Folha lança editorial “contra todos”. Pensam que enganam quem?

9
90

decoufle-phillippe-p-cia-dca

Sejamos francos, pois a discussão política não é para crianças. É uma discussão geralmente para adultos. Você realmente levaria a sério alguém que, no Julgamento de Nuremberg, resolvesse lançar uma moção “contra judeus e nazistas”? Ou que, na investigação contra um estupro, saísse dizendo que “tínhamos que investigar o passado da mulher estuprada e do seu estuprador”? É claro que não. Não podemos tolerar pessoas que se fingem de sonsas e usem equivalência moral com o único fito de proteger o que há pior na espécie humana.

Essas táticas de nivelamento moral acontecem quando aquele que o embusteiro defende se torna indefensável. Em seguida, para diluir a culpa do objeto de sua defesa ele propõe “a culpa sobre todos”. Isso é não apenas uma monstruosidade moral, como também chamar seus interlocutores de idiotas. Foi assim que o PT criou uma variação específica do “isentão” dedicada a dizer “nem Dilma, nem Temer”.

A sempre hipócrita Folha teve a cara de pau de usar este frame sujo como título de seu editorial: “Nem Dilma, nem Temer”.

No começo eles até reconhecem que Dilma cometeu crimes de responsabilidade e a crise causada pelo governo. Reconhecem o estelionato eleitoral e a compra de votos, bem como a obstrução de justiça. Mas eis que aqui surgem com o apaziguamento canalha de sempre:

Embora existam motivos para o impedimento, até porque a legislação estabelece farta gama de opções, nenhum deles é irrefutável. Não que faltem indícios de má conduta; falta, até agora, comprovação cabal. Pedaladas fiscais são razão questionável numa cultura orçamentária ainda permissiva. Mesmo desmoralizado, o PT tem respaldo de uma minoria expressiva; o impeachment tenderá a deixar um rastro de ressentimento. Já a renúncia traduziria, num gesto de desapego e realismo, a consciência da mandatária de que condições alheias à sua vontade a impedem de se desincumbir da missão.

Essa avaliação é tudo, menos respaldada por qualquer análise moral decente. A falácia do apelo à consequência não responde a questão que quer saber se é certo ou não que Dilma seja impichada. Ora, “rastro de ressentimento” qualquer família de bandido preso possui. Isso não é motivo para que o bandido fique solto. Ei, Folha, está ficando feio…

Mas o truque da equivalência moral é mais patético:

A mesma consciência deveria ter Michel Temer (PMDB), que tampouco dispõe de suficiente apoio na sociedade. Dada a gravidade excepcional desta crise, seria uma bênção que o poder retornasse logo ao povo a fim de que ele investisse alguém da legitimidade requerida para promover reformas estruturais e tirar o país da estagnação.

O Tribunal Superior Eleitoral julgará as contas da chapa eleita em 2014 e poderá cassá-la. Seja por essa saída, seja pela renúncia dupla, a população seria convocada a participar de nova eleição presidencial, num prazo de 90 dias.

Imprescindível, antes, que a Câmara dos Deputados ou o Supremo Tribunal Federal afaste de vez a nefasta figura de Eduardo Cunha –o próximo na linha de sucessão–, réu naquela corte e que jamais poderia dirigir o Brasil nesse intervalo.

Assusta a quantidade de desonestidade em tão poucas palavras.

Se Temer não possui “suficiente apoio na sociedade”, isso vale para qualquer vice-presidente. Baixa popularidade não é motivo para impeachment. Logo de cara, a comparação da Folha é cretina. Eles querem punir um vice que nunca poderia ter praticado os mesmos de crimes da mesma maneira que se pune uma presidente criminosa que está há seis anos no poder. Isso não faz o menor sentido moral, além de ser violação à lei: quando um presidente sofre impeachment, quem assume é o vice. Se não gostam, tentem mudar a Constituição. Enquanto isso, a Folha é inimiga da Constituição.

Em tempo: foram os eleitores do PT que elegeram Temer, pois a votação não foi apenas para presidente, como para vice. Como eu disse, a Folha chama seus leitores de idiotas.

Em seguida, mudam o tema para o julgamento no TSE. Mas esse é outro assunto e não tem a ver com o impeachment. Assim, de acordo com a lei (coisa que a Folha parece não gostar), Temer tem que ficar no cargo até ser concluído o processo no TSE. Querer impedir Temer de assumir é golpe de estado. Não há como fugir: a Folha é golpista confessa.

É nojento ver o pedido pelo afastamento “imprescindível” e imediato da “figura nefasta de Eduardo Cunha”. Ué, mas por que fecharam o biquinho quanto a Renan Calheiros? Só por que ele é sicário de Dilma? Aqui a Folha se entregou como petista dissimulada que é. Qual a justificativa moral para punir Cunha e livrar Renan? Evidentemente os monstros que escreveram esse editorial não tem uma explicação razoável. Só o esperneio e o chilique imoral.

O golpe da Folha também se vê quando eles dizem que o afastamento de Eduardo de Cunha deve ocorrer por via da Câmara dos Deputados ou do Supremo Tribunal Federal. Isso é mais claro que a neve: a Folha apela a um golpe buscando “qualquer opção à mão” para atacar Eduardo Cunha apenas porque ele não é um sicário do PT.

É muito fácil desmascarar fraudadores intelectuais pela análise de suas intenções em comparação com as fraudes praticadas. O texto imundo da Folha é só isso: uma visão golpista, anticonstitucional, inimiga da lei e hipócrita de um jornal que sempre viveu agraciado com verbas estatais. Quem já apoiou uma ditadura militar no passado hoje apoia uma ditadura bolivariana. A Folha é traidora do Brasil.

Anúncios

9 COMMENTS

  1. A Falha de SP é injustificável. Estão há anos vendendo a propaganda do João Santana como se fossem fatos, através das manipulações do instituto Datafalha. No portal deles, o UOL, a militância é igualmente canalha. As ditas minorias são tratadas como criaturas mágicas, sempre vítimas, enquanto pessoas normais e policiais são sempre culpados por tudo. Eles justificam o assassinato de policiais e endossam funkeiros e rappers que divulgam essa cultura de violência. A esquerda caviar tem poder destrutivo maior que o da esquerda tresloucada dos pstus da vida. A esquerda caviar e seu relativismo canalha parecem inofensivos ou até civilizados para a pessoa leiga ou de boa fé. Aí é que mora o perigo. Quem defende Lula ou Dilma Rousseff é bandido como eles.

  2. Luciano, vi alguns esquerdistas eufóricos com essa notícia:

    Peemedebistas vão contestar rompimento com o Governo:

    http://jornalggn.com.br/noticia/peemedebistas-vao-contestar-%E2%80%9Cgolpe-do-michel%E2%80%9C-por-tereza-cruvinel

    Partes do artigo que me chamaram a atenção:

    “Os membros do Diretório Nacional tiveram subtraído o seu direito de opinar e de votar, o que pode levar à anulação da decisão pelo TSE. Esta seria a derrota completa de Michel Temer…”

    “O PMDB da Câmara está rachado mas o do Senado está unido, com a defecção de Romero Jucá.”

    “Dezenas de cargos ocupados por indicação de Michel, Moreira Franco, Jucá e Eliseu Padilha estão sendo mapeados para serem demitidos.”

    “Já se fala em 200 votos contra o impeachment.”

  3. Luciano, você costuma fazer comparações entre futebol e política. Recomendo que visite sites esportivos e veja como torcedores de outros times hostilizam os corinthianos, agora que surgiu envolvimento do Itaquerão na lava-jato. É assertividade absoluta, bastando trocar “Corinthians” por “PT”. Abraço.

  4. O R. Jefferson matou a charada. O Bandido Cunha ferrou com os bandidos do PT. Se não fosse ele teria havido um acordão logo depois das eleições de 2014 e muita coisa teria passado no Congresso para protegê-los todos. Como os bandidos se dividiram se enfraqueceram. Fernandinho Beira Mar X Marcola se digladiando.

  5. Conheço uma moça que vende assinatura da Folha por telefone. Ela me disse que a quantidade de gente que recusa a assinatura alegando ser a Folha um jornal petista é impressionante. Então, esse editorial infame bem pode ser uma tentativa desastrada de atrair essas pessoas. Vai que cola.

  6. Excelente. Adorei a analogia dos “judeus e nazistas”. É exatamente isso que a Folha está fazendo, aliviando para os bandidos ao colocar todos no mesmo nível. Essas tentativas dissimuladas de inocentar o PT, devem ser urgentemente desmascaradas.

Deixe uma resposta