Máquina midiática montada pelo kirchnerismo à beira do colapso

2
20

Realmente, parece que Maurício Macri dá de 10×0 em muitos direitistas do Brasil. Isto porque o direitista brasileiro – salvo raras exceções – não consegue “olhar” para a direção certa. Eles não entenderam que o controle da mídia é coluna fundamental de um totalitarismo. Também não entenderam que o controle bolivariano de campanhas é outra coluna fundamental. Que sabe um dia entendam isso, não é? Enquanto isso, Macri nos ensina:

BUENOS AIRES — Em 2003, quando o ex-presidente argentino Néstor Kirchner chegou ao poder, a Casa Rosada destinou em torno de 40 milhões de pesos (US$ US$ 2,6 milhões) à publicidade oficial. No ano passado, último do governo Cristina Kirchner, o montante injetado em meios de comunicação, quase exclusivamente nos que estavam alinhados com as políticas do kirchnerismo, superou US$ 200 milhões, segundo estimativas de ONGs e jornalistas locais, que investigaram a escandalosa construção de uma máquina midiática com fins políticos, hoje à beira do colapso.

Desde que o presidente Mauricio Macri desembarcou na Casa Rosada e reduziu drasticamente os recursos da publicidade oficial, os chamados “meios K” iniciaram uma onda de demissões que poderia, segundo estimativas, deixar mais de 1.500 pessoas na rua até o fim do ano. O processo, segundo disse ao GLOBO o jornalista José Crettaz, do “La Nación”, um dos que mais conhece sobre a realidade da imprensa kirchnerista, poderia levar, também, ao desaparecimento de emissoras de rádio, jornais e canais de TV. De fato, a primeira vítima já foi confirmada: o diário “Tempo Argentino”, que nasceu no governo de Néstor Kirchner, deixou de circular.

— Estes US$ 200 milhões do último ano de kirchnerismo não incluem a publicidade oficial de alguns organismos públicos, nem governos provinciais. O número real é ainda maior — comentou Crettaz.

Para ele, “a crise em que estão mergulhados os meios K é consequência do abuso na utilização dos recursos públicos para sustentar meios que eram inviáveis e só existiam para defender um relato político”.

— São empresas que não tinham audiência, não geraram novos talentos, não fizeram nada, a não ser aderir ao projeto de poder kirchnerista — disse.

Durante os quase 13 anos de governos de Néstor e Cristina, o mapa de meios de comunicação ampliou-se com o lançamento de canais de TV como C5N e CN23 (grupo Indalo), e diários como “Tempo Argentino”.

Outros meios já existentes, como o jornal “Página 12”, se uniram ao coro dos que passaram a exercer o que Crettaz e outros colegas chamam de “jornalismo militante”. Todos, sem exceção, enfrentam hoje uma encruzilhada da qual não sabem como sair.

O “Página 12”, diário emblemático da década de 1990, famoso por ter publicado algumas das principais denúncias de corrupção contra o governo do peronista Carlos Menem (1989-1999), foi considerado, por muitos, um panfleto kirchnerista. Com Cristina fora do poder, o “Página 12” terminou sendo vendido para a fundação do sindicato de porteiros da Argentina e, graças a essa operação, conseguiria sobreviver.

— Conhecendo a história do jornal, teria sido mais interessante que (durante o kirchnerismo) tivesse adotado um olhar crítico e reflexivo — comentou Vanina Berghella, diretora executiva da ONG Foro de Jornalismo Argentino (Fopea).

Em meio a uma onda de demissões em vários dos meios de comunicação que aderiram ao “jornalismo militante” promovido pelo kirchnerismo, algumas das empresas foram acusadas de terem sonegado impostos e encargos trabalhistas para financiar-se. A denúncia envolve até mesmo Cristina, acusada de descumprimento dos deveres de funcionário público.

— Isso foi uma bofetada nos juízes que se negavam a investigar os Kirchner — declarou a deputada Elisa Carrió, uma das que mais denunciou casos de corrupção durante o kirchnerismo, entre eles os que incluem empresários vinculados ao anterior governo que compraram meios de comunicação.

Um deles é Cristóbal López, proprietário do grupo Indalo (além de cassinos e outras companhias), que também aparece na denúncia de sonegação tributária apresentada pelo novo diretor da AFIP (a Receita argentina), Alberto Abad. O empresário possui, entre outros meios, o canal de TV C5N (que para alguns significa Cristina 5 Néstor), às voltas com rumores de demissões, e os jornais “Ambito Financeiro” e “Buenos Aires Herald”, o último deles com sério risco de ser obrigado a fechar.

— Nos últimos anos, a Anses (o INSS local) foi praticamente o único anunciante do Herald — contou Crettaz.

Para ele, “o desaparecimento de meios é um cenário que estávamos prevendo há bastante tempo, o que surpreende é quantidade e rapidez deste processo, a falta de previsão”.

— A maioria destas empresas nunca teve uma estratégia de financiamento independente. Os donos destes meios exerceram uma gerência inescrupulosa e hoje são os jornalistas os que estão pagando por isso — apontou o jornalista do “La Nación”.

Em muitos casos, revelou ele, os empresários de meios kirchneristas simplesmente sumiram do mapa, “deixando seus funcionários na mão, sem saber o que vai acontecer com seus empregos. Uma crise inédita e crítica para o jornalismo argentino”.

O maior fenômeno que nós precisamos estudar no futuro é a incapacidade que o direitista brasileiro tem de entender esta obviedade.

Peguemos o exemplo de Jair Bolsonaro, que a direita true considera seu “salvador”. Existe a BLOSTA, financiada com verba estatal. Qual foi a atitude de Jair Bolsonaro em termos de projeto de lei para acabar com essa palhaçada? A Revista Veja foi punida com perda de verbas estatais no fim de 2014 por ter feito uma capa bombástica (e verdadeira) às vesperas das eleições, mostrando que Dilma e Lula sabiam de tudo quanto ao Petrolão. Qual foi a atitude de Jair Bolsonaro quanto a isso? Surgiu uma proposição de CPI? Nada. Neca de pitibiriba. E Jair Bolsonaro é apenas um exemplo. Ou seja, o direitista brasileiro não tem a percepção de como se constrói uma tirania moderna.

Este é um de nossos desafios. Começar a criar essa percepção. É preciso, no mínimo, começar a “olhar” para o contexto do poder.

Fonte: Máquina midiática montada pelo kirchnerismo à beira do colapso – Jornal O Globo

Anúncios

2 COMMENTS

  1. Importante este post. Eu estava pensando em um governo pós Dilma e que lideranças seriam capazes de desmantelar o aparelhamento PETISTA. Não há ninguém. Daí a importância deste post. Só nos resta a possibilidade de mostrarmos isso para a direita.

  2. Tem que mudar o país após a queda do PT.
    1- Mudança na forma de escolha dos ministros do STF e PGR. Escolhidos pelo Juízes, promotores e oab. A cada 4 anos seus nomes serão que ser referendados pela população nas eleições para presidente.
    2- Proibição de propaganda de governos e empresas estatais. Proibido governo manter jornais blogs e etc. A propaganda dos governos devem ser a boa gestão.
    3 – Fim do imposto sindical obrigatório. Sindicatos para sobreviverem terão que defender efetivamente suas categorias.
    4 – Reforma da previdência e o fim da influência de governos sobre os recursos das aposentadorias de todas categorias.
    5 – Reforma eleitoral feita por não políticos.
    6- Desregulamentação da economia, adotar uma economia com livre mercado.

Deixe uma resposta