Marina Silva faz jogo de cena para não ser identificada como linha auxiliar do PT

11
134

Se algum dia surgir um campeonato de sonsos, Marina Silva poderia disputá-lo, com boas chances de ganhar. Aliás, a expressão “se fingir de sonso” é errada, pois o sonso, em síntese, é um palerma fingido. São santos do pau oco. Nesta semana, Marina Silva expeliu novas desculpas esfarrapadas para ser a favor do golpe das “novas eleições”:

Ao ser questionada se a sua insistência na realização de novas eleições não estaria ligada ao fato de ser líder em algumas das pesquisas eleitorais, Marina Silva se defende: “Primeiro quero deixar bem claro que eu defendo novas eleições por convicção, por achar que isso é o melhor para o Brasil, que é o que pode ajudar a criar um caminho nesse deserto, nesse ermo em que a gente está metido. E uma outra coisa é que quando eu comecei a defender a ideia de uma nova eleição, eu nem sequer estava empatada ou à frente nas pesquisas, eu estava em terceiro lugar. E um outro elemento, quando eu comecei a defender a ideia, eu nem sequer podia ser candidata, porque para ser candidato você precisa ter um ano de filiado e eu tinha acabado de me desfiliar do PSB e de me filiar à Rede, depois é que mudaram a lei para que fosse apenas seis meses”. Marina lembra que ação no TSE por essa mudança é do PSDB. Ela ainda reclama que seu partido não tem os mesmos ‘direitos’ de outros partidos relativamente novos, em virtude de mudanças nas legislação.

Talvez ela tenha defendido “novas eleições” no passado (muito recente), mas isso é por que ela sempre foi linha auxiliar do PT. Um exemplo está na recente ação contra Eduardo Cunha, cujo objetivo principal não era afastá-lo, mas usar seu afastamento como pretexto para cancelar o impeachment. O golpe de Marina fracassou: como resultado Cunha foi afastado, o PT perdeu o discurso e ela não conseguiu cancelar o impeachment. Assim, seu partido é a definida Rede de Mentiras.

Em tempo: sempre é bom lembrar que “novas eleições” é golpe e não está previsto na Constituição. Esta é clara ao dizer que o vice assume em caso de impeachment, tal como ocorreu com Itamar Franco substituindo Fernando Collor em 1992. Quem define esta substituição é a lei e não os desejos de bruxas e magos. Qualquer coisa diferente disso é ignorar a lei e a Constituição.

Pedir “novas eleições” é golpe de quem não quer seguir a lei. E exatamente por não seguir a lei é que Dilma e o PT se embretaram na vala da corrupção escancarada e dos diversos crimes, tanto comuns como de responsabilidade. De que adianta Marina Silva ser candidata se já de antemão se coloca como uma inimiga da lei e da Constituição?

Fonte: RedeTV! – Mariana Godoy Entrevista

Anúncios

11 COMMENTS

  1. Afinal de contas, o que uma nova eleição traria de concreto para a situação do país ?
    Legitimidade das urnas ? Conversa fiada… ou os que votaram na Dilma acham que votaram só nela ?
    Governabilidade ? De que forma, se o congresso continuará o mesmo ?

    E eu vejo muita gente apoiando a idéia, como se fosse uma solução milagrosa… desanimador !

    • Realmente Márcia, não faz sentido porque seria um desrespeito a nossa constituição 1988 com amparo nos artigos: 79 e 80 com relacao a sucessao presidencial. Imaginemos que: o vice Temer, presidente da Camara dos Deputados, o do Senado Federal, e o do Supremo Tribunal Federal não tenham as competências para assumir a presidência. Como fica o país? Sendo que o que temos presenciado até agora é briga exclusiva pelo poder e cuidar do próprio umbigo acima dos interesses da população. Saudações em Cristo J’sus.

    • Exatamente Márcia. Parece que a maioria dos brasileiros não aprendem. Como bem dito, o congresso é o mesmo, deputados e senadores serão esta escoria que já esta lá. Sem falar que não existe se quer um candidato razoável. Marina já demostrou ser insegura e atrapalhada tão quanto a atual presidente. Suas ideologias e fundamentações são deveras rasas. O PSDB e PMDB são um bando do mais do mesmo, se for um deles e melhor deixar o Temer mesmo. O Bolsonaro é nosso Trump, só que militar em vez de empresário. As pessoas tem que entender que não existe milagre, e tentar fazer as reformas necessárias agora para ter um cenário melhor em 2 ou 3 anos e colher frutos daqui a 5 a 10 anos.

  2. Marina nunca defendeu de fato novas eleições; apenas agora, quando o caldo entornou para o PT matematicamente falando, é que ela vem de forma mais contundente trabalhando nessa agenda, assim como os PETISTAS também, já que essa se tornou uma das poucas opções para golpistas de plantão.

    Toda a discussão de “Nem Dilma! Nem Temer!” funcionava como a mesma rotulagem PETISTA. Começava tratando Dilma quase que como uma mãe que critica a filha que recebeu uma nota baixa na escola e depois descia o sarrafo em Temer como se o vice-presidente fosse a encarnação do capeta e logicamente responsável pelo governo corrupto e totalitário do PT.

    Textos de autoria da Marina com entradas como essa serão encontradas aos montes pela Internet. “Dilma cometeu crimes mas o PMDB de Michel Temer é o outro lado da moeda e fez isso e aquilo…” e então entrava com uma lista de abominações cometidas por Cunha; com uma série de crimes cometidos por Dilma mas sempre atribuídos a oposição e etc. Simplesmente um roteiro prontinho anti-impeachment que só servia a agenda PETISTA. Vimos a verdade na votação na câmara do deputados.

    O processo da REDE no TSE era mera formalidade; nunca cobrou de fato que isso fosse adiante e o processo hoje está arquivado. O processo de cassação da chapa Dilma – Temer que corre ainda hoje no TSE é do PSDB.

    Tentou bancar a “isentona” mas nem o próprio eleitorado dela acreditou nem a respeitou. Marina Silva é oportunista, golpista e ainda quer carona no trem dos outros.

  3. Essa Marina seria mais do mesmo que aí está, sem contar que viria, em anexo com ela, os petistas que pularam para a Rede perante o iminente naufrágio do Ptitanic. Quando aconteceu a tragédia em Mariana, onde estava essa pseudo-ecologista? Provavelmente escondida, porque se aparecesse poderia complicar mais a amiga Dilma, e o impeachment não seria bom para os seus propósitos eleitoreiros. Enfim, não confio nessa figura tão pitoresca para presidente.

  4. Essa MARINA é mais falsa do que uma nota de $ 500,00. O mimimi dela não levará a lugar nenhum, pensando bem ela é pior do que a Dilma e LULA juntos.

  5. Marina Silva é um perigo para o Brasil.

    Ela não tem versão própria, é dissimulada, e suas especializações em psicologia talvez expliquem essa forma de agir…

  6. E agora, um comprado do PT anula o impeachment. Marina vai ficar caladinha…

    Mas há vantagem na guerra política contra a Marina (aliás, foi o que a derrubou, e não os ataques da Dilma): qualquer questão que cause polêmica com bancadas “religiosas” fazem Marina titubear e não dar resposta (porque não quer firmar posição E agradar a todos), como aborto, casamento gay, entre outros.

    Isso posto, não há o que se questionar da Constituição na linha sucessória. Não dá para pleitear novas eleições até porque a previsão de novas eleições já está normatizada – SE O VICE FOR AFASTADO. Aliás, cabe mencionar que essas eleições são INDIRETAS (ou seja, o povo não vota).

  7. Ninguém menciona que Fábio Vaz, marido de Marina Silva, ocupa atualmente cargo comissionado no governo do PT no Acre. Para a Marina, é ok criticar o PT e o marido ocupar (há vários governos) carguinhos comissionados no clã dos Vianna, lá no Acre…

    Ninguém fala disso, mas fica a informação que deve ser divulgada: o marido da Marina, Fábio Vaz, é governo no PT do Acre.

Deixe uma resposta