menstruação sem que a mulher saiba sequer que estava grávida.

  2. Mas que ótima ideia! Fazer “comerciais”, pequenos vídeos cômicos expondo o esquerdismo e zombando dele, além de divulgar os conceitos e valores libercons!

    * * *

  3. Esses canhotos culturais, conseguiram fazer o mundo mais violento e chato. Não passa um dia sem que esses estrupícios façam barulho com coisas que seriam banais em tempos pré Gramsci.

  4. Luciano

    Sobre o principio, falar ao coração, gostaria que vc desse a sua opinião sobre um trecho de um filme que assisti, que acho que se enquadra nese termo.

    O filme é interessante, baseado em uma história real e se chama “Meu Mestre, Minha Vida”. Nele o protagonista (interpretado pelo Morgan Freeman) é um professor que é designado pelo conselho de educação (se não me engano) pra ser o novo diretor de um colégio pobre lotado de marginais. Lá, ele precisa fazer os alunos passarem em prova para medir os conhecimentos básicos de ensino. Mas como eu disse, o colégio é cheio de marginas, vagabundos e criminosos de todo tipo. Ele expulsa todos os vagabundos e depois recebe bronca da mãe de um deles… E ele responde assim:

    https://www.youtube.com/watch?v=0a1_QbGY-O4

    A cena se encontra no minuto: 22:16

    Aqui tem um artigo da época esclarecendo algumas distorções que foram feitas no filme, e que não aconteceram de fato na vida real.

    http://articles.latimes.com/1989-03-03/entertainment/ca-285_1_joe-clark

    • Como já disse no FB, se a direita resolver tirar nota 2 na guerra política, terá sido tiro no pé. Mas se a direita optar pela nota 0, aí concordo com você. Os frames foram muito ruins, e ao criticar a “humanização de crianças” eles abriram frente para ataques infinitos. Está fácil para a direita conservadora. Mas é justo reconhecer: nunca devemos nos surpreender com a incompetência da direita para o jogo.

      • Se o pessoal fosse esperto, brincaria muito com essa de “humanizar fetos”. Fariam quadrinhos, contos, memes que “humanizassem” os bebês – as mais inocentes e ingenuas possíveis, tal o comercial do doritos.

  5. A questão é bastante simples: o direito a vida é absoluto? Se sim, repudia-se todas as formas de aborto; se não, abre-se as portas para o arbítrio do forte sobre o fraco: serviço militar obrigatório, aborto, eutanásia, eugenia, genocídio etc..

Deixe uma resposta