Guerra política: como Cunha virou “o rei da manobra”?

4
77

_cunha

Uma matéria metida a engraçadinha do UOL se dispõe a resolver uma questão: “como Eduardo Cunha se tornou ‘o rei da manobra’ no Congresso?”. Embora o presidente da câmara não seja flor que se cheire, esta é mais uma matéria com cheiro de embuste.

Segundo o UOL, Cunha “utiliza o regimento interno da Casa para favorecer suas posições políticas e a estratégia de defesa adotada no processo que tramita contra ele no Conselho de Ética da Câmara”.

Um dos maiores especialistas no regimento interno da Câmara, Mozart Vianna, diz: “Para alguém que não tem formação em direito, ele surpreende. Naquela época (em que Cunha era líder do PMDB), as pessoas me falavam que ele levava coisas para estudar em casa durante a noite. Ele mostrava um grande domínio das normais regimentais. Discutia, debatia de igual para igual com qualquer um sobre as normas regimentais”.

Vianna afirma: “Além de relatar algumas matérias da área econômica, ele também estudava muito para dar a orientação à bancada sobre outros projetos de lei. Quando ele dava uma orientação, a gente via que ele tinha estudado o assunto profundamente”.

Sílvio Silva, atual secretário-geral da Mesa Diretora da Câmara, lembra: “Já vi muitos presidentes bons nesse assunto, mas como o Cunha, não vi nenhum. Ele conhece todos os atalhos que o regimento dá”.

Um trecho da matéria assevera:

Advogados que já tiveram atuação próxima ao deputado dizem que o conhecimento jurídico dele, de fato, impressiona. Segundo um deles, foi Cunha que formulou a tese de que por ser o terceiro na linha sucessória da Presidência da República, ele não poderia ser processado por atos supostamente praticados em mandatos anteriores. A ideia foi utilizada na defesa de Cunha à denúncia feita pela PGR (Procuradoria-Geral da República) contra o parlamentar no STF. Ele é suspeito de ter recebido propina do esquema investigado pela Operação Lava Jato.

Mesmo sentindo-se à vontade o suficiente para sugerir teses à sua própria defesa, Cunha, segundo um advogado ouvido pela reportagem do UOL, mostra disposição a aprender. “Quando é uma questão do regimento interno, ele diz: ‘É isso!’. Mas quando é uma dúvida em relação a uma lei, ele pergunta: e esse artigo?”, diz um advogado.

Na disputa com os advogados sobre qual a melhor estratégia jurídica para defendê-lo, a determinação de Cunha em afirmar seus pontos de vista é difícil de ser vencida. “Procuramos dar forma jurídica [à ideia de Cunha] para fazer o pedido.  Até porque, imagina se a gente não usa o que ele diz e depois perde na Justiça?”

Seus opositores, como Chico Alencar (PSOL-RJ) e Júlio Delgado (PSB-MG), afirmam que a questão não é competência, mas “poder político”. Alencar diz: “Ele conhece o regimento como qualquer um de nós. O que ele tem é poder político. Conhecer o regimento e não ter poder político não adianta nada. Ele só consegue fazer o que faz porque ainda tem um grupo que lhe dá suporte”. Delgado vai pela mesma linha: “Ele não tem nada de gênio. O que ele faz é usar o seu poder político para se defender. Conhecer o regimento não faz dele um mago. O problema é ele usar isso para se beneficiar”.

Na verdade, isto tudo se resolve pela análise do óbvio: se Cunha é conhecido como “rei da manobra” não é por ter maior conhecimento do regimento e nem por ter “poder político usado em seu benefício”. Ao menos não em comparação com seus próprios acusadores Chico Alencar e Júlio Delgado.

A diferença que faz toda a diferença é esta: como jogador político, Eduardo Cunha é fraco. Assim, vemos que ele é incapaz de rotular seus oponentes na mesma proporção em que seus oponentes – especialmente os da extrema-esquerda – lançam sobre ele as rotulagens mais cavernosas. A política é decidida em dois controles: (1) fluxo de informações, (2) narrativa.

O PT conta com o apoio de uma mídia bancada por verbas estatais – que inclui a BLOSTA – e ainda possui muita gente bancada por Lei Rouanet – e verbas diversas do MinC -, além de diversas outras formas de financiamento estatal de campanhas em estilo bolivariano. Ou seja, utilizam dinheiro estatal para ter campanha à vontade. Isso já garante um melhor controle do fluxo de informações.

O controle da narrativa é baseado na “criação de instintos” para saber rotular seu oponente em maior quantidade. Logo, basta rotular Eduardo Cunha de “rei da manobra” – enquanto ele é uma pulga da manobra perto de elefantes como Dilma e Renan – em volume e velocidade muito maior. Enquanto isso, Cunha sempre se limitou a ficar na defensiva.

Logo, Cunha ficou conhecido como “rei da manobra” unicamente pelo fato de o PT ter controlado o fluxo de informações e, efetivamente, controlado a narrativa. Ou, melhor, o frame. O tal “rei da manobra” é, portanto, uma enorme decepção na guerra política. Isto decidiu o jogo e sedimentou o rótulo pelo qual ele ficou conhecido.

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Luciano , em relação ao Cunha pelo que acompanho na mídia não ha nenhuma prova robusta que o ligue à lava-jato a não ser o empenho da imprensa em torna-lo um dos grandes inimigos do Pais e a oposição frouxa não o apoiou quando ele teve uma reunião com o Lewamdovisk para discutir o golpe do STF no Legislativo em relação ao rito do Impedimento , agora viram que o Cunha esta certo e mesmo assim não cobram com rigor , Deputado não tem que ficar com medo de Ministro e medindo palavras para falar com a imprensa , o Cunha conhece sim mais do que qualquer deputado ou senador o regimento e a constituição e seguir o regimento não é manobra , as vezes me pergunto se estes jornalistas são idiotas ou desonestos , todos seguem a linha de que é a esquerda que beneficia o mundo e nos sabemos que não é verdade onde você refuta aqui esta mentira, temos que ter mais pessoas como vc principalmente dentre os deputados, eles tem que desmentir os deputados e jornalistas mentirosos na tribuna com clareza dando nomes e fatos na hora sem discursos relativistas e enfadonhos , eu os acompanho nas Tvs Camera e Senado e meu amigo posso te assegurar é difícil ouvi-los com aquela voz empostada com pausas , da raiva e preguiça . A mudança na forma deles cobrarem as instituições , que ao contrario do que diz o psdb estas não funcionam , salvo alguns da PF e MP . Os movimentos de Rua vão trair o povo se associando a esta oposição frouxa que não os defendeu quando apanharam dos pelegos da Cut MST mtst indios marcha das mulheres negras inventada pelo PT e asseclas . Ou seja a CUTerização dos movimentos de rua , quanto o PSDB vai doar para o MBL , VEMPRARUA REvoltados , não precisa do Olavo de Carvalho falar disso não o povo esclarecido esta vendo .
    Abraços caro Luciano

  2. E ainda tendo um conhecimento notório do regimento da casa poderia usar meta frames para acusar de volta seus adversários de totalitários, anti-democráticos, de exercem perseguição política e por aí vai até porque são rótulos muito apropriados para os esquerdistas. Escolheu ficar calado…

Deixe uma resposta