Temer quer evitar ‘terra arrasada’ em comando de bancos públicos

1
95

Mais outra notícia sobre a vingança de Dilma afim de destruir o Brasil:

Interlocutores próximos ao vice-presidente Michel Temer afirmam que, diferentemente do que ocorrerá na cabeça dos ministérios, a transição nos bancos públicos, caso o Senado aprove a abertura do impeachment de Dilma Rousseff, será lenta e não terá caráter de “terra arrasada”.

Embora o vice já tenha anunciado a intenção de promover uma auditoria no BNDES, no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal, ele discute com a equipe um modelo em que os diretores sejam substituídos aos poucos, para não provocar um vácuo de gestão.

A única cuja troca deverá ser imediata, segundo aliados de Temer, é a presidente da CEF, Miriam Belchior, muito associada a Dilma e ao PT. Mesmo Luciano Coutinho, do BNDES, poderia permanecer no início do governo Temer e tem mantido diálogo aberto com alguns dos braços-direitos do vice.

Que fase, que fase…

Por culpa única e exclusiva do ministro do STF Barroso – que inventou um rito maluco de impeachment somente para dar algumas semanas de prazo pós-votação do impeachment, úteis apenas para ela destruir ainda mais a economia -, temos que ficar assistindo um programa podre e imoral de devastação.

Fonte: Temer quer evitar ‘terra arrasada’ em comando de bancos públicos | Radar on-line | VEJA.com

Anúncios

1 COMMENT

  1. Não vamos esquecer que, os Senadores que hoje estão nesta discussão interminável no senado para a instalação do processo de impeachment, se comportaram como vaquinhas de presépio em todas as indicações de ministros do supremo indicados pelos 2 últimos presidentes petistas. O resultado desta desgraça toda recai no cidadão brasileiro que paga para se ferrar, porque não tem a minima informação que pode e deve pedir mudanças onde os seus direitos não são respeitados.

Deixe uma resposta