BLOSTA apela ao fanfic de extrema-esquerda e acaba confessando crime de dano ao patrimônio

2
138

boneco-lula-paulista-448x330

Depois do textão mentiroso de uma feminista atacando o Quitandinha Bar, agora vemos outro fanfic da extrema-esquerda. Uma história muito provavelmente inventada, para a qual não existe prova alguma, com a qual o blogueiro governista Eduardo Guimarães quer convencer seus zumbis de que a polícia “conspirou” contra as milícias bolivarianas em manifestação frente ao Fórum de São Paulo na última quarta-feira, 17/02.

A coisa é tão ridícula e fantasiosa que será refutada por resumo, pois nem vale a pena perder muito tempo com texto tão ruim:

Quando esta página afirma que há uma ditadura informal no Brasil, que colocou instituições do Estado a serviço de grupos contrários ao governo constitucional do país e ao partido da presidente da República, podem achar que é exagero. Contudo, o Blog obteve informações que mostram promiscuidade entre o governo de São Paulo e grupelhos políticos.

Os caras aparelharam o Judiciário, deram vários golpes via STF, usam sem parar a Lei Rouanet, manipulam as verbas de publicidade estatal para ter uma mídia cada vez mais de joelhos, financiam a BLOSTA – que publica textos da figurinha – e ainda tem a cara de pau de dizer que a “ditadura informal no Brasil” é uma que se posiciona contra o PT. É um cinismo apavorante mesmo. Mas ele diz que vai “provar” o que fala. São “informações que mostram promiscuidade entre o governo de São Paulo” e os manifestantes democráticos se opondo aos bolivarianos. Como diria o ceguinho esperançoso, veremos…

No último dia 17 de fevereiro, houve um grande tumulto diante do Fórum Criminal da Barra Funda, em São Paulo, onde o ex-presidente Lula iria depor em processo fraudulento contra si desencadeado por um promotor do Ministério Público paulista ligado ao PSDB – processo que, vale dizer, foi sustado pelo Conselho Nacional do Ministério Público devido aos vícios de origem.

Quem não é petista (ou de suas linhas auxiliares, e demais sicários) sabe que o processo é tardio. Lula já deveria ter sido processado faz muito tempo. E quem deu o golpe para atrasar o depoimento de Lula e Marisa foi Valter Shuenquener de Araújo, do CNMP. Este sim foi colocado lá por petistas. Já o procurador não foi eleito por tucanos. Passou em concurso público para executar sua função. Como sempre, Eduardo Guimarães inverte os fatos.

O Blog esteve no local conferindo os acontecimentos e obteve informações de extrema relevância que mostrarão como o governo Geraldo Alckmin está usando instituições do Estado de São Paulo com finalidade política, para atacar adversários políticos e quem possa apoiá-los.

Sim, e o tiozinho do sítio esteve no local onde teria aparecido o lobisomem. Ele disse que apareceu o lobisomem. Mas filmou? Não. Então vá catar coquinho! Guimarães, você filmou? Não? Então chupa essa manga…

A atitude dos policiais civis e militares era francamente hostil aos manifestantes pró Lula e solidária com os anti Lula. Os poucos manifestantes fascistas ficavam cochichando com os policiais e apontando manifestantes contrários.

A polícia, como o próprio picareta petista irá confessar logo abaixo, foi conivente com os bolivarianos, por terem permitido um crime cometido pelos fascistas do PT. Talvez tenham sido incompetentes. Em tempo: num mundo civilizado as pessoas podem procurar policiais para denunciar terroristas, estupradores e assassinos que as estejam perseguindo. Quem não teme a lei está certo ao fazê-lo. E a polícia em ouvi-lo. Guimarães se entregou nessa…

Em resumo, a PM comandada pelo governo do PSDB agiu como segurança particular dos manifestantes antipetistas.

Olhem a confissão da monstruosidade desta coisa: segundo ele, se uma pessoa pede a proteção da polícia para não ser vitimada por criminosos em seu encalço, não pode ser protegida pela polícia. Sabemos como é: no paraíso socialista, as polícias matam opositores dos tiranos.

A certa altura, policiais civis entraram em cena e começaram a fotografar e até a intimidar (de modo dissimulado) os manifestantes pró Lula.

Se eles filmaram e você não, você perdeu, mané…

E agora ele começa a confessar um crime:

No fim da manhã de quarta-feira 17 de fevereiro, o clima começou a esquentar no local. Os manifestantes antipetistas decidiram inflar um boneco infamante que representa uma caricatura do ex-presidente Lula usando roupa de presidiário e essa intenção começou a incendiar a militância antipetistas, revoltada com o crime que estava começando a ser perpetrado.

Vale ressaltar que o boneco em questão constitui um crime contra a honra do ex-presidente Lula e, portanto, é ilegal. Esse instrumento de difamação está tipificado nos artigos 138, 139 e 140 do Código Penal:

Art. 138 – Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:

Pena – detenção, de seis (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.

§ 1º – Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.

Art. 139 – Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, e multa.

Art. 140 – Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro:

Pena – detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.

Como o ex-presidente Lula jamais foi condenado criminalmente e, inclusive, nem mesmo responde a qualquer processo na Justiça, representá-lo como presidiário é um crime claro contra a sua honra.

É difamação, petralha? Por que o Sr. não vai lá e processar os manifestantes que inflam bonecos? Porque sabe que está mentindo, e que você é um praticante do crime de denunciação caluniosa, e aí sim merecia tomar um processo. Estou aguardando o processo do Sr. Eduardo Guimarães em relação aos que inflam bonecos Pixuleco…

Ah, não tem processo? Então foda-se.

Fato: Eduardo Guimarães fez cirquinho para justificar um crime.

Todo o quadro descrito acima combina com o relato de um militante petista que decidiu se infiltrar entre os fascistas para ver o que tanto eles conversavam com a polícia.

Obviamente, de novo temos um “relato”. Tem provas? Filmou? Não? Hue hue hue…

O militante em questão já saíra de casa preparado. Vestiu uma camisa e um boné com motivos militares para se misturar com os antipetistas, os quais, ao mesmo tempo em que pediam prisão de Lula, defendiam a volta da ditadura militar.

Fanfic…

Se for para ler histórias, prefiro aquelas de Burroughs, Conrad e Ballard, dentre outros. As de Guimarães são muito mal escritas. Ou as da “fonte do Guimarães”, o que não melhora em nada o estatuto qualitativo das historinhas.

A fonte do Blog relata que um dos líderes daquele movimento de difamação do ex-presidente, um tal “Marcelo Reis”, de um grupo fascista auto intitulado “Revoltados On Line”, não parava de conversar com o comandante da Operação anti Lula da PM.

Não há nada de surpreendente nisso. Está na lei. Todo aquele ameaçado por criminosos não só pode, como deve ir conversar com os policiais. O tempo da justiça com as próprias mãos pertence às eras tribais.

O informante deu um jeito de se aproximar e escutou a conversa. O comandante dizia ao tal Reis que já não podia garantir a a segurança do seu grupo porque o efetivo de que dispunha não era suficiente e que se o boneco de Lula fosse inflado haveria confronto e a PM não poderia ajudar, já que os petistas eram milhares e policiais e fascistas juntos não chegavam nem a cem, apesar de que os policiais dispunham de armas de fogo e outros instrumentos.

Reis ficou indignado. Chamou um homem alto, branco, usando óculos escuros e boné. Esse homem fez uma ligação e passou o telefone ao líder dos “revoltados”, que vociferou sua indignação com a pessoa do outro lado da linha.

Após uma breve conversa, Reis passa o telefone para o comandante da operação da PM. Quando o telefone foi passado de uma mão para outra, o informante do Blog tomou um susto. A foto no aparelho, que indicava para quem fora feita a chamada, era do Secretário de Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Morais.

A fonte do Blog informa que ouviu gritos da pessoa que conversava com o comandante da operação da PM de apoio aos “revoltados” – provavelmente, quem gritava com o comandante da PM era o secretário de Segurança de SP.

Terminada a chamada, o comandante reuniu a tropa, mandou colocar grades em torno do boneco criminoso e afiançou aos revoltados que lhes seria garantido o direito de cometerem crime contra a honra de Lula. A partir dali, a PM agrediu violentamente os petistas.

Milhares de petistas? Hue hue hue…

Sobre esses “milhares de petistas na manifestação”, tem foto? Tem pesquisa séria? Tadinho, também não tem, certo?

Em relação a toda essa conversa entre reis e o secretário de segurança de SP, tem gravação? Novamente, não tem? Melhor que Eduardo vá chupar prego para ver se vira parafuso.

O imbecil disse que o boneco inflado seria um “crime contra a honra de Lula”. Tem decisão judicial mostrando que inflar os bonecos é crime? Também não tem? Por que não estou surpreso?

Mas será que a PM realmente “agrediu violentamente os petistas”?

Então vejamos abaixo o ato falho do petralha:

Contudo, devido à coragem da militância petista, que enfrentou as armas da PM, os cassetetes, o gás de pimenta etc., o boneco foi rasgado em cinco lugares diferentes e não pôde ser levantado.

Típico da extrema-esquerda. Acusou o oponentes de falsos crimes em nome do endosso à prática de um crime: rasgar um boneco que pertence a outras pessoas é coisa de bandido, criminoso, canalha, escória, marginal e gente que não se diferencia de assaltantes que abordam pessoas nos sinaleiros. Que ele defenda isso como “ato de coragem” é mais um sinal do nível de periculosidade dessa gente pró-PT. Nada é mais fascista que isso.

Como já disse, no mundo civilizado se realmente Eduardo Guimarães estivesse certo quanto ao boneco inflado ser “crime contra a honra”, ele poderia registrar um B.O. ou fazer um processo. Bem ao contrário, achar que isso dá o direito de destruir patrimônio alheio é usar o raciocínio dos traficantes do morro. Destruir patrimônio alheio é crime. Ele acabou de confessar não apenas um crime cometido pelas milícias que apoia, como até mesmo o seu apoio ao crime.

Escória…

Imagine agora, leitor, se o ministro da Justiça determinasse à Polícia Federal que protegesse manifestantes petistas que tentassem inflar um boneco de Aécio Neves vestido como presidiário por já ter sido citado cinco vezes por delatores da Lava Jato como recebedor de propina?

Eles teriam que ser protegidos sim, mas nem seria preciso: o uso do terrorismo contra adversários políticos é uma especialidade de petistas ou de outros membros da extrema-esquerda, não de tucanos, pmdebistas ou de eleitores de partidos civilizados. Mas estaria certo proteger sim. Assusta muito que ele trate com anormal uma simples obrigação.

Essa imagem fictícia serve para que até o leitor de direita entenda por que o governo Alckmin usar instituições públicas como PM e a polícia civil para atacar adversários políticos é ilegal e, aliás, deveria resultar em uma investigação oficial do Ministério Público de São Paulo, caso este também não atuasse a serviço da quadrilha tucana encastelada no governo de São Paulo.

Os únicos que “atacaram adversários políticos” com violência foram os bolivarianos, e o senhor próprio, Eduardo Guimarães, confessou. Foram suas palavras. Você disse textualmente que os fascistas bolivarianos destruíram patrimônio alheio. Talvez essa seja a única parte realista de seu texto, pois sabemos que vocês vivem do barbarismo. É por isso que tantos morreram nas mãos de Nicolas Maduro na Venezuela.

Mas já que você diz que a ação da polícia é “ilegal”, vá processar!

Ah, já sei. Não tem coragem de fazer, pois sabe que todo esse teu texto é embuste do início ao fim. Isso tem um nome: gogó. Mas é tudo encenação, assim como toda a narrativa da experiência de Eduardo Guimarães e de sua “fonte que não se identificou” não se qualificam como nada mais que fanfic de extrema-esquerda.

Tanta fantasia e no fim restou o ato falho: a confissão do crime de dano ao patrimônio.

Eduardo Guimarães é bem burrinho…

Anúncios

2 COMMENTS

Deixe uma resposta