O mundo fantástico de Ricardo Dex

16
521

__dex

A extrema-direita que adere à intervenção militar – uma outra parte diz não aderir à mesma intervenção militar, mas se diverte quando Bolsonaro elogia os ditadores do passado, o que não deixa de ser revelador – já deveria ter se tornado objeto de pura comédia.

Neste vídeo, vemos o intervencionista Ricardo Dex valendo-se da mesma patacoada intervencionista de sempre: primeiro dizem que “toda a classe política está comprometida” e que “tá tudo dominado” (parece até a música do Furacão 2000).

Como sói acontece nesses casos, o discurso se completa com a alternativa ao “beco sem saída”: a intervenção militar.

Outro momento revelador vem nos instantes finais, onde ele diz “não temos muito a fazer a não ser clamar por uma intervenção civil e torcer para que em seguida dela venha uma intervenção militar’.

Bingo!

Como sempre afirmamos por aqui, o discurso pedindo “intervenção civil” sempre foi uma fachada para disfarçar os desejos de conseguir uma intervenção militar.

Dex ajudou a acabar com esse disfarce.

Essa extrema-direita deve estudada seriamente. Bem como descartada enquanto alternativa política real. Só servem como munição gratuita à extrema-esquerda.

Anúncios

16 COMMENTS

  1. Estamos a um passo de tirar uma corrupta comunista do poder por vias constitucionais com uma clara influência dos movimentos sociais e pacíficos e aparece umas figuras para dizer que agora mais do que nunca estamos fudidos e com uma população 90% dormente. Esses cabeças de bagre merecem o PT por 100 anos no poder comandando uma ditadura de dar inveja ao Stalin na URSS.

  2. “Só servem como munição gratuita à extrema-esquerda.” Idem para o texto acima, que não perde a oportunidade de reafirmar a crença na versão esquerdista da História (a comunidade internacional livre nunca repudiou os governos da ARENA) fazendo coro à esquerda, como se espera de um “liberal” (leia em inglês dos EUA, para melhor definição).

    A pauta intervencionista já está se esfacelando com o “sistema” da 2ª República Velha, mais conhecido como “Nova República”, se livrando de Dilma para retornar o fiel da balança da extrema-esquerda bolivariana para a centro-esquerda PMDB-PSDB, núcleo central do antigo MDB. Para evitar novos players e “desvios”, já estão preparando um golpe parlamentarista para o povo parar de atrapalhar. Um dos idealizadores dessa intervenção civil, que eu até agora não entendi como funciona, é o Olavo de Carvalho, que hoje já nem toca mais nesse assunto e está focado na candidatura de Bolsonaro. O intervencionismo é sobejamente inviável na nossa conjuntura, mas pelo menos o anticomunismo deles serve para retrucar a petralhagem nas redes.

    Os intervencionistas incomodam mais aos liberais/libertários “limpinhos”, que ficam escolhendo aliados com “certificado ideológico menor ou igual do que centro-direita”, do que aos petralhas, que estão mais preocupados em conseguir cargos de Secretários Estaduais para obter foro privilegiado e fugir de Sérgio Moro.

    • Nada a ver dizer que repudiar todas as ditaduras é “aceitar o discurso da extrema-esquerda”. Se for assim, você teria que reconhecer que a extrema-esquerda é contra as ditaduras. Como já disse, podemos repudiar TODAS as ditaduras.

      Mais:

      Os intervencionistas incomodam mais aos liberais/libertários “limpinhos”, que ficam escolhendo aliados com “certificado ideológico menor ou igual do que centro-direita”, do que aos petralhas, que estão mais preocupados em conseguir cargos de Secretários Estaduais para obter foro privilegiado e fugir de Sérgio Moro.

      Desculpe aí, mas isso é a técnica de inventar falsos motivos para os outros, e é um dos motivos pelos quais Olavo de Carvalho está se queimando com alas importantes da direita.

      Os motivos pelos quais se repudia o intervencionismo não tem apenas a ver com o “discurso limpinho”, mas com as TÁTICAS QUE FUNCIONAM. A extrema-esquerda conquistou poder por muito tempo não foi pedindo “revolução armada como em Cuba”, mas com discursos dizendo “queremos democratização da mídia”.

      Ou seja, o discurso olavético é fraudulento, e, por isso, arrumou uma série de rotinas para se defender.

    • Na verdade, não mudei o discurso. Mudei de perspectiva, de acordo com os fatos novos apresentados por uma ala da direita brasileira. Em tese, a extrema-direita deveria ser o mundo sem estado. Mas, no fim das contas, e na prática, essas utopias foram feitas para não serem levadas a sério, apenas gerarem falsas expectativas.

    • Perai, mas o Luciano se equivocou aqui. É claro que a extrema-direita quer o fim do Estado, não no sentido anárquico do termo, mas no sentido revolucionário, que é mais um discurso reacionário, que é o revolucionário às avessas. Se você observar os discursos das olavetes ele é praticamente igual aos dos libertários ancaps e/ou anarquistas. Só mudam as finalidades. No caso os liberais estão agindo mais de acordo com o conservadorismo do que as olavetes.

  3. Perder tempo com intervenção civil é bobagem mesmo. Prefiro logo a militar. E a boiolagem esquerdopata disfarçada de “liberal” que vá para a pqp, de onde nunca deveria ter saído.

  4. Só existe um cenário onde intervenção militar não seria ruim. Só que esse cenário é utópico, e retirado do filme Gladiador: os militares tirariam os tiranos do poder e convocariam novas eleições gerais. De preferência retirando o voto por legenda e a regra de proporcionalidade – assim, não teríamos apenas 73 deputados (de 513) eleitos diretamente pelo povo.

    Só que alguém é realmente inocente a ponto de acreditar que, os militares tomando o poder, vão simplesmente devolver assim? Eles estão, inclusive, impedidos de fazer isso: a regra constitucional diz que esse levante é um atentado contra a pátria – logo, a única forma dos militares “se safarem” (evitar as consequências) seria tomar o poder por completo. E sabemos como termina essa história.

    Adicionalmente, só para ser chato, intervenção militar é qualquer ato que as forças armadas fazem além do normal: “ajudar” em terras estrangeiras, combater o Aedes Egypt, distribuir alimentos em zonas de calamidade… o que esse pessoal pede É GOLPE (pois é PT, ROUBEI MESMO SEU JARGÃO).

  5. Na verdade o Ayan, quando acusa alguém de ser de extrema-direita, está justificando os assassinatos perpetrados pelos dos terroristas. Coisa de tucano…

  6. “Essa extrema-direita deve estudada seriamente. Bem como descartada enquanto alternativa política real. Só servem como munição gratuita à extrema-esquerda.”
    Deixa eu perguntar uma coisa, alias algumas, existe direita no Brasil? Qual a alternativa politica que o senhor nos apresenta como real? Criticar o MBL faz do sujeito em questão munição para a esquerda, Por que? N o final das contas o que os socialistas fabianos do MBL, do PMDB, do PSDB e afins tem de diferente do foro de são paulo e seu populismo?
    Acredito que o senhor é só mais esquerdista disfarçado tentando rotular quem critica os ditos movimentos pro impeachment de “intervencionistas”, seu texto mais parece uma cópia do texto da socialista morena.

  7. Eu acompanha uma ou outra matéria aqui e acha coerente a página. Combatem o comunismo e o marxismo, ao que aparentava, mas falar sobre o Ricardo Dex que sempre foi coerente em todos os vídeos dele e nunca, NUNCA, atacou ninguém com baixarias é no mínimo CRETINICE.
    NEM DIREITA EXISTE NESSE PAÍS DESDE 1986, quem dirá EXTREMA DIREITA, logo só li um texto recheado de ASNEIRAS típicas de ESQUERDISTAS FABIANOS.

    Voce deve ser um daqueles que fala sobre quem vota em Caiado, Bolsonaro, mas apoia os candidatos Fabianos como Bostécio Neves, a melancia Marina, Ciro Fezes etc.

Deixe uma resposta