Vazamento de lista de 200 políticos pode implodir Dilma

3
56

dilmaodebrecht

Como falamos aqui hoje, o vazamento da superplanilha de Marcelo Odebrecht pode ter sido usada pelo governo para dar um golpe na Lava Jato. Há uma possibilidade razoável, no entanto, que o tiro saia pela culatra e isso sedimente de uma vez por todas o impeachment de Dilma.

Há uma tendência de que fique bem claro para muita gente que com o golpe Dilma poderia estar querendo criar dezenas e dezenas de “Eduardos Cunhas”. Ou seja, pessoas que aparecem em vazamento e podem ter suas reputações destruídas caso não ajoelharem para o governo. Em resumo, o governo começaria a fazer com todos os deputados da lista de Odebrecht que queiram o impeachment aquilo que o PT vem fazendo contra Cunha por vários meses: assassinato de reputações.

Mas há sérios riscos nessa estratégia: para começo de conversa, há muito mais lixo no quintal dos petistas do que no dos outros. Nas pesquisas, os últimos já ocupam posição humilhante. E também já existe um desconforto com a forma stalinista com a qual o PT trata aliados indecisos e adversários. É como negociar com mafiosos: as pessoas vivem tendo pesadelos, contando com a boa vontade de alguém que resolve seus conflitos pela destruição alheia. E para piorar o cenário para Dilma, ela não teria apenas um inimigo em sua campanha de assassinato de reputações, mas dezenas. É precisamente aí o chão onde Dilma se torna ainda mais escorregadio.

Se o povo brasileiro antecipar o jogo e pressionar ainda mais os parlamentares pelo impeachment, todas essas ações de terrorismo político de Dilma podem servir como combustível para que os políticos aterrorizados entreguem sua cabeça. Ademais pode até ser que muitos ali nem sejam culpados, estando apenas na lista de recebedores de doações legais. Mas a máquina de triturar reputações do PT não dá a mínima se alguém é inocente. Muitos políticos já estão percebendo que o  PT não consegue deixar de agir feito escorpião.

O vazamento utilizado contra Eduardo Cunha serviu como grande capital político para o PT. Mas é bem claro que agora eles foram longe demais. Dilma encarna um Robespierre na fase mais crítica do “terror” francês. Mas ali quem pagou o pato foi ele. Traídos por uma presidente acostumada a apunhalar políticos independentes, opositores e até alguns aliados pelas costas, aqueles na lista de Odebrecht podem dar o pontapé decisivo no impeachment.

Anúncios

3 COMMENTS

  1. Não é coincidência. Asssim que Marcelo Odebrecht foi preso, a Operação Lava-Jato encontrou uma mensagem em seu celular. A mensagem dizia: “Armadilha Bisol/contra-infos. RA? EA/Veja?”. O blog O Antagonista publicou um post na época contando a história do que era e como funcionaria a Armadilha Bisol.

    Hoje, claramente, a Armadilha Bisol foi posta em prática.

    CONFIRA O POST DO ANTAGONISTA DO DIA 21 DE JULHO DE 2015.

    Essa mensagem de Marcelo Odebrecht que a PF encontrou em seu telefone celular tem uma história que precisa ser revista.

    Em 1993, a PF apreendeu 18 caixas de documentos na casa de um diretor da Odebrecht.

    Segundo os investigadores, os documentos indicavam “a existência de um cartel das grandes empreiteiras para fraudar as licitações de obras públicas”. Os documentos indicavam também que a Odebrecht havia distribuído propina a dezenas de parlamentares.

    José Paulo Bisol, relator da CPI das Empreiteiras e candidato a vice-presidente na chapa de Lula em 1989, passou à Veja uma lista com mais de 200 políticos que, segundo os documentos da Odebrecht, teriam recebido presentes.

    Tratava-se de uma armadilha: a armadilha Bisol.

    Na realidade, muitos dos parlamentares citados haviam recebido apenas brindes da empreiteira, como calendários e agendas. Quando José Paulo Bisol misturou os corruptos aos inocentes, os corruptos foram inocentados.

    A CPI das Empreiteiras, desmoralizada, foi arquivada. E a Odebrecht continuou com seu cartel e com seus pagamentos aos políticos.

    FONTE: SUL CONNECTION

  2. O ANTAGONISTA PERGUNTA

    “O blefe de Emílio

    Como veio à tona a mentira da Odebrecht sobre a “colaboração definitiva” com a Lava Jato, Mônica Bergamo tenta justificar a atitude da empresa com a alegação de que o objetivo do comunicado era acalmar os mercados e os funcionários…

    Por que a Odebrecht se arriscaria a estampar no Jornal Nacional uma versão que seria desmontada menos de 24 horas depois?”

    A RESPOSTA É ÓBVIA, ANTAGONISTA, QUALQUER CRIANÇA SABE QUE: FAZ PARTE DE UM GOLPE PARA REFORÇAR A CRÍTICA SOBRE VAZAMENTO QUE O TEORI, O MINISTRO DA JUSTIÇA DO SANTO DAIME E OS JURISTAS PETRALHAS ESTÃO FAZENDO AO MORO E À LAVA JATO, E PARA DEMONSTRAR QUE OS POLÍTICOS E PARTIDOS POLÍTICOS “SÃO TODOS IGUAIS”. DE QUEBRA, DESVIA A ATENÇÃO DO PRESENTINHO DE PÁSCOA QUE DERAM PARA O JARARACA.

Deixe uma resposta