Marina Silva defende atuação do TSE em favor da convocação de eleições

5
88

brasil-eleicoes-psb-eduardo-campos-marina-silva-20140414-005-size-598

A sempre hipócrita Marina Silva vai lançar a campanha nojenta do seu partidinho de extrema-esquerda, o Rede, dizendo “Nem Dilma, nem Temer”. A justificativa, como não poderia deixar de ser, é afrontosa:

Sem se apresentar como pré-candidata a tal pleito, Marina disse acreditar que este caminho é mais legítimo que o do impeachment da presidente Dilma Rousseff, caso o processo seja aprovado via Legislativo. “Antes de falar de pré-candidatura, temos de devolver à sociedade a possibilidade de votar. Antes disso, ninguém pode se colocar como candidato”, afirmou a ex-ministra durante o lançamento da campanha da Rede Sustentabilidade chamada de ‘Nem Dilma, Nem Temer, Nova Eleição é a Solução’.

Marina Silva, que na eleição de 2014 concorreu à Presidência da República pelo PSB, não cogita a saída da presidente Dilma Rousseff do cargo, com a permanência do vice-presidente Michel Temer.

“Não existe vice-presidente sem que se tenha eleito um presidente. Se a eleição foi com dinheiro da corrupção, a chapa inteira está comprometida”, afirmou.

Segundo a ex-ministra, não se pode fazer “absolutamente nada” em desacordo com a Constituição.

“O que ela (Constituição) assegura é que podemos ter a (possibilidade de) renúncia, o que cumpre com a formalidade, mas não tem a razoabilidade, porque a nossa presidenta parece não entender a magnitude da crise. O processo do impeachment cumpre com a formalidade, mas não alcança a finalidade porque, depois dela, teremos o vice-presidente que, junto com a presidenta, é responsável pela crise que estamos vivendo na política e no caso da Petrobras.”

Para Marina, a melhor via é o TSE, porque, se forem comprovadas as denúncias mostradas pela Lava Jato, o tribunal poderá promover a cassação. “Aí, sim, teremos a formalidade e a finalidade, que é devolver aos 200 milhões de brasileiros a possibilidade de repensar os caminhos da nação.”

Isso sim é golpismo puro. Se Dilma já disse que não renunciará, a mera alternativa marinista é anticonstitucional.

Quem age de acordo com a lei não precisa pedir que seu oponente “renuncie”. Ao contrário, basta aplicar a lei contra ele. Se ela diz “nem Dilma, nem Temer”, então está querendo inventar legislações inexistentes. Inimiga da lei, Marina Silva é uma enroladora.

Ao que parece, Marina abrir a boca é sinônimo de viagens anticonstitucionais e ilegais. Segundo ela, “temos de devolver à sociedade a possibilidade de votar”. Mas pela lei esta possibilidade já está garantida: em 2018. De resto, ela terá que violar a lei, especialmente quando seus “oponentes” (não que Dilma seja oponente de Marina, claro) não querem deixar o cargo pela renúncia.

Ela afirmou: “Antes disso, ninguém pode se colocar como candidato”. De novo, esta é a lei. Ela está chorando por ter que reconhecer como a lei funciona?

A matéria afirma que Marina “não cogita a saída da presidente Dilma Rousseff do cargo, com a permanência do vice-presidente Michel Temer”. Mas é isto que diz a lei: se a presidente sofre impeachment, o vice entra no lugar. Foi assim com Itamar Franco substituindo Fernando Collor.

Para ela: “Não existe vice-presidente sem que se tenha eleito um presidente”. Ela descobriu a pólvora! Porém, não existe impeachment de vice-presidente.

Outra: “Se a eleição foi com dinheiro da corrupção, a chapa inteira está comprometida”. Ué, mas o pedido de impeachment não fala de campanhas eleitorais, mas de pedaladas fiscais. Marina mente sem parar.

Para ela, “o vice-presidente que, junto com a presidenta, é responsável pela crise que estamos vivendo na política e no caso da Petrobras.”

Será que Marina estava sob efeito de substâncias alucinógenas quando disse todos esses absurdos? Em tempo:  o pedido de impeachment fala de pedaladas, não do caso Petrobras e nem da “crise política”. Ela ouviu o galo cantar mas não sabe onde.

O show de horror assim se conclui: “Aí, sim [via TSE], teremos a formalidade e a finalidade, que é devolver aos 200 milhões de brasileiros a possibilidade de repensar os caminhos da nação.”

Não Marina, a finalidade do impeachment é punir Dilma pelo seu crime de pedaladas. O processo do TSE, que deve demorar até 2017 ou 2018, tem outra finalidade: investigar a corrupção de campanha. Não dá para sair trocando um pelo outro. São trâmites diferentes e momentos diferentes.

Enfim, Marina é embusteira e enroladora. Em nome de seus interesses políticos mais mesquinhos, pede o que não está previsto na lei. Mas é por ignorar tanto a lei que o PT se tornou uma ameaça ao Brasil.

Se Marina não dá a mínima para a lei até mesmo antes de chegar ao poder, é sinal de que devemos fugir de sua conversinha feito o diabo da cruz.

Não devemos acreditar em nada dito por Marina. Seu partido é a verdadeira Rede de Mentiras.

Fonte: Marina Silva defende atuação do TSE em favor da convocação de eleições

Anúncios

5 COMMENTS

  1. Dava até pena ver como os eleitores de Marina imploravam por uma declaração sua, nesses meses que permaneceu em silêncio. Agora, ressurge da floresta ou de algum mundo encantado, querendo ditar regras para os que aqui permaneceram, lutando contra o inimigo. Tenha paciência!..

  2. Pelo jeito a Marina acha que basta o TSE convocar eleições presidenciais para este ano e está tudo resolvido!! Dane-se o que determina a Constituição Federal!!!

  3. Não vale um centavo essa Marina. Ela segue a agenda PETISTA de desconstruir Temer para enfraquecer o Impeachment. “Nem Dilma, Nem Temer” é slogan apenas. O discurso é sempre “Temer nem fudendo” todas as vezes. Se acreditasse mesmo que o PMDB é só mais uma parte podre que precisa ser extirpada, deveria celebrar o desembarque deles da base governista, no entanto deu chilique quando isso aconteceu. Igual ao PT.

    O processo que caminha no TSE é do PSDB, o da Rede está parado criando mofo. Marina só pega uma carona para pagar pau de isentona. Procura saber se houve manifestações da Rede para botar PRESSÃO NO TSE com esses processos? Protestos na Rua? Nada. Agora o palhaça vem com um ato que pela cassação não vale nada pois o processo de votação do impeachment é irreversível e o que vai sobrar para a Ex-Ex-PETISTA é espaço na mídia para continuar descendo a madeira em Temer.

  4. “Bláblárina” foi a única coisa correta que aquele criminoso do petista Paulo Henrique Amorim falou em toda sua dispensável vida de MERDA.

Deixe uma resposta