Delegados federais se revoltam com ameaças de ministro da justiça de Dilma

3
80

1607935

Vimos hoje pela manhã como o o ministro da justiça de Dilma ameaçou covardemente e tiranicamente todos os policiais, em um nível de baixaria que vemos na Venezuela de Diodado Cabello (chefe da opressão bolivariana e número 2 do ditador) e Nicolas Maduro.

Como se esperava, veio a reação, como lemos na Folha:

O recado dado pelo novo ministro da Justiça, Eugênio Aragão, à Policia Federal que trocará a equipe inteira de investigação em caso de vazamentos ilegais de informações foi classificada como uma “ameaça” pela maior associação de delegados federais.

Para o presidente da ADPF (Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal), Carlos Miguel Sobral, a fala revela que há uma intenção em acabar com a Operação Lava Jato.

“Isso demonstra duas coisas: vulnerabilidade da PF que não tem sua autonomia garantida na Constituição e na lei e outra que aparenta a pressa em acabar com a maior investigação de combate ao crime organizado da história do Brasil”, criticou.

A entidade avalia até mesmo ingressar com medidas judiciais para garantir a atuação dos delegados. Segundo ele, não há indícios até agora de nenhuma ilegalidade cometida durante as investigações do esquema de corrupção na Petrobras.

“Nossa diretoria está discutindo medidas que podem sem adotadas diante das ameaça proferidas pelo ministro da Justiça”, disse.

O presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), José Robalinho Cavalcanti, também reagiu à fala do ministro comparando as delações premiadas da Lava Jato a extorsão, uma vez que foram decretadas prisões preventivas para que ocorra a colaboração, perdendo o caráter da voluntariedade.

Para o procurador, Aragão, que também é integrante do Ministério Público, acabou cometendo um erro ao politizar uma questão técnica.

“O ministro escorregou ou está fazendo um discurso político ao falar em extorsão. Não há extorsão alguma. Não há delação premiada sem voluntariedade no Brasil e nem na Lava Jato”, disse Robalinho Cavalcanti.

“O ministro disse que há uma politização dos agentes de Estado. Com todo respeito, ao falar em extorsão, quem está tentando politizar a Lava Jato é o ministro da Lava Jato. Todas as delações foram tomadas com voluntariedade e analisadas por um Judiciário técnico e livre”, completou.

Quando o PT cair, esse fascista cai também. Mas não é possível que as declarações ameaçadoras dele saiam de graça. Ele precisa ser processado.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. A PF ÈCRIMINOSA POR COLOCAR EM PRATOS LIMPOS A CORRUPÇãO DE CHEFES DE ESTADO E OS INVESTIGADOS POR ESTES DELITOS COMO PODEMOS CHAMA-LOS PHA.!! DE CIDADÃOS DE BEMS?..OU QUEM FOI QUE TENTOU DAR UM GOLPE EM 1964?ATRAVÈS DA VPR?

  2. A hora desses comunistas que se disfarçam de socialistas, bolivarianos e outros apelidos mais limpos está chegando. A luta vai ter que ser em todos os campos da atividade humana no Brasil, para expurgar o poder conquistado por essas minorias barulhentas e sem caráter nos últimos 13 anos. Vá de retro canalhada.

Deixe uma resposta