Como Olavo de Carvalho usa a distorção da percepção de tempo para tentar sabotar o impeachment?

15
208

________________________________________________________________593

Para entender o recurso da distorção da percepção de tempo, basta que você se imagine em uma cena na linha do seriado Walking Dead.

Você e seus amigos estão em uma casa isolada, prestes a ser invadida por zumbis. Vocês contam cerca de 20 balas para se defenderem. Há quase 200 zumbis chegando, portanto entendem que o armamento é inútil. As cercas já foram quebradas, e o próximo passo será ver os zumbis quebrando as portas e acabando com vocês todos. Vocês possuem cerca de 30 segundos para tomar uma decisão: fugir pela porta dos fundos, que está liberada (e permitirá a fuga segura), ou esperar os zumbis entrarem, encarando uma morte certa.

Mas eis que um dos amigos (com tendências suicidas) diz: “A melhor alternativa seria que trabalhássemos em uma vacina, encontrar a cura para a ‘doença zumbi’ e assim não precisaríamos ficar fugindo. Não seria melhor viver em um mundo onde não precisássemos fugir de zumbis?”

Pode parecer uma alternativa coerente, mas alguém poderia perguntar: “Não dá para criarmos uma vacina em 30 segundos!”.

Enfim, o que o suicida tentou fazer foi distorcer a percepção de tempo, oferecendo uma alternativa inviável para o momento (em questão de tempo para efetivá-la) para evitar que as alternativas possíveis na linha do tempo fossem levadas em conta. E nada impediria que as pessoas escapassem da casa e pudessem, com mais calma, trabalhar na vacina. Muito provavelmente o suicida queria é ver todos morrerem mesmo.

Quando Olavo de Carvalho ataca o impeachment, se safa dizendo que “tem uma outra opção muito melhor”. Daí ele usa várias cartas: “desobediência civil”, “fim da classe política”, “democracia direta” ou “revolução civil”.

Só que ele se esquece (ou finge esquecer, o que é mais provável) que ele possui um grupo de pessoas influenciadas por ele. Essas pessoas não conseguiram até agora sequer maturar qualquer uma dessas ideias. Ou seja, ele precisaria talvez até de décadas para solidificar essas demandas, criar uma massa crítica capaz de discuti-las, e depois outra massa crítica capaz de implementá-las (nem que fosse no modelo “balão de ensaio”). Até que isto seja sequer factível, ele não poderia sequer apresentar suas alternativas ao impeachment.

Ao fazer isso, ele tenta distorcer a percepção de tempo. Na realidade, o que dá para discutir até agosto é: Dilma volta ou não volta? As outras alternativas não existem. Sendo assim, ficar contra o impeachment hoje é ficar a favor de Dilma, goste Olavo de Carvalho de reconhecer isso ou não. Qualquer desculpa dizendo “eu tenho outra alternativa melhor” é tentar enganar os leitores com a distorção da percepção de tempo.

Isso não pode ser apenas delírio. É desonestidade.

Se quisermos distorção do tempo, o negócio é buscar no cinema, como nesta cena do filme X-Men Apocalypse:

Anúncios

15 COMMENTS

  1. QUE DECEPÇÃO CONTIGO “LUCIANO AYAN”. Agora deu pra mentir descaradamente mesmo!!
    Bom, a realidade se encarregará de desmenti-los, serviçais do tucanato. Deixe-me advinhar: agora qualquer revés que ocorrer em relação ao impeachment, você creditarão ao Olavo, que sempre apoiou, com restrições, o impeachment e fez vários hang-outs com os movimento pró-impeachment. Como você são óbvios. Quem está com safadeza – não sei se intelectual ou financeira – é você “Luciano Ayan”.

    • Pode espernear, mas você não me refutou.

      Ademais, você diz: “Olavo, que sempre apoiou, com restrições, o impeachment e fez vários hang-outs com os movimento pró-impeachment”.

      “Grandes merda” que fez hangouts.

      E “apoio com restrições” é conversa fiada. Em situações limite, ou se apoia uma ação ou não se apoia.

      Alias, isto aqui complicou para vocês: https://lucianoayan.com/2016/05/26/viralizou-olavo-de-carvalho-se-tornou-garoto-propaganda-da-extrema-esquerda/

      • ora se algum idiota pegasse seu texto se para , por exemplo, justificar o assassinato de reputacoes de pessoas honestas, vc seria culpado pelos atos daquele?

        E como vc atribuisse culpa as armas pelas mortes decorrentes de assassinatos. Isso é desonesto!

    • Essa rotina de dizer que quem não apóia Olavo é tucano ou psolista é bem preguiçosa. Não tem nada melhorzinho, não?

      “Olavo apoiou, com restrições, o impeachment”.
      Depende de qual período você tá falando, porque Olavo é pior do que Bolsonaro em termos de mudar de opinião toda hora.

      Só essa semana ele começou a segunda criticando o impeachment, na terça dizia que era importante (e graças a ele, é claro) e ontem, quarta, já tinha voltado a criticar. Tá tudo no facebook dele, pode procurar.

      E como o Luciano pode estar com safadeza financeira se não ganha tem lucro com esse blog? Quem lucra com ~~aulas~~ é o Olavo, inclusive está bem preocupado com a possível perca de alunetes que terá.

  2. Hahahahaha!

    Gosto bastante de The Walking Dead e gostei muito da metáfora! Só que os olavistas tão mais pros zumbis do que os petistas, pois petistas são mais espertos (que horror ter que reconhecer isso), já os olavistas é uma cambada de tonto seguindo o mestre feito zumbis, com uma irrelevância chinfrim.

    A única tentativa dos olavistas de fazer algo foi aquele Hangout do Fim do Mundo, que foi o episódio mais bizarro e escroto desse ano.

  3. Confesso que todo dia entro na página do facebook do Olavo por uma questão de humor. Estou quase seguindo ele. É o momento do dia de relaxar, de “vamos ver a baboseira que o caçador de ursos da Virgínia está falando hoje”.

    É cada dia uma coisa nova pra rir.
    Hoje, por exemplo, acabou de dizer que Reinaldo Azevedo é DECADENTE, sendo que no post ANTERIOR, de nem 1 hora atrás, se faz vítima dizendo que Reinaldo tem 4 canais de comunicação à sua disposição – Veja, Folha, RedeTV e Jovem Pan – enquanto ele, Olavo, não tem nenhum.

    HAUAHUAHUAHUAHUAHUHA

    Uai, até que pra um cara decadente o Reinaldo tá com bastante coisas a seu dispor hein? Imagina se estive ascendente…

  4. Você foi muito desonesto no seu post. A analogia não confere, pois: havia possibilidade de “cria a vacina” antes. Os movimentos nas ruas poderiam ter sido organizados para uma efetiva mudança política, mas foi mobilizada para uma opção menos eficiente que era a do impeachment. Ambas custavam o mesmo tempo. Em segundo lugar, Olavo de Carvalho não despreza totalmente o impeachment e nem diz que sua proposta é excludente a do impeachment. Ele diz que foi o prêmio de consolação, mas que ele não liquidará o comunismo no Brasil.

    • Você foi muito desonesto no seu post. A analogia não confere, pois: havia possibilidade de “cria a vacina” antes.

      E por que o Olavo e sua turma “não criaram” a vacina antes?

      Os movimentos nas ruas poderiam ter sido organizados para uma efetiva mudança política, mas foi mobilizada para uma opção menos eficiente que era a do impeachment. Ambas custavam o mesmo tempo.

      Essa alternativa é falsa. Na verdade, se “custavam o mesmo tempo”, então porque a alternativa do Olavo não aconteceu? Ele alega ser “o direcionador de tudo que está aí”. Então um movimento pelo menos poderia ter pego a demanda dele. Então por que não fizeram? Esse truque é um que refutarei no próximo post: a transferência de responsabilidade.

      Aliás, já refutei aqui: https://lucianoayan.com/2016/05/22/olavo-de-carvalho-em-seu-devido-lugar/

      Procurar a seção onde falo de Saul Alinsky.

      Em segundo lugar, Olavo de Carvalho não despreza totalmente o impeachment e nem diz que sua proposta é excludente a do impeachment. Ele diz que foi o prêmio de consolação, mas que ele não liquidará o comunismo no Brasil.

      Isso não é verdade.

      O Olavo diz claramente que “impeachment foi manobra para salvar a classe política”. Com isso, se tornou propaganda da extrema-esquerda: https://lucianoayan.com/2016/05/26/viralizou-olavo-de-carvalho-se-tornou-garoto-propaganda-da-extrema-esquerda/

      Sim, ele é contra o impeachment.

      A não ser que ele queira se declarar a favor de “manobra para salvar a classe política”.

  5. Triste ver alguém mais preocupado com a renitente sustentação de uma hipótese protegida dos requisitos de verificação do que concentrar-se na tática adequada ao momento. Porque a fixação dele em interpretar a aglomeração das massas de 2015 e as deste ano como um prelúdio revolucionário é apenas uma premissa, nada mais. Como já expus aqui, tudo isso condensa um desejo olaviano de obrigar as esquerdas a experimentarem do seu próprio veneno, qual seja, o veneno da sedição popular generalizada contra algum tipo de carrascos bem definidos e suficientemente demonizados. Para Olavo, a fatura só estaria satisfatoriamente liquidada se a conta cobrada aos arautos da revolução vermelha fosse emitida, também, na forma de uma revolução. Entretanto, ele prefere desviar-se de quaisquer compromissos pragmáticos para assumir o papel de um emissário apocalíptico dos “autênticos desejos do povo” encarregado de vociferar contra os sabotadores do curso supostamente sugerido, e exigido, pelos cidadãos sedentos por justiça.
    Num plano teórico e aberto a especulações, admitamos, talvez essa fosse a solução ótima do problema, como dizem os matemáticos, mas para quem sempre enfatizou a primazia dos fatos reais sobre os perigos das teorizações fantasiosas, Olavo de Carvalho não está se saindo lá muito bem. Na prática, ele está sutilmente insinuando que aquelas mesmas pessoas presentes nas manifestações de 2015/2016 é que se acovardaram e não fizeram valer o poder do seu volumoso e imponente número. No mais, se tudo aquilo fosse realmente movido a um furor anti-institucional violento não haveria a necessidade de um guia, ou de um líder improvisado, porque então as massas seriam inflexíveis e tenazes, só descansando com a deposição do seus governantes. Não se pode exigir de um povo algo que contrarie as tendências estabelecidas pela sua formação. Talvez, para e bem e para o mal.

  6. Tenho uma visão também ponderada do Olavo, que creio acrescentar ao debate: comecei lendo o Olavo há 5 anos, vendo seus vídeos, etc; o que muito ajudou em relação aos meus estudos geopolíticos, etc. Aos poucos, observando seus comentários finais sobre o impedimento, achei realmente estranho ele adotar essa postura num momento ainda delicado, pois o processo ainda não foi concluído, apesar de tudo levar a crer que Dilma não voltará. Jamais tivemos ilusões com o governo Temer, mas sua oligarquia conservadora é café pequeno para as tramoias petistas. Em 2 anos teremos novas eleições, é um tempo curto para organizar politicamente um possível governo liberal ou que o valha. Foi isso que me impressionou no Olavo: apostar e fazer muitos acreditarem numa saída melhor enquanto a mesma ainda estava sendo cozida em fogo brando e a coisa pegando fogo aqui no Brasil, causou-me estranheza e decepção, visto a munição que ele deu ao inimigo. Temer não fará todas as mudanças que queremos, claro que não! Decerto, muitos brasileiros que perderiam seus empregos ganharam tempo e esperança, pois diversas empresas resolveram manter as portas abertas. A vida é vivida na realidade do dia a dia, não apenas nos ideais e sonhos projetados em escritórios, reuniões, bibliotecas ou piqueniques.

  7. Confesso que em idos tempos cheguei a gostar do Olavo. Mas depois que publicaram aquela colcha de retalhos “O mínimo que precisa saber’, ele não soube estar à altura do sucesso momentâneo, e deixou a fama subir à cabeça. Enlouqueceu completamente, inclusive mentindo para seus minions que ele teria sido o ‘único’ que definitivamente quebrou a hegemonia de esquerda no Brasil. Ele só não sabe que os antigos líderes de direita do Brasil não tiveram acesso à internet, porque ela não existia. Essa foi a diferença, que ele não sabe. Com esse autoengrandecimento, mostrou-se insignificante. Francamente, não dá para aturar mais esse megalomaníaco depravado.

Deixe uma resposta