Quatro professoras contam como foram enganadas por sindicatos petistas na manifestação mortadela deste 31/3

4
67

Se você acha que o PT não consegue ser ainda mais nojento do que é, aguarde até ver este vídeo, onde quatro professoras comentam como foram enganadas para ir até Brasília, nas manifestações mortadela deste 31/3 (em favor da tirania petista), mas sem nem terem ideia do motivo real para a manifestação:

Anúncios

4 COMMENTS

  1. Eu acho uma piada! Alguém colocar 4 mulheres que se são professoras são tapadas e se não são sacanagem que paga umas coitadas para servirem a um papel deste! Lamentável presenciar uma sena tão patética!

  2. Não sou contra a existência de sindicatos, mas defendo algumas ações e reformas para que os mesmos sejam de fato dos trabalhadores:

    1. Auditoria nos sindicatos e nas centrais sindicais;
    2. Fim do imposto sindical;
    3. Adoção do modelo democrático de sindicalismo (plurisindicalismo) no lugar do atual modelo fascista (unicidade sindical);
    4. Proibição do envolvimento dos sindicatos com partidos políticos. Quando descoberto, a chapa será cassada;
    4. Proibição do posicionamento dos sindicatos com pautas que não fazem parte das demandas dos trabalhadores. Se acontecer, a chapa será cassada;
    5. Obrigatoriedade do sindicato defender juridicamente o trabalhador em ações, mesmo que o sindicato não concorde. Caso não queira, o mesmo deverá ressarcir todas as mensalidades pagas corrigidas. Exs.: quando o Sinpro DF não defendeu professores que não fizeram greve e estes foram obrigados a repor as aulas indevidamente;
    6. Total transparência com o dinheiro arrecadado;
    7. Discurso de ódio contra os trabalhadores que não aceitarem ser usados como massa-de-manobra deve ser considerado crime;
    8. Os itens 1 e 4 devem valer também para ONGs, além do fim do financiamento público para as mesmas.

  3. Messias, eu apoio sua iniciativa. Sou funcionário público municipal, professor, e já participei de três movimentos grevistas.
    Posso afirmar, pelo que já presenciei, que a maioria dos profissionais que aderem às greves o fazem pensando apenas no aumento salarial e não concordam, ou não ligam (o que denuncia inconsciência), com aquele discurso xiita dos comunosindicalistas. Tais discursos e suas pautas “politizadas”, digamos assim, saem da mente dos dirigentes, quase sempre filiados a algum dos nanicos raivosos _ PC do B, PSOL, PCO, PSTU _ e não se constrangem em envolver pessoas que não fazem parte das categorias em greve.

Deixe uma resposta