José Padilha: “A Lava Jato não tem viés político nenhum” 

1
97

Jose-Padilha-dirigiu-Tropa-de-Elite-size-598

Nem mesmo o ultraesquerdista José Padilha – amigo de várias pessoas do PSOL – acredita no lero-lero petista. Em entrevista à Veja ele comenta sobre uma nova série de TV que fará sobre a Operação Lava Jato. E quanto aos petistas dizendo que a operação é uma “ação política contra o PT”? Bem, veja o que ele afirma nos trechos abaixo:

Como será sua série de TV sobre a Operação Lava-Jato?

O objetivo é narrar a operação policial em si e mostrar inúmeros detalhes esclarecedores que a própria imprensa desconhece. Como se trata de um projeto bancado por dinheiro internacional, o título será em inglês. Estamos chamando a série provisoriamente de Jet Wash. Mas o escândalo oferece tantas possibilidades de título que é até difícil escolher. Poderia ser Solaris, não?

O senhor tem estudado escândalos como o mensalão e o petrolão?

Conheço os dois a fundo. Li grande parte das sentenças do STF no julgamento do mensalão. E também conheço bem o petrolão, pois comprei os direitos de um livro ainda inédito que traz entrevistas até com envolvidos que estão na cadeia – a obra será uma das bases da série. Após uma leitura atenta dos fatos, não dá para ignorar que o PT e as empreiteiras montaram uma quadrilha para lesar os cofres públicos, sim. Também não dá para fingir que a campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff não foi irrigada com dinheiro da corrupção. Sejamos francos: é bem provável que outras campanhas tenham sido irrigadas também.

O que a futura série dirá sobre a tese tão alardeada pelo PT de que a Lava-­Jato tem viés político?

Não tem viés político nenhum. É uma operação policial, ponto. Para entender o que está ocorrendo hoje no Brasil, é preciso tirar a cortina de fumaça que nubla os fatos. Existem três processos históricos distintos andando em paralelo e se retroalimentando. A combinação de mal-estar com a economia, revelações da Lava-Jato e a atuação de uma imprensa livre e combativa. Tudo isso produziu algo inédito no país: o andar de cima ficou vulnerável à aplicação da lei. É o que está acontecendo de concreto. Em torno disso, tem muita espuma: a tentativa de transformar um fenômeno de natureza policial e legal num embate político. Toda vez que alguém fala dos indícios avassaladores contra Lula, um petista diz que o PSDB também rouba. Tenta-se transformar tudo numa questão ideológica. Mas tudo é caso de polícia.

No que a corrupção do governo petista se diferencia da que se via antes?

A política no Brasil – nas esferas municipal, estadual e federal – sempre funcionou assim: os partidos elegem seus representantes e indicam pessoas para cargos-chave com poder de contratar serviços públicos. Depois, superfaturam as obras e embolsam um pedaço do dinheiro, que vai para pessoas físicas e o financiamento de campanhas. O PT fez isso em volumes muito maiores – vide a compra da Refinaria de Pasadena. E o caso do PT também é pior porque o roubo sistêmico se soma a um enorme cinismo. Lula, antes, fazia o discurso da ética e da moralidade. Mas, quando chegou ao poder, não só montou seu esquema como levou ao limite da sustentabilidade o assalto a empresas estatais e órgãos públicos. Um político assim só poderia chamar para si mais ódio do que os outros, obviamente.

Os amiguinhos de petralha, metidos a “isentões”, vão se irritar.

Fonte: José Padilha: “A Lava Jato não tem viés político nenhum” | Brasil | Notícias | VEJA.com

Anúncios

1 COMMENT

  1. Isso ai, bom perceber que tem gente acordando. E olha que esse aí, até ontem, era zumbi, como muitos de sua classe ainda o são. Penso que a lava-jato, metaforicamente, assume o papel de antídoto para – mesmo que lentamente – a cura desses mortos-vivos da seita petralha, psolista e afins. Paralelamente, em ajuda a este processo terapêutico, posso incluir o “ceticismo”, antagonistas, Augusto, Felipe Moura…(RA mais ou menos). Enfim…

Deixe uma resposta